Igreja Católica no Chipre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
IgrejaCatólicaEmblem of the Papacy SE.svg
Flag of Cyprus.svg
Chipre
Catedral maronita de Nossa Senhora das Graças, em Nicósia
Santo padroeiro São Barnabé
Ano 2010
População total 794.000
Católicos 25.000
Paróquias 13
Presbíteros 12
Seminaristas 1
Religiosos 36
Religiosas 42
Núncio apostólico Leopoldo Girelli
Códice CP

A Igreja Católica no Chipre faz parte da Igreja Católica Universal, sob a liderança espiritual do Papa e da Santa Sé.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A maioria dos fiéis católicos são cipriotas maronitas – sob a liderança de Joseph Soueif, arquieparca maronita do Chipre – e do patriarca latino de Jerusalém, com um vigário patriarcal geral. A Igreja Católica de rito latina do Chipre tem quatro paróquias:

  • Igreja da Santa Cruz, em Nicósia, que também mantém uma missão na cidade de Cirênia, localizada nos territórios controlados pela Turquia – chamda Igreja de Santa Isabel
  • Igreja de Santa Catarina, em Limassol
  • Igreja de Nossa Senhora das Graças, em Larnaca
  • Igreja de São Paulo, em Pafos
  • Nas áreas da Base Soberana Britânica existe também presença católica de capelães que servem pessoal militar britânico, funcionários e dependentes na base soberana da ilha desde 1960. Existem capelas católicas permanentes onde são celebradas missas em inglês.

Organização territorial[editar | editar código-fonte]

A Igreja Católica está presente na ilha com comunidades pertencentes a dois ritos litúrgicos:

Locais sagrados do Chipre[editar | editar código-fonte]

Igreja católica de Crisopolitissa, em Pafos

Muitos dos locais religiosos do Chipre são fundações bizantinas, construídas antes do Cisma do Oriente, entre Roma e Constantinopla no século XI. A arquitetura e a iconografia revelam profunda influência nas tradições de construção eclesial ainda em uso nos tempos modernos, também presentes na Igreja Ortodoxa de Chipre. Na Idade Média, o Chipre foi governado por uma aristocracia franca, a Dinastia Lusignan. Eles preferiram o estilo gótico ao estabelecer catedrais e mosteiros. O antigo claustro agostiniano católico, hoje chamado Abadia de Bellepais, em Cirênia foi transferido para as autoridades da Igreja Ortodoxa. Quando os otomanos tomaram o país, no século XVI, outras igrejas foram convertidas em mesquitas, como as atuais mesquitas Lala Mustafa Pasha e Selimiye.

Liberdade religiosa no Chipre[editar | editar código-fonte]

A Associação Católica de Bem-Estar do Oriente Próximo (CNEWA) relata que a colaboração ecumênica detém a promessa da liberdade religiosa no território turco ocupado do norte desta ilha dividida. Por exemplo, em 1994 ocorreu a celebração de uma missa no mosteiro de Santo André, na Península de Karpas, a primeira em 20 anos.

Nunciatura Apostólica[editar | editar código-fonte]

Em 11 de fevereiro de 1948, com o breve apostólico Supremi Pastoris, o Papa Pio XII erigiu a Delegação Apostólica da Palestina, Transjordânia e Chipre. A nunciatura apostólica do país foi estabelecida em 13 de fevereiro de 1973 com o breve apostólico Id semper fuit, do Papa Paulo VI.

Fontes[editar | editar código-fonte]