Imigração japonesa no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Japão Nipo-brasileiros Brasil
Juliana ImaiJuniti SaitoTizuka Yamasaki
Luiz GushikenDaniele SuzukiLisa Ono
LovefoxxxSabrina SatoGeovanna TominagaHugo HoyamaMitsuyo MaedaFernanda TakaiTomie Ohtake
Notáveis Nipo-brasileiros:
Juliana Imai[1]  · Juniti Saito[2]  · Tizuka Yamasaki[3]
Luiz Gushiken[4]  · Daniele Suzuki[5] [6]  · Lisa Ono[7]
Lovefoxxx[6]  · Sabrina Sato[8]  · Geovanna Tominaga[9] [10]
Hugo Hoyama[11]  · Mitsuyo Maeda[12]  · Paulo Okamotto[13]
Fernanda Takai[6] [14]
 · Tomie Ohtake[15]
População total

Cerca de 1.500.000 (0.7% da população brasileira)[16]

Regiões com população significativa
São Paulo 693.495[17]
Paraná 143.588[17]
Pernambuco 89.442[17]
Minas Gerais 75.449[17]
Línguas
Português e Japonês (minoria)
Religiões
Católica,[18] budista, Xintoísta[19]
Grupos étnicos relacionados
Outros japoneses, nipo-americano, nikkei, nipo-peruano

A imigração japonesa no Brasil começou no início do século XX, através de um acordo entre o governo japonês e o brasileiro. Atualmente, o Brasil abriga a maior população japonesa fora do Japão, com cerca de 1,5 milhão de nikkeis (日系?) (termo usado para denominar os japoneses e seus descendentes).[20] Sendo que nipo-brasileiro (em japonês 日系ブラジル人, nikkei burajiru-jin) é um cidadão brasileiro com ascendentes japoneses. Também são consideradas nipo-brasileiras as pessoas nascidas no Japão radicadas no Brasil.

A imigração japonesa no Brasil teve início oficialmente em 18 de junho de 1908, quando o navio Kasato Maru aportou em São Paulo trazendo 781 lavradores para as fazendas do interior paulista. O fluxo cessou quase que totalmente em 1973, com a vinda do último navio de imigração Nippon Maru, contando-se quase 200 mil japoneses estabelecidos no país.

Atualmente, estima-se que haja cerca mais de um milhão de nipo-brasileiros, cuja imensa maioria reside no estado de São Paulo (capital e municípios como Mogi das Cruzes, Osvaldo Cruz ou Bastos), no norte do Paraná (municípios como Maringá, Assaí ou Londrina) Umuarama e Mato Grosso do Sul (principalmente Campo Grande, Dourados e seus entornos). Há também pequenas coletividades no Pará e no Amazonas, atraídos inicialmente pelo cultivo da pimenta do reino.

Os descendentes de japoneses chamam-se nikkei, sendo os filhos nissei, os netos sansei, os bisnetos yonsei e assim por diante. Os nipo-brasileiros que foram ao Japão trabalhar a partir do fim dos anos 80 são denominados dekassegui.

História dos imigrantes japoneses[editar | editar código-fonte]

Necessidade de emigração no Japão[editar | editar código-fonte]

Cartaz de propaganda da imigração de japoneses para o Brasil.

O Japão estava superpovoado no século XX. O país tinha ficado isolado do Mundo durante os 265 anos do período Edo (Xogunato Tokugawa), sem guerras, epidemias trazidas do exterior ou emigração. Com as técnicas agrícolas da época, o Japão produzia apenas o alimento que consumia, sem praticamente formação de estoques para períodos difíceis. Qualquer quebra de safra agrícola causava fome generalizada.[20]

O fim do Xogunato Tokugawa deu espaço para um intenso projeto de modernização e abertura para o exterior durante a era Meiji. Apesar da reforma agrária, a mecanização da agricultura desempregou milhares de camponeses. Outros milhares de pequenos camponeses ficaram endividados ou perderam suas terras por não poder pagar os altos impostos, que, na era Meiji, passaram a ser cobrados em dinheiro, enquanto antes eram cobrados em espécie (parte da produção agrícola).

Os camponeses sem terra foram para as principais cidades, que ficaram saturadas. As oportunidades de emprego tornaram-se cada vez mais raras, formando uma massa de trabalhadores miseráveis.

A política emigratória colocada em prática pelo governo japonês tinha como principal objetivo aliviar as tensões sociais devido à escassez de terras cultiváveis e endividamento dos trabalhadores rurais, permitindo assim a implementação de projetos de modernização.[21]

A partir da década de 1880, o Japão incentivou a emigração de seus habitantes por meio de contratos com outros governos.[22] Antes do Brasil, já havia emigração de japoneses para os Estados Unidos (principalmente Havaí), Peru e México. No início do século XX, também houve grandes fluxos de emigração japonesa para colonizar os territórios recém-conquistados da Coreia e Taiwan. Somente no Brasil e Estados Unidos se formaram grandes colônias de descendentes de japoneses. Praticamente todos os imigrantes que formaram grandes colônias na Coreia e Taiwan retornaram ao Japão depois do fim da Segunda Guerra Mundial.

