Igreja de Nossa Senhora do Rosário (Vitória)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igreja de Nossa Senhora do Rosário
Tipo igreja
Geografia
Coordenadas 20° 19' 8.375" S 40° 20' 2.656" O
Localização Vitória
País Brasil

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário é um templo católico localizado no centro histórico da cidade de Vitória, no estado do Espírito Santo. Tombada em 1946 como Patrimônio Histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN)[1], a igreja preserva as características originais de sua construção em estilo Barroco, retrata o período colonial praticamente desaparecido no centro histórico da capital espírito-santense.

História[editar | editar código-fonte]

A construção do templo foi iniciada em 1765 e durou dois anos, para a edificação foi utilizada mão de obra escrava. Construída em pedra e cal, seu interior é composto por nave, capela-mor, sacristia e um corredor com ossos de antigos integrantes da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. A igreja possui quatro altares, o principal é de 1911 e abriga a imagem da padroeira.  O terreno foi doado pelo capitão Felipe Gonçalves dos Santos à Irmandade. Ao lado da Igreja foi construída uma casa de leilão com o objetivo de arrecadar verbas para comprar a alforria de escravos. [2]

No século XIX a imagem de São Benedito foi roubada do convento de São Francisco, atual Cúria Metropolitana de Vitória, e levada para a Igreja de Nossa Senhora do Rosário pelos membros da Irmandade e devotos, principalmente os escravos que se identificavam com o santo, onde permanece até hoje. Esse episódio foi o início dos conflitos travados entre os Peroás (os irmãos da igreja do Rosário) e Caramurus (os irmãos do Convento).

A igreja está afastada do núcleo original da povoação de Vitória, possivelmente pelo fato de vários escravos participarem dos cultos, o que conferiu ao templo o nome de Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Negros. Ao lado da igreja foi construído um cemitério para garantir um lugar de descanso aos irmãos negros, pois na época os cemitérios públicos não aceitavam os corpos dos negros mesmo que tivessem sido alforriados antes da morte.

Atualmente existe no local um pequeno museu que resgata toda a história da igreja, peças sacras e antigas vestimentas utilizadas pela Irmandade de São Benedito e um andor que pesa aproximadamente 400 kg usado pelos fiéis durante as famosas procissões.

Referências