Igreja de São Leonardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igreja de São Leonardo
Estilo dominante Romano-gótico
Início da construção Século XIII
Fim da construção Século XIV
Religião Igreja Católica
Diocese Diocese de Lisboa
Património Nacional
Classificação Logotipo Anta Vilarinho PT.png Monumento Nacional
Data 1949
DGPC 71114
Geografia
País Portugal Portugal
Local Atouguia da Baleia, concelho de Peniche, distrito de Leiria

A Igreja de São Leonardo de Atouguia da Baleia ou Igreja paroquial de Atouguia da Baleia ou Igreja matriz de Atouguia da Baleia (final do século XIII; séc. XIV) localiza-se no largo de São Leonardo, Atouguia da Baleia, concelho de Peniche, distrito de Leiria, Portugal (lat: 39.336491 long:-9.325337).

Edificação religiosa de características romano-góticas (apresenta também alguns elementos manuelinos e maneiristas); está classificada com Monumento Nacional desde 1949 (Decreto n.º 37 450, DG, I Série, n.º 129, de 16-06-1949).

História[editar | editar código-fonte]

Igreja de São Leonardo de Atouguia da Baleia (c. 1954)

Desconhecem-se as datas precisas da construção, mas admite-se que terá decorrido a partir do final do século XIII, prolongando-se ao longo do século XIV. Pouco depois de terminada, a igreja passou a ser local de enterramento de importantes senhores locais (tornar-se-ia num monumento emblemático dos Condes de Atouguia, a principal estirpe que governou a vila). No início do século XVI era uma importante igreja da Estremadura, sendo enriquecida com obras de beneficiação tipicamente manuelinas como o portal da sacristia e as ameias no coroamento exterior da capela-mor.[1]

O interior foi ainda alvo de novas atualizações (como a inclusão de pinturas murais, de que restam escassos vestígios), mas a história do templo acompanhou a da própria vila, perdendo progressivamente importância em benefício de Peniche. A igreja não voltaria a ser objeto de reformas significativas, tendo preservado o essencial da traça original. O restauro realizado na década de 1970 determinou a demolição de algumas obras consideradas pós-medievais como o coro-alto (1466).[1]

Características[editar | editar código-fonte]

Com planta de tipo mendicante, a igreja de São Leonardo de Atouguia da Baleia é uma das principais realizações do chamado Gótico Paroquial, uma tipologia que foi aplicada em diversos locais do país desde o final do século XIII até às primeiras décadas do século XVI.[1][2]

A igreja tem corpo de três naves escalonadas (a central com pé-direito superior às laterais), cobertas por teto de madeira e separadas entre si por largas arcarias ogivais assentes sobre altas colunas com capitéis romano-góticos de decoração vegetalista e zoomórfica. A capela-mor, de duplo tramo, sendo o final poligonal, é coberta por abóbada de nervuras e acolhe o túmulo de D. Álvaro Gonçalves de Ataíde, 1.º Conde de Atouguia. Na parede do túmulo abre-se a porta da sacristia, em arco conopial manuelino. Duas capelas laterais, à esquerda e à direita da nave, são enquadradas por pilastras e frontões maneiristas, destacando-se, na do lado esquerdo, o revestimento de azulejos policromos seiscentistas. No interior devem assinalar-se ainda o baixo-relevo da Natividade (um frontal de altar do século XIV de invulgar qualidade), e a pintura representando S. Leonardo, atribuída à oficina do Mestre de São Quintino.[2][3]

De perfil triangular, a fachada principal denuncia a organização espacial interior, sendo o corpo central organizado em dois registos: no inferior abre-se o portal ducentista, com três arquivoltas de arcaria pouco apontada e capiteis de decoração zoomórfica; no segundo, uma ampla rosácea contribui para a iluminação do interior. A fachada é flanqueada por uma torre sineira, encimada por duas pirâmides de arestas acogulhadas.[2][3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CALADO, Mariano. Peniche na História e na Lenda (3ª ed.). 1984.
  • FAUSTINO, Agostinho Correia. Atouguia da Baleia. 1991.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c PAF. «Igreja matriz de Atouguia da Baleia». Direção-Geral do Património Cultural. Consultado em 21 de agosto de 2015. 
  2. a b c «Igreja Paroquial de Atouguia da Baleia - Igreja de São Leonardo». SIPA. Consultado em 21 de agosto de 2015. 
  3. a b Almeida, José António Ferreira de (coordenação) – Tesouros Artísticos de Portugal. Lisboa: Seleções do Reader's Digest, 1976, p.107, 108
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja de São Leonardo