Iara Rennó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Iana Rennó
Informação geral
Nome completo Iara Espíndola Rennó
Nascimento 1977
Local de nascimento Campinas
Brasil
Origem São Paulo
País Brasil
Período em atividade 1994 -
Afiliação(ões) Alzira E, Carlos Rennó
Página oficial http://iararenno.com
Iara Rennó no evento Cedo e Sentado, na Casa Fora do Eixo, em 2011.

Iara Rennó é uma cantora e compositora brasileira. Nascida em São Paulo, filha dos compositores Carlos Rennó e Alzira Espíndola[1], iniciou a carreira apresentando-se ao lado da mãe, em 1994. Mais tarde, entre 1998 e 2001, integrou a banda de Itamar Assumpção.

Compositora, cantora, instrumentista, produtora musical, performer, atriz, poeta, Iara Rennó completa em 2018 a marca de 101 músicas gravadas e lançadas em álbuns físicos, seus e de terceiros, tendo entre seus intérpretes Elza Soares, Ney Matogrosso, Gaby Amarantos, Jaloo, Ava Rocha, entre outros.

Em 2018 Iara está realizando uma série de atividades relativas `as comemorações de 90 anos do livro Macunaíma – o Herói Sem Nenhum Caráter e 10 anos de seu álbum Macunaíma Ópera Tupi. São shows, aulas-shows e debates em teatros, centros culturais, universidades, festivais, feiras e mostras literárias, além do lançamento digital do álbum. Para saber mais sobre o projeto: http://iararenno.com/macunaimaoperatupi.html

Paralelamente, Iara lança seu quinto disco de carreira solo e primeiro projeto infantil, o álbum Iaiá e os Erês, que está ligado também a um programa de tv (Pratinho da Iaiá, Tv Rá Tim Bum). O disco traz músicas inéditas com parceiros variados, incluindo crianças, filhos de artistas como Ava Rocha, Anelis Assumpção, Curumin, Moreno Veloso, Nina Becker. O álbum tem a produção de Iara Rennó e Lucas Martins, arte gráfica de MZK e sai numa parceria ybmusic/ Tratore. O programa na Tv Rá Tim Bum está na grade de programação desde abril.

Durante o ano de 2017 Iara fez o lançamento do primeiro documentário sobre seu trabalho, Afiando a Flecha, circulou com diferentes formatos de shows pelo Brasil, iniciou o projeto #feminística, estreou no cinema com uma participação no filme ‘A Moça do Calendário’ (de Helena Ignez), gravou pela TV Rá Tim Bum o programa Pratinho da Iaiá (estréia prevista para março de 2018 – seu primeiro trabalho na tv direcionado ao público infantil), e encerrou o ano cantando com Elza Soares – a cantora do milênio e musa de ARCO e FLECHA.

Em junho de 2016 lançou os álbuns gêmeos ARCO e FLECHA (ybmusic/ Selo Circus), com excelente repercussão na mídia e público, sendo o FLECHA produzido em parceria com Curumin. No final de 2013 lançou IARA (Jóia Moderna) com produção de Moreno Veloso e banda formada Ricardo Dias Gomes (banda Cê, de Caetano Veloso, e Do Amor) e Leo Monteiro (Orquestra Imperial e Duplexx). Com Cibelle, Ruben Jacobina e o Do Amor, apresenta o disco de marchinhas autorais A.B.R.A. Pré-Cá (ST2, 2012). Em 2008 foi a vez do grande  Macunaíma Ópera Tupi (selo SESC, 2008), disco temático feito a partir de fragmentos de Macunaíma - o Herói Sem Nenhum Caráter, de Mario de Andrade, que conta com a participação de artistas como Tom Zé, Siba e Barbatuques, entre muitos outros. A produção se transformou no musical Macunaíma no Oficina – Ópera Baile, montada em 2010 no antológico teatro de Zé Celso. Iara Idealizou e realizou o projeto multimídia ORIKI IN CORPORE – Instalação Sonora, exposição de 12 partes somando 400 metros quadrados no Museu Afro Brasil em 2009. Com DonaZica – banda encabeçada por Iara, Andreia Dias e Anelis Assumpção - lançaram os álbuns Composição e Filme Brasileiro, de 2003 e 2005, respectivamente. Em Junho de 2015 Iara Rennó lançou sua primeira aventura literária, o livro de poemas eróti-cômicos Lingua Brasa Carne Flor (Editora Patuá). Ainda em 2015 circulou com o espetáculo DRAMA – interpretando álbum original de Maria Bethânia. Iara iniciou sua carreira cantando com a mãe, Alzira E, além de ter integrado a banda de Itamar Assumpção por três anos como vocalista. De 1998 `a 2002 cursou a Faculdade de Letras da FFLCH, USP SP.

Em 2000, recebeu o prêmio de melhor compositora do Projeto Nascente USP/Editora Abril, pelas músicas Som não cabe em nenhum nome, Leve (parceria com Alice Ruiz) e Pimenta no seu reino (com Anelis Assumpção). Uniu-se então à cantora Andreia Dias para formar a banda DonaZica[2].

Em 2003, ainda no DonaZica, compôs Macunaíma, inspirada no primeiro capítulo do romance homônimo. Era o embrião de um projeto que levou cinco anos para ser concluído: o CD Macunaó.peraí.matupi ou Macunaíma Ópera Tupi. O álbum, baseado na obra de Mário de Andrade, contou com participações de artistas como Tom Zé, Siba, Barbatuques e Arrigo Barnabé[3][4][5].

Participou do álbum de estreia da cantora Tulipa Ruiz (Efêmera, de 2010)[6] e do CD Treme (2012) de Gaby Amarantos[7].

Em 2013 lançou o álbum I A R A e em 2016 os álbuns gêmeos Arco e Flecha.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com a banda DonaZica[editar | editar código-fonte]

  • 2003 - Composição
  • 2005 - Filme brasileiro

Solo[editar | editar código-fonte]

  • 2008 - Macunaíma Ópera Tupi
  • 2013 - I A R A
  • 2016 - Arco
  • 2016 - Flecha

Referências

  1. Iara apresenta projeto de dub com inéditas em SP. Folha.com, 28 de junho de 2011
  2. DonaZica - MPB.net
  3. "Macunaíma" vira música em CD da cantora Iara Rennó. Folha de S.Paulo, 21 de março de 2008
  4. Macunaíma: a inspiração de Iara Rennó. O Estado de S. Paulo, 4 de agosto de 2008
  5. Macunaíma vira ópera. Fantástico - Globo.com, 11 de agosto de 2008
  6. Tulipa Ruiz - Dados artísticos - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira
  7. Gaby Amarantos - Dados artísticos - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira

Ligações externas[editar | editar código-fonte]