Igreja Remanescente Dualista dos Primogênitos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde dezembro de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

A Igreja Remanescente Dualista dos Primogênitos é uma igreja brasileira fundada em 1952, na cidade de São José do Rio Preto. Seus fundadores são José Leitão Duarte Filho e Antonio Garcia Heredia, que eram ministros atuantes na Igreja Adventista da Promessa, analisando os textos presentes em Mateus 28:19[1] e Atos 2:38,[2] chegaram à conclusão de que o batismo apostólico, difundido por Jesus e seus apóstolos, era realizado em nome de Jesus Cristo para perdão e remissão de pecados.

Esse acontecimento foi o determinante para o surgimento da "UNIVERSAL ASSEMBLÉIA REMANESCENTE DOS PRIMOGÊNITOS" - Hebreus 12:23.[3]

Doutrina básica[editar | editar código-fonte]

A instituição tem como repertório doutrinário muitos outros pontos além do batismo em nome de Jesus.

Além disso, a Igreja tem, em suas comemorações, Festas Santas estabelecidas por Deus, na Velha Aliança, mas que eram figuração de Jesus Cristo, na Nova Aliança. O Antigo testamento é uma sombra do Novo Testamento, no que se refere ao tratamento de Deus com o seu povo, à vinda do Messias e à aliança estabelecida entre Deus e o homem.

Enfim, são alguns dos pontos doutrinários básicos:

Batismo em nome de Jesus Cristo[editar | editar código-fonte]

A Instituição crê no batismo em nome de Jesus Cristo para perdão de pecados. Isto porque se entende que o homem, no pecado, está morto diante de Deus (Lucas 24:46,47).[4] Para alcançar a salvação esiritual, ele precisa aceitar a Jesus Cristo, arrepender-se dos seus pecados, nascendo novamente pelo batismo nas águas, tido como a primeira ressurreição dos mortos.

O batismo de arrependimento para perdão de pecados é feito por imersão em água corrente; foi ordenado por Deus a João Batista, efetuado somente em nome de Jesus Cristo, sendo o princípio do evangelho (Marcos 4:1-4;[5] João 1:6,33-34[6]). O batismo em Nome de Jesus também foi confirmado por Cristo, depois de ressuscitado, para todas as nações em diversas oportunidades, conforme demonstram inúmeras passagens bíblicas.[7]

Nesta fé, portanto, rechaça-se o batismo em nome da Trindade, pois se entende que a ordem de Mateus 28:19 foi introduzida a posteriori nas Sagradas Escrituras. Isto porque de outras passagens bíblicas, foi possível depreender-se que Deus colocou a primazia do nome de Cristo no batismo e também sobre todas as coisas, enquanto que a ordem contida em Mateus 28:19, em contrariedade a isso, coloca o nome de Jesus Cristo em segundo lugar.

Historicamente, é possível concluir que os apóstolos sempre batizaram em nome de Jesus e que o batismo trinitário foi introduzido nas Escrituras e instituído como prática corrente pelos Sacerdotes da Igreja Romana.[8]

Ver artigo principal: Concílio de Cartago

No Compêndio da História da Igreja, de autoria de Frei Dagoberto Romag, encontra-se referência à que a ordem do batismo escrita em Mateus 28:19 (trinitário) saiu da Pena de Tertuliano no ano 197. Tertuliano era natural de Cartago, filiado à doutrina da trindade de Montano. Escreveu o primeiro catecismo sobre o batismo da trindade, e instituiu o sinal da cruz, chamando-os de “A fé de Irineu e Tertuliano”.[9] Após sua morte no ano de 222/225, este dogma foi introduzido no ano 255, no primeiro sinódio dirigido por Cipriano. Na História teológica, Tertuliano foi chamado de autor do batismo da idolatria.[10]

O bispo de Roma, Estevão I, não aceitou esse batismo como nova doutrina na Igreja de Cartago, mas não o eliminou. Sisto II aceitou a comunhão com a Igreja de Cartago, e em 313 em um outro sinódio confirmou a ordem do batismo em Nome do Pai Filho e Espírito Santo, contrária aos donatistas que batizavam em nome de Jesus Cristo.

