Igreja de São Salvador (Horta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igreja do Santíssimo Salvador
Matriz da Horta
Fachada da Igreja, anexa ao antigo Colégio dos Jesuítas
Estilo dominante Barroco
Início da construção 1680
Proprietário inicial Companhia de Jesus
Proprietário atual Diocese de Angra
Governo Regional dos Açores
Função atual Igreja Matriz da Horta
Património Nacional
Classificação Logotipo Imóvel de Interesse Público
Data 1980
SIPA 8182
Geografia
País Portugal
Cidade Horta
Coordenadas 38° 32' 13.4" N 28° 37' 36.1" O

A Igreja Matriz do Santíssimo Salvador localiza-se na freguesia da Matriz, na cidade e concelho da Horta, na ilha do Faial, nos Açores.

É bilateralmente anexa ao, outrora, Colégio dos Jesuítas da Horta, formando a maior fachada arquitetónica do arquipélago.

Esta Igreja do Colégio vir-se-ia a transformar na Igreja Matriz da Horta em 30 de Outubro de 1825, por substituição da primitiva igreja (da qual é remanescente a Torre do Relógio) devido ao seu adiantado estado de degradação.

Encontra-se classificada como Imóvel de Interesse Público pela Resolução n.º 41/80, de 11 de Junho.

História[editar | editar código-fonte]

A sua construção deveu-se à intervenção do padre Luís Lopes, primeiro reitor do Colégio dos Jesuíta de Ponta Delgada que, em 1635, foi forçado por um temporal a aportar ao Faial, quando se dirigia à ilha de São Miguel. O facto vem narrado na obra do padre António Franco publicada em 1720, onde também se regista que o Colégio dos Jesuítas da Horta foi erguido a expensas de Francisco Dutra de Quadros e de sua esposa, Isabel da Silveira.[1]

Igreja do Santíssimo Salvador: altar mor.

De acordo com o historiador faialense António Lourenço da Silveira Macedo esta igreja, sob a invocação de São Salvador, começou a ser construída em 1680, dois anos depois de se conseguir a provisão-régia que permitiu a importação de todo o material necessário. As obras do convento começariam apenas em 1719.[2]

No contexto da expulsão dos jesuítas do reino de Portugal (1759), à data da saída destes religiosos do Faial (1 de agosto de 1760) a igreja ainda não estava concluída. Nela já encontravam, entretanto, a talha dourada do altar-mor, a riquíssima capela da Senhora da Boa Morte, com as suas telas, os painéis de azulejos da capela-mor, a grande lâmpada de prata, o sumtuoso arcaz de pau-santo na sacristia, a custódia de bronze prateado, a estante de Cantochão giratória do coro de 1742, com finos embutidos de marfim representando passagens do Evangelho, o frontal de prata em estilo renascentista do antigo altar do Santíssimo, e diversas outras preciosidades, que hoje constituem o seu espólio.

Numa das dependências da igreja encontra-se a Sala do Tesouro da Matriz, exposição de Arte Sacra constituída por cerca de uma centena de peças de grande valor patrimonial. Entre as muitas peças expostas, podemos destacar a estante de Cantochão, as custódias da Matriz, estatuária do século XVII e XVIII e muitas outras alfaias litúrgicas de grande valor.




Referências

  1. COSTA, 1955-56:3.
  2. COSTA, 1955-56:3.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • COSTA, Francisco Carreiro da. "3. Igreja de São Salvador (Matriz) - Horta - Faial". in História das Igrejas e Ermidas dos Açores. Ponta Delgada (Açores): jornal Açores, 17 abr 1955 - 17 out 1956.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja de São Salvador (Horta)