Igreja da Irlanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igreja da Irlanda
Catedral de Santa Maria, Tuam.
Anglicanos 375,400[1]
Origem Século XVI
Tradição Low Church
Paróquias 450[2]
Bispos 12
Primaz Arcebispo de Armagh - atualmente vago

Arcebispo de Dublin -Michael Jackson

Líder espiritual Coat of arms of Justin Welby, 105th Archbishop of Canterbury.svgRev.Justin Welby
Website Ireland Anglican

A Igreja da Irlanda (em irlandês: Eaglais na hÉireann) é uma província autônoma da Comunhão anglicana no território da República da Irlanda e da Irlanda do Norte. Como outras províncias da Comunhão Anglicana, ela considera-se tanto católica quanto reformada.[3] Está organizada em toda a ilha da Irlanda e é a segunda maior igreja cristã da ilha depois da Igreja Católica. Como outras províncias anglicanas, ela reteve elementos da prática pré-reforma, notadamente sua política episcopal, ao rejeitar a primazia do papa. Em questões teológicas e litúrgicas, incorpora muitos princípios da Reforma, particularmente aqueles adotados durante a Reforma Inglesa. A igreja se identifica como católica e reformada.[4] Dentro da igreja, existem diferenças entre os membros que são mais inclinados a católicos (igreja alta) e aqueles que são mais inclinados a protestantes (evangélicos). [5] Por razões históricas e culturais, a Igreja da Irlanda é geralmente identificada como uma igreja protestante.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Formação[editar | editar código-fonte]

Antes do século XII, a igreja irlandesa era independente do controle papal e desenvolveu suas próprias práticas e estruturas. Era governado por mosteiros poderosos, em vez de bispos diocesanos, enquanto o antigo reino de Dublin procurava orientação em Canterbury. No Sínodo de Kells de 1152, o papa Anastácio IV reivindicou a Irlanda como um feudo papal e impôs um sistema que a alinhava com Roma.[7]

Sob um acordo conhecido como Laudabiliter, em 1155, o papa inglês Adriano IV, concedeu a Henrique II da Inglaterra o senhorio da Irlanda, em troca de pagar o dízimo a Roma. Seu direito de fazê-lo foi contestado na época e agora, enquanto algumas dúvidas já existiam; no entanto, a invasão de Henrique marcou o início das tentativas de anglicizar a igreja irlandesa[8] Isso incluía sua liturgia e a importação de santos ingleses, como Eduardo o Confessor, e Thomas Becket.[9]

Em 1536, o Parlamento irlandês aceitou Henrique VIII da Inglaterra como chefe da igreja, em vez do papa. Isso marca o inicio da reforma na Igreja da Irlanda, confirmada quando Henrique se tornou rei da Irlanda em 1541. Em grande parte restrita a Dublin, liderada pelo arcebispo George Browne, expandiu-se sob Eduardo VI, até que o catolicismo foi restaurado por sua irmã Maria I em 1553.[10]

Henrique II com Thomas Becket ; a intervenção de 1155 foi o começo dos esforços para anglicizar a igreja irlandesa

Quando Elizabeth I a sucedeu em 1558, apenas cinco bispos aceitaram o Acordo Religioso, e a maioria do clero irlandês teve que ser substituída.[11] Isso foi prejudicado pela relativa pobreza da igreja, enquanto a adaptação às mudanças de regime prejudicou a reputação daqueles que permaneceram. Hugh Curwen foi decano de Hereford até 1555, quando Maria o tornou arcebispo católico de Dublin, antes de retornar à igreja reformada em 1558. Apesar das acusações de "delinqüência moral", ele permaneceu arcebispo e lorde chanceler até 1567, quando foi nomeado bispo de Oxford.[12] A falta de literatura gaélica irlandesa era outra restrição; pouco antes de sua morte, em 1585, Nicholas Walsh começou a tradução do Novo Testamento. Continuado por John Kearny e Nehemiah Donnellan, foi finalmente impresso em 1602 por William Daniel, que também traduziu o Livro de Oração Comum em 1606. Uma versão irlandesa do Antigo Testamento foi publicada em 1685 por Narciso Marsh, mas o Livro de Oração revisado não estava disponível até 1712.[13]

Século XVII[editar | editar código-fonte]

James Ussher, Arcebispo de Armagh.