Necessidade de imigração no Brasil[editar | editar código-fonte]

Ryu Mizuno (centro), que organizou a primeira viagem de imigrantes japoneses ao Brasil

Com a expansão das plantações de café, faltava mão-de-obra na zona rural paulista no final do século XIX e no início do século XX. A economia cafeeira foi o grande motor da economia brasileira desde a segunda metade do século XIX até a década de 1920.

O Japão, que só tinha se aberto para o comércio mundial em 1846, até então era considerado muito distante física e politicamente do Brasil. O primeiro Tratado da Amizade, Comércio e Navegação entre Brasil e Japão foi assinado apenas em 5 de novembro de 1895.

Além disto, a política de imigração brasileira era executada não só como um meio de colonizar e desenvolver o Brasil, mas também de "civilizar" e "branquear" o país com população europeia.[23] A imigração de asiáticos foi praticamente proibida em 1890. Neste ano, o decreto nº 528 assinado pelo presidente Deodoro da Fonseca e pelo ministro da Agricultura Francisco Glicério determinava que a entrada de imigrantes da África e da Ásia seria permitida apenas com autorização do Congresso Nacional. O mesmo decreto não restringia, até incentivava, a imigração de europeus. Somente em 1892, foi aprovada a lei nº 97 que permitia a entrada de imigrantes chineses e japoneses no Brasil e, assim, o decreto nº 528 de 1890 perdeu seu efeito.[24]

Brasil  Imigração Japonesa no Brasil
Japão   日系ブラジル人
Nipo-brasileiros
Família de imigrantes japoneses em Bastos, São Paulo, 1930
Imigração

Início oficial: 1908 com navio Kasato Maru.
Principais destinos: São Paulo, Paraná, Pará.
Total de imigrantes: cerca de 200 mil.

Artigos sobre Imigração Japonesa no Brasil
Imigração japonesa no Brasil
Cronologia da imigração japonesa no Brasil
Fazenda Santo Antônio   |   Kasato Maru
Shindo Renmei   |   Imigração japonesa
Dekasseguis   |   Dekasseguis brasileiros

Centenário da imigração japonesa ao Brasil

Nipo-brasileiros

População: cerca de 1.500.000 (0.7% da população brasileira[16] ).
Religião: católica[25] , budista, xintoísta[26] .
Idiomas: Português e Japonês (minoria).
Brasileiros no Japão: cerca de 300 mil[27] .

Artigos sobre Nipo-brasileiros
Nikkei   |   Categoria:Nipo-brasileiros
Lista de nipo-brasileiros


O preconceito contra o recebimento de imigrantes asiáticos era muito forte. Todos os asiáticos eram considerados raças inferiores que prejudicariam o "branqueamento" que ocorria no Brasil com o recebimento de imigrantes europeus. Havia também o medo do "perigo amarelo", isto é, que as grandes populações de orientais se espalhassem étnica e culturalmente pelas Américas. O medo do "perigo amarelo" tinha sido exacerbado pelo expansionismo militarista do império nipônico que, buscando conquistar terras para colonizar, derrotou a China em 1895 e a Rússia, em 1905 (a terceira derrota de um país europeu em frente a um não-europeu nos tempos modernos, a primeira sendo a Invasão Mongol na Europa em 1241, a segunda a Itália perante a Etiópia em 1896). Finalmente, havia o sentimento de que o imigrante japonês era um "quisto inassimilável" devido a seus costumes e religião.[28]

Francisco José de Oliveira Viana, autor do livro clássico "Populações Meridionais do Brasil" (publicado em 1918), e Nina Rodrigues, criador da Medicina Legal no Brasil, foram os grandes ideólogos do "branqueamento" do Brasil.[29] Oliveira Viana propagava o antiniponismo pois considerava que "o japonês [fosse] como enxofre: insolúvel".[28]

Apesar do preconceito, a necessidade de mão-de-obra era muito grande e a vinda de um navio com imigrantes japoneses começou a ser planejada para 1897. Entretanto houve uma crise de superprodução cafeeira nesta época, os preços internacionais desabaram e a vinda de imigrantes foi então desestimulada.[30]

Por volta de 1901, os preços internacionais do café haviam se recuperado e o governo do Brasil voltou a estudar o recebimento de imigrantes japoneses. O encarregado de negócios da primeira missão diplomática brasileira no Japão, Manuel de Oliveira Lima, foi consultado e deu parecer contrário ao projeto de recebimento de imigrantes japoneses. Escreveu então ao Ministério das Relações Exteriores alertando sobre o perigo de o brasileiro se misturar com "raças inferiores.[28]

Em 1902, o governo da Itália proibiu a emigração subsidiada de italianos para o Brasil. As fazendas de café sentiram uma grande falta de trabalhadores com a diminuição da chegada de italianos e o governo brasileiro aceitou o recebimento de imigrantes japoneses. Em 1907, o Brasil criou a "Lei de Imigração e Colonização"[22] que regularizou a entrada de todos imigrantes e acabou definitivamente com as restrições do decreto nº 528 de 1890.[24]

Em novembro de 1907, o empresário Ryu Mizuno firmou um acordo com o Estado de São Paulo pelo qual seriam trazidos 3.000 imigrantes japoneses para trabalhar como agricultores.[30] Este contrato pode ser considerado como o marco inicial da imigração japonesa para o Brasil.

