Ignacy Daszyński

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ignacy Daszyński
Ignacy Daszyński
Primeiro ministro da Polônia
Período 6 - 14 de novembro de 1918
Sucessor(a) Jędrzej Moraczewski
Dados pessoais
Nascimento 26 de outubro de 1866
Zbaraż, Império Austríaco
Morte 31 de outubro de 1936 (70 anos)
Bystra, Polônia
Primeira-dama Maria Paszkowska
Partido Polska Partia Socjalistyczna - PPS
Profissão jornalista e político

Ignacy Ewaryst Daszyński (1866-1936) jornalista e político, foi primeiro-ministro da Polônia entre 6 e 14 de novembro de 1918. Foi o primeiro chefe de governo do país no século XX após a independência.[1][2][3][4][5]

Por um breve período, foi primeiro-ministro do primeiro governo da Segunda República Polonesa, formado em Lublin em 1918.

Em outubro de 1892, ele foi cofundador do Partido Social-democrata Polonês (abreviatura polonesa: PPSD), um precursor do Partido Socialista Polonês (PPS). Em 1897, foi eleito para o Parlamento austríaco e lá permaneceu até 1918.

A partir de 1903 participou em vários congressos e reuniões do Partido Socialista Internacional, defendendo a independência e reunificação de todos os territórios polacos, como parte integrante do programa socialista polaco. Em 1912, ele iniciou uma longa colaboração com o futuro Marechal e Chefe de Estado Józef Pilsudski. Ele foi nomeado editor-chefe do jornal socialista Naprzód (Forward), publicado em Cracóvia.[1][2][3][4][5]

Após a Primeira Guerra Mundial, Daszyński foi co-fundador do Comitê Nacional Polonês e por alguns dias serviu como chefe do Governo Popular Provisório da República da Polônia formado na cidade de Lublin em 7 de novembro de 1918. Em 26 de janeiro de 1919 foi eleito para o Sejm polonês, e foi reeleito em 1922, 1928 e 1930. De julho de 1920 a janeiro de 1921, ele serviu como vice-primeiro-ministro em um governo de unidade nacional liderado pelo político e diplomata Wincenty Witos.

Embora tenha apoiado fortemente Józef Piłsudski durante o golpe de maio de 1926, ele mais tarde se juntou à oposição de centro-esquerda. De 1928 a 1930 ele foi o terceiro marechal do Sejm. Quando Piłsudski entrou na câmara do Sejm, acompanhado por uma escolta militar considerável, Daszyński recusou-se a abrir a sessão do Sejm. Ele encerrou sua carreira política em 1930, quando Piłsudski dissolveu o Sejm.[1][2][3][4][5]

Em suas atividades jornalísticas e undergrounds, ele usou os pseudônimos Daszek , Żegota e Ignis.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Ignacy Daszyński, Pamiętniki (Memórias), vol. I, Cracóvia, 1925, p. 37. (em polonês)
  2. a b c Najdus, Walentyna (1983). Polska Partia Socjalno-Demokratyczna Galicji i Śląska 1890–1919 . Varsóvia. p. 539. (em polonês)
  3. a b c Najdus, Walentyna (1988). Ignacy Daszyński 1866–1936 (em polonês). Varsóvia. ISBN 83-07-01571-5.
  4. a b c Śliwa, Michał (1997). Ignacy Daszyński o państwie, demokracji i parlamentaryzmie (em polonês). Wydawn. p. 13. ISBN 978-83-7059-350-6.
  5. a b c «Towarzystwo Uniwersytetu Robotniczego (1922–1948) str.2 Towarzystwo Wiedzy Powszechnej. (em polonês)» 


Precedido por
-
Primeiro ministro da Polônia
6 - 14 de novembro de 1918
Sucedido por
Jędrzej Moraczewski
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.