No início do século XVII, a maioria dos irlandeses nativos eram católicos, com os colonos protestantes em Ulster estabelecendo uma igreja presbiteriana independente. Em grande parte confinada a uma minoria de língua inglesa em The Pale, a figura mais importante do desenvolvimento da Igreja foi o teólogo e historiador nascido em Dublin, James Ussher, arcebispo de Armagh de 1625 a 1656. Em 1615, a Igreja da Irlanda elaborou sua própria confissão de fé, semelhante à versão em inglês, mas mais detalhada, menos ambígua e muitas vezes explicitamente calvinista.[14] Quando os trinta e nove artigos foram formalmente adotados pela igreja irlandesa em 1634, Ussher assegurou que eles fossem além dos artigos irlandeses; no entanto, eles foram logo substituídos pelos Trinta e Nove Artigos, que permanecem em uso até os dias atuais.[15]

Sob Carlos I, a Igreja da Irlanda afirmava ser a igreja original e universal, enquanto o Papado era uma inovação, investindo-a assim na supremacia da sucessão apostólica.[16] Este argumento foi apoiado por Ussher e o ex-capelão pessoal de Charles, John Leslie, um dos principais apoiadores das reformas de Caroline na Escócia, nomeado bispo de Derry & Raphoe em 1633.[17]

Durante as guerras confederadas irlandesas de 1641 a 1653, quase dois terços da Irlanda foram controlados pela Confederação católica e, em 1644, Giovanni Battista Rinuccini se tornou núncio papal na Irlanda. O catolicismo irlandês havia desenvolvido maior tolerância para os protestantes, compartilhando sua hostilidade em elaborar rituais. A insistência de Rinuccini em seguir a liturgia romana e as tentativas de reintroduzir cerimônias como lavar os pés dividiram a Confederação e contribuíram para seu rápido colapso na reconquista da Irlanda em 1649-1652 por Cromwell.[18]

A igreja foi restabelecida após a Restauração de Carlos II em 1660 e em janeiro de 1661, as reuniões de 'Papistas, Presbiterianos, Independentes ou Separatistas' foram tornadas ilegais.[19] Na prática, as leis penais foram pouco aplicadas e depois de 1666, dissidentes protestantes e católicos foram autorizados a retomar seus assentos no Parlamento da Irlanda.

Os Sete Bispos que absolveram, junho de 1688; um fator chave na remoção de James, cinco depois se tornaram não-''jurados''.

Em 1685, o católico James II tornou-se rei com considerável apoio nos três reinos; isso mudou quando suas políticas pareciam ir além da tolerância ao catolicismo e entrar em um ataque à igreja estabelecida. Sua acusação contra os sete bispos na Inglaterra por difamação sediciosa em junho de 1688 destruiu sua base de apoio, enquanto muitos sentiram que James havia perdido seu direito de governar ignorando seu juramento de coroação para manter a primazia da religião protestante.[20]

Isso fez dos juramentos uma questão de destaque, uma vez que os ministros das igrejas nacionais da Inglaterra, Escócia e Irlanda eram obrigados a jurar lealdade ao monarca dominante. Quando a Revolução Gloriosa de 1688 substituiu James por sua filha e genro protestantes, Maria II e Guilherme III, uma minoria se sentiu obrigada pelo juramento anterior e se recusou a fazer outro. Isso levou ao cisma de não-Juring, embora para a grande maioria isso fosse uma questão de consciência pessoal, e não de apoio político a James.[21]

A igreja irlandesa foi menos afetada por essa controvérsia, embora o bispo de Kilmore e Ardagh tenha se tornado um não-jurado, assim como um punhado de clérigos, incluindo o propagandista jacobita Charles Leslie.[22] A ascendência protestante na Irlanda é tradicionalmente vista como começando em 1691, quando o Tratado de Limerick terminou a Guerra Williamita de 1689-1691. A Igreja restabeleceu o controle e a Lei de Banimento do Bispo de 1697 expulsou os bispos católicos e o clero regular da Irlanda, deixando apenas o chamado clero secular.[23]

Organização[editar | editar código-fonte]

Dioceses of the Church of Ireland
Mapa das Dioceses na Irlanda. Província de Armagh Província de Dublin

O primaz da Igreja da Irlanda é, oficialmente, o arcebispo de Armagh. Em 1870, imediatamente antes de seu desestabelecimento, a Igreja providenciou seu governo interno, liderado por um Sínodo Geral e com apoio financeiro e administrativo por um Corpo Representativo da Igreja. Como outras igrejas irlandesas, a Igreja da Irlanda não se dividiu quando a Irlanda foi dividida na década de 1920 e continua a ser governada em toda a Irlanda.[24]

Dioceses[editar | editar código-fonte]

Cada diocese ou diocese unida é liderada por seu Ordinário, um dos dez bispos e dois arcebispos, e o Ordinário pode ter um ou mais arquidiáconos para apoiá-los, juntamente com um decano rural para cada grupo de paróquias. Existe um sínodo diocesano para cada diocese; pode haver sínodos separados para dioceses históricas agora em sindicatos. Esses sínodos compreendem o bispo, juntamente com o clero e representantes leigos das paróquias, e sujeitos às leis da igreja, e o trabalho do sínodo geral e de suas comissões e do corpo representativo e de suas comissões supervisiona o funcionamento da diocese. Cada sínodo diocesano, por sua vez, nomeia um conselho diocesano ao qual pode delegar poderes. A Igreja da Irlanda tem duas catedrais em Dublin: dentro da linha das muralhas da cidade velha fica a Catedral de ChristChurch, a sede do Arcebispo de Dublin, e do lado de fora das paredes antigas fica a Catedral de São Patrício, que a igreja designou como a Catedral Nacional da Irlanda em 1870. Também existem catedrais nas outras dioceses. Há também a igreja da catedral metropolitana da Irlanda, situada em Armagh, a Catedral de São Patrício. Esta catedral é a sede do arcebispo e metropolitano. O reverendíssimo Richard Clarke.

