Igrejas Caeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igrejas Caeiro
Nome completo Francisco Igrejas Caeiro
Nascimento 18 de agosto de 1917
Castanheira do Ribatejo, Vila Franca de Xira
Nacionalidade português
Morte 19 de fevereiro de 2012 (94 anos)
Lisboa
Ocupação Ator, locutor de rádio e televisão, político
Atividade (1940-?)
Cônjuge Irene Velez
Outros prémios
Prémio de Consagração de Carreira da SPA
Medalha de Honra da SPA
IMDb: (inglês)

Francisco Igrejas Caeiro, conhecido artisticamente como Igrejas Caeiro ComL (Vila Franca de Xira, Castanheira do Ribatejo, 18 de Agosto de 1917Lisboa, 19 de Fevereiro de 2012), foi um actor, locutor de rádio e televisão e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Igrejas Caeiro nasceu a 18 de Agosto de 1917 em Castanheira do Ribatejo, freguesia portuguesa do concelho de Vila Franca de Xira.[1][2] Oficialmente é natural de Lisboa.[3]

Após um concurso estreou-se como ator em 1940 no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa,[1][2][3] de onde seria expulso, anos mais tarde, por causa das suas posições antifascistas, posições essas que viriam a fazer com que o regime de Salazar o proibisse de se apresentar em espectáculos ao vivo[4].

Através do mesmo concurso de 1940 entraria na Emissora Nacional onde chegaria a locutor de 1.ª classe antes sair em 1948, vítima de um saneamento político juntamente com uma dezena de outros trabalhadores que só regressariam à estação estatal após o 25 de Abril de 1974.[1][3]

Entre as suas obras, contam-se a actuação no filme Camões, de Leitão de Barros, em 1946, e a produção dos populares programas radiofónicos Os Companheiros da Alegria (Rádio Clube Português[4]) e Comboio das Seis e Meia,[1][2][3] nos inícios dos anos 50 do século XX.

No entanto, em 1954, veria todas as suas actividades profissionais ligadas com os espectáculos públicos suspensas pelo Estado Novo, regressando passados 5 anos ao teatro.[3][4]

Em 1969, fundou e e foi director artístico do Teatro Maria Matos, em Lisboa,[1][2] que foi inaugurado com a peça Tombo no Inferno, de Aquilino Ribeiro.

Nestes tempos de Primavera Marcelista viria a colaborar na televisão como actor e realizador, sendo ainda o apresentador de TV Palco por cinco anos.[3]

Após o 25 de Abril Igrejas Caeiro foi Deputado pelo Partido Socialista à Assembleia Constituinte (1974-1976) pelo Círculo Eleitoral de Lisboa[5] e depois à Assembleia da República.[1][2][3]

Entre 1976 e 1979, Igrejas Caeiro foi ainda Director de Programas da Emissora Nacional de Radiodifusão, actual Rádio e Televisão de Portugal.[3]

Regressando à política, Igrejas Caeiro foi Vereador da Câmara Municipal de Cascais[2] com o Pelouro da Cultura, Desporto e Turismo, entre 1982 e 1985,[3] durante o mandato da Presidente Helena Roseta.

Foi feito Comendador da Ordem da Liberdade a 9 de Junho de 1995.[3][6] Igrejas Caeiro foi ainda distinguido com a Medalha de Ouro da Câmara Municipal de Oeiras.[3]

Em 2005 Igrejas Caeiro recebeu o Prémio de Consagração de Carreira e a Medalha de Honra da Sociedade Portuguesa de Autores.[1][2]

Em 2007, recebeu da Câmara Municipal de Lisboa a Medalha de Mérito Municipal, no seu Grau Ouro, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Teatro (27 de Março), a par de Ruy de Carvalho, Fernanda Borsatti e, a título póstumo, Artur Ramos.[7]

Foi casado, ao longo de mais de 60 anos, com a actriz Irene Velez, falecida em 2004, a Lelé dos diálogos de O Zequinha e a Lelé, com Vasco Santana, que Igrejas Caeiro produziu.

Igrejas Caeiro morreu em Lisboa, aos 94 anos, em 19 de Fevereiro de 2012.[1][2]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h Agência Lusa e Público (19 de fevereiro de 2012). «Morreu Igrejas Caeiro». Jornal Público. Consultado em 12 de abril de 2016. Arquivado do original em 12 de abril de 2016 
  2. a b c d e f g h «Morreu Francisco Igrejas Caeiro». Semanário Expresso. 19 de fevereiro de 2012. Consultado em 19 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 9 de julho de 2012  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  3. a b c d e f g h i j k «Igrejas Caeiro». Indica dia 10 para entrega da Comenda. Câmara Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de Junho de 2008. Arquivado do original em 11 de junho de 2007 
  4. a b c João Paulo Dinis (14 de agosto de 2010). «No Ar – Episódio 22». Minutos 15-17. RTP Arquivos 
  5. «Lista De Deputados à Assembleia Constituinte por Círculos Eleitorais.». Assembleia da República. Consultado em 27 de agosto de 2014. Arquivado do original em 11 de abril de 2015  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda); |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  6. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Francisco Igrejas Caeiro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de dezembro de 2014 
  7. «Câmara atribui Medalha de Mérito a quatro grandes actores no Dia Mundial do Teatro». Câmara Municipal de Lisboa. 28 de março de 2007. Arquivado do original em 5 de maio de 2007 
  8. a b c d e f g h Igrejas Caeiro (em inglês) no Internet Movie Database. Consultado em 2016-04-12

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um radialista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.