Ilda Reis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Ilda Reis - (Lisboa, 1 de Janeiro de 1923 - Lisboa, 1998) foi uma artista plástica portuguesa que, durante três décadas de produção criativa, se dedicou exclusivamente à gravura. Foi casada, de 1944 a 1970, com o escritor José Saramago.

O seu percurso artístico começa na Escola de Artes Decorativas de António Arroio, que interrompe para focar-se apenas na sua carreira profissional como dactilógrafa da CP até ao ano de 1965. Nesse ano, com a idade de 42 anos a artista “abandona o emprego seguro” e regressa ao mundo das artes e dos seus estudos artísticos inscrevendo-se num curso de pintura e desenho na Sociedade Nacional de Belas Artes. Estudou gravura e serigrafia na Gravura – Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, espaço por onde passaram Júlio Pomar, Manuela Pinheiro, Alice Jorge e Sérgio Pombo e onde orientou alguns cursos. Foi membro da direcção da «Gravura» em 1971/72 e do Conselho Técnico em 1972/73, e bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em 1971/72 e 1979/80.

A obra gravada de Ilda Reis encontra-se em depósito na Biblioteca Nacional, em Lisboa.

Exposições Individuais[editar | editar código-fonte]

2003. Retrospectiva de Gravura. Galeria das Salgadeiras. Lisboa.

1996. Exposição de Pintura. Caixa Geral de Depósitos. Cascais.

1996. Exposição de Pintura. «Gravura – Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses». Lisboa.

1995. “Pintura Habitada”. Galeria Municipal Verney. Oeiras.

1994. Exposição de Pintura. Galeria Funchália. Funchal.

1994. Exposição de Pintura. Galeria São Francisco. Lisboa.

1990. Quinta dos Arcos. Boliqueime.

1989. Moçambique.

1989. Galeria Tamaris. Montréal. Canadá.

1989. Casa da Cultura. Caldas da Rainha.

1988. «Clube do Lago». Monte Estoril.

1988. «Secretaria Regional de Turismo e Cultura». Funchal.

1988. Casa do Bocage. Setúbal.

1988. Galeria Espiral. Oeiras.

1986. Museu Tavares Proença. Castelo Branco.

1985. Galeria «Jornal de Notícias». Porto.

1982. Galeria «Teatro Municipal Baltazar Dias». Funchal.

1973. Galeria L55. Paris. França.

1973. Galeria Espaço. Porto.

1972. Galeria São Francisco. Lisboa.

1971. Galeria Núcleo de Arte. Moçambique.

Exposições Colectivas em Portugal[editar | editar código-fonte]

Entre 1966 e 1998 participou em mais de 100 exposições colectivas.

Exposições Colectivas no Estrangeiro[editar | editar código-fonte]

2005 “Bairro Alto – Colectiva de 10 Artistas Portugueses”. Itinerância de Abril a Setembro, comissariada por Ana Matos. Província de Granada. Espanha.

1994. Centro Internacional de Arte. Kyoto. Japão. 1993. I Bienal Internacional de Gravura. Maastricht. Holanda.

1992. Centro Internacional de Arte. Kyoto. Japão.

1991. Centro Internacional de Arte. Kyoto. Japão.

1989. Embaixada de Portugal – Centro Cultural Português. Cidade da Praia. Cabo Verde.

1989. IV Bienal Nacional do Livro. Rio de Janeiro. Brasil.

1988. Grand Prix Européen de Arts et des Lettres. Nice. França.

1988. Exposição de Arte Portuguesa Didático-Cultural. França, Bélgica e Luxemburgo.

1987. Ano Europeu do Ambiente. Inglaterra, França, Israel, Áustria, antiga FRA e Portugal (Museu de Setúbal).

1984. IX Trienal de Xilogravura. Suíça (Winterthur e Bulle), Itália (Génova) e Alemanha (Schwetzingen)

1984. Trienal Europeia de Gravura. Veneza. Itália.

1983. XV Bienal Internacional de Gravura. Ljubljana.

1983. III Bienal de Gravura Europeia. Baden-Banden e Heidelberg.

1980. Zeigenossiche Portugiesische Grafik. Galerie Bernhard. Weber-Manheim.

1978. Exposição de Gravura Contemporânea. Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Brasil.

1978. Gravura Portuguesa Contemporânea. Viterbo. Itália.

1978. Gravura Portuguesa Contemporânea. Galeria Felizitas. Mentel-Manheim.

1978. Zeitgenossiche Grafik aus Portugal. Manheimer. Abendakamie.

1978. II Mal Portugal. Galerie Linde in Derendinge. Suíça.

1977. I Exposição de Gravadores Portugueses. Madrid. Espanha.

1976 a 1978. Gravura Portuguesa Contemporânea, organizada pela Secretaria de Estado da Cultura. Veneza, Bolonha e Roma. Itália.

