Igreja Adventista da Promessa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Igreja Adventista da Promessa
LogotipoIAP.png
Classificação Protestantismo
Teologia Adventismo Pentecostalismo Neopentecostalismo
Política Congregacionalismo
Líder Pr. Adelmilson Julio Pereira
Área geográfica Argentina, Angola, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, El Salvador, Espanha, França, Guatemala, Índia, Inglaterra, Moçambique, Nigéria, Peru, Portugal, Suíça e Uruguai[1]
Sede Rua Boa Vista, 314, 6º andar – Conj. A/B – Centro – São Paulo, SP
Fundador Pr. João Augusto da Silveira[2]
Origem 24 de janeiro de 1932 (90 anos)
Paulista, PE
Separado de Igreja Adventista do Sétimo Dia
Congregações 1.070[1]
Membros 80.518 [1]
Site oficial promessistas.org

A Igreja Adventista da Promessa é uma denominação cristã pentecostal de fundação brasileira sabatista, restauracionista, trinitariana, arminiana, futurista e mortalista da alma, cismática da Igreja Adventista do Sétimo Dia.[2]

A maior parte da teologia dos promessistas corresponde aos ensinamentos adventistas tradicionais como a Trindade, a infalibilidade bíblica, o batismo por imersão, a ressurreição, ascensão, segunda vinda de Cristo que será visível e não secreta. Também acreditam no estado inconsciente dos mortos e na abstinência dos animais impuros da lei mosaica. Diferente do adventismo, rejeitam a autoridade profética de Ellen White, celebram o ritual de lava-pés na ceia, e são pentecostais.

História[editar | editar código-fonte]

A Igreja Adventista da Promessa foi fundada por João Augusto da Silveira, ex-ancião da Igreja Adventista do Sétimo Dia e membro do Movimento de Reforma Adventista. Silveira, depois de estudar a respeito dos dons espirituais, começou a buscar o batismo no Espírito Santo. A data em que falou em línguas, 24 de janeiro de 1932, é considerada o início da Igreja Adventista da Promessa.[3]

Ainda que a Igreja Adventista do Sétimo Dia não acredite que os dons espirituais tenham cessado, pois são continuístas, opinam que a glossolalia pentecostal não é o mesmo dons de línguas bíblico, que consistia em conseguir pregar na língua de outros povos sem nunca ter aprendido, opinião oposta à defendida por Silveira e outros pentecostais.[4]

A instituição afirma-se como "a primeira igreja pentecostal genuinamente brasileira, uma vez que as outras denominações pentecostais que já existiam no Brasil, nesse período, eram provenientes de outros países".[3] A denominação expandiu-se pelo Brasil, onde estão a maioria de suas congregações e membros,[5] além de templos e missões em outros países, sendo notável seu trabalho social em países africanos.[6]

Apesar de não ser doutrina oficial, a maioria das igrejas da denominação têm adotado práticas neopentecostais, como a obrigatoriedade do dízimo, falar em línguas sem intérprete, o cair no espírito, sapato de fogo, batalhas espirituais, profecias de casamento, dentre outras práticas sincréticas, porém não pregam a teologia da prosperidade. Em oposição à compreensão das igrejas reformadas sobre as ordenanças paulinas, a denominação permite as mulheres terem cargos eclesiásticos e ensinarem nas igrejas, como é comum nas igrejas dessa terceira onda pentecostal.

Sua faixa etária é em maioria de pessoas acima de 35 anos e idosos, seu crescimento é em grande parte vindo de filhos nascidos de membros, possuindo uma baixa retenção, tendo poucas conversões e passando, mais recentemente também, por cismas. Eles adotam também o sistema de células, sobre o nome de "grupos familiares", como ferramenta de evangelização. Eles têm uma postura politicamente neutra, não impõem, nem doutrinam seus membros politicamente.

Crenças[editar | editar código-fonte]

A Igreja Adventista da Promessa oficialmente segue uma teologia em sua maior parte igual às demais denominações evangélicas do Brasil, aproximando-se do Arminianismo, Adventismo e Pentecostalismo. Seu credo é exemplificado nos seguintes pontos:[7]

  1. A inerrância da Bíblia Sagrada;
  2. A triunidade divina;
  3. A criação do mundo;
  4. Origem, queda e restauração do ser humano;
  5. Jesus Cristo: salvador e mediador da humanidade;
  6. Regeneração e conversão;
  7. Justificação e adoção;
  8. Santificação e perseverança;
  9. O batismo no Espírito Santo;
  10. Os dons espirituais;
  11. Evangelização e discipulado;
  12. Ordenanças instituídas por Cristo: batismo por imersão; lava-pés; ceia do Senhor;
  13. Abstinência alimentar dos animais impuros;
  14. A oração e sua eficácia;
  15. A cura divina;
  16. A lei dos dez mandamentos e sua vigência;
  17. O verdadeiro dia de descanso;
  18. A distinção das leis;
  19. A salvação pela guarda da Lei;
  20. A possibilidade da perda da salvação;
  21. A manutenção da obra: dízimos e ofertas;
  22. Submissão às autoridades e liberdade de consciência;
  23. A mortalidade da alma;
  24. A doutrina do livre-arbítrio;
  25. Os dias da crucificação e da ressurreição de Jesus;
  26. A segunda vinda de Cristo;
  27. As ressurreições dos mortos;
  28. O milênio;
  29. O juízo final;
  30. A origem e a extinção da maldade;
  31. A nova terra, o lar dos remidos.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A Assembléia Geral da Convenção Geral é o órgão máximo da Convenção Geral das Igrejas Adventista da Promessa.[8] Sua Junta Geral Deliberativa é composta pela Diretoria Geral, Diretores de Ministério, Diretor do Conselho de Educação, Diretor da Junta de Missões, Diretor da Associação de Ensino Teológico e os Diretores das Convenções Regionais.[9]

Outros órgãos da Convenção Geral são a Câmara Teológica; Câmara Disciplinar; Câmara Recursal; Câmara de Conciliação; Comissão de Administração e Finanças; Comissão Teológica; além de comissões temporárias, como a Eleitoral.[10] Mantém o CETAP – Centro de Estudos Teológicos Adventista da Promessa, fundado em 1994 como Faculdade de Teologia Adventista da Promessa;[11] o CTL – Capacitação e Treinamento de Lideranças, plataforma de ensino à distância;[12] e a Editora Promessa, registrada em 1961 como Gráfica e Editora A Voz do Cenáculo Ltda.[13]

A atual Diretoria Geral da IAP é formada por:[14]

  • Pr. Adelmilson Julio Pereira - Presidente;
  • Pr. Eleilton William de Souza Freitas - Vice-presidente;
  • Pr. Genésio Mendes Júnior - Secretário;
  • Pr. Irgledson Irvison Galvão - Diretor financeiro;
  • Pr. Hermes Pereira de Brito - Diretor jurídico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Nossos números». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  2. a b «Os promessistas na trilha do avivamento». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  3. a b «Conheça-nos». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  4. «O Dom De Línguas Bíblico». Adventistas.org. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  5. «Igrejas». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  6. «Quem somos». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  7. «No que cremos». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  8. «Assembleia Geral». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  9. «Junta Geral Deliberativa». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  10. «Câmaras e Comissões». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  11. «História – CETAP». CETAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  12. «CTL». CTL IAP (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2020 
  13. «Sobre – Editora Promessa». Webcache. Consultado em 4 de setembro de 2020. Arquivado do original em 21 de agosto de 2020 
  14. «Diretoria da Convenção Geral». Portal IAP. Consultado em 4 de setembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]