A pré-imigração[editar | editar código-fonte]

Apesar de receber japoneses durante o final do século XIX e nos anos iniciais do século XX, na condição de visitantes, somente em 1906 chegou ao Brasil um grupo significativo disposto a estabelecer uma colônia.

Liderados por Saburo Kumabe, o grupo situou-se em 1907 na fazenda Santo Antônio, no atual município de Conceição de Macabu (então distrito de Macaé), no estado do Rio de Janeiro. A colônia durou cinco anos, fracassando por razões diversas. Além da falta de investimentos, epidemias e saúvas, o principal problema foi que se tratava de um grupo heterogêneo de pessoas - advogado, professores, funcionários públicos - sem agricultores com experiência em cultivar a terra[20] .

Primórdios da imigração oficial[editar | editar código-fonte]

O navio Kasato Maru atracado no Porto de Santos, 1908
Imigrantes japoneses no Kasato Maru, Porto de Santos, 1908

O Kasato Maru é considerado pela historiografia oficial como o primeiro navio a aportar no Brasil com imigrantes japoneses. A viagem de 52 dias começou no porto de Kobe e terminou no Porto de Santos em 18 de Junho de 1908. Vieram 165 famílias (781 pessoas) que foram trabalhar nos cafezais do oeste paulista.

O recebimento não foi especialmente caloroso. Apenas um jornalista elogiou os imigrantes dizendo que eles eram "limpos", coisa não muito comum entre os europeus naquela época. A revista carioca "O Malho" em sua edição de 5 de dezembro de 1908 publicou uma charge de imigrantes japoneses com a seguinte legenda: "O governo de São Paulo é teimoso. Após o insucesso da primeira imigração japonesa, contratou 3.000 amarelos. Teima pois em dotar o Brasil com uma raça diametralmente oposta à nossa".[28]

Na primeira leva de imigrantes de 1908, poucos eram agricultores, e assim relatou o presidente do Estado de São Paulo Manuel Joaquim de Albuquerque Lins em sua mensagem ao Congresso do Estado de São Paulo em 1909:[31]

"A immigração japoneza parece não produzir os resultados esperados. Os 781 primeiros imigrantes, introduzidos na vigencia do contracto de 6 de Novembro de 1907, deram entrada na Hospedaria da Capital em junho do anno indo; mas, na maioria individuos solteiros e pouco habituados á lavoura, esquivaram-se a certos serviços agricolas, que abandonaram aos poucos. Sómente ficaram nas fazendas algumas familias constituidas por verdadeiros agricultores, que trabalham muito a contendo dos fazendeiros em cujas propriedades se localizaram."[31]

O contrato previa que a estada dos imigrantes nas fazendas deveria ser de cinco anos, porém as más condições fizeram com que a maioria saísse das fazendas no mesmo ano.[22]

Somente em 28 de junho de 1910, chegou a Santos outro navio, o Ryojun Maru, trazendo mais 906 imigrantes japoneses.

Apesar de tudo, a imigração de japoneses continuou em ascensão. Em 1914, quando o governo de São Paulo interrompeu a contratação de imigrantes, a população japonesa no Brasil era estimada em apenas 10 mil pessoas.[22] Até 1915, chegaram no Brasil mais 3.434 famílias (14.983 pessoas) de imigrantes japoneses.

Dificuldades dos primeiros tempos[editar | editar código-fonte]

Os imigrantes japoneses tiveram muita dificuldade em se adaptar ao Brasil. Idioma, hábitos alimentares, modo de vida e diferenças climáticas acarretaram um forte choque cultural.

A maior parte dos imigrantes japoneses tinha a pretensão de enriquecer no Brasil e retornar para o Japão após poucos anos. Uma parcela considerável nunca aprendeu a falar o idioma português.[20]

O enriquecimento rápido em terras brasileiras era um sonho impossível. Submetido a horas exaustivas de trabalho, o imigrante tinha um salário baixíssimo e o preço da passagem era descontado no salário. Ademais, tudo o que o imigrante consumia deveria ser comprado no armazém do fazendeiro. Em pouco tempo as dívidas se tornavam enormes.

Entretanto, através de um sistema de parceria com fazendeiros locais, muitos japoneses conseguiram economizar e comprar seus primeiros pedaços de terra. A primeira compra de terra por japoneses no interior de São Paulo ocorreu somente em 1911.[22] Com a ascensão social e a vinda de parentes, a maioria dos imigrantes japoneses decidiu-se pela permanência definitiva no Brasil.

Outro fator que facilitou a permanência definitiva no Brasil foi que os contratos de imigração eram feitos com famílias. Japoneses solteiros não podiam imigrar sozinhos, como foi permitido com outras etnias. O padrão comum foi a imigração de famílias de japoneses com filhos pequenos ou de casais recém-casados.

