Igreja de São Julião de Setúbal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Igreja de São Julião de Setúbal
Church in Praca do Bocage.JPG
Apresentação
Tipo
Estilo
Arquiteto
Estatuto patrimonial
Monumento Nacional (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Coordenadas

A Igreja de São Julião fica situada em Setúbal, na Praça de Bocage, na freguesia de Setúbal (São Julião, Nossa Senhora da Anunciada e Santa Maria da Graça).

A Igreja de São Julião está classificada como Monumento Nacional desde 1910.[1]

Construção e reconstruções[editar | editar código-fonte]

Portal norte
Detalhe

A fundação da Igreja de São Julião teve lugar em data incerta da segunda metade do século XIII.

Em 1513, D. Manuel I ordenou a sua reconstrução[2]. A obra decorreu entre 1516 e 1520, sendo o traçado da igreja atribuído a João de Castilho e a direção da obra ao mestre pedreiro João Favacho[3].

Em 1570 volta a ser objeto de uma reedificação devido para reparação dos danos provocados pelo terramoto de 1531.

O terramoto de 1755 volta a danificá-la seriamente, sendo objeto de uma nova reconstrução no final do século XVIII.

Da reconstrução manuelina restam o portal principal (oeste), o portal lateral virado a norte e a porta da torre sineira[4].

Azulejos[editar | editar código-fonte]

As paredes das naves, da capela-mor e da capela do Senhor dos Passos estão revestidas com painéis de azulejos recortados, com cercadura rococó polícroma e rodapé marmoreado.

Os azulejos datam de cerca de 1790.

Os painéis das naves têm como tema passos da vida de São Julião e de Santa Basilissa[5].

Pintura[editar | editar código-fonte]

Na reconstrução manuelina a igreja foi decorada com um retábulo atribuído ao pintor Gregório Lopes, ou à sua oficina, de que resta a tábua Criação de Adão[6].

Referências

  1. Ficha na base de dados SIPA
  2. «Por carta régia de 2 de fevereiro de 1513 ordenou el-rei D. Manuel que se processe a uma reconstrução do templo, por se achar muito arruinado.» Cf. BARBOSA, Inácio de Vilhena. Monumentos de Portugal: históricos, artisticos e archeologicos. Lisboa: Castro Irmão, 1886. pp. 497-500.
  3. VITERBO, Sousa Francisco Marques Mendes de. Dicionário Histórico e Documental dos Arquitectos, Engenheiros e Construtores Portugueses. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1988. Reimpressão facsimilada da obra editada em 1899. Sv Favacho (João), vol 1, pg 317-319.
  4. PEREIRA, Fernando António Baptista. «Sobre o Manuelino de Setúbal», in CLARO, Rogério Peres (coord.). Setúbal na História. Setúbal: Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão, 1990, pp. 123-146.
  5. SIMÕES, J. M. dos Santos. A Azulejaria em Portugal no Século XVIII. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1979, pg. 382.
  6. PEREIRA, Fernando António Baptista, obra citada.
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Igreja de São Julião de Setúbal
Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.