Idiota útil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Duas garotas seguram cartazes no protesto anti-guerra de 24 de setembro de 2005 em Washington DC.

Um idiota útil é, no jargão político, um termo depreciativo para uma pessoa percebida como propagandista duma causa sem compreender completamente os objetivos da causa, e que é cinicamente usado pelos líderes da causa.[1][2] O termo foi originalmente usado durante a Guerra Fria para descrever não comunistas considerados suscetíveis à propaganda e manipulação comunista.[1] O termo tem sido frequentemente atribuído a Vladimir Lenin,[3] mas esta atribuição não tem fundamento.[4][5]

Origem[editar | editar código-fonte]

A expressão "idiota útil" tem sido muitas vezes atribuída a Lenin,[3] mas ele não está documentado como nunca tendo usado a frase. Em um artigo de 1987 para o New York Times, o jornalista americano William Safire investigou a origem do termo, observando que um bibliotecário sênior de referência na Biblioteca do Congresso não conseguiu encontrar a frase nas obras de Lenin e concluindo que, na ausência de novas evidências, o termo não poderia ser atribuído a Lenin.[4][5] Da mesma forma, o Oxford English Dictionary ao definir "idiota útil" diz: "A frase não parece refletir nenhuma expressão usada dentro da União Soviética".[1]

O termo apareceu num artigo do New York Times de junho de 1948 sobre política italiana contemporânea, citando o periódico italiano social-democrata centrista L'Umanità.[6][1] L'Umanità escreveu que os social-democratas de esquerda, que tinham entrado numa frente popular com o Partido Comunista Italiano durante as eleições de 1948, teriam a opção de se fundir com os comunistas ou deixar a aliança.[6] O termo foi mais tarde usado em um artigo de 1955 na American Federation of Labor News-Reporter para se referir aos italianos que apoiavam as causas comunistas.[7] A Time usou pela primeira vez a frase em janeiro de 1958, escrevendo que alguns democratas-cristãos italianos consideravam o ativista social Danilo Dolci um "idiota útil" para as causas comunistas. Desde então, o termo tem se repetido nos artigos da revista.[8][9][10][11][12][13]

Um termo semelhante, "inocentes úteis", aparece no livro do economista Ludwig von Mises, Planned Chaos (1947). Von Mises escreveu que o termo foi usado pelos comunistas para liberais, que von Mises descreve como "simpatizantes confusos e mal orientados". O termo "inocentes úteis" também aparece num artigo da Reader's Digest de 1946 intitulado "A trágica lição iugoslava para o mundo", escrito por Bogdan Raditsa, que serviu ao governo iugoslavo no exílio durante a Segunda Guerra Mundial, apoiou os partidários de Josip Broz Tito (embora não o próprio comunista) e serviu brevemente no novo governo iugoslavo de Tito antes de partir para Nova Iorque.[14] "Na língua servo-croata", diz Raditsa, "os comunistas têm uma frase para verdadeiros democratas que consentem em colaborar com eles [em nome da] 'democracia'. É Korisne Budale, ou Inocentes Úteis".[15]

Utilização atual[editar | editar código-fonte]

Em 1959, o congressista Ed Derwinski, de Illinois, entrou num editorial do Chicago Daily Calumet no registro do Congresso, referindo-se aos americanos que viajaram para a União Soviética para promover a paz como "o que Lenin chama de idiotas úteis no jogo comunista".[16] Em 1961, o jornalista americano Frank Gibney escreveu que Lenin tinha cunhado a expressão "idiota útil". Gibney escreveu que a frase era uma boa descrição dos "seguidores comunistas" de Jean-Paul Sartre a socialistas de esquerda no Japão a membros da Frente Popular Chilena.[17] Num discurso em 1965, Spruille Braden, um diplomata americano que esteve estacionado em vários países latino-americanos durante as décadas de 1930 e 1940 e mais tarde foi um lobista da United Fruit Company, disse que o termo foi usado por Stalin para se referir ao que Braden chamou de "incontáveis inocentes embora bem intencionados sentimentalistas ou idealistas" que ajudaram a agenda soviética.[18]