A primeira geração nascida no Brasil viveu de forma semelhante a de seus pais imigrantes. Ainda pensando em regressar, os imigrantes educavam seus filhos em escolas japonesas fundadas pela comunidade. A predominância do meio rural facilitou tal isolamento. Cerca de 90% dos filhos de imigrantes japoneses falavam apenas o idioma japonês em casa. Muitos brasileiros de origem japonesa em zonas rurais ainda possuem dificuldades em falar o idioma português.

A partir de 1912, grupos de japoneses passaram a residir na ladeira Conde de Sarzedas em São Paulo.[28] Em 1912, 92,6% dos japoneses dedicavam-se principalmente ao cultivo do café.[32] O local era próximo do centro da cidade e alugar cômodos ou porões de sobrados era o melhor que os pobres imigrantes podiam pagar. Na década de 1920, a rua Conde de Sarzedas já era conhecida como o local preferido de residência dos japoneses que deixavam o campo. Com o crescimento da comunidade, o entorno do bairro da Liberdade tornou-se então um bairro japonês com lojas e restaurantes típicos.[22]


A grande imigração nipônica[editar | editar código-fonte]

Com o fim da Primeira Guerra Mundial, o fluxo de imigrantes japoneses para o Brasil cresceu enormemente. Entre 1917 e 1940, vieram 164 mil japoneses para o Brasil. A maior parte dos imigrantes chegou no decênio 1920-1930.

O crescimento da imigração para o Brasil foi estimulado quando os Estados Unidos baniram a entrada de imigrantes japoneses através da United States Immigration Act de 1924. Outros fatores para a imigração eram as promessas de enriquecimento rápido no Brasil divulgados pelo governo do Japão. Outros países, como Austrália e Canadá, também colocaram restrições a entrada de imigrantes japoneses. O Brasil tornou-se então um dos poucos países no mundo a aceitar imigrantes do Japão.

Também houve projetos de restrição de imigração de japoneses no Brasil. Em 22 de outubro de 1923, o deputado Fidélis Reis apresentou um projeto de lei de regulação da entrada de imigrantes com um artigo que dizia: É proibida a entrada de colonos da raça preta no Brasil e, quanto ao amarelo, será ela permitida, anualmente, em número correspondente a 5% dos indivíduos existentes no Brasil.[33]

A imigração de japoneses, entretanto, cresceu durante a década de 1930. Cerca de 75% dos imigrantes japoneses foram para São Paulo, estado que tinha grande necessidade de mão-de-obra para trabalhar nos cafezais. Com a abertura de novas frentes de trabalho, os imigrantes japoneses iam trabalhar também no cultivo de morango, chá e arroz. Pequenas comunidades nipo-brasileiras surgiram no Pará com imigrantes japoneses atraídos pelo cultivo da pimenta do reino.

Na década de 1930, o Brasil já abrigava a maior população de japoneses fora do Japão. Muitos imigrantes japoneses continuaram a chegar neste período, muitos deles atraídos pelos parentes bem sucedidos que já tinham anteriormente emigrado.

O nacionalismo da Era Vargas[editar | editar código-fonte]

A Assembleia Nacional Constituinte de 1933 foi local de discussões de "teses científicas" de eugenia racial que propunham a necessidade do "branqueamento" da população brasileira. O grande defensor destas idéias foi o médico Miguel Couto (eleito pelo Distrito Federal, hoje Rio de Janeiro) apoiado por outros deputados médicos como o sanitarista Artur Neiva da Bahia e Antônio Xavier de Oliveira do Ceará. Juntos, eles pediram o fim da imigração dos degenerados "aborígenes nipões".[28]

A consequência foi a aprovação por larga maioria de uma emenda constitucional que estabelecia cotas de imigração sem fazer menção a raça ou nacionalidade, e que proibia a concentração populacional de imigrantes. Segundo o texto constitucional, o Brasil só poderia receber, por ano, no máximo 2% do total de ingressantes da cada nacionalidade que fora recebido nos últimos 50 anos.[28] Apenas os portugueses foram excluídos dessa lei. Estas medidas não afetaram a imigração de europeus como italianos e espanhóis que já tinham ingressado em grande quantidade e cujo fluxo migratório era descendente. Entretanto, o regime de cotas, que irá vigorar até a década de 1980, restringiu a imigração de japoneses, assim como, futuramente, a de coreanos e chineses.

