Igreja Ortodoxa Chinesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilustração dos mártires chineses

A Igresia Ortodoxa Chinesa foi uma igreja ortodoxa autónoma na China, a qual, antes da Revolução Cultural chinesa de 1966, estimando-se que tinha vinte mil membros. Hoje em dia, o cristianismo ortodoxo é praticado principalmente pela minoria russa na China.

Antiga igreja ortodoxa em Wuhan

Os misionários russos e siberianos chegaram à China em 1685. Nesse ano, o Imperador Kangxi instalou 31 habitantes do forte capturado de Albazino no rio Amur.

A primeira missão foi estabelecida em 1715 em Pequim pelo Arquimandrita ortodoxo Hilário. A missão foi registada no Tratado de Kyakhta de 1727.[1] Sob pressão de Sava Vladislavich, o governo chinês concedeu aos russos o direito de construir uma capela ortodoxa na embaixada russa em Pequim. A missão publicou quatro volumes de pesquisa em estudos chineses.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Russian-Chinese Treaty of Kyakhta signed, em inglês, acesso em 1 de março de 2015.
Ícone de esboço Este artigo sobre o cristianismo ortodoxo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.