Ilê Axé Opô Aganjú

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde novembro de 2015). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Candomblé

Religiões afro-brasileiras


Princípios básicos

Deus
Ketu | Olorum | Orixás
Jeje | Mawu | Vodun
Bantu | Nzambi | Nkisi


Religiões
Babaçuê | Batuque | Cabula
Candomblé | Culto de Ifá
Culto aos Egungun | Quimbanda
Macumba | Omoloko
Tambor-de-Mina | Terecô
Xambá | Xangô de Pernambuco


Temáticas
Confraria | Hierarquia
Sacerdotes | Sincretismo
Templos afro-brasileiros


Religiões semelhantes
Religiões Africanas | Abakuá
Arará | Lukumí | Obeah
Palo | Regla de Ocha | Santeria



Ilê Axé Opô Aganjú, terreiro de Candomblé situado na rua Sakete 32 (nome dado em homenagem a uma cidade em Benin), Alto da Vila Praiana, foi fundado em Lauro de Freitas, BA, no ano de 1966.

Tombado pelo Instituto Patrimônio Artístico e Cultural IPAC Decreto 9495/05.

É dirigido pelo babalorixá Balbino de Xangô, Obarayin. Neto de escravos e filho do Alapini Pedro Daniel de Paula que tinha um terreiro em Ponta de Areia, na Ilha de Itaparica. Desde pequeno participava dos cultos a egungun, e na ocasião conheceu o antropólogo Pierre Verger que acompanhava Mãe Senhora em uma visita. Nasceu em família de santo, certa vez foi recolhido para ser iniciado por causa de problema de saúde, na casa do pai de santo Vidal de Oxaguian, no bairro da Federação, mas o Sr. Vidal morreu com uma semana que ele estava recolhido, voltou para casa sem ser iniciado.

Mais tarde foi iniciado no Ilê Axé Opô Afonjá em São Gonçalo do Retiro, por mãe Senhora Asipá, tornou ainda maior e honrada a família de Sàngó (Xangô) neste país, criando os Oyiè Mogbá ti Sángò, e onde conviveu com personalidades como Jorge Amado e o Ojú Obá Fatumbi Pierre Verger com quem foi várias vezes para Benin na África.

Pai Balbino de Aganjú vem contribuindo para o resgate da religiosidade dos cultos afrodescendente no Brasil, reconhecimento este marcado com o tombamento do axé pelo governador Paulo Souto, na pessoa do Mogbá Sàngó Julio Santana Braga, em 16 de dezembro de 2003 e Tombado pelo Instituto Patrimônio Artístico e Cultural IPAC Decreto 9495/05.

Acompanhado sempre pelo saudoso babakekerê Ailton Ti Odé, (Odéfaromi), mantém uma creche para 60 crianças de comunidades carentes de Lauro de Freitas.

Pai Balbino de Aganjú, tem seguimento de filhos de santo e netos no Estado do Rio de Janeiro.

Em Santa Cruz da Serra, tem a filha Omidarewá, na casa Ile Axé Atara Magba e o Ile de Oyá em Itaipú Niterói, que é de sua filha Diana de Oyá, seus netos e netas: Efunsholar (Babá Walter Ty Osoguyian) dirige o Ile Asè Babá Igbo no Pilar em Duque de Caxias; Odenibo que dirige o Ile axé Odé em Cabo Frio, Alexandre de Exu, em Niterói com o Ilú Axé Eleegbara Tolá, Bàbá Ògóbenga - "Ifadekó"Seu bisneto ,Baba Megide do Ogum dirige em São João de Meriti o "Ile Asè Akorominan".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre candomblé é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre patrimônio histórico no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.