Na década de 1930 foi muito debatido a questão da imigração japonesa, sendo que o material escrito na época chegava a eram publicados das mais diversas formas sendo que haviam milhares de páginas de artigos, anúncio e livros sobre a imigração japonesa. Os que se opunham à entrada de japoneses usavam argumentos essencialmente nacionalistas como: "ele [os japoneses] estão roubando nossos empregos e nossas terras", também haviam as declarações racistas, eugenistas, do tipo, "ele irão poluir nossa raça". Os favoráveis a ela tendiam a enfocar os níveis de produção, sendo que em 1936, os agricultores japoneses produziam 46% do algodão, 57% da seda e 75% do chá brasileiros. Outros argumento dado pelos defensores da imigração japonesa era quanto a necessidade de uma maior força de trabalho.[34] Um dos defensores da imigração japonesa, Alfredo Ellis Júnior, então deputado, propôs que as cotas fossem contornadas pelo uso das chamadas "cartas de chamada", sendo que o uso desses documentos lhes permitiriam que permitiam que tantos cidadãos brasileiros quanto imigrantes com residência permanente no Brasil "chamassem" seus parentes e esses poderiam imigrar ao Brasil.[35] Num discurso proferido na Câmara dos Deputados do Estado de São Paulo, Bento de Abreu Sampaio Vidal, presidente da Sociedade Rural Brasileira, falou em defender a "raça" brasileira dos imigrantes indesejáveis, mas não colocava os japoneses nessa categoria, em discurso proferiu:[36]

"Conheço como ninguém o valor dos japoneses. Marília, a minha querida cidade, é o maior centro de japoneses no Brasil. É a gente mais eficiente para o trabalho, educada, culta, sóbria... Durante a noite escura, em que os fazendeiros não podiam pagar regularmente seus colonos, não se viu um colono japonês impaciente ou reclamando. Quanto à raça, não sei se os grandes médicos (os médicos antijaponeses Neiva e Couto) terão razão, porque em Marília existem entre os colonos homens e mulheres bonitos e robustos."[36]

A ditadura do Estado Novo implantado por Getúlio Vargas em 1938 procurou ressaltar o nacionalismo brasileiro através da repressão à cultura de imigrantes que formavam comunidades fechadas como os japoneses e alemães. Também foi declarado o confisco dos bens dos imigrantes.[37]

O decreto nº 383 de 18 de abril de 1938 determinou várias proibições aos estrangeiros: não poderiam participar de atividades políticas, formar qualquer tipo de associação, falar línguas estrangeiras em público ou usá-las como língua de alfabetização de crianças.

A transmissão de programas de rádio em línguas estrangeiras foi proibida. As publicações impressas (jornais, revistas, livros) em língua estrangeira também foram proibidas, a não ser que fossem bilíngue, japonês-português, por exemplo. Como a publicação bilíngue era muito cara, jornais e revistas deixaram de circular. Em 1939, uma pesquisa da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, de São Paulo, mostrou que 87,7% dos nipo-brasileiros assinavam jornais em idioma japonês, um índice altíssimo para qualquer língua e qualquer época no Brasil.[28] O decreto nº 383 de 1938 praticamente acabou com a disseminação de informações na comunidade japonesa, pois boa parte desta sequer compreendia o idioma português.

A partir de então, a entrada de imigrantes japoneses ficou cada vez mais difícil. O ministro da Justiça Francisco Campos, em 1941, defendeu a proibição do ingresso de 400 imigrantes japoneses em São Paulo escrevendo: "seu padrão de vida desprezível representa uma concorrência brutal com o trabalhador do país; seu egoísmo, sua má-fé, seu caráter refratário, fazem deles um enorme quisto étnico e cultural localizado na mais rica das regiões do Brasil".[21]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Distribuição dos nipo-brasileiros
por estados[17]
Estado População
nipo-brasileira
São Paulo 693.495
Paraná 143.588
Pernambuco 89.442
Outros estados 489.898
Total 1.405.685
Distribuição dos nipo-brasileiros
por regiões[carece de fontes?]
Região Estados Porc.
Norte Pará 0,7%
Rondônia, Acre,
Amazonas, Roraima,
Amapá e Tocantins
0,8%
Nordeste Pernambuco 1,0%
Maranhão, Piauí, Ceará,
Rio Grande do Norte,
Paraíba, Bahia,
Alagoas e Sergipe
0,7%
Sudeste São Paulo 1,9%
Rio de Janeiro 0,5%
Minas Gerais e
Espírito Santo
0,4%
Sul Paraná 1,6%
Santa Catarina e
Rio Grande do Sul
0,2%
Centro-oeste Mato Grosso do Sul 1,4%
Mato Grosso, Goiás e
Distrito Federal
0,7%

A segunda geração de japoneses no Brasil desistiu, definitivamente, de retornar ao Japão, principalmente quando a eclosão da Segunda Guerra Mundial tornou impossível sair do Brasil.

