Ignacy Krasicki

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ignacy Krasicki
Nascimento 3 de fevereiro de 1735
Morte 14 de março de 1801 (66 anos)
Berlim
Cidadania Polónia
Etnia Polacos
Ocupação jornalista, linguista, poeta, escritor, romancista, tradutor, padre católico, dramaturgo
Prêmios Ordem da Águia Branca, Ordem da Águia Vermelha, Ordem de Santo Estanislau
POL COA Krasicki.svg
Religião Igreja Católica
Ignacy Krasicki.

Ignacy Krasicki (Galícia, 3 de fevereiro de 1735Berlim, 14 de março de 1801) foi um príncipe polonês da Igreja Católica Apostólica Romana, crítico social, escritor e poeta do Iluminismo da Polônia, saudado por seus contemporâneos como "o Príncipe dos Poetas."

O conde Krasicki nasceu em uma empobrecida família nobre em Dubiecko no sul da Polônia. Educado na escola dos jesuítas em Lwów e depois no Seminário Católico em Varsóvia (1751-1754), continuou seus estudos em Roma (1759-1761).

Krasicki inicialmente era contrário à fação política, a "Familia". Porém, depois que a família venceu a "eleição livre" de Stanisław August Poniatowski como Rei da Polônia (1764), Krasicki tornou-se o novo confessor e capelão real. Participou dos famosos "Jantares das Quinta-Feira" de Stanisław August e foi o co-fundador do Monitor, o importante jornal do Iluminismo polonês, patrocinado pelo Rei.

Consagrado Bispo de Vármia em 1766, Krasicki se tornou ao mesmo tempo um senador ex-officio da República das Duas Nações.

Em 1772, como consequência da Primeira Partição, instigado pelo Rei da Prússia, Frederico II ("o Grande"), Krasicki se tornou um súdito prussiano e — enquanto mantinha estritos laços com a Polônia — também íntimo da corte de Frederico. Ele oficiou a inauguração, em 1773, da Catedral de Santa Edviges, que Frederico havia mandado construir para os imigrantes católicos de Brandemburgo e Berlim. Em 1786 o Bispo Krasicki foi designado para a Academia de Artes de Berlim (Akademie der Künste). Sua residência passou a ser o centro de desenvolvimento artístico.

Em 1795, seis anos antes de sua morte, ele foi promovido a Arcebispo de Gniezno e depois Primaz da Polônia.

Após seu falecimento, Krasicki foi sepultado na Catedral de Santa Edviges.

Krasicki escreveu poemas herói-cômicos: Myszeidos (em 1775, uma alegoria à anarquia política), Monachomachia (Guerra dos Monges, 1778, um olhar espirituoso sobre a vida monástica), Antymonachomachia (1779); o primeiro romance polonês, Mikołaja Doświadczyńskiego przypadki (As Aventuras de Nicolau Experiência, 1776, e os romances, Pan Podstoli (Senhor Steward, publicado em três partes, 1778, 1784 e postumamente 1803) e Historia (História, 1779); o épico Wojna chocimska (A Guerra de Chocim, 1780, sobre a Guerra de Khotyn); e numerosas outras obras literárias, educacionais e patrióticas.

Ele é mais conhecido, contudo, por suas "Fábulas e Parábolas" (Bajki i przypowieści, 1779), "Sátiras" (Satyry, 1779) e "Novas Fábulas" (Bajki nowe, publicada postumamente, 1802).

Krasicki foi homenageado pelo Rei da Polônia com a Ordem da Águia Branca e pelo Rei da Prússia com a Ordem da Águia Vermelha.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Michał Poniatowski
Primaz da Polônia
Arcebispo de Gniezno

1795 – 1801
Sucedido por
Ignacy Raczyński