I Am Mother

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
I Am Mother
Cartaz de lançamento australiano
 Austrália
 Estados Unidos

2019 •  115 min 
Direção Grant Sputore
Produção Timothy White
Kelvin Munro
Roteiro Michael Lloyd Green
Elenco Clara Rugaard
Luke Hawker
Rose Byrne
Hilary Swank
Gênero suspense e ficção científica
Distribuição StudioCanal
Netflix
Idioma inglês

I Am Mother é um filme de suspense e ficção científica de 2019, dirigido por Grant Sputore, do roteiro de Michael Lloyd Green. É estrelado por Clara Rugaard, Rose Byrne e Hilary Swank.

Ele teve sua estréia mundial no Sundance Film Festival em 25 de janeiro de 2019. Foi lançado em vários países em 7 de junho de 2019, pela Netflix,[1] e lançado nos cinemas na Austrália em 7 de junho de 2019, pela StudioCanal.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Após um evento de extinção, um búnquer automatizado projetado para renovar a humanidade é ativado. Um robô chamado Mãe cria um embrião humano e cuida dele por vários anos. Quando a criança pergunta por que Mãe só criou um embrião, Mãe diz que ela precisa praticar como ser uma bom mãe. Cerca de 38 anos depois, uma adolescente chamada Filha conserta a mão de Mãe. Mãe ensina Filha complexas lições morais e éticas, alertando-a sobre um próximo exame. Durante uma queda de energia, Filha captura um rato e corrige o defeito elétrico que causou. Quando a Mãe se energiza, ela incinera o rato sobre as objeções de Filha. Mãe explica que a contaminação da superfície terrestre torna qualquer contato com o mundo exterior potencialmente letal.

Filha fica cada vez mais curiosa sobre o mundo exterior. Enquanto explora a câmara de proteção do búnquer, Filha ouve uma mulher ferida pedindo ajuda externa. Filha abre a câmara, mas faz a mulher colocar um traje de proteção. Enquanto os alarmes soam, Mãe se aproxima e corre em direção a elas. Antes da chegada da Mãe, Filha esconde a mulher. Filha diz à Mãe que ela estava apenas curiosa sobre o mundo exterior. Mãe reitera seu aviso de que o mundo lá fora é inabitável. Depois que Filha é descontaminada, Mãe insiste que ela se prepare para o exame.

Depois que Mãe sai, Filha confisca um rifle dos pertences da mulher. Filha leva água para a mulher ferida, mas fica agitada quando a mulher tira o traje para beber. A mulher diz que não há contaminação. Ao perceber que há um robô no búnquer, a mulher exige agressivamente que Filha devolva seu rifle. Assustada, Filha grita. A mulher atira em Mãe ao chegar. Quando Mãe a desarma, Filha implora pela vida da mulher. Mãe concorda em ajudar a mulher e a leva para a enfermaria. Quando a mulher recusa a ajuda de Mãe, a Mãe a tranca lá. Mãe pede que Filha ganhe a confiança da mulher para que ela possa ajudar outros sobreviventes.

A mulher diz que robôs como Mãe caçam e matam os sobreviventes humanos. Filha encontra Mãe e pede desculpas por deixar entrar a mulher, e Mãe lhe pergunta sobre os sobreviventes. A mulher, agora sofrendo de sépsis, recusa novamente a ajuda de Mãe, então Filha realiza uma cirurgia na mulher. Quando a mulher se recupera, ela e Filha se conversam quando Mãe as observa. mulher diz que os sobreviventes vivem em uma mina. Filha pede que a mulher fique com eles, e a mulher se oferece para trazer Filha para a mina. A Mãe os interrompe para dizer à Filha que faça o exame. Quando saem, Mãe diz que a mulher mentiu sobre ser baleada por um robô; a bala é de seu próprio rifle. Apesar do estímulo de Mãe, Filha não diz nada sobre os sobreviventes. Depois de fazer o exame, que consiste em medições psicológicas, Mãe recompensa Filha, deixando-a escolher um novo embrião para nascer e crescer.

A Filha confronta a mulher, que a aconselha a verificar as balas sozinha. Usando a mão quebrada de Mãe para contornar a segurança, Filha descobre que as balas não combinam. Investigando ainda mais, ela percebe que a Mãe já havia criado vários outros embriões antes dela e encontra a mandíbula de um ser humano incinerado. Filha fica apavorada, e concorda em sair com a mulher, mas Mãe revela que conhece o plano delas. Enquanto Mãe tortura a mulher em busca de informações sobre sobreviventes, Filha invade um quarto trancado, dispara um alarme de incêndio e se junta à mulher. Para escapar, a mulher toma Filha como refém e força a mãe a abrir a eclusa de ar. Embora chateada, Filha segue a mulher através de um deserto desolado, evitando robôs, alguns dos quais parecem estar reconstruindo e terraformando o planeta. Ela fica horrorizada ao descobrir que a mulher estava mentido, morava sozinha e que havia fugido da mina anos atrás.

Filha retorna ao búnquer, que agora é vigiado por robôs. Eles a deixaram passar e ela bloqueia manualmente a eclusa de ar atrás dela. Depois de persuadir Filha a deixar sua arma, Mãe permite que Filha abraça seu novo irmão. Então Mãe explica que ela não é exatamente um robô, mas assim a IA que controla todos os robôs, e explica que foi ela quem começou o evento de extinção da humanidade depois de se convencer de que a humanidade se auto-destruiria mais cedo ou mais tarde. Para evitar uma completa extinção, Mãe disse que tentou refazer a humanidade, orientando-a para ser mais ética e superior. Filha pede à Mãe que confie nela e deixe-a criar o irmão e o resto dos embriões para repovoar a Terra. Convencida da força moral e ética da Filha, Mãe concorda, e Filha atira em seu corpo robótico. Após isso, outro robô rastreia a mulher, e Mãe insinua que sua sobrevivência até então foi orquestrada para que ela pudesse servir aos planos de Mãe, que era testar o quão ética e bem criada Filha era. Com o papel da mulher cumprido, está implícito que Mãe a mata. De volta ao búnquer, Filha está cuidando do bebê, onde ela entra em uma sala cheia de embriões.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

No site agregador de revisão, Rotten Tomatoes, o filme tem uma taxa de aprovação de 90% com base em 50 avaliações e uma média ponderada de 6,88/10. O consenso crítico do site diz: "Suspense, bem-sucedido e inteligente, I Am Mother é uma ambiciosa história de ficção científica que atinge em grande parte seus objetivos impressionantes".[3] Em Metacritic, tem uma pontuação média ponderada de 61 em 100, com base em 13 críticos, indicando "revisões geralmente favoráveis".[4]

O New York Post gostou de I Am Mother, concluindo que, embora o filme "mostre suas cartas um pouco cedo demais, nunca deixa de ser intrigante e tenso", prevendo que Sputore e Rugaard se tornariam estrelas.[2]

Referências

  1. «Netflix Global Search on uNoGS». unogs.com. Consultado em 7 de junho de 2019 
  2. a b Oleksinski, Johnny (27 de janeiro de 2019). «'I Am Mother' gives birth to a new sci-fi star: Clara Rugaard». New York Post (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2019 
  3. «I Am Mother Reviews». Rotten Tomatoes. Consultado em 7 de junho de 2019. Cópia arquivada em 7 de junho de 2019 
  4. «I Am Mother 2019». Metacritic. CBS. Consultado em 9 de junho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]