O Evangelho segundo São Mateus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Il vangelo secondo Matteo)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre um filme. Para o livro bíblico, veja Evangelho segundo Mateus.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Cinema.
Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

Este artigo está para revisão desde abril de 2018.

Il Vangelo Secondo Matteo
No Brasil O Evangelho segundo São Mateus
Em Portugal O Evangelho segundo São Mateus
 Itália,  França
1964 •  P&B •  133 min 
Direção Pier Paolo Pasolini
Roteiro Pier Paolo Pasolini
Elenco Enrique Irazoqui
Margherita Caruso
Susanna Pasolini
Género drama histórico
Idioma italiano
Página no IMDb (em inglês)

O Evangelho segundo São Mateus[1][2] (em italiano: Il Vangelo Secondo Matteo) é um filme franco-italiano de 1964 dirigido por Pier Paolo Pasolini.

O Cristo de Pasolini[editar | editar código-fonte]

Uma visão diferente da pregação e martírio de Jesus Cristo. Em vez do cordato pastor, um líder, que reivindica e se enfurece. A intenção de Pasolini era mostrar Jesus como um homem de seu tempo. Para isso, preferiu atores amadores ou pessoas do povo.

O filme reinventa a figura mítica do Cristo partindo dos diálogos tirados do Evangelho de Mateus, considerado o mais realista dos quatro. O Cristo de Pasolini é um homem severo e inflexível, "diz que não veio trazer a paz, mas a espada".[3]

Inquieto com o avanço industrial na Itália (1950 e 1960), que dizia comprometer a diversidade cultural, Pasolini utiliza no filme, em contraponto, os elementos poéticos e míticos da cultura ancestral, como o sacrifício necessário à sacralização e ao renascimento.

Marxista, desde jovem, ateu e anticlerical, o cineasta utiliza recursos relacionados com o cristianismo que absorveu da mãe, como o sacrifício e a pureza mítica, como indissociáveis dos ideais revolucionários e de uma ideia de liberdade que não excluía o sacrifício de sangue.[3]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. O Evangelho segundo São Mateus (em português) no AdoroCinema (Brasil)
  2. O Evangelho segundo São Mateus (em português) no CineCartaz (Portugal)
  3. a b Revista História Viva, 2, pg. 11. Editora Duetto. São Paulo (2003).
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme do cinema italiano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.