Igreja da Unificação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Federação da Família para a Paz Mundial e Unificação
세계평화통일가정연합
(Igreja da Unificação)
Fxemoji u1F546.svg
Orientação Cristianismo
Fundador Sun Myung Moon
Origem Seul, 1 de maio de 1954
Sede Seul

A Associação da Família para a Paz Mundial e Unificação ou popularmente seita Moon[1][2] é um novo movimento religioso, criado pelo coreano falecido Sun Myung Moon, conhecido como Reverendo Moon, fundado em Seul, na Coreia do Sul.

Outros nomes incluem Igreja para a unificação do cristianismo mundial, Associação do Espírito Santo para a Unificação do Cristianismo Mundial e Igreja da Unificação (coreano : 통일 교회, Tongil Gyohoe)

A teologia da Igreja da Unificação é baseada no livro Princípio Divino. A Igreja da Unificação crê que Deus, através de Jesus, escolheu o jovem Sun Myung Moon, na Páscoa de 1936, na Coreia, para representá-lo nesta terra a fim de resolver as questões fundamentais da vida humana e do universo.

Origem e crenças[editar | editar código-fonte]

Origem[editar | editar código-fonte]

Sun Myung Moon fundou a igreja em Seul em 1 de maio de 1954. Ela se expandiu rapidamente na Coreia do Sul e no final de 1955 tinha 30 centros em todo o país e se expandiu em todo o mundo com a maioria dos membros vivendo na Coreia do Sul, Japão, Filipinas e outras nações do leste da Ásia.[3]

Moon mudou-se para os Estados Unidos em 1971, embora permanecesse cidadão da República da Coreia.

Em 1982, Moon foi condenado nos Estados Unidos por incongruências nas declarações de imposto de renda federal. Ele cumpriu 13 meses da sentença na Instituição Correcional Federal, em Danbury.[4]

Associação do Espírito Santo para a Unificação do Cristianismo Mundial (AES-UCM) (1954-1994)[editar | editar código-fonte]

Moon fundou a Associação do Espírito Santo para a Unificação do Cristianismo Mundial em Seul em 1º de maio de 1954. Ela se expandiu rapidamente na Coréia do Sul e até o final de 1955, tinha 30 centros em todo o país.[3] A HSA-UWC expandiu-se por todo o mundo, com a maioria dos membros vivendo na Coreia do Sul, Japão, Filipinas e outras nações do Leste Asiático.[5][6]

Federação da Família para a Paz Mundial e Unificação (FFPMU) (1994-)[editar | editar código-fonte]

Em 1 de maio de 1994 (o 40º aniversário da fundação da AES-UCM), Moon declarou que a era da AES-UCM havia terminado e inaugurou uma nova organização: a Federação das Famílias para a Paz Mundial e Unificação (FFPMU) incluiria a AES -Membros da UCM e membros de outras organizações religiosas que trabalham em prol de objetivos comuns, especialmente em questões de moralidade sexual e reconciliação entre pessoas de diferentes religiões, nações e raças. A FFPMU co-patrocinou cerimônias de bênção nas quais milhares de casais de outras igrejas e religiões receberam a bênção do casamento anteriormente concedida apenas aos membros da AES-UCM.[7][8]


Em 2020, o ex Secretário Geral das Nações Unidas Ban Ki-moon recebeu o Prêmio da Paz Sunhak e um prêmio de um milhão de dólares.[9][10]

Em 2021, Donald Trump e Shinzo Abe fizeram discursos no evento "Rally of Hope" organizado por uma afiliada da Igreja da Unificação.[11][12][13][14]A Igreja da Unificação tem laços com Nobusuke Kishi, o avô de Abe e ex-primeiro-ministro e Shintaro Abe, o pai de Abe e ex-ministro das Relações Exteriores do Japão.[15]