Em 325, foi realizado o primeiro concílio em Niceia, para confirmar a trindade e o batismo em seu nome. Esse concílio foi presidido por Constantino, o bispo Silvestre, Hósio de Córdoba e Atanásio.[11]

Enfim, a Instituição crê que pelo batismo em nome de Jesus Cristo ocorre um novo nascimento e ressurreição em Cristo, para uma nova vida em seu Reino,[12] o que teria o poder de tornar o homem filho de Deus e membro de Sua igreja.[13]

Os dons do Espírito Santo (características pentecostais)[editar | editar código-fonte]

A Igreja em questão crê no batismo com o Espírito Santo, distinto do batismo nas águas e dos dons naturais, recebido pela fé, oração ou imposição de mãos, com sinais e muitos dons, com diversidade de ministérios, tais como: o dom da sabedoria, ciência, fé, cura, milagres, profecias, discernimento de espírito, variedade de línguas e sua interpretação.

Entende-se, todavia, que tudo é realizado sob a atuação e condução de um único e mesmo espírito a um fim comum: “o aperfeiçoamento”.[14]

Esses dons, que podem ser recebidos antes ou depois do batismo das águas, são entendidos como selo da confirmação da promessa divina, que um dia foi feita por Cristo Jesus.[15]

Divindade Deus - Jesus, como pessoas distintas[editar | editar código-fonte]

A denominação crê ainda em um só Deus como ser pessoal, invisível e sempre eterno, sendo o único a possuir a imortalidade em si mesmo.[16]

Crê-se que Jeová estava só antes da fundação do mundo: em seis dias, planejou todas as coisas antes que aparecessem,[17] inclusive a pessoa de Cristo e, por seu Espírito, criou-o, a sua imagem.[18] Após isso, todas as coisas foram criadas por Cristo, pela Palavra.[19]

Assim, estabeleceu-se uma relação originária entre duas pessoas distintas: “Deus", cujo nome é Jeová e tem a primazia do poder sobre todas as coisas e Cristo, que tem a primazia do nome, dado pelo Pai, sobre todas as coisas.[20]

Todavia, acredita-se que essas duas pessoas operam por um só espírito, o Espírito Santo, tido não como ser pessoal, mas como o poder que procede de Jeová e com o qual opera todas as coisas na Igreja, através de Jesus Cristo.[21]

Santificação do Sábado, o Sétima dia de guarda e memorial da criação[editar | editar código-fonte]

A Igreja Remanscente Dualista dos Primogênitos crê ainda no sétimo dia, o sábado, como dia de repouso cristão, abençoado por Deus desde a fundação do mundo. Este dia foi guardado pelo povo de Deus, antes de ser ordenado a Moisés no Monte Sinai como o quarto mandamento de Sua lei.[22] Após esse episódio, acredita-se ter sido dado como um sinal entre Deus e o povo de Israel.[23]

Por essa razão, a fé da instituição é a de que se trata de um dia abençoado, santificado e celebrado como concerto perpétuo entre Deus e o seu povo, que, inclusive, foi confirmado por Cristo e por seus apóstolos na nova aliança, como o dia do Senhor para o descanso do homem.[24]

Isso significa, para os adeptos dessa fé, que este deve ser um dia de reverência, guardado como dia santo e solene, com total abstenção de quaisquer obras materiais: viagens que não tenham fins espirituais; trabalhos materiais, lazer material, festas, estudos, etc.

Celebração da Páscoa[editar | editar código-fonte]

Sentido e simbologia: A Páscoa é considerada, biblicamente, um dos estatutos perpétuo determinado por Deus. Ela possui dois importantes sentidos revelados tanto na antiga, quanto na nova aliança:

Na antiga aliança, simbolizava o segundo concerto que Deus fez com o povo de Israel, como anúncio da morte dos primogênitos no Egito, por ocasião da saída do povo. Na nova Aliança, revelou Jesus Cristo como Messias enviado,[25] cujo sacrifício trouxe a vida e oportunidade de salvação a todos os que nele cressem. Os apóstolos continuaram a celebrá-la em comemoração à morte e ressurreição de Cristo.

Data de celebração: É celebrada uma vez ao ano, com santa convocação, por todos os participantes da Igreja batizados.[26]

A data da sua celebração é no dia 14 do primeiro mês do ano, mês de Abibe (Abril), do calendário lunar dado por Deus.[27]

Contagem do dia: A contagem deste dia inicia-se no primeiro dia da lua nova, visível no firmamento, do mês de Abril e termina aos 14 dias, com o primeiro dia da lua cheia, dia em que se celebra a festividade. Esta é a forma de contagem que se acredita ser original, instituída por Deus, que criou a Lua justamente para que fosse o sinal para estações, dias, meses, anos e as festas.