1976. Lunds Konsthall Portugisiskt. Museu de Luns. Suécia.

1975. XI Bienal Internacional de Gravura. Ljubljana.

1975. Gravura Portuguesa Contemporânea. Centro Cultural da Fundação Calouste Gulbenkian. Paris. França.

1975. Exposição Colectiva de Gravadores Portugueses. Madrid. Espanha.

1975. X Bienal Internacional. Tóquio. Japão . 1973. X Bienal Internacional de Gravura. Ljubljana.

1973. Rothman’s Gallery. New Jersey. EUA.

1972. XX Salão de Gravura. Museu de Arte Contemporânea. Madrid.

1972. VI Salão de Arte Moderna. Luanda.

1972. III Bienal Internacional de Gravura. Florença. Itália.

1972. II Bienal Internacional de Gravura. Seul.

1972. III Bienal Internacional de Gravura. Buenos Aires. Argentina.

1972. II Trienal Internacional de Xilogravura. Capri. Itália.

1971. Gravura Portuguesa. São Salvador da Baía. Brasil.

1970 a 1975. Gravura Portuguesa Contemporânea, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian. Paris. França.

1970. II Bienal Internacional de Gravura. Cracóvia.

1970. IV Salão de Arte Moderna. Luanda.

1969. Exposição Internacional de Gravura. Catânia.

1968. II Bienal Internacional de Gravura. Pescia.

Prémios[editar | editar código-fonte]

1994. Prémio de Edição. IV Bienal de Gravura da Amadora. Amadora.

1990. Menção Honrosa. IV Exposição de Pequeno Formato, Viragem. Cascais.

1988. Prémio Jusgoslávia. Grand Prix Européen des Arts et des Lettres. Nice. França.

1987. 1º Prémio. I Bienal de Arte. Grupo Dramático Povoense.

1987. Menção Honrosa. Ano Europeu do Ambiente. Museu de Setúbal. Setúbal.

1984. Prémio de Edição. I Exposição de Arte – Banco Fomento Nacional. Lisboa.

1981. Prémio de Edição. III Exposição Nacional de Gravura. Lisboa.

1972. Medalha de Ouro. III Bienal Internacional de Gravura. Florença. Itália.

1972. Medalha de Bronze. II Trienal Internacional de Xilogravura. Carpi. Itália.

1971. Medalha de Prata. XVII Salão de Outono. Junta de Turismo da Costa do Sol. Estoril.

1971. Medalha de Prata. XVI Salão de Primavera. Junta de Turismo da Costa do Sol. Estoril.

1970. Medalha de Prata. XVI Salão de Primavera. Junta de Turismo da Costa do Sol. Estoril.

1970. Medalha de Prata. VIII Salão de Arte Moderna. Junta de Turismo da Costa do Sol. Estoril.

1967. Menção Honrosa. Círculo de Artes Plásticas. Coimbra.

Edições[editar | editar código-fonte]

Várias vezes editada pela «Gravura – Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses», Lisboa.

Editada pela Galeria Triângulo 48, Algés.

Editada pela Galeria Espiral, Oeiras.

Editada pelo Centro Português de Serigrafia, Lisboa.

Representações[editar | editar código-fonte]

Representada na Fundação Calouste Gulbenkian, Casa de Serralves (Secretaria de Estado da Cultura), Museu de Setúbal, Banco Fomento Nacional, Museu da Cidade de Lisboa, museus estrangeiros e colecções particulares.

Referências

  • Azevedo, Fernando (1972) Ilda Reis: exposição individual. Lisboa: Galeria de S. Francisco.
  • Azevedo, Fernando (1988) Ilda Reis: exposição individual na Casa de Bocage. Setúbal: Galeria Municipal de Artes Visuais.
  • Azevedo, Fernando, (1973) Ilda Reis: exposição individual. Lisboa: Galeria Espaço 1973.
  • Matos, Ana sobre a obra de Ilda Reis (2008 a) folha de sala da exposição retrospectiva na Biblioteca Nacional de Portugal, 2008, Lisboa.
  • Tavares, Cristina (1989) exposição individual na Galeria Tamaris. Montreal: Canada.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]