Ilhas Cook

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cook Islands
Ilhas Cook
Flag of the Cook Islands.svg [[Ficheiro:|85px|center|]]
Bandeira Brasão
Lema: Deus é Verdade
Hino nacional: Te Atua Mou E
Gentílico: cookiano(a)(s)[1] ; cookense(s)

Localização  Ilhas Cook

Localização das Ilhas Cook
Capital Avarua
Língua oficial Inglês, Maori
Governo Monarquia constitucional
 - Monarca Isabel II
 - Representante da Rainha Tom Marsters
 - Primeiro-ministro Henry Puna
Associação livre  
 - Não houve independência. Associação livre com a Nova Zelândia 4 de Agosto de 1965 
Moeda Dólar da Nova Zelândia (NZD)
Fuso horário (UTC+10)
Cód. ISO .ck
Cód. telef. +682
Aitutaki, Ilhas Cook.
Rarotonga, Ilhas Cook.

As Ilhas Cook (em inglês: Cook Islands, pronunciado: [ˈkʊk ˈaɪləndz]; em maori: Kūki 'Āirani[2] ) são um país insular na Oceania, atualmente em livre associação com a Nova Zelândia. Situadas na Polinésia[3] , compreendem dois grupos de ilhas dispersas por uma vasta extensão de oceano, as Ilhas Cook Setentrionais e as Ilhas Cook Meridionais, e ainda o Recife Beveridge. Os vizinhos mais próximos das Ilhas Cook são Quiribáti a norte; a Polinésia Francesa, a leste; e Tonga, a Samoa Americana, Niue e o território neozelandês de Toquelau a oeste. A sua capital é Avarua, na ilha de Rarotonga.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História das Ilhas Cook

As ilhas, anteriormente exploradas e povoadas por polinésios e espanhóis, receberam seu nome do navegante britânico James Cook que, em 1770, traçou o primeiro mapa do arquipélago.[4] [5]

Em 1821, missionários taitianos foram enviados para as ilhas pela London Missionary Society e fundaram uma sociedade teocrática protestante. Destruíram as estruturas pagãs e as formas tradicionais de organização. As ilhas foram declaradas protetorado britânico em 1888 e passaram a fazer parte da Nova Zelândia em 1901, quando foi reconhecido o direito dos maoris a suas terras e foi proibida a venda de imóveis a estrangeiros. Em 1965, por meio de um plebiscito promovido e supervisionado pela ONU, em que puderam votar pela independência do país, a maioria da população cookense manifestou-se no sentido de obter autonomia interna, mas mantendo um vínculo com a Nova Zelândia, como um estado associado (arranjo similar foi escolhido pela população da vizinha Niue).

Durante 15 anos, o primeiro-ministro Albert Henry, do Partido das Ilhas Cook (PIC), governou com mão de ferro. Em 1978, foi substituído por Thomas Davis, do Partido Democrático (PD), que iniciou programas de estímulo ao setor privado exportador de frutas. No entanto, foi deposto pelo Parlamento em 1987 e substituído por Pupuke Robati, também do PD.

A partir de 1991, quando as injeções econômicas da Nova Zelândia nas Ilhas Cook ficaram reduzidas a 17% do orçamento do arquipélago, os dois governos decidiram que o órgão auditor das Ilhas Cook ficaria encarregado de supervisionar as finanças estatais em substituição à auditoria da Nova Zelândia.

Ao iniciar-se a segunda metade da década de 1990, a dívida pública cookiana alcançava cerca de 900 milhões de dólares estadunidenses. O primeiro-ministro Geoffrey Henry anunciou uma série de medidas drásticas, como a redução em 50% do funcionalismo público, corte de 15% do salário dos funcionários públicos restantes e um plano de privatização. No final de 1997, ademais, o governo cookiano acabou com alguns ministérios por falta de verbas e reduziu o orçamento dos ministérios restantes em 10%.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Geografia das Ilhas Cook

As Ilhas Cook são um arquipélago situado no Pacífico Sul, com uma área de 236 km², a 2.700 km a nordeste da Nova Zelândia[6] . O país é composto por 15 ilhas, estendidas em uma superfície marítima de 2 milhões de km². Divide-se em dois grupos: as ilhas do norte são seis pequenos atóis coralinos, baixos e áridos, com área total de 25 km²; as do sul são oito ilhas vulcânicas mais extensas, altas e férteis (211 km²).

A capital Avarua fica na maior ilha, Rarotonga (67 km²). No final do século passado e início deste século, a ilha, em média a cada cinco anos, tem sofrido secas gravíssimas.

Economia[editar | editar código-fonte]

A Ilhas Cook tem no turismo sua principal atividade econômica, com diversos outros Estados na Polinésia e Micronésia. Outra fonte de renda importante é o repasse de verbas da Nova Zelândia, pais que possui uma livre associação.

Tem participação na economia a exportação de pérolas e frutos nativos, além de serviços financeiros off-shore.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Demografia das Ilhas Cook

Composição étnica: a maioria da população é maori.

Religião: Cristianismo.

Idiomas: São língua oficiais o inglês e o maori das Ilhas Cook. A língua maori local e as tradições cookenses são similares às dos maoris da Nova Zelândia.

Referências

  1. http://globoesporte.globo.com/platb/futebolnaoceania/2013/08/18/com-rivais-tentando-quebrar-a-hegemonia-do-tupapa-maraerenga-campeonato-cookiano-comeca-nesta-quarta-feira/
  2. Cook Islands Maori dictionary by Jasper Buse & Raututi Taringa, Cook Islands Ministry of Education (1995) page 200
  3. A View from the Cook Islands SOPAC
  4. «Cook Islands Government website». Cook-islands.gov.ck. Consultado em 11 de junho de 2012. 
  5. Cook Islands Samoa2007.com
  6. "Cook Islands Travel Guide" (with description), World Travel Guide, Nexus Media Communications, 2006. Webpage: WTGuide-Cook-Islands.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Nova Zelândia