Perpetuidade e santa convocação: A comemoração da Páscoa, na Nova Aliança, é ato solene. Deve ser realizada com santa convocação de toda congregação, em data e horário especificado pela palavra de Deus, sendo dia obrigatório de guarda. Isto porque aquele que da Páscoa não participa, não tem comunhão com Cristo.

Cerimonial: A Páscoa deve ser comemorada com o cerimonial de pães asmos e vinho, que simbolizam o corpo e o sangue de Cristo na Nova Aliança, respectivamente.

Em ato contínuo, tem-se também o cerimonial do Lava-pés, com uma simbologia do ato de humildade externado de uns para com os outros, como Cristo demonstrou para com os discípulos, ensinando-nos que todo aquele que não participar desse ato, não tem parte com ele.

Celebração dos 7 dias de Pães Asmos[editar | editar código-fonte]

Sentido e simbologia: A festa dos pães asmos se encontra intimamente ligada à da Páscoa.

Na velha aliança, Deus ordenou que a Páscoa fosse celebrada com o cordeiro e ervas amargas. Além disso, ordenou a Israel que comesse pães asmos, durante os sete dias que se sucederam após a saída da terra do Egito, no qual foram escravos por 430 anos.[28]

Esses alimentos são símbolos relevantes dessa fé:

- O pão asmo cometido durante sete dias nos ensina que, na saída para a Terra prometida, Israel não levou contaminação do Egito, pois o pão asmo é o “símbolo da sinceridade”, da aliança do povo para com Deus, de que guardariam a sua Lei;

- O Cordeiro sacrificado, puro e sem mácula, comido com pão asmo, é o símbolo do corpo e do sangue de Cristo, sem pecado[29] e

- As ervas amargas simbolizam a tribulação pela qual Israel passou quando saiu do Egito, porque lá foram escravos por 430 anos.[30]

A nova aliança, iniciada com o anúncio de João Batista acerca do Enviado de Deus, teve continuidade com o Ministério de Jesus, após seu batismo, pela pregação de um sentido restaurador ao Reino de Deus, abrindo a oportunidade de salvação aos gentios.[31] Seu término se deu com os dois últimos importantes atos desempenhados por Jesus, quais sejam:

- A celebração da Santa Ceia, juntamente com os 12 discípulos, com pães asmos e vinho, como símbolo de seu corpo e de seu sangue, oferecido a Deus para perdão de nossos pecados e

- Com a morte de Jesus no madeiro, momento em que ele se ofereceu como Cordeiro imaculado que tira o pecado do mundo.

Assim, tanto na primeira, como na nova Aliança, os sete dias de pães asmos simbolizam a pureza e a sinceridade do concerto,[32] demonstrando que, na restauração do Reino de Deus, não entrou nem fermento e nem falsas doutrinas. Isto porque se considera que o próprio Jesus é o pão da vida, o Asmo da sinceridade. Portanto, a Igreja verdadeiramente unida com Cristo é considerada um pão asmo, pois ela pratica a guarda de sua Lei como prova de amor a Deus e seu Filho e assim também ensina ao próximo.[33]

Época e Forma de comemoração: A festividade inicia-se juntamente com a Páscoa, devendo os fiéis se absterem de pão levedado por sete dias: do dia 14 de Abibe até o dia 21.[34] Esta festa deve ser celebrada com santa convocação, tanto no primeiro, quanto no sétimo dia da festa.[35]

Perpetuidade: Há provas de que os apóstolos celebraram esta festa com Jesus Cristo na nova Aliança e também após a morte dele.[36] Isso porque se considera que é um estatuto perpétuo para todas as gerações.[37]

Enfim, a Igreja ensina que a festividade deve ser celebrada com o sentido tão bem esclarecido pelo apóstolo Paulo, no texto de I Coríntios 5: 6-8 (v. Tradução Mundo Novo): “Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães asmos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado. Celebremos, pois, a festa, não com o fermento velho nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com pães não fermentados de pureza e da verdade”.

Celebração do Pentecostes[editar | editar código-fonte]

Sentido e simbologia: Esse dia é também chamado de festa das primícias ou festa das semanas.

