Ida Pfeiffer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ida Pfeiffer.

Ida Laura Pfeiffer (Viena, 14 de outubro de 1797 - Viena, 27 de outubro de 1858) foi uma exploradora e escritora de livros de viagens austríaca.[1]

Até os 45 anos era uma dona-de-casa que sonhava em viajar. Quando conseguiu criar seus filhos, vendeu seu casa e seu piano, e com esse dinheiro começou suas viagens de exploração do mundo. Ao retornar lançou um livro de viagens com as anotações de seu diário, o que lhe rendeu alguma notoriedade. Conforme foi se tornando mais conhecida, obtinhas passagens gratuitas em navios estadunidenses e alemães. Geralmente viajava com pouco dinheiro, dormia e comia na casa de pessoas comuns, fazia anotações sobre as coisas que via, usando como base para posteriores livros de viagem e visitava lugares fora das rotas turísticas tradicionais, algumas vezes explorando regiões perigosas. Foi a primeira mulher a ser aceite como membro honorário nas sociedades geográficas de Berlim e Paris. foi laureada pelo rei da Prússia com uma medalha de ouro por sua contribuição às artes e às ciências.[2]

Primeira viagem ao redor do mundo[editar | editar código-fonte]

Ida Pfeiffer partiu de Viena em maio de 1846, pegando um veleiro em Hamburgo para o Rio de Janeiro, onde desembarcou a 17 de setembro de 1846 após dois meses e meio de viagem. Em fevereiro de 1847 fez o temido percurso marítimo pelas águas tempestuosas ao redor do Cabo Horn até Valparaíso no Chile ("A aparência de Valparaíso é banal e monótona" "As classes inferiores são notadamente feias".[3] Atravessando o Pacífico e fazendo escala no Tahiti ("jamais testemunhei cenas tão vergonhosas de depravação pública"), onde foi recebida pela rainha, ela chegou a Macau, depois a Hong Kong e Cantão ("eles comem cães, gatos, camundongos e ratos, os intestinos das aves, e o sangue de todo animal" "os chineses são inimigos dos banhos e da lavagem" "os chineses são acusados de matar vários de seus recém-nascidos" "talvez não exista nação na face da terra igual aos chineses na diligência e aplicação"). Nesses lugares, a aparição de uma mulher branca foi um evento extraordinário, e ela várias vezes se viu cercada de pessoas curiosas, a ponto de se sentir ameaçada. Passando por Cingapura ("A cidade de Cingapura e seus arredores contêm mais de 20.000 habitantes. As ruas me pareceram amplas e arejadas, mas as casas não são bonitas.") prosseguiu até o Ceilão ("as ruas [de Kandy] são bonitas, largas e limpas; as casas, com apenas um andar, são cercadas de varandas e colunatas"), de lá, após longas excursões, atingiu no final de outubro de 1847 o sul da Índia. As principais paradas de sua viagem pelo subcontinente indiano foram Calcutá, Benares e Bombaim ("Na Índia, sob o chamado 'governo inglês livre', achei uma triste prova de que a posição dos escravos no Brasil é melhor que a dos camponeses livres aqui"). Ela foi recebida nas casas dos indianos ricos e eminentes, participou de uma caça ao tigre, mas também percorreu longas distâncias em carros de boi. Em abril de 1848, prosseguiu viagem para a Mesopotâmia e Pérsia ("Nenhum país do mundo tem mais montanhas e menos rios do que a Pérsia"), visitou Bagdá, acompanhou caravanas através do deserto, viu as ruínas da Babilônia e Nínive e foi ameaçada por ladrões. O cônsul britânico em Tabriz, um conhecedor da região, ficou profundamente impressionado com a ousadia de suas aventuras. Passando pela Armênia, Geórgia, Odessa ("Os russos e os cossacos têm traços rudes e estúpidos, e seu comportamento corresponde completamente ao que sua aparência indica"), Constantinopla e Atenas voltou para casa, chegando em Viena em novembro de 1848, preocupada com os desdobramentos da Revolução de 1848. O registro dessa viagem, Eine Frauenfahrt um die Welt (Viagem de uma mulher ao redor do mundo), foi publicado em Viena em 1850 em três volumes. A tradução inglesa, A Woman's Journey round the World, foi publicada em Londres em 1850.

