Iazamane Alcadim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Iazamane Alcadim
Nacionalidade Califado Abássida
Etnia Árabe
Ocupação General e governador

Iazamane ou Iazmane Alcadim (Yazaman ou Yazman), dito Alcadim (al-Khadim - "o eunuco"), foi o governador militar (uale ou emir) de Tarso em nome do Califado Abássida e o principal líder militar na fronteira islâmica com o Império Bizantino na Cilícia (o al-thughur al-Sha'miya) entre 882 e a sua morte em 891. É celebrado por seus raides navais contra os bizantinos.

História[editar | editar código-fonte]

Iazamane aparece pela primeira vez em setembro/outubro de 882, quando envolveu-se numa disputa entre o governante autônomo do Egito e Síria, Amade ibne Tulune (r. 868–905), e o todo poderoso abássida Almuafaque. Naquele tempo, era um servo (maula) de Alfate ibne Cagã, e foi atacado e preso pelo governador tulúnida nomeado das regiões fronteiriças cilicianas, Calafe de Fergana. Iazamane foi libertado pelos locais, que então revoltaram-se e repeliram o governo tulúnida, nomeando Iazamane como seu líder em vez de retornarem à fidelidade abássida. Amade marchou sobre Tarso, mas os habitantes abriram as comportas e inundaram a planície em torno da cidade, forçando-o a retornar para Damasco sem conseguir nada.[1][2]

Em 883, Iazamane enfrentou um grande exército bizantino enviado contra Tarso, sob o comando do doméstico das escolas Cesta Estipiota. O governador atacou o acampamento bizantino em Babe Calamia (Bab Qalamyah), cerca de 12 km de Tarso, durante a noite de 11 de setembro, pegando os bizantinos de surpresa. Os efetivos bizantinos dispersaram, Estipiota e os estrategos da Anatólia e Capadócia foram mortos, e muito butim foi capturado.[3] Iazamane liderou um grande raide naval logo depois contra a fortaleza de Euripo (Cálcis), compreendendo 30 navios grandes (do tipo chamado cumbário em grego), mas foi repelido com grandes perdas pelo governador do Tema da Hélade, Eniata, com a ajuda de recrutas de outros temas e do fogo grego.[4] O historiador Atabari relata que Iazamane liderou um raide por terra em 886 e um outro, por mar, em 888, durante o qual capturou naus bizantinas.[5]

Apesar das hostilidades anteriores aos tulúnidas, em 890 Iazamane jurou lealdade a eles, que eram então liderados pelo filho de Amade, Chumarauai,[1][6] e Tarso ficou em poder deles até 897, quando foi recuperada pelos abássidas.[4] Iazamane morreu em 23 de outubro de 891, durante outro raide contra contra os territórios bizantinos. Ele estava a fortaleza bizantina de Salandu, quando foi ferido por uma catapulta. Os árabes foram obrigados a levantar cerco e ele morreu no caminho de volta. Suas tropas levaram-o para Tarso, e enterraram-o ali.[7] Ele foi sucedido por Amade ibne Tugane Alujaifi.[1] De acordo com o relato do século X de Almaçudi (Os Campos de Ouro, VIII, 74-75), sua fama era tal que ele estava entre os dez muçulmanos mais ilustres cujos retratos eram mostrados nas igrejas bizantinas em reconhecimento ao seu valor.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Calafe de Fergana
Governador de Tarso
Após 890, ao Reino Tulúnida

Outubro de 882 – outubro de 891
Sucedido por
Amade ibne Tugane Alujaifi

Referências

  1. a b c Stern 1960, p. 219–220 (nota 20).
  2. Fields 1987, p. 81–82.
  3. Fields 1987, p. 143–144.
  4. a b Pryor 2006, p. 62.
  5. Fields 1987, p. 152, 157.
  6. Fields 1987, p. 162.
  7. Fields 1987, p. 175.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Fields, Philip M., ed. (1987). The History of al-Ṭabarī, Volume XXXVII: The ʿAbbāsid Recovery. The War Against the Zanj Ends, A.D. 879–893/A.H. 266–279. Albany, Nova Iorque: State University of New York Press. ISBN 0-88706-053-6 
  • Pryor, John H.; Jeffreys, Elizabeth M. (2006). The Age of the ΔΡΟΜΩΝ: The Byzantine Navy ca. 500–1204 (em inglês). [S.l.]: Brill Academic Publishers. ISBN 978-90-04-15197-0 
  • Stern, S. M. (1960). «The Coins of Thamal and of Other Governors of Tarsus». Journal of the American Oriental Society. 80 (3): 217–225. doi:10.2307/596170