Em 2022, Abe foi assassinado; o acusado afirmou que seus motivos não eram de natureza política e que a igreja "arruinou sua vida". Mais tarde, foi revelado que a mãe do atirador doou 100 milhões de ienes (US$ 720.000) para a igreja, levando à falência de sua família em 2002. Com problemas financeiros, o atirador não conseguiu entrar na universidade apesar de se formar em uma escola de prestígio além de mais tarde, seu irmão e pai terem se suicidado. Em 11 de julho de 2022, a Igreja da Unificação emitiu um comunicado à imprensa afirmando que os valores das doações são determinados por membros individuais. A igreja historicamente tem laços estreitos com o Partido Democrático de direita japonês, o qual o avô de Abe Nobusuke Kishi formou. [16][17][18][19]

Crenças[editar | editar código-fonte]

A igreja diz busca uma cultura de paz apoiando a cooperação inter-religiosa e internacional com respeito aos temas universais da família, do amor e do viver para o benefício dos outros. A palavra Unificação se refere ao ideal de unidade entre mente e corpo, entre esposo e esposa e entre céu e terra.

O Movimento da Unificação foi fortemente perseguido por sua forte atuação no anticomunismo durante a guerra fria e o apoio à reunificação coreana. O seu fundador, Reverendo Moon, foi preso e torturado pelo regime comunista norte-coreano, tendo fugido graças a intervenção da ONU na Guerra da Coreia.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

O Reverendo Moon comprou terras do Mato Grosso do Sul em um total que chega a 85 mil hectares (além de outros 200 mil hectares da mesma terra no lado paraguaio). Em 2002 a Assembleia Legislativa Sul-Matogrossense instaurou uma CPI para investigar o caso, mas não encontrou nenhum crime e arquivou o caso.[20]

Nos anos 1990 o Reverendo Moon deu início ao ambicioso projeto de transformar a cidade de Jardim (Mato Grosso do Sul) em uma cidade modelo para o mundo, com milhares imigrantes coreanos, japoneses e de dezenas de outras nacionalidades.[21]

O Clube Esportivo Nova Esperança, conhecido por CENE, fundado na cidade de Jardim (Mato Grosso do Sul), é um time de futebol brasileiro pertencente à Igreja da Unificação, juntamente com o Clube Atlético Sorocaba. Os investimentos do Reverendo Moon no Brasil superam o montante de 35,5 milhões de dólares americanos.[22]

O capítulo brasileiro da UPF (Unisersal Peace Federation) foi inaugurado no dia 12 de dezembro de 2005 quando Sun Myung Moon fez um discurso de inauguração no Grande Auditório do Centro de Convenções do Anhembi em São Paulo.[23]

Em 28 de julho de 2007 foi estabelecido o primeiro Conselho Regional de Paz da Região de São Paulo com a participação de 21 Embaixadores da Paz: Dr. Reinaldo Correa, Delegado Regional de Polícia, foi eleito Presidente; Sr. Arlindo Negrão, Delegado de Polícia, Vice-Presidente; Sra. Eliza Ferreira, Relações Públicas da UPF, Primeira Secretária; Dr. Natanael Nascimento, Juiz, 2º Secretário; Rev. Christian Lepelletier, Secretário Geral da UPF, 1° Tesoureiro; Coronel Bizarria, da Polícia Militar, 2° Tesoureiro; Dr. Hélio Serra, Médico, 1º Conselheiro; e Sra. Elita Correa, Advogada, 2ª Conselheira.[23]


Operação da Polícia Federal e Receita Federal[editar | editar código-fonte]

Em inquérito aberto pela Polícia Federal do Brasil em dezembro de 2001, a igreja era investigada por suspeitas de lavagem de dinheiro, uso de documentos falsos, estelionato e irregularidades trabalhistas, a acusada era a Associação das Famílias para Unificação e Paz Mundial, nome da organização no país. Em maio de 2002 a Polícia Federal e a Receita Federal realizaram operação de busca e apreensão em 13 escritórios e casas de funcionários do reverendo Moon localizados em São Paulo e em cinco cidades do Mato Grosso do Sul, depois de uma profunda investigação a Polícia Federal não encontrou irregularidades e arquivou o caso.[24]