Nessa viagem Ida Pfeiffer visita o Rio de Janeiro, onde desembarca a 17 de setembro de 1846 após permanecer dois meses e meio a bordo de um veleiro. De todos os viajantes estrangeiros que estiveram no Rio no século XIX, Ida Pfeiffer talvez ofereça a imagem mais negativa da cidade. “Talvez resida nessa atitude crítica e em grande parte depreciativa do país a razão do fato de ser o seu nome e a sua obra menos conhecidos e considerados por estudiosos brasileiros, apesar dos valiosos dados que contém.”[4] Mas embora ache a Praia dos Mineiros (entre o Largo do Paço, atual Praça XV, e o Arsenal da Marinha), onde desembarcou, “suja e repugnante, habitada por umas dúzias de negros igualmente sujos e repugnante”, o Paço Imperial um “edifício grande mas prosaico, como uma casa particular, sem pretensão a gosto ou beleza arquitetônica”, o Largo do Paço, “sujo, servindo à noite de local de dormir para muitos negros pobres e livres, que de manhã fazem ali suas necessidades, sem nenhum pudor, na frente de todos” e o Campo de Sant’Ana “o mais sujo de todos os lugares”, onde viu “corpos de cães e gatos em decomposição” e lavadeiras na fonte “lavando e secando e berrando”, de modo que "uma pessoa se sente feliz de deixar o lugar", Ida reconhece a beleza e imponência do aqueduto, semelhante a uma “obra romana”, admite que “o destino dos escravos não é tão ruim como muitos europeus acreditam” e que “a vida dos escravos no todo é melhor que a dos camponeses russos, poloneses ou egípcios que sequer consideramos escravos”, reconhece que a cidade é “muito bem iluminada” e que é seguro andar nas ruas à noite e surpreende-se com o interior do Teatro da Ópera (o Imperial Teatro de São Pedro de Alcântara, onde fica o atual Teatro João Caetano), com suas “salas amplas e magníficas, um palco grande e profundo, capacidade para mais de 2 mil pessoas e quatro lances de camarotes espaçosos”. Ida descreve a imponência das festas, entre elas a do batizado da princesa imperial e do aniversário do imperador. Passeia nos arredores da cidade – Alto da Boa Vista, Jardim Botânico, Corcovado (onde “se descortinou diante de nossos olhos um panorama semelhante ao qual o mundo tem poucos a oferecer”), Palácio de São Cristóvão – e excursiona até cidades próximas naquela época recém-criadas por colonos europeus como Petrópolis e Nova Friburgo. A caminho de Petrópolis, ela e seu acompanhante escaparam por um triz do ataque de um escravo furioso por ter sido espancado pouco antes pelo dono. Se a urbe carioca em si não a impressionou tanto, Ida reconhece os tesouros "com que a natureza adornou de forma realmente abundante os arredores desta cidade ”.[5] Ao prosseguir viagem até Valparaíso, quando o veleiro fez escala no porto de Santos, Ida aproveitou para subir em lombo de burro até a cidade de São Paulo, então com 22.000 habitantes mas já "um local de grande importância para o comércio interno do país".

Segunda viagem ao redor do mundo[editar | editar código-fonte]

Em 1851 ela foi para a Inglaterra e para a África do Sul, com a intenção de penetrar no interior. Isso se revelou impraticável, mas ela foi para o arquipélago Malaio, passando dezoito meses nas Ilhas da Sonda, onde visitou os Dyaks de Bornéu e foi uma das primeiras pessoas a relatar o comportamento dos Bataks em Sumatra e dos habitantes das Ilhas Molucas. Depois de uma visita à Austrália, Madame Pfeiffer passou para a Califórnia, Oregon, Peru, Equador, Nova Granada e voltou para o norte até os Grandes Lagos, chegando em casa em 1854. Sua narrativa, Meine zweite Weltreise ("Minha segunda viagem ao redor do mundo") , foi publicado em Viena em 1856. A tradução inglesa, Second Journey round the World, foi publicada em Londres em 1857.

Referências

  1. PFEIFFER, Ida Laura. The Last Travels of Ida Pfeiffer (em inglês). Nova Iorque: Harper & Brothers, 1861.
  2. WATT, Helga Schutte. The German Quarterly : Ida Pfeiffer: A Nineteenth-Century Woman Travel Writer (em inglês). Nova Iorque: Wiley-Blackwell, 1991.
  3. Esta e as citações seguintes são de Ida Pfeiffer, Eine Frauenfahrt um die Welt.
  4. Bispo, A.A.(Ed.). “Ida Pfeiffer (1797-1858) no Brasil e no Madagáscar sob o signo dos problemas da Imigração/Colonização e do Colonialismo.Costumes, dança e música como indicadores de processos transculturais”. Revista Brasil-Europa: Correspondência Euro-Brasileira 154/11 (2015:02).http://revista.brasil-europa.eu/154/Ida_Pfeiffer_Brasil_Madagascar.html.
  5. Citações extraídas de Ida Pfeiffer, Eine Frauenfahrt um die Welt. Mais detalhes sobre as impressões de Ida acerca do Rio de Janeiro podem ser obtidos no artigo da Revista Brasil-Europa citado na nota anterior.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ida Pfeiffer