Ilyushin Il-22

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Aviação.
Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde setembro de 2017.


Il-22
Descrição
País de origem  União Soviética
Fabricante Ilyushin
Quantidade
produzida
1 unidade(s)
Primeiro voo 22 de julho de 1947
Missão Bombardeiro
Dimensões
Comprimento 21.05 m
Envergadura 23.06 m
Área (asas) 74.5 m²
Peso
Tara 14950 kg
Peso bruto máximo 20000 kg
Propulsão
Motores 4 × Lyul'ka TR-1 turbojato de fluxo axial
Força (por motor) 12.75 kN
Performance
Velocidade máxima 718 km/h
Alcance bélico 865 km
Tecto máximo 11100 m
Armamento
Metralhadoras 1 x fixa 23 mm (0.906 in) Nudelman-Suranov NS-23
2 x 20 mm (0.787 in) Berezin B-20E na torre dorsal
1 x 23 mm (0.906 in) NS-23 na torre traseira
Mísseis/Bombas Normal 2.000 kg (4.400 lb)
Máximo 3.000 kg (6.600 lb)
Notas
Referências[1]

O Ilyushin Il-22, designação da Força Aérea dos Estados Unidos Type 10,[2] foi o primeiro bombardeiro com Motor a reação soviético a voar. Utilizava quatro turbojatos Lyulka TR-1 carregados em pilones horizontais a frente e sob a asa. Os motores não alcançaram suas especificações de potência projetadas e o consumo de combustível era maior do que o planejado. Estes problemas significavam que a aeronave não poderia alcançar seu desempenho requerido e foi cancelado em 22 de Setembro de 1947.[3]

Projeto e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O Conselho de Ministros soviético solicitou à Ilyushin no dia 12 de Fevereiro de 1946 a iniciar trabalhos em um bombardeiro que utilizasse quatro dos novos motores TR-1. As experiências com a primeira geração de caças a jato revelaram problemas não suspeitados envolvendo voo em alta velocidade a Ilyushin gastou tempo demais para mitigá-los. A longa, fina e não enflechada asa possuía desenho convencional, mas foi projetada para aumentar a estabilidade lateral em altos ângulos de ataque e prevenir o estol de ponta de asa.[4]

Outro problema descoberto pelos calas a jato foi de que a asa de repente caí para um lado ou para o outro em altas velocidades ou altas altitudes. Ao procurarem a origem do problema, descobriram ser defeitos na manufatura das asas, que não gerava diferença em baixas velocidades e altitudes, mas significava que cada asa tinha uma pequena diferença de Aerofólio e então, uma diferença na quantidade de sustentação Para resolver isto, Sergey Ilyushin e sua equipe desenvolveram uma nova técnica de fabricação que era reversa à prática tradicional, onde os membros de suporte internos eram afixados nas ferramentas a os painéis da aeronave eram então colocados. Este novo método colocava os painéis da aeronave nas ferramentas onde a correta curvatura e forma poderia ser garantida e então a estrutura interna era ligadas aos painéis. Isto requereu juntas de produção serem usadas ao longo das linhas da corda nas superfícies das asas e da cauda, dividindo então as longarinas e nervuras pela metade. Similarmente, a fuselagem foi construída da mesma forma, entretanto sendo separada verticalmente ao longo da linha central. Esta nova técnica trouxe também um peso extra, mas teve uma vantagem não esperada de acelerar significativamente o processo de montagem, de forma que os equipamentos internos podiam ser instalados antes das metades serem juntadas. Isto permitiu que várias equipes trabalhassem em uma única sub-montagem antes que fossem juntadas.[5]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Gordon, Yefim (2004). Early Soviet Jet Bombers. Hinkley: Midland Publishing. ISBN 1 85780 181 4 
  2. Parsch, Andreas and Aleksey V. Martynov. "Designations of Soviet and Russian Military Aircraft and Missiles." designation-systems.net, 2008. Acessado: 21 de Agosto de 2011.
  3. Němeček 1986, p. 170.
  4. Gordon 2004, p. 108.
  5. Gordon 2004, pp. 108–109.