Ida de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ida
Duquesa de Oldemburgo
Princesa de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym
IdaAnBeSchHoOld.jpg
Ida
Consorte Augusto de Oldemburgo
 
Nascimento 10 de março de 1804
Schaumburgo, Alemanha
Morte 31 de março de 1828 (24 anos)
Oldemburgo[desambiguação necessária], Alemanha
Filho(s) Pedro II de Oldemburgo
Pai Vítor II, Príncipe de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym
Mãe Amália de Nassau-Weilburg

Ida de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym (10 de março de 1804 - 31 de março de 1828) foi a segunda esposa do grão-duque Augusto de Oldemburgo.

Família[editar | editar código-fonte]

Adelaide foi a segunda das quatro filhas do príncipe Vítor II, príncipe de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym e da princesa Amália de Nassau-Weilburg. Entre os seus irmãos estava a princesa Hermínia de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym, esposa do arquiduque José da Áustria e a princesa Ema de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym, esposa do príncipe Jorge II, Príncipe de Waldeck e Pyrmont. Os seus avós paternos eram o príncipe Carlos de Anhalt-Bernburg-Schaumburg-Hoym e a princesa Leonor de Solms-Braunfels. Os seus avós maternos eram o príncipe Carlos Cristiano, Príncipe de Nassau-Weilburg e a princesa Carolina de Orange-Nassau.[1]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

No dia 24 de junho de 1825, Ida casou-se com o seu antigo cunhado, o duque Augusto de Oldemburgo, cinco anos depois da morte da sua irmã mais velha, Adelaide. Antes do casamento os dois correspondiam-se com muita regularidade e Ida interessava-se muito pela educação das suas duas sobrinhas, pelo que Augusto achou que ela seria a candidata ideal para sua esposa. Tiveram um filho:

Ida nunca recuperou completamente do parto e viria a morrer menos de um ano depois, no dia 31 de março de 1827. Seis anos depois o seu marido voltou a casar-se, desta vez com a princesa Cecília da Suécia.

Referências

  1. C. Arnold McNaughton, The Book of Kings: A Royal Genealogy, in 3 volumes (London, U.K.: Garnstone Press, 1973), volume 1, page 205.