Antes mesmo de entrar em guerra, o governo brasileiro tomou medidas que afetavam a comunidade nipo-brasileira. Quando houve os torpedeamentos de navios brasileiros por submarinos alemães, o bairro da Liberdade já concentrava a maior população de nipo-brasileiros na cidade de São Paulo. Alguns dias depois, na noite de 2 de fevereiro de 1942, agentes policiais do DEOPS - Departamento Estadual de Ordem Pública e Social, acordaram os nipo-brasileiros residentes nas ruas Conde de Sarzedas e da rua dos Estudantes e, sem qualquer ordem judicial, avisaram que eles teriam que abandonar a área em 12 horas. Sem ter para onde ir, a maioria ficou. Entretanto, o mesmo se repetiu na noite de 6 de setembro, quando se deu um prazo de dez dias para os nipo-brasileiros se mudarem definitivamente da região.[28]

A comunidade nipo-brasileira foi duramente atingida por medidas restritivas quando o Brasil declarou guerra ao Japão em agosto de 1942. No mesmo ano a porcentagem dos nipo-brasileiros que se dedicavam ao cultivo do café diminuiu em comparação a 1912, sendo que passaram a representar 24,3%, havendo um aumento daqueles que se dedicavam ao cultivo do algodão, representando 39,2% do total de nipo-brasileiros e um aumento também das chamadas culturas suburbanas, tais como: verduras, legumes, frutas e da avicultura sendo 19,9%.[32]

Nipo-brasileiros não podiam viajar pelo território nacional sem salvo-conduto expedido por autoridade policial; mais de 200 escolas da comunidade japonesa foram fechadas; os aparelhos de rádio foram apreendidos para que não se ouvissem transmissões em ondas curtas do Japão.[28]

Os bens das empresas japonesas foram confiscados[28] e várias empresas de nipo-brasileiros sofreram intervenções, entre as quais o recém-fundado Banco América do Sul.[38]

Os nipo-brasileiros foram proibidos de dirigir veículos automotores, mesmo se fossem táxis, ônibus ou caminhões de sua propriedade. Os motoristas contratados pelos nipo-brasileiros tinham que ter uma autorização da polícia.[28]

Os imigrantes e descendentes de italianos e alemães sofreram diversas formas de discriminação oficial ou não durante a Segunda Guerra Mundial, porém o sentimento foi mais forte contra os nipo-brasileiros. Milhares de imigrantes japoneses foram presos ou expulsos do Brasil por suspeitas de espionagem.[22] A delação anônima de atividades "contra a segurança nacional" surgia de desavenças entre vizinhos, cobrança de dívidas e até brigas de crianças.[28] Nipo-brasileiros foram presos por atividades suspeitas quando se reuniam em piqueniques e encontros artísticos.

O medo de contatos entre imigrantes e submarinos inimigos exacerbou-se. No dia 10 de julho de 1943, cerca de 10 mil imigrantes japoneses e alemães que residiam em Santos foram obrigados, em 24 horas, a fechar suas casas e negócios e a se mudar para longe do litoral brasileiro. A polícia agiu sem qualquer aviso prévio. Cerca de 90% das pessoas deslocadas eram nipo-brasileiros.[28] Restaram em Santos apenas nipo-brasileiros com cidadania brasileira, porém muitos também tiveram que se mudar para acompanhar seus pais ou cônjuges.[39] Para residir na baixada Santista, os japoneses passaram a dever possuir um salvo-conduto concedido conforme a vontade das autoridades policiais.[28]

Nunca foi confirmada qualquer suspeita de atividades de nipo-brasileiros contra a "segurança nacional". Apesar disto, em 1942, a colônia japonesa que introduziu o cultivo da pimenta em Tomé-Açu, no Pará, foi praticamente transformada em um "campo de concentração" (expressão da época) do qual nenhum nipo-brasileiro poderia sair.[28] Nesta época, o embaixador brasileiro em Washington, Carlos Martins Pereira e Sousa, incentivava o governo do Brasil a transferir todos os nipo-brasileiros para "campos de internamento" sem necessidade de apoio jurídico, do mesmo modo como tinha sido feito com os nikkeis residentes nos Estados Unidos.[28]

A irreverência popular foi incentivada com marchinhas de Carnaval que ironizavam o imperador Hiroito e a "terra do micado".[28] Um nipo-brasileiro sentia-se muito mais ofendido quando troçavam do imperador Hiroito do que um teuto-brasileiro quando troçavam de Hitler ou um ítalo-brasileiro quando troçavam de Mussolini. Na época, o imperador Hiroito não era somente Chefe de Estado, mas também a figura central da religião oficial japonesa, o xintoísmo, sendo venerado em altares domésticos como descendente dos deuses.

Notícias degradantes sobre os japoneses foram comuns na imprensa brasileira durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1945, David Nasser e Jean Manzon, a dupla de jornalista-fotógrafo mais famosa do país, publicaram em "O Cruzeiro", a revista de maior tiragem da época, uma matéria ilustrada na qual pretendiam ensinar aos brasileiros a distinguir um japonês de um chinês. David Nasser escreveu, entre outras coisas, que o japonês podia ser distinguido pelo "aspecto repulsivo, míope, insignificante".[28]

Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

O forte antiniponismo continuou no Brasil além do final da Segunda Guerra Mundial.

Nesta época, surgiu a Shindo Renmei, uma organização terrorista formada por nipo-brasileiros que assassinava os nipo-brasileiros que acreditavam na derrota japonesa. Os assassinatos cometidos pela Shindo Renmei e o sentimento antinipônico da época causaram vários conflitos violentos entre brasileiros e nipo-brasileiros.

