I mode

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde maio de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

I-Mode

O i-Mode é um serviço de acesso à Internet desenvolvido pela operadora japonesa NTT DoCoMo e oferecido para a telefonia celular no Japão desde fevereiro de 1999. Com i-Mode, mais de 33 milhões de japoneses (cerca de 25% da população) têm acesso a informações, à Internet, a e-mail e a serviços diversos. A taxa de crescimento chegou a surpreendente marca dos 28.000 novos assinantes por dia. Tamanho resultado desse sucesso é devido a três vertentes: tecnologia da rede, preço e criatividade, além, é claro, das razões culturais e históricas; o Japão foi o primeiro país a implementar um sistema telefônico celular de alta capacidade, em 1979 na cidade de Tóquio, cerca de quatro anos antes da primeira experiência americana, em Chicago. O serviço pode ser acessado de qualquer parte do Japão. As taxas de utilização do serviço são facilmente compreensíveis pelo usuário, pois é cobrado o volume de informação acessado (pacotes de informação), e não o tempo de utilização do serviço.

História

I-mode foi lançado no Japão em 22 de fevereiro de 1999. A equipe de planejamento de conteúdo e design de serviços foi liderado por Mari Matsunaga, enquanto Takeshi Natsuno foi responsável pelo desenvolvimento de negócios. Top executivo Keiichi Enoki supervisionou o desenvolvimento técnico e geral. Poucos meses depois de lançado DoCoMo i-mode em fevereiro de 1999, os concorrentes da DoCoMo lançou serviços móveis de dados muito semelhantes: KDDI lançou EZweb , e J-Phone lançado J-Sky . Em junho de 2006, os serviços móveis de dados i-mode, EZweb, e J-Sky, tiveram mais de 80 milhões de assinantes no Japão.

Descrição

É basicamente um serviço de informação por pacotes. Os engenheiros de DoCoMo idealizaram uma rede de pacotes comutados ao longo da rede digital e celular da empresa. Com este sistema de informação "em pacotes", diferentemente das redes telefônicas de comutação de circuitos, não é necessário que cada usuário receba a informação através de um só canal de rádio, o que significa que um grande número de pessoas pode ter acesso à informação simultaneamente. Além disso, o modelo em pacotes ajuda a reduzir os custos, já que as tarifas baseiam-se no volume de informação enviada e recebida.

• Provedores: Os provedores de conteúdo estão divididos em: Oficiais e Não-oficiais. Atualmente há cerca de 300 provedores Oficiais de conteúdo que proporcionam e-mail e Chat, jogos, horóscopos on-line, calendários e boletins de notícias personalizados. Segundo, um dos sites mais populares entre os jovens japoneses, o Bandai, tem mais de 1 milhão de assinantes, que pagam no mínimo 1 dólar de assinatura mensalmente. Ele é apenas um entre os 22.000 sites com conteúdo exclusivo para o i-Mode. • Servidores i-Mode: Os servidores i-Mode realizam uma divisão da informação em bases de dados adaptadas ao perfil do usuário, o que permite que estes tenham um acesso mais fácil à informação. Estes servidores realizam também o faturamento por volume de informação enviada e recebida. Igualmente, devido ao fato de que os provedores de informação podem "impulsionar" o envio de informação, os servidores i-Mode podem comprovar se este tipo de informação ajusta-se ao tipo de informação à que esteja registrado o usuário, evitando o envio de informação descartável. • Rede de pacotes: Uma mensagem é dividida em pequenas partes conhecidas como pacotes ou "packets". Cada pacote conduz um trecho da mensagem e também informação sobre sua origem, destino e como se ligar aos pacotes vizinhos; se chegarem fora de ordem ao receptor, a mensagem pode ser facilmente e instantaneamente reconstruída. O acesso é feito através de um portal em que os provedores de conteúdo credenciados pela NTT DoCoMo são escolhidos a partir de um menu. Mas já existem mais de 4 mil páginas de outros provedores que são acessadas a partir da digitação do endereço URL no teclado do celular i-Mode. • Conexão permanente: No i-Mode "disca-se" apenas uma vez e a conexão se torna permanente enquanto houver sinal e carga na bateria. O acesso "persistente" é proporcionado pela tecnologia de comutação por pacotes, semelhante à da Web "com fio". A conexão inicial é feita em poucos segundos; sendo estabelecida, está pronta para uma imediata transferência de dados; as "reconexões" subseqüentes serão feitas em milisegundos: daí a sensação de uma conexão "permanente". O sistema utiliza compressão para aumentar o volume de dados transmitidos e o resultado final é o uso eficiente da faixa de freqüência. Apesar de "sempre ligado", o usuário paga (uma tarifa razoavelmente pequena) somente quando envia ou recebe mensagens, ou seja, a cobrança de tarifas é pelo volume de dados e não pelo tempo de conexão. • Velocidade de transmissão: A velocidade de transmissão é de 9,6 kbps (kilobits por segundo). Os críticos e concorrentes acham muito pouco, mas isso não chega a ser empecilho já que tecnologia proporciona uma compressão de dados que aumenta o volume transmitido. E-mails e pequenos gráficos trafegam tranqüilamente nesta velocidade. E os japoneses, sempre muito práticos, estão mais preocupados com o conteúdo das mensagens do que com a sofisticação visual da tela do dispositivo.

Mercado

Enquanto o serviço i-mode foi um serviço excepcional que DoCoMo posicionada como líder global no valor de adicionar serviços, outro fator chave de sucesso para i-mode foi a fabricantes de smartphones japoneses que desenvolveram estado dos aparelhos de arte para apoiar i-mode. Como i-mode foi exportado para o resto do mundo, a Nokia e outros grandes fabricantes de celulares, que controlavam o mercado na época, recusou-se a primeira a apoiar i-mode através do desenvolvimento de aparelhos que suportam o serviço i-mode. Os operadores que decidiram lançar o i-mode teve que contar com fornecedores japoneses que não tinham experiência nos mercados internacionais. Como i-mode mostrou sucesso nesses mercados, alguns fornecedores começaram a personalizar alguns de seus aparelhos para apoiar i-mode, no entanto, o apoio foi apenas parcial e chegou atrasado no tempo. Enquanto o serviço foi bem sucedida durante os primeiros anos após o lançamento, a falta de aparelhos adequados e o surgimento de novos aparelhos de novos fornecedores que apoiaram novos serviços de Internet por um lado, e uma mudança de liderança do i-mode na Docomo, levar a uma número de operadores para migrar ou integrar i-mode para novos serviços de Internet móvel.

Conclusão

No mundo, telefones celulares, ao que parece, estão tranquilamente substituindo computadores de mesa com a posição dos principais dispositivos de acesso à internet. A NTT DoCoMo, a maior provedora de serviços sem fio no Japão, mensalmente conecta mais de 400 000 novos clientes para os serviços de padrão de i-Mode. Grande exemplo do aumento do uso da comunicação sem fio, que fará com que novos dispositivos, aplicações e serviços sejam projetados, sejam eles de finalidade geral ou orientados a um segmento específico.