Ideologia (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ideologia (canção))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ideologia
Álbum de estúdio de Cazuza
Lançamento 1988
Gênero(s) Rock
MPB

blues
Duração 43:26
Formato(s) CD, LP
Gravadora(s) Philips (até 1998) / Universal Music (a partir de 1999)
Produção Cazuza, Nilo Romero, Ezequiel Neves
Cronologia de Cazuza
Só Se For a Dois
(1987)
O Tempo Não Pára
(1988)

Ideologia é o terceiro álbum solo do cantor de rock brasileiro Cazuza, lançado em 1988. É um disco conceitual e é também considerado o seu melhor álbum de estúdio e ganhou o Prêmio Sharp de melhor álbum, no ano de seu lançamento.[1] É considerado um de seus melhores álbuns e nele Cazuza fala sobre sua relação com a AIDS e com a morte.[2] A capa do álbum causou certa polêmica pois misturava suásticas e estrelas de Davi.[3] O disco também se destacou pela canção "Faz parte do meu show", com arranjos de bossa nova tendo acompanhamento orquestral.

A canção de abertura e que dá título ao disco, "Ideologia", foi eleita pela revista Rolling Stone como a 83ª melhor canção brasileira.[4]

Contexto[editar | editar código-fonte]

A AIDS/SIDA (doença da qual sofria desde 1985) volta a se manifestar em outubro de 1987.[2] Cazuza é internado na Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro, para se tratar de uma nova pneumonia. Logo depois, ele foi procurar tratamento nos Estados Unidos. Ao voltar ao Brasil no começo de dezembro de 1987, depois de dois meses de tratamento no New England Hospital de Boston, Cazuza inicia as gravações para um novo disco.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Entre as faixas, destacam-se grandes sucessos do cantor, como "Brasil", "Faz Parte do Meu Show" e "Ideologia", sendo que as duas últimas foram as canções brasileiras mais executadas nas rádios em 1988.[5]

"Ideologia" é a faixa-título do álbum e foi composta pela aclamada parceria de Roberto Frejat e Cazuza. É, junto a "Exagerado" e "O Tempo não Para", uma das músicas de maior sucesso do cantor. "Ideologia" foi uma das primeiras letras escritas por Cazuza após ter descoberto ser soropositivo, o que se mostra no verso "O meu prazer agora é risco de vida".[2]

"Brasil" foi composta por Cazuza em parceria com Nilo Romero e George Israel do Kid Abelha e ganhou o Prêmio Sharp de melhor canção. É considerada uma declaração de amor ao país. No mesmo ano de seu lançamento, a canção foi regravada por Gal Costa numa versão mesclando o samba ao rock. Essa versão foi incluída como tema de abertura da novela Vale Tudo da Rede Globo.[6] Cazuza afirmou que escreveu "Brasil" após uma "inveja criativa" que sentiu ao ouvir "Que País é Este?", da Legião Urbana.[7]

"Faz Parte Do Meu Show" foi composta por Cazuza em parceria com Renato Ladeira e destaca-se na obra de Cazuza por ter um arranjo bossa nova.[8] Ganhou o Troféu Imprensa como melhor música de 1988.[9] Apesar de ser mais lembrada com Cazuza, ela foi originalmente gravada pelo grupo Herva Doce com um arranjo rock e com algumas mudanças na letra.[8]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Ideologia (Frejat/Cazuza)"   4:06
2. "Boas Novas (Cazuza)"   2:54
3. "O Assassinato da Flor (Cazuza)"   2:44
4. "A Orelha de Eurídice (Cazuza)"   1:54
5. "Guerra Civil (Ritchie/Cazuza)"   3:21
6. "Brasil (Cazuza/George Israel/Nilo Romero)"   3:12
7. "Um Trem para as Estrelas (Gilberto Gil/Cazuza)"   3:36
8. "Vida Fácil (Frejat/Cazuza)"   3:45
9. "Blues da Piedade (Frejat/Cazuza)"   4:15
10. "Obrigado (Por Ter Se Mandado) (Zé Luís/Cazuza)"   3:32
11. "Minha Flor, Meu Bebê (Dê/Cazuza)"   3:06
12. "Faz Parte do Meu Show (Renato Ladeira/Cazuza)"   2:56
Duração total:
39:21

Banda[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «2º Prêmio da Música Brasileira». PremiodeMusica.com.br. Consultado em 25 de maio de 2012. Arquivado do original em 25 de agosto de 2011 
  2. a b c Inagaki, Alexandre (11 de março de 2005). «Os 10 Melhores Discos de Música Popular Brasileira». Fala, Brasil!. Consultado em 25 de maio de 2012 
  3. «Discografia comentada de Cazuza». Época. 4 de junho de 2004. Consultado em 25 de maio de 2012 
  4. «As 100 Maiores Músicas Brasileiras - "Ideologia"». Rolling Stone Brasil. primavera. 2009. Consultado em 28 de janeiro de 2019 
  5. «Década de 80 - Músicas Nacionais mais tocadas em cada ano». Consultado em 8 de junho de 2018 
  6. Catania, Fernanda; Colombo, Patrícia (7 de julho de 2010). «20 anos sem Cazuza». Rolling Stone Brasil. Consultado em 28 de janeiro de 2019 
  7. Cleia, Wilma (28 de abril de 2011). «REPORTAGEM: Renato Russo e Cazuza; A Poesia Sobrevive Sempre». Blogger. Consultado em 28 de janeiro de 2019 
  8. a b Schott, Ricardo (8 de junho de 2018). «E o original de Faz Parte do Meu Show não é de Cazuza». Pop Fantasma. Consultado em 28 de janeiro de 2019 
  9. Juma (18 de junho de 2016). «Lista de Ganhadores do Troféu Imprensa desde 1982». Expert Play. Consultado em 28 de janeiro de 2019 


Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Cazuza é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.