Igreja Católica em Jersey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
IgrejaCatólicaEmblem of the Papacy SE.svg
Flag of Jersey.svg
Jersey
Igreja de São Tomé, em Saint Helier, Jersey
Ano 2015[1]
Santo padroeiro Santo Helier[2]
Cristãos ≅52.000
Católicos ≅22.500
População 100.080
Presidente da Conferência dos Bispos Católicos Vincent Nichols
Núncio apostólico Edward Joseph Adams

A Igreja Católica em Jersey é parte da Igreja Católica universal, em comunhão com a liderança espiritual do Papa, em Roma, e da Santa Sé.

História[editar | editar código-fonte]

Conversão[editar | editar código-fonte]

Igreja de Nossa Senhora da Anunciação
O eremitério de Santo Helier fica na baía de Saint Helier, em Jersey, e é acessível a pé na maré baixa.

Em algum momento entre 535 e 545, Helier, que se tornaria o padroeiro de Jersey, foi para a ilha e trouxe o evangelho, e por isso ele é reverenciado.[3]

Reforma[editar | editar código-fonte]

A ilha de Jersey permaneceu parte do Ducado da Normandia até 1204, quando o rei Filipe II da França conquistou o ducado do rei João da Inglaterra. As ilhas permaneceram em posse pessoal do rei e foram descritas como sendo um "Peculiar da Coroa". No entanto, ao longo da Idade Média, a Igreja Católica não se preocupou com mudanças excessivamente políticas e a ilha continuou a fazer parte da Diocese de Coutances – ligada à Normandia. Havia relutância em ficar sob o controle da igreja inglesa porque tinha muitos laços com a Normandia: sua língua, que era muito parecida com a dos normandos, ligações comerciais, lei costumeira normanda, e parentesco entre as famílias na Normandia.

Para marcar o milênio em 2000, uma cruz foi erguida em cada uma das 12 paróquias para substituir as cruzes à beira do caminho que caíram sujeitas à iconoclastia do século XVI. Aqui, a cruz do milênio de Saint Helier traz a inscrição Jèrriais À la glouaithe dé Dgieu (Para a glória de Deus).

A ilha abraçou o calvinismo francês do protestantismo durante a Reforma Protestante e ordens foram recebidas para remover todos os sinais do catolicismo em 1547 com o Ato de Dissolução das Faculdades e Chantres, que havia sido aplicado a Jersey na Lei de Uniformidade de 1549:[4] numerosas cruzes à beira do caminho foram destruídas juntamente com estátuas religiosas e outros símbolos. Em 1550, uma Comissão Real visitou a ilha para vender propriedades da igreja em benefício da coroa; em 1551, Sir Hugh Pawlet, membro da Comissão, foi nomeado Governador da ilha e, por isso, voltou com uma Comissão Real dirigida a si mesmo para continuar a tarefa.[5] A ilha permaneceu sob jurisdição da Diocese de Coutances até 1569.

Ondas de imigração católica no século XIX[editar | editar código-fonte]

Na década de 1790, durante a Revolução Francesa, católicos franceses se refugiaram em Jersey, autorizados a realizar serviços, mas não a converterem-se.

Nas décadas de 1830 e 1840, a comunidade católica da ilha conhecia o crescimento com o influxo de trabalhadores irlandeses que vinham trabalhar em grandes projetos de construção, como o novo porto.

No final do século XIX, as ordens de ensino e enfermarias católicas – Irmãos das Escolas Cristãs, jesuítas e Irmãzinhas dos Pobres – se estabeleceram em Jersey. Em 1894, os jesuítas compraram uma propriedade chamada Highlands, que mais tarde se tornou o Highlands College. Em 1917, os Irmãos das Escolas Cristãs fundaram o Colégio De La Salle.

Ocupação de Jersey[editar | editar código-fonte]

Durante a ocupação alemã das Ilhas do Canal, os alemães trouxeram um padre da Normandia que alegadamente tinha simpatias com o Regime Vichy.[6]

Atualmente[editar | editar código-fonte]

A torre da Igreja de São Tomé é proeminente no horizonte de Saint Helier.

Atualmente, Jersey está sob o controle da Diocese de Portsmouth.

Há oito igrejas católicas na ilha.[7] No entanto, há hoje falta de padres e colaboradores da Igreja Católica, e por isso ocorreu o fechamento de duas capelas.[8] e a venda de algumas igrejas.[9][10]

As minorias da fé católica em Jersey não são desprezíveis, já que a missa em certas igrejas (como a de São Tomé) é realizada regularmente em português e polonês, e ocasionalmente hoje em francês. De fato, 6% da população de Jersey são de portugueses (especialmente madeirenses, tendo chegado à ilha para trabalhar na indústria hoteleira e de restauração)[11] e entre os 6% dos europeus que é uma grande comunidades de irlandeses, e considerável comunidade de poloneses.[12]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]