Seguidores[editar | editar código-fonte]

Os números da Igreja sofreram rápido decréscimo durante o século XX, particularmente na República da Irlanda após a independência; todavia, os últimos registos do censo da República (2006), incluem uma rara instância de crescimento relativo.[25]

Hoje em dia, a Igreja da Irlanda é, depois da Igreja Católica Romana, a segunda maior igreja em toda a Irlanda. É a maior igreja protestante na República da Irlanda, e a segunda maior da Irlanda do Norte (atrás apenas da Igreja Presbiteriana da Irlanda). Ela é governada por um Sínodo Geral de clérigos e leigos e organizada em doze dioceses e liderada pelo Arcebispo de Armagh (nominado "Primaz de Toda Irlanda"), cargo ocupado no presente por Alan Harper; o outro arcebispo da igreja é o Arcebispo de Dublin, John Neill.

Referências

  1. https://www.ireland.anglican.org/about/about-us
  2. https://www.ireland.anglican.org/find-a-church
  3. The Church of Ireland: About us
  4. «About us» 
  5. http://stgeorges.connor.anglican.org/about-the-church-of-ireland/
  6. «Church of Ireland - A Member of the Anglican Communion» 
  7. Young, Francis (2020). "Tornando a Irlanda medieval em inglês". História Hoje . 70(3)
  8. Sheehy, Maurice P (1961). "The Bull 'Laudabiliter': A Problem in Medieval Diplomatique and History". Galway Archaeological and Historical Society. 29 (3/4). JSTOR 25535386.
  9. Young, Francis (2020). "Making medieval Ireland English". History Today. 70 (3).
  10. Walshe, Helen Coburn (novembro de 1989). «Enforcing the Elizabethan settlement: the vicissitudes of Hugh Brady, bishop of Meath, 1563–84». Irish Historical Studies. 26 (104): 352–376. ISSN 0021-1214. doi:10.1017/s0021121400010117 
  11. Walshe, Helen Coburn (novembro de 1989). «Enforcing the Elizabethan settlement: the vicissitudes of Hugh Brady, bishop of Meath, 1563–84». Irish Historical Studies. 26 (104): 352–376. ISSN 0021-1214. doi:10.1017/s0021121400010117 
  12. Murray, James (2009). Enforcing the English Reformation in Ireland. Cambridge: Cambridge University Press 
  13. «The Book of Common Prayer of the Church of Ireland (1666)» 
  14. Wallace, Raymond Leslie (1949). The Articles of the Church of Ireland 1615 (unpublished doctoral thesis). University of Edinburgh.
  15. «Philip Schaff: Creeds of Christendom, with a History and Critical notes. Volume I. The History of Creeds. - Christian Classics Ethereal Library» 
  16. Gráda, Cormac Ó (1993). «Eighteenth-Century Ireland: Iris an Dá Chultúr, Iml. 7». Comhar. 52 (9). 27 páginas. ISSN 0010-2369. doi:10.2307/25572206 
  17. Diamond, Ciaran (23 de setembro de 2004). Leslie, John (1571–1671), Church of Ireland bishop of Clogher. Col: Oxford Dictionary of National Biography. [S.l.]: Oxford University Press 
  18. «Catholic Reformation in Ireland: The Mission of Rinuccini 1645–1649». 24 de fevereiro de 2013 
  19. Harris, Tim, 1958- (2006). Restoration : Charles II and his kingdoms, 1660-1685. [S.l.]: Penguin. OCLC 62225052 
  20. Trumbach, Randolph (2008). «Restoration: Charles II and his Kingdoms, 1660–1685 by Tim Harris; and Revolution: The Great Crisis of the British Monarchy, 1685–1720 by Tim Harris». The Scriblerian and the Kit-Cats. 41 (1): 86–88. ISSN 2165-0624. doi:10.1353/scb.2008.0029 
  21. «Church of Ireland». Wikipedia (em inglês). 9 de abril de 2020 
  22. Mansfield, Andrew (18 de outubro de 2016). «Living with Jacobitism, 1690–1788: The Three Kingdoms and Beyond, ed. Allan I. Macinnes, Kieran German and Lesley Graham». The English Historical Review: cew225. ISSN 0013-8266. doi:10.1093/ehr/cew225 
  23. Simms, J. G. (setembro de 1970). «The bishops' banishment act of 1697 (9 Will. III, c. 1)». Irish Historical Studies. 17 (66): 185–199. ISSN 0021-1214. doi:10.1017/s0021121400111381 
  24. «About us» 
  25. O número de membros da Igreja cresceram 8,7% no período 2002-2006, enquanto que a população como um todo aumentou somente 8,2%. Informação do Republic of Ireland Central Statistics Office, Census 2006: Principal Demographic Results.
  • NEILL, Stephen. Anglicanism. Harmondsworth, 1965.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.