Dissidência[editar | editar código-fonte]

O filho mais novo do falecido Reverendo Moon, o Sean Moon e um pequeno grupo da ala mais radical do movimento, fundou uma nova Igreja dissidente Igreja do Santuário, na qual Sean Moon é o líder, que ficou conhecida em 2018 por realizar uma cerimônia de bênção de casais que deveriam estar armados com rifles, o principal embasamento dessa ramificação é o uso de armas de fogo.[25]

A Igreja do Santuário é totalmente independente e nada mais tem relação com a Igreja da Unificação, que segue as orientações da esposa do fundador Dra. Hak Ja Han Moon.

Referências

  1. Lemaître, N.; Quinson, M.T.; Sot, V. (1994). Dicionário do cristianismo (em francês). [S.l.]: Cerf. p. 281. ISBN 978-85-15-01330-2. Consultado em 14 de julho de 2022 
  2. Zilles, U. (2012). Religiões: Crenças e Crendices. [S.l.]: EDIPUCRS. p. 56. ISBN 978-85-397-0150-6. Consultado em 14 de julho de 2022 
  3. http://religion.blogs.cnn.com/2012/09/03/my-take-moons-death-marks-end-of-an-era/
  4. https://www.washingtonpost.com/wp-srv/national/longterm/cult/unification/profit.htm
  5. «'Moonies' founder dies, aged 92». The Irish Times. September 3, 2012. Consultado em 4 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Barker2012
  7. Stymied in U.S., Moon's Church Sounds a Retreat, Marc Fisher and Jeff Leen, The Washington Post, 24/11/1997
  8. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Introvigne, Massimo 2000
  9. Khmer Times: "Three leaders chosen to receive Peace Prize"
  10. BAN KI-MOON CENTRE : "Co-chair Ban Ki-moon’s acceptance speech for Sunhak Peace Prize"
  11. Yeonhap News - Trump: "My greatest achievement during my presidency was contributing to the construction of a new path between the two Koreas."
  12. Huffington Post: "Trump hails Unification Church"
  13. The Independent: "Trump gives virtual speech"
  14. TRINIDAD AND TOBAGO NEWSDAY: "Carmona, Trump call for Korean reunification"
  15. Akahata (14/14/2006). «Prime Minister Abe sent congratulatory telegrams to Unification Church». Japan Press Weekly (japan-press.co.jp)  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. «【独自】安倍元首相を撃った山上徹也が供述した、宗教団体「統一教会」の名前(現代ビジネス編集部». Gendai Bijinesu (em japonês). Kodansha. 9 July 2022. Consultado em 9 de julho de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  17. «Assassin may have killed Abe as revenge against religious group that bankrupted his mother», Washington Post (em inglês), 9 July 2022, consultado em 11 de julho de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  18. «【独自】安倍元総理射殺事件 「山上容疑者」父の自殺の背景にあった"もうひとつの団体"の名» (em japonês). Yahoo News. Consultado em 14 de julho de 2022 
  19. «【《安倍元首相銃殺》「母親が宗教に傾倒し、大病を患う兄が自殺」山上徹也容疑者が自殺未遂に至った"不遇な家庭環境"と事件直前の"悪質レビュートラブル"» (em japonês). Yahoo News. Consultado em 14 de julho de 2022 
  20. «Morre aos 92 anos Sun Myung Moon, o reverendo Moon». G1. 2 de setembro de 2012. Consultado em 1 de abril de 2013 
  21. O fantástico império erguido pelo reverendo Moon. Revista Veja, 03 de setembro de 2012.
  22. PF vasculha casas do reverendo Moon em SP e MS[ligação inativa]. Revista Veja, 6 de maio de 2002.
  23. a b «Brazil chapter». Universal Peace Federation. Consultado em 14 de julho de 2022 
  24. https://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u32198.shtml
  25. https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/02/21/igreja-americana-vai-abencoar-casais-que-levarem-fuzis-ar-15-a-cerimonia.htm

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.