Igreja Católica Bizantina Russa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Igreja Católica Bizantina Russa, ou também denominada Igreja Greco-Católica Russa, ou também simplesmente denominada Igreja Católica Russa (russo: Российская католическая церковь), é uma Igreja particular oriental sui iuris em comunhão com a Igreja Católica Romana. Isto quer dizer que ela, nunca abandonando as suas veneráveis tradições e ritos litúrgicos orientais, aceita a autoridade e primazia do Papa. Unida formal e oficialmente à Santa Sé em 1905, esta Igreja foi fruto de uma cisão ocorrida na Igreja Ortodoxa Russa.

O seu rito litúrgico é de tradição bizantina e utiliza o eslavo eclesiástico como língua litúrgica (muito embora a língua russa também já seja usada, nomeadamente na diáspora russa). Em 2006, os católicos russos ainda não têm os seus próprios hierarcas, por isso as suas poucas paróquias são servidas por sacerdotes de outras Igrejas orientais bizantinas católicas, por antigos sacerdotes ortodoxos e ainda por sacerdotes católicos latinos com faculdades birituais (muitos deles são jesuítas).

Existem paróquias e comunidades religiosas católicas russas em Moscou, São Petersburgo, São Francisco, Nova Iorque, Recife, Melbourne, Buenos Aires, Dublin, Meudon, Paris, Lyon, Berlim, Munique, Roma, Milão e Singapura.

A simples existência da Igreja Católica Bizantina Russa não significa que a Rússia não tenha católicos de rito latino. Aliás, os católicos latinos constituem a maioria dos poucos católicos existentes na Rússia.

História[editar | editar código-fonte]

A fundação da Igreja Católica Bizantina Russa deveu-se muito à inspiração do poeta e filósofo russo Sergeyevich Vladimir Solovyov (1853-1900), que, baseando-se em Dante, exortou que, tal como o mundo precisa do Czar como monarca universal, a Igreja necessita do Papa como o supremo hierarca eclesial universal. Seguindo os pensamentos de Solovyov, um sacerdote ortodoxo russo, Nicholas Tolstoy, entrou em plena comunhão com a Sé de Roma.

A Igreja Católica Russa uniu-se assim formalmente à Igreja Católica Romana em 1905. Antes da queda da Monarquia (1917), os católicos russos sofriam graves perseguições e discriminações por parte da polícia e da Okhrana, apesar do Czar Nicolau II ter relaxado um pouco este clima hostil. Em 1917, o primeiro exarcado apostólico para os católicos russos foi criado, com a nomeação do Reverendo Leonid Feodorov, um ex-seminarista ortodoxo russo, para o cargo de exarca apostólico. Porém, os bolcheviques da Revolução de Outubro (1917) perseguiram logo os católicos russos, aprisionando muitos deles nos campos de concentração localizados na Sibéria ou forçando-os a emigrarem para os países ocidentais. Na Primavera de 1923, até o exarca Leonid Feodorov foi acusado de contra-revolução por Nikolai Krylenko e condenado a dez anos no campo de concentração soviético em Solovki. Ele foi beatificado em 2001 pelo Papa João Paulo II. Em 1928, um segundo exarcado apostólico foi criado para os greco-católicos russos na China, com base em Harbin.

Após o colapso da União Soviética, alguns católicos russos começaram cautelosamente a aparecer em público. Em 2005, existiam três padres católicos a celebrar publicamente a Divina Liturgia (forma litúrgica do rito bizantino) na Rússia. Mas, mesmo assim, em 2006, os seus dois exarcados apostólicos (na Rússia e na China) ainda não têm prelados que os governem. Por isso, todos os católicos russos que vivem na Rússia permanecem ainda hoje sob a jurisdição do bispo latino.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fonte[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.