O Porteiro da Noite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Il portiere di notte)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.


O Porteiro da Noite
Il portiere di notte
 Itália
1974 •  cor •  118 min 
Direção Liliana Cavani
Produção Esa De Simone
Robert Gordon Edwards
Roteiro Liliana Cavani
Distribuição The Criterion Collection
Lançamento 1974
Página no IMDb (em inglês)

O Porteiro da Noite[1][2] (Il portiere di notte) é um filme italiano de 1974, do gênero drama, com roteiro e direção de Liliana Cavani e história de Barbara Alberti. O filme levanta muitas polêmicas ao tratar de temas como a transgressão sexual e o nazismo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Treze anos após a Segunda Guerra Mundial, uma sobrevivente de um campo de concentração e seu torturador, atualmente um porteiro noturno de um hotel em Viena, encontram-se novamente e revivem o seu relacionamento sadomasoquista. Dirk Bogarde interpreta Maximilian Theo Aldorfer, o ex-oficial da polícia nazista, e Charlotte Rampling interpreta Lucia Atherton, a sobrevivente do campo de concentração.

Para encobrir seu passado vergonhoso, Max trabalha obsessivamente como porteiro noturno de um hotel, onde seu objetivo é recepcionar os convidados e ajudá-los no que precisarem. Uma de suas clientes é a Condessa, que requisita seus serviços para conseguir jovens parceiros sexuais.

Max recepciona também criminosos de guerra, que mantém encontros secretos no hotel com o objetivo de encobrir qualquer evidência que conecte-os com seus crimes. O grupo trabalha com arquivos que devem ser destruídos e testemunhos que devem ser alterados ou eliminados.

Nesse ambiente, onde impera a nostalgia pelo Führer, surge a única testemunha que pode denunciá-los – a jovem vítima vienense que agora é casada com um músico americano. Max, que abusava sexualmente da garota, fica novamente obcecado por ela e pelo relacionamento que tiveram. Porém, eles se vêem irremediavelmente separados por causa do passado sombrio que compartilham e do aparente perigo representado pelos fanáticos e sanguinários comparsas nazistas de Max, Klaus e Hans.

Max e Lucia são vítimas de um tenebroso mundo pós-guerra no qual não se deve acreditar em nada nem ninguém. O filme descreve não apenas o vazio político entre o nazismo e a Europa pós-guerra, mas revela também a face psicológica do europeu obcecado numa repetição compulsiva do passado.

O trabalho da diretora Liliana Cavani provocou uma forte reação tanto da crítica como do público. Foi elogiada por sua coragem em retratar o perturbador tema da transgressão sexual e, ao mesmo tempo, criticada pela maneira controversa com que apresentou essa transgressão – o escandalizante contexto do holocausto nazista. Utilizando temas perturbadores, além de um esclarecimento moral ambíguo no final, o filme tende a dividir opiniões. Talvez por isso, "O porteiro da noite" seja o filme por qual Cavani seja mais conhecida.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. AdoroCinema (Brasil)
  2. CineCartaz (Portugal)