Os políticos brasileiros continuaram a valorizar o imigrante europeu como o mais desejado. O decreto-lei nº 7.967 de 1945 regulava a política imigratória e dizia que o ingresso de imigrantes dar-se-ia considerando a necessidade de preservar e desenvolver, na composição étnica da população, as características mais convenientes da sua ascendência européia.[33]

Além de preferir o imigrante europeu, alguns políticos brasileiros propuseram medidas extremamente antinipônicas. Durante a Assembleia Nacional Constituinte de 1946, foi colocada em votação a emenda no 3165 proposta pelo deputado carioca Miguel Couto Filho (filho do deputado constituinte de 1934) que dizia apenas: "É proibida a entrada no país de imigrantes japoneses de qualquer idade e de qualquer procedência". Frequentemente, o deputado Miguel Couto Filho discursava na tribuna da assembleia constituinte defendendo seu projeto de emenda constitucional citando um livro que tinha escrito, cujo título era: "Para o futuro da pátria – Evitemos a niponização do Brasil".[40] O senador Luiz Carlos Prestes fez com que o Partido Comunista Brasileiro fechasse questão a favor da emenda no 3165 e deputados como Jorge Amado e João Amazonas votaram a seu favor.[28] Noutro extremo, o deputado Aureliano Leite sustentou inflexivelmente a posição contrária.[40] O deputado José Eduardo do Prado Kelly também opôs-se veementemente, discursou dizendo que a emenda a "amesquinharia a nossa obra" e propôs que, caso aprovada, ela fosse deslocada para as disposições transitórias. Na votação final, houve um empate com 99 votos contra e 99 a favor. O senador Fernando de Melo Viana, que presidia a sessão constituinte, exerceu então o voto de Minerva recusando a emenda. Por apenas um voto, a imigração de japoneses não foi proibida pela Constituição de 1946.[28]

Imigração japonesa para o Brasil por períodos[41]
1884-1893 1894-1903 1904-1913 1914-1923 1924-1933 1934-1944 1945-1949 1950-1954 1955-1959
- - 11.868 20.398 110.191 N/A 12 5.447 28.819
Distribuição dos imigrantes oriundos do Japão,
naturais e brasileiros, segundo as Unidades da Federação - 1940/1950[42]
Unidade da Federação Dados absolutos Proporções (%)
1940 1950 1940 1950
Pernambuco 636 836 0,351 0,456
Pará 467 421 0,323 0,326
Minas Gerais 893 917 0,618 0,710
Rio de Janeiro 380 1.086 0,263 0,841
Distrito Federal 538 392 0,372 0,303
São Paulo 132.216 108.912 91,484 84,302
Paraná 8.064 15.393 5,580 11,915
Mato Grosso do Sul 1.128 1.172 0,780 0,907
Brasil 144.523 129.192 100 100

Nessa época os nipo-brasileiros começaram a ter um papel mais ativo na área política, um dos primeiros acontecimentos políticos aconteceu após uma medida imposta pelo governo do Estado de São Paulo, que tinha o objetivo de aumentar a popularidade entre os eleitores, para que fosse feito um tabelamento dos preços dos serviços das tinturarias, sendo que um dos resultados disso seria a redução do valor de lavagem de um terno que seria reduzido de 25 para 16 cruzeiros.[43] Nessa época, finais dos anos 40 e início da década de 50, apenas na cidade de São Paulo, havia em torno de 1,5 mil tinturarias e cerca de dois terços pertenciam aos japoneses e seus descendentes.[44] Após reuniões que aconteceram entre a comunidade foi tomada a decisão de eleger o primeiro representante nikkei na Assembléia Legislativa, para que defendesse os direitos dos japoneses e nipo-brasileiros, e escolheram Yukishige Tamura, que já havia sido eleito vereador em 1947 na Câmara Municipal de São Paulo. Como os japoneses não podiam votar, a campanha aconteceu para com os clientes das tinturarias, sendo que Tamura foi eleito deputado estadual em 1950. Após Tamura outros nipo-brasileiros tiveram suas passagens pela política, sendo que,[43] após a eleições de vários deputados estaduais e federais nipo-brasileiros, o primeiro nikkei a se tornar ministro foi Fábio Riodi Yassuda, em 1969, que foi ministro da Indústria e Comércio no governo Médici.[45]

Apesar de tudo, o fluxo de imigração japonesa recomeçou no início da década de 1950 e só cessou quase que totalmente em 1973. No total, quase 200 mil japoneses foram recebidos como imigrantes no país.

Após a Segunda Guerra Mundial, ocorreu um grande êxodo rural que levou a maior parte da comunidade nipo-brasileira do campo para as cidades, nas regiões metropolitanas ou interior, tornando-se principalmente comerciantes, sendo proprietários de lavanderias, mercearias, feiras, cabeleireiros, oficinas mecânicas, entre outros. Aumentando os cuidados com a educação dos filhos. Outras famílias decidem morar na zona suburbana, para se dedicar nas atividades horti-fruti-granjeiras, sendo que também visavam à proximidade de boas escolas para os filhos nas cidades maiores.[32] Sendo que em 1952, 34,1% dos imigrantes japoneses estavam voltados para as atividades horti-fruti-granjeiras, enquanto os que os cafeicultores japoneses tinham baixado para 27,5% e de algodão para 20,5%.[32] A cidade de São Paulo tornou-se, assim, a cidade com maior número de japoneses fora do Japão.