Na velha aliança, essa festividade era reputada como de grande importância que já teria sido ordenada por Deus a Moisés, no Monte Sinai, quando fez o segundo concerto com o povo de Israel e lhes deu Sua Lei, para que fosse guardada na terra da promessa.[38]

Deus havia ordenado aos Israelitas que, ao entrarem na terra prometida, não comessem dos seus frutos sem que primeiro fossem levadas as primícias ao sacerdote.[39] No dia de Pentecostes, o sacerdote recebia o molho das primícias levadas pelo povo e agitava-o diante de Deus, no altar do santuário, como oferta para que Ele aceitasse Israel, primícia tirada da terra do Egito para obedecer a sua Lei.[40]

Com as primícias, eram oferecidos dois pães de trigo com fermento, que simbolizava que Israel devia crescer como primícia para Deus. Também neste dia, o sacerdote ensinava a Lei de Deus ao povo.

Já na nova aliança, duas importantes simbologias para o Pentecostes se destacam na visão da instituição:

- O casamento de Cristo com sua noiva: A Igreja foi recebida por Cristo, para Deus, como primícia, em glória a seu nome.

- Essa aliança foi celebrada pelo derramamento do Espírito Santo sobre aqueles que estavam reunidos, por intermédio de sinais visíveis: vento impetuoso, línguas repartidas como que de fogo e o falar de línguas estranhas. Isto agitou a Igreja pelo poder do Espírito Santo para anúncio do reino de Deus, tal qual ocorria no passado pela oferta das primícias apresentada e agitada pelo sacerdote no passado, nesse mesmo dia.[41] Esse foi o sinal da apoteose da Igreja; é tido como o marco imutável da exaltação e glorificação de Cristo, que entrou no seu Reino e assentou-se no seu trono para reinar eternamente com Jeová.[42]

Perpetuidade: Deus ordenou que Israel se lembrasse desse dia como eterno, até mesmo quando da vinda de Cristo, pois aí haverá o derramamento do Espírito Santo sobre os ressuscitados, para renovação do Reino Universal de Cristo e para o conhecimento da verdade. Eis a razão pela nqual a Instituição considera esse dia festivo como importante e celebrável.[43]

Época e celebração da solenidade: A Igreja crê no Dia de Pentecostes, como dia festivo, solene e santo, celebrado pela Igreja com santa convocação e obrigatoriedade da participação de todos os membros da Igreja. É considerado como um sábado de descanso ao Senhor.[44]

É celebrado 50 dias após a Páscoa, começando sua contagem a partir do 15º dia do primeiro mês do ano, dia seguinte ao da Páscoa.[45]

Celebração do Dia da Expiação e purificação de pecados[editar | editar código-fonte]

Sentido e simbologia: A confissão diária de pecados, no panteão cristão, bem como o Dia da Expiação e Purificação dos pecados, são mandamentos de Deus tanto na primeira quanto na Nova Aliança, sendo, portanto, selo de salvação.[46]

Na antiga aliança, havia a confissão diária, realizada no primeiro lugar do Santuário pelo Santuário e, posteriormente, num dia específico, algo a mais: a intercessão de um Sumo-Sacerdote no segundo lugar do Santuário, ou seja, dois processos relacionados à purificação dos pecados. Ex.: no crime de roubo contra o próximo, o infrator deveria confessar e restituir o que fora roubado, como sinal de um arrependimento,[47] para só então o sacerdote proceder ao oferecimento do sacrifício do pecador, com o fito de que este obtivesse o perdão do mesmo.

Esse era o perdão, mas o processo de purificação não acabava aí. No dia designado, o Sumo-Sacerdote ainda intercedia pelo pecador perante Jeová, para apagamento e a purificação do pecado.[48]

Assim, historicamente, a purificação ou a expiação que se dava num dia específico não era um dia de confissão para a Igreja, mas somente para o Sumo-Sacerdote, que confessava os pecados da igreja diante da Arca onde estava a lei de Deus, oferecendo o sangue de animais para a purificação dos pecados que foram confessados durante o ano.[49] Daí a lógica da celebração desse dia, pois se os pecados fossem purificados e apagados pela confissão diária, ficaria sem valor o Dia da Expiação, quando o Sumo-Sacerdote fazia a intercessão por Eles.

Na nova aliança, a morte de Cristo é considerada um marco, pelo qual se modificou todo o processo de confissão, apagamento e perdão de pecados, pois quando da sua morte, rasgou-se o véu do Santuário terrestre e encerrou-se o serviço neste, iniciando, de outro lado, um novo caminho ao seu ministério no Santuário celeste, como fonte de salvação, quando intercede por todos que lhe obedecem e confessam os seus pecados.[50]

Assim, para a Igreja, tanto a velha, quanto a nova aliança evidenciam três institutos importantes: confissão, perdão e apagamento/expiação dos pecados, conforme a seguir:

Com a morte de Cristo, abriu-se a possibilidade da salvação a todos (gentios), pois Cristo morreu uma só vez para aniquilar o pecado de muitos.[51] Esse símbolo, no entanto, recebe uma outra interpretação pela Igreja, não significando que Jesus perdoou todos pecados no madeiro. Na verdade, historicamente, madeiro era lugar de maldição e não de perdão de pecados.[52]

Em face disto, a Igreja acredita no seguinte: todos aqueles que aceitam Cristo como seu Salvador são libertos do cativeiro do pecado, nascendo novamente pelo batismo em Seu nome. Entretanto, este novo nascimento não significa a isenção total do pecado, pois neste corpo corruptível é impossível a perfeição. Não há justo que guarde a Lei e não venha a pecar.[53]

Em razão disso, crê-se que que teria sido conferido ao homem um duplo instrumento para apartá-lo do pecado: a confissão diária e a purificação anual dos mesmos, purificação esta que ocorre no dia da Expiação. Na lógica judaico-cristã, quando se peca, não ocorre julgamento imediato;[54] há primeiro a exortação para o arrependimento, e depois, a confissão de pecados, como símbolo de arrependimento.[55]

A confissão teria o condão de trazer lembranças dos nossos pecados para termos comunhão com Deus, alcançando a sua misericórdia pelo favor de Cristo, tirando os nossos pecados e curando nossas enfermidades.[56] No entanto, a confissão diária não equivaleria ao apagamento automático dos pecados; é um pedido de perdão, a fim de que alcancemos a misericórdia no dia da Expiação, com o completo apagamento daquilo que é registrado.[57] Isto porque a Igreja também crê que se o pecado não fosse registrado, não precisaria ser apagado, ficando assim anulado o julgamento feito pelo o que está escrito nos livros celestiais.[58]

Portanto, para essa fé, destacam-se dois acontecimentos - confissão e apagamento -, que refletem os dois processos pelo qual passa o pecado, em sua purificação:

1- Confissão para que haja perdão: pela confissão diária, o perdão é concedido no momento em que o pecador se arrepende e recorre à misericórdia divina e

2- Perdão para que haja apagamento: para o apagamento dos pecados lavrados nos livros, há um dia específico, que é quando o Sumo-Sacerdote atua.[59] Isso teria ainda continuado a ocorrer nos dias de hoje, pois, após a ressurreição e o assentamento à direita de Deus, Cristo passou a desempenhar um NOVO papel, tornando-se nosso Sumo-Sacerdote eterno, que ouve a confissão diária de pecado humano e, uma vez ao ano, no dia designado, 10 do sétimo mês do calendário lunar, intercede perante o Pai, purificando nossos pecados cometidos durante o ano, no santuário celeste.[60]

Diante disso, hoje, a Igreja acredita possuir uma âncora firme, a fé em Cristo, pois Ele:

- Ofereceu o seu sangue, sangue da Nova Aliança, uma vez para sempre, como purificação, havendo obtido uma eterna redenção para todos os que crêem;

- Após a sua morte e derramamento do sangue puro, crê-se que Cristo hoje desempenha um outro papel, pois, no dia por Deus designado, comparece perante o Tribunal celeste, como Sumo-Sacerdote eterno, para interceder perante o Pai, a fim de que se proceda ao apagamento dos livros celestiais, dos pecados que foram confessados, diariamente, durante o ano.[61]

Concluindo: Por isso, crê-se firmemente que não há falar que Cristo perdoou uma vez para sempre, não sendo necessária a comemoração desse dia, pois isso seria anular o ministério de Cristo no Santuário Celeste, que intercede ao Pai, para Purificação e apagamento dos pecados dos livros celestiais. “Este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo. Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por Eles (Hebreus 8:1-7; 9:24-25; I João 2:1-2)”.

Duração até o fim do juiz:Para a Igreja, este dia não foi abolido, pois é um estatuto perpétuo; no passado era uma sombra (através do sangue de animais e do Sumo Sacerdote), mas agora continuaria com Cristo, como Sumo-Sacerdote, no Santuário Celeste,[62] em relação aos pecados que sejam confessados (sobre os quais incide o perdão pelo aproveitamento do sangue de seu sacrifício no madeiro).

Forma de Celebração: O Dia da Expiação e purificação de pecados é um dia de santa convocação, de jejum e de aflição para as almas; determinado por Deus como estatuto perpétuo.[63]

Atual direção[editar | editar código-fonte]

A Igreja Remanescente Dualista dos Primogênitos tem como seus dirigentes ja falecidos José Leitão Duarte Filho e Antonio Garcia Heredia e ainda conta com outros colaboradores na condução dos trabalhos ordinários.

Suas sedes e colaboradores encontram-se concentradas no Estado de São Paulo, nas cidades de Campinas (SP), Urupês (SP) e General Salgado (SP).[64]

Referências

  1. Mateus 28:18-20: "18 Jesus se aproximou e lhes disse: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. 19 Portanto, vão e façam discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as+ em nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, 20 ensinando-as a obedecer a todas as coisas que lhes ordenei. E saibam que eu estou com vocês todos os dias, até o final do sistema de coisas.”. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,, disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/mateus/28/#v40028018
  2. Atos 2:37-38: "37 Quando ouviram isso, ficaram com o coração aflito e disseram a Pedro e aos outros apóstolos: “Homens, irmãos, o que devemos fazer?” 38 Pedro lhes disse: “Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos seus pecados, e vocês receberão a dádiva do espírito santo., disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/atos/2/.
  3. Hebreus 12:23: "23 À universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados;. Bíblia on-line, Edição Almeida, 1994, disponível em http://www.bibliaonline.com.br/acf/hb/12
  4. Lucas 24:46,47: "e lhes disse: “Está escrito que o Cristo sofreria e no terceiro dia seria levantado dentre os mortos, 47 e que, em seu nome, se pregaria arrependimento para o perdão de pecados em todas as nações, começando por Jerusalém.". Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/lucas/24/
  5. Marcos 1:1-4: "1 Princípio das boas novas a respeito de Jesus Cristo, o Filho de Deus. 2 Conforme está escrito em Isaías, o profeta: “(Veja! Enviarei o meu mensageiro na sua frente, o qual preparará o seu caminho.) 3 A voz de alguém está clamando no deserto: ‘Preparem o caminho para Jeová!* Endireitem as suas estradas.’” 4 João, o Batizador, estava no deserto, pregando o batismo em símbolo de arrependimento para o perdão de pecados.". Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/marcos/1/
  6. João 1:6,32-35: "6 João também deu o seguinte testemunho: “Observei o espírito descer do céu como pomba e permanecer sobre ele. 33 Eu mesmo não o conhecia, mas Aquele que me enviou para batizar em água me disse: ‘Aquele sobre quem você vir o espírito descer e permanecer, esse é quem batiza em espírito santo.’ 34 E eu vi isso e dei testemunho de que este é o Filho de Deus.” 35 No dia seguinte, João estava novamente ali, com dois dos seus discípulos. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/Jo%C3%A3o/1/
  7. Ver Atos 4:11-12; Efésios 1:20-21; Filipenses 2:9-11; Colossenses 1:18, 3:17.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em
  8. Ver Marcos 16:15-16; Lucas 24:42-48; Atos 2:37,38, 8:15-16, 4:11,12, 10:47-48, Efésios 4:5,6; Colossenses 3:17.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  9. 9- ROMAG, Dagoberto. Antiguidade Cristã Compêndio da História da Igreja. Vol 1 2ºed..Rio de Janeiro- Petrópolis: Vozes. pg.90/3 e 143/5
  10. Dicionário Prático Ilustrado.São Paulo, Lello & Irmãos-Editores, 1957, pg.1908.
  11. ROMAG, Dagoberto. Antiguidade Cristã Compêndio da História da Igreja. Essência do Catolicismo vol. 1. 2º ed.Rio de Janeiro- Petrópolis: Vozes. pg.165-166, 173, 190-193
  12. Ver João 3:1-7, 5:25; Romanos 6:3-11, Efésios 2:1-6; Colossenses 2:12-13, 3:1-4.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  13. Ver Gálatas 3:27-28)Romanos 8:15-17; Hebreus: 12:28,29.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  14. Ver Deuteronômio 18:20,22; Efésios 4:7-14. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  15. Ver Isaías 28:11, 63:10,11; Joel 2:28-29; Marcos 16:17; Lucas 24:49; Atos 2:1-5, 10:46, 19:6; I Coríntios 12:1-11, 14:2-5; II Coríntios 1:20-22; Efésios 1:13, 4:30. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  16. Ver Deuteronômio 6:4-9; Salmos 90:1-2; Isaías 40:28; João 17:3; I Timóteo 1:17, 6:15-16.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  17. Ver Gênesis 1:1-31, 2:4-5; Jó 9:8-9; Salmos 139:16; Isaías 37:26, 40:27-28; Romanos 11:33-34. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  18. Ver I Coríntios 1:23-24; Colossenses 1:15-18.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  19. 20- Ver Salmos 33:6-9; Provérbios 8:22-30; João 1:1-10; Hebreus 1:1-3, 11:2-3. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  20. Ver Lucas 24:46-47; Atos 4:11-12; Efésios 1:19-22; Filipenses 2:5-11; Colossenses 3:17. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  21. Ver I Crônicas 29:10-13; Salmos 62:11; Mateus 1:18-20, 10:20; Lucas 11:11-13, 24:49; João 10:29-30, 14:11-14, 15:26, 16:13, 17:11-12,21-23, 20:22-23; Atos 2:1-4-33; I Coríntios 12:4-5-6; II Coríntios 5:18-21, I João 1:3-4, 2:22-24; II João 1:8,9; Apocalipse 7:10, 14:1. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  22. Ver Êxodo 16:23-30, 20:8-11, 35:2-3.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  23. Ver Êxodo 31:12,17; Levítico 23:3; Deuteronômio 5:13-15; Isaías 58:13-14; Ezequiel 20:12-20.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  24. Ver Mateus 12:8, Marcos 2:27-28; Lucas 4:16,31, 6:6, 23:54-56; Atos 13:14-27,42-44, 17:1-2, 18:1-4; Hebreus 4:4-9. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  25. Ver Êxodo 12:1-3,14,24,25, 13:6-16; Levítico 23:4-8; Números 9:1-5; Deuteronômio 16:1-8.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  26. Ver Êxodo 13:10; Números 9:3; Atos 20:6; I Coríntios 5:7-8.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  27. Ver Êxodo 12:1-14,27; Levítico 23:5; Números 9:3. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  28. Ver Êxodo 12:15-20; 13:1-8; 40-42.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  29. I Pedro 1:19-22: "Mas foi com sangue precioso, como o de um cordeiro sem defeito e sem mancha,+ o de Cristo. 20 É verdade que ele foi conhecido antes da fundação do mundo, mas foi manifestado no fim dos tempos por causa de vocês. 21 Por meio dele vocês creem em Deus, aquele que o levantou dentre os mortos e lhe deu glória,+ para que a fé e a esperança de vocês estejam em Deus. 22 Agora que vocês se purificaram pela sua obediência à verdade, tendo como resultado o amor fraternal sem hipocrisia, amem uns aos outros intensamente, de coração". Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/1-pedro/1/
  30. Ver Êxodo 13:40-42, Deuteronômio 16:1-4. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  31. Ver Isaías 61:1-4; Mateus 3:13-17, 4:12-15; João 1: 35-42, Atos: 10: 35-39. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  32. Ver Atos 20: 6; Gálatas. 5:9; Mateus. 13:33. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  33. Ver I Coríntios 5: 6-8, 10:15-18. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  34. Ver Êxodo 12:15-20; Atos 20:6; I Coríntios 5:7-8. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  35. Ver Êxodo 12:16; 13:6; Levítico 23:7-8; Deuteronômio 16:3-4,7-8; Marcos 14:12; I Coríntios 5:6-8.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  36. Ver Mateus 26:17; Marcos 14:12; Lucas 22:1,7-8; Atos 20:6; I Coríntios 5:7-8.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  37. 38- Ver Êxodo 12:14-20, 34:18, Levítico 23:6-8. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  38. Êxodo 19:1-25. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/%C3%8Axodo/19/
  39. Ver Números 18:8-32; II Crônicas 32:4-12; Neemias 10:35-39.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  40. Ver Êxodo 19:1-24; Levítico 13:9-13. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  41. Ver Lucas 24:46-49; João 14:26, 16:13-14; Atos 16:9,21-33,1:7-8,33, 2:14-26; Hebreus 12:18-23; Tiago 1:17-18; Levítico 23:9-14; Jeremias 2:3. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  42. Ver Lucas 1:31-33; João 7:38-39; Atos 2:30-36; Filipenses 2:9-11; Apocalipse 5:9-14, 11:15-14, 12:10; 9:4-7; Atos 2:1-4,17-18, 32-36. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  43. Ver Salmos 104:29-31; Ezequiel 34:24-28, 37:11-28, 39:11-29; Joel 2:23-24-28; Atos 2:1-4; Deuteronômio 4:8-15; Hebreus 12:18-29.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  44. Ver Êxodo 23:16: "16 Celebre também a Festividade da Colheita dos primeiros frutos maduros do seu trabalho, daquilo que semeia no campo; e celebre a Festividade do Recolhimento no fim do ano, quando recolher dos campos os frutos do seu trabalho.". Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/%C3%8Axodo/23/#v2023016
