Igreja de Santo Asia, o Sábio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Igreja de Mar Assia al-Hakim)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igreja de Santo Asia, o Sábio
كنيسة مار آسيا الحكيم
Interior da igreja
Nomes anteriores Catedral de Nossa Senhora dos Sírios
Tipo Igreja
Inauguração 1500
Religião Igreja Católica Siríaca
Diocese Diocese de Alepo
Estado de conservação Parcialmente danificada
Geografia
País  Síria
Cidade Alepo
Coordenadas 36° 12' 21" N 37° 9' 22" E

A Igreja de Santo Asia, o Sábio, ou Igreja de Mar Asia al-Hakim (em árabe: كنيسة مار آسيا الحكيم), é uma igreja católica siríaca situada ao sul do bairro histórico de Al-Jdayde, em Alepo, Síria. A igreja pertence à Arquieparquia de Alepo da Igreja Católica Siríaca; foi construída no final do século XV e existe até a atualidade, embora parcialmente destruída.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Após a conquista de Alepo por Tamerlão em 1400 e a subsequente destruição do monastério da cidade, os cristãos migraram para fora das muralhas de Alepo e, em 1420, fundaram sua própria vizinhança, localizada ao noroeste da cidade, denominada Al-Jdayde (“novo”, em árabe). Em 1500, os cristãos católicos construíram a Catedral de Nossa Senhora dos Sírios, que serviria de sede para o Patriarcado Católico Siríaco entre os séculos XVII e XIX. A igreja é mencionada em um romance do explorador italiano Pietro Della Valle, que visitou Alepo em 1625.[2]

A igreja continuou sendo a catedral principal do episcopado siríaco católico (da Diocese de Alepo) até 1970, quando a nova Catedral de Nossa Senhora da Assunção foi inaugurada no centro de Alepo e se tornou a nova sede do episcopado. A antiga igreja fora renomeada para Mar Asia al-Hakim (em português: Santo Asia, o Sábio) no mesmo ano.[2]

Avarias[editar | editar código-fonte]

Durante sua existência, a igreja já foi avariada duas vezes: o primeiro desastre ocorreu em outubro de 1850, durante o Massacre de Alepo(en), quando diversas igrejas e casas de cristãos foram saqueados pelos muçulmanos revoltosos.[3] Em 16 de setembro de 2012, durante a Guerra Civil Síria, seu campanário, terminado em 1881, foi destruído após um bombardeio do Exército Livre da Síria.[4] Pelo mesmo bombardeio, a Catedral de Nossa Senhora da Assunção foi quase reduzida a escombros. Com a ajuda de entidades católicas e do governo húngaro, ambos os templos foram restaurados e, em 9 de setembro de 2018, foi realizada a missa de reinauguração pelo patriarca Inácio José III Younan.[5][6]

Referências

  1. «Saint Assia (Mar Asia Al Hakim)» [Santo Asia (Mar Asia al-Hakim)]. Christians of Syria (em inglês). ACN International. Consultado em 8 de novembro de 2018. 
  2. a b «قنشرين- كنيسة مار آسيا الحكيم» [Igreja de Santo Asia, o Sábio]. Churches & Monasteries Encyclopedia (em árabe). Qenshrin. Consultado em 8 de novembro de 2018. 
  3. Eldem, Edhem; Goffman, Daniel; Masters, Bruce (11 de novembro de 1999). The Ottoman City Between East and West: Aleppo, Izmir, and Istanbul [A cidade otomana entre o Ocidente e o Oriente: Alepo, Izmir e Instambul]. Col: Cambridge studies in Islamic civilization (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. p. 70. 244 páginas. ISBN 978 05 2164 304 7. Consultado em 8 de novembro de 2018. 
  4. «كنيسة مار اسيا الحكيم تتعرض لبعض التخريب» [Estragos na Igreja de Santo Asia, o Sábio] (em árabe). Arquidiocese Católica Siríaca de Alepo. 2 de outubro de 2012. Consultado em 9 de novembro de 2018.. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  5. Younan, Inácio José III (9 de setembro de 2018). «The rededication of the newly restored "Cathedral of the Assumption" for the Syriac Catholic Archdiocese of Aleppo, Syria» [A rededicação da nova “Catedral da Assunção” restaurada para a Arquidiocese Católica Siríaca de Alepo, Síria] (em inglês). Patriarcado Católico Siríaco de Antioquia. Consultado em 14 de novembro de 2018. 
  6. Ximena Rondón, María (20 de setembro de 2018). «Restauram na Síria catedral dedicada à Virgem como sinal de vitória sobre a morte». ACI Digital. Alepo: Agência Católica de Informações. Consultado em 14 de novembro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]