No ambiente urbano, os japoneses começaram a trabalhar principalmente em setores relacionados com a agricultura como feirantes ou donos de pequenos armazéns de frutas, legumes ou peixes. Os mais jovens se dedicaram aos estudos e formaram-se em grande quantidade nas Universidades, especialmente nas áreas biológicas e de exatas[carece de fontes?].

Inversão do fluxo migratório[editar | editar código-fonte]

Praça do Japão, Curitiba

A partir do fim dos anos 80, ocorreu uma inversão do fluxo migratório entre o Brasil e Japão. Os nipo-descendentes e seus cônjuges, com ou sem ascendência japonesa, e seus filhos mestiços ou não, passaram a emigrar para o Japão à procura de melhores oportunidades de trabalho. Estes emigrantes brasileiros são conhecidos como dekasseguis (出稼ぎ?), embora a palavra no Japão inclua todos trabalhadores migrantes, até mesmo, japoneses de áreas rurais que vão trabalhar nos grandes centros urbanos.

Vivem no Japão mais de 300.000 brasileiros em condições legais, a grande maioria trabalhando como operários na indústria. As cidades com mais brasileiros são: Hamamatsu, Aichi, Shizuoka, Kanagawa, Saitama e Gunma[46]

A comunidade brasileira no Japão por sua vez, é a terceira maior comunidade de trabalhadores estrangeiros residentes no Japão.[46]

Aspectos sociais[editar | editar código-fonte]

Miscigenação[editar | editar código-fonte]

Em relação aos grupos de imigrantes europeus, a miscigenação dos nipo-brasileiros levou tempo maior para acontecer. O casamento com pessoas de origem não-japonesa (gaikokujin) não era aceito pela maioria dos imigrantes japoneses (Issei) devido às grandes diferenças étnico-culturais: idioma, religião, costumes, tradições e preconceitos contra os nipônicos. Outra razão era que eles não queriam criar laços definitivos no Brasil, esperando assim retornar para o Japão.

Distribuição dos Nipo-brasileiros em Gerações
Geração Denominação Proporção
(%)[47]
Mestiços
(%)[47]
Japonês Português
1a Isseis Imigrantes 12,51% 0%
2a Nisseis Filhos 30,85% 6%
3a Sanseis Netos 41,33% 42%
4a Yonseis Bisnetos 12,95% 61%

Os imigrantes japoneses raramente se casavam com um não-japonês, porém, seus descendentes, a partir das segunda e terceira gerações, começaram cada vez mais a se casar com pessoas de origem não-japonesa. Entretanto, mesmo hoje em dia, o casamento com um gaikokujin pode ser mal-visto por alguns nipo-brasileiros mais idosos.

O isolamento étnico dos nipo-brasileiros enfraqueceu a partir da década de 1970. Os descendentes de imigrantes japoneses - cuja maior parte atualmente é a terceira ou quarta geração no Brasil - integraram-se definitivamente à sociedade brasileira. Os bisnetos de japoneses, em sua maioria jovens, estão totalmente integrados no Brasil e 61% são mestiços ou multirracial. Geralmente os vínculos com a cultura japonesa são mínimos: mais da metade sabe falar pouco ou nada do idioma japonês, e muitos não aparentam ser nipo-descendentes no que diz respeito à identidade ou comportamento.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Nikkei (日系?) é uma denominação em língua japonesa para os descendentes de japoneses nascidos fora do Japão ou para japoneses que vivem regularmente no exterior.[48]

Há no Brasil 1,8 milhão de nipo-brasileiros e 61% são mestiços ou multirracial, dos quais cerca de 80% apenas no estado de São Paulo. A cidade de São Paulo concentra a maioria dos nipo-brasileiros - 326 mil segundo o censo de 1988.[49] O bairro da Liberdade, no centro da capital paulista, foi o bairro japonês da cidade, embora hoje só mantenha o comércio e restaurantes característicos, com influência cada vez maior de comunidades chinesas e coreanas. Os municípios paulistas com maior população de nipo-brasileiros são Mogi das Cruzes, Osvaldo Cruz e Bastos.

Outros focos importantes de presença nipo-brasileira são o Paraná, o Rio de Janeiro e Pernambuco. No Paraná, a maioria dos nipo-brasileiros vive na capital Curitiba e em municípios populosos do norte do estado como Maringá, Londrina e municípios de menor porte como Assaí e Uraí, mas com maior porcentagem de nikkeis em sua população.[50]

Em termos relativos, os municípios de Assaí no Paraná e de Bastos em São Paulo são os que possuem maior concentração de nipo-brasileiros – respectivamente, 15% e 11,4% de seus habitantes.

Apesar da origem agrícola da maior parte dos imigrantes japoneses, atualmente cerca de 90% da comunidade nipo-brasileira vive nas cidