Ikumi Yoshimatsu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nuvola apps kcmpartitions.png
Este artigo não está em nenhuma categoria (desde fevereiro de 2019).
Por favor, categorize-o para que seja listado com suas páginas similares.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2019). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Ikumi

Ikumi Yoshimatsu (Tosu, 21 de junho de 1987) é uma modelo e rainha de beleza japonesa que venceu o Miss Internacional 2012, realizado em Okinawa, Japão, em 21 de outubro de 2012.

Ela foi a primeira de seu país a vencer este concurso, porém não reinou até o fim e nem coroou sua sucessora por ter sofrido ameaças durante seu reinado.

Participação em concursos de beleza[editar | editar código-fonte]

O primeiro concurso de Ikumi foi o Miss Japão 2007, onde foi semifinalista.

Em 2010 Ikumi participou do Miss Tourism Queen of the Year International, onde também foi semifinalista, e do Miss Bikini International, onde não se classificou, e em 2011 participou do Miss Japão Terra, onde ficou em 3º lugar. [1]

Em 2012, representando Saga, Ikumi venceu o Miss Japão Internacional. Neste concurso ela também levou o prêmio de Miss Fotogenia.

Em outubro do mesmo ano, ela participou do Miss Internacional e, derrotando outras 68 candidatas, tornou-se a primeira japonesa a vencer este concurso.

Ela foi a última Miss Japão antes das mudanças ocorridas na direção da organização japonesa (ICA - International Culture Association).

O escândalo das ameaças[editar | editar código-fonte]

Durante o Miss Internacional 2013, Ikumi revelou que foi ameaçada por Genichi Taniguchim, um executivo da agência K-Dash com a qual trabalhava e com a qual queria terminar o contrato. Ela também denunciou que a agência teria ligações com a Yakuza, a máfia japonesa. Devido às ameaças e à polêmica, a ICA a impediu de participar do concurso e coroar sua sucessora. [2] [3]

O caso teve bastante repercussão, tendo Ikumi inclusive recebido o apoio público de Akie Abe, esposa do então Primeiro Ministro japonês Shinzo Abe. [4]

Posteriormente, Ikumi processou a agência por "ameaças e perseguição".

Vida pós-concursos[editar | editar código-fonte]

Ikumi é influenciadora digital, atriz, atleta e ativista social. [5] [6]

Referências