  45. Ver Levítico 23:9; Josué 5:10. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  46. Ver Levítico 16:29-34; Salmos 32:1-7; Provérbios 28:13,14; Atos 27:9; I João 1:7-10. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  47. Ver Levítico 5:15-19, 6:1-7; Números 5:7; Ezequiel 33:14-16; Malaquias 3:3-12; Mateus 22:21; Lucas 19:8,9. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  48. Ver Levítico 19:21,22; Salmos 32:1-6; Provérbios 28:13,14; Hebreus 4:14, 6:17-20.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  49. Ver Êxodo 30:9,10: "9 Não ofereçam nesse altar nenhum incenso não autorizado, nem oferta queimada, nem oferta de cereais; e não derramem nele nenhuma oferta de bebida. 10 Uma vez por ano Arão fará expiação sobre os chifres do altar. Com um pouco do sangue da oferta pelo pecado, feita para expiação, ele fará expiação pelo altar uma vez por ano. Isso deve ser feito por todas as suas gerações. O altar será santíssimo para Jeová.”. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/%C3%8Axodo/30/
  50. Ver Zacarias 13:1-2; Malaquias 3:1-4; Hebreus 2:17-18, 4:14-16, 8:1-6, 9:7- 24, 10:19-23; I João 2:1-2. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  51. Ver Hebreus 9:12-25-28.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/hebreus/9/
  52. Ver Deuteronômio 21:22-23; Gálatas 3:1-11.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  53. Ver Eclesiástico 7:20; Salmos 51:3-9; Tiago 3:1,2; I João 1:7-10,I João 1:8-10. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  54. Ver Êxodo 32:34,35; Eclesiástico 8:11-13. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  55. Ver Atos 3:19: "19 “Arrependei-vos, portanto, e dai meia-volta, a fim de que os vossos pecados sejam apagados, para que venham épocas de refrigério da parte da pessoa de Jeová". Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  56. Ver Êxodo 15:26; Salmos 32:1-7; Isaías 53:10-12; João 1:29.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  57. Ver Provérbios 28:13-14: "13 Quem encobre as suas transgressões não será bem-sucedido, Mas aquele que as confessa e abandona será tratado com misericórdia. 14 Feliz o homem que sempre está vigilante, Mas quem endurece seu coração sofrerá calamidade".Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/Prov%C3%A9rbios/28/
  58. Ver Daniel 7:9-10; Apocalipse 20:11-15.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  59. Ver Levítico 16:29-31: "29 “Isto será um decreto permanente para vocês: no sétimo mês, no dia dez do mês, vocês devem afligir a si mesmos e não devem fazer nenhum trabalho, quer o israelita, quer o estrangeiro que mora entre vocês. 30 Nesse dia se fará expiação+ por vocês, para declará-los puros. Vocês ficarão puros de todos os seus pecados perante Jeová. 31 É um sábado de completo descanso para vocês; e vocês devem afligir a si mesmos. É um decreto permanente.." Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/livros/Lev%C3%ADtico/16/
  60. Ver Levítico 16:29-31; II Coríntios 5:10; I João 2:1-2; Romanos 3:25-26, 5:9-11; Mateus 10:32, Hebreus 6:19,20; 8:1-7, 9: 8-9,11-28, 10: 9-10,19-23. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  61. Ver Romanos 3:25, 5:9, 8:27-34; II Timóteo 2:25; Hebreus 6:19,20, 8:1-7, 9:11-28, 10:19 a 23; I João 2:1,2. Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  62. Ver Levítico 23:26-32; Hebreus 7:24-25, 9:24.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  63. Ver Levítico 16:29-34, 23:26-32; Números 29:7-11.Bíblia on-line, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas,', disponível em https://www.jw.org/pt/publicacoes/biblia/nwt/
  64. Ver sedes no site.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]