Escrevendo no The New York Times em 1987, William Safire discutiu o uso crescente do termo "idiota útil" contra "qualquer pessoa insuficientemente anticomunista na visão do usuário da expressão", incluindo os congressistas que apoiaram os anti-Contras Sandinistas na Nicarágua e os socialistas neerlandeses.[4] Depois que o presidente Ronald Reagan concluiu as negociações com o líder soviético Mikhail Gorbachev sobre o Tratado das Forças Nucleares Intermédias, o líder político conservador Howard Phillips declarou Reagan um "idiota útil para a propaganda soviética".[5][19]

Com a crise da Crimeia e a guerra na Ucrânia, numerosos exemplos do uso do termo podem ser encontrados nos principais jornais internacionais. Na sua maioria, descreve o contato entre o governo russo sob Putin e várias personalidades internacionais, incluindo Gérard Depardieu, Sepp Blatter, Aléxis Tsípras, Marine Le Pen, David Duchovny, Mickey Rourke e Donald Trump.[20]

Presidente dos EUA Donald Trump[editar | editar código-fonte]

Após a eleição de Donald Trump como presidente dos EUA, o antigo chefe da CIA Michael Hayden o chamou de "idiota útil de Putin".[21] O mesmo termo foi usado pela ex-secretária de Estado norte-americana Madeleine Albright[22] e pelo Washington Post.[23]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Useful idiot». Oxford English Dictionary. Oxford University Press. 2017.
  2. Holder, R. W. (2008), «Useful fool», Oxford Dictionary of Euphemisms, ISBN 978-0199235179, Oxford University Press, p. 394, Tolo útil — um idiota dos comunistas. A frase de Lenin para os pensadores rasos do Ocidente, a quem os comunistas manipularam. Também como idiota útil. 
  3. a b «As socialism shattered Venezuela, the useful idiots applauded - The Boston Globe». BostonGlobe.com (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  4. a b c Safire, William (12 de abril de 1987). «On Language». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  5. a b c Boller, Paul F. (1989). They never said it : a book of fake quotes, misquotes, and misleading attributions. New York: Barnes & Noble. ISBN 1-56619-105-X. OCLC 28550915 
  6. a b Times, Arnold Cortesispecial To the New York (21 de junho de 1948). «COMMUNIST SHIFT IS SEEN IN EUROPE; Tour of Two Italian Leaders Behind Iron Curtain Held to Doom Popular Fronts». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  7. Stogel, Syd (1955). «'Useful Idiots' Keep Italy Reds Strong». American Federation of Labor News-Reporter.
  8. «ITALY: From the Slums». Time (em inglês). 13 de janeiro de 1958. ISSN 0040-781X 
  9. «World: The City as a Battlefield: A Global Concern». Time (em inglês). 2 de novembro de 1970. ISSN 0040-781X 
  10. Jr, Jacob V. Lamar (14 de dezembro de 1987). «An Offer They Can Refuse». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  11. Poniewozik, James (3 de novembro de 2009). «TV Marks Obama Anniversary with Documentaries, Aliens». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  12. Klein, Joe (26 de novembro de 2010). «Israel First, Yet Again». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  13. Steinmetz, Katy (14 de março de 2012). «Wednesday Words: Useful Idiots, Don 'Draping' and More». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 
  14. «Yugoslavia Run by Russia, says Ex-Aide of Tito». Chicago Daily Tribune. 24 de setembro de 1946. p. 6.
  15. Raditsa, Bogdan (1946). Yugoslavia's Tragic Lesson to the World (em inglês). 49. [S.l.]: Reader's Digest Association 
  16. «govinfo | U.S. Government Publishing Office». www.govinfo.gov (em inglês) 105 ed. p. A5653. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  17. Gibney, Frank (1961). The Khrushchev Pattern (em inglês). [S.l.]: Duell, Sloan and Pearce 
  18. Braden, Spruille (1971). Diplomats and demagogues: the memoirs of Spruille Braden (em inglês). [S.l.]: Arlington House Productions. ISBN 978-0-87000-125-3 
  19. Smith, Hedrick (17 de janeiro de 1988). «The Right Against Reagan». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  20. Hayden, Michael (3 de novembro de 2016). «Former CIA chief: Trump is Russia's useful fool». The Washington Post. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2018 
  21. «Former CIA chief calls Trump 'Moscow's useful idiot'». Public Radio International (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  22. Griffiths, Brent. «Albright: Trump fits the mold of Russia's 'useful idiot'». POLITICO (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  23. Rubin, Jennifer (17 de maio de 2017). «Putin has found his perfect 'useful idiots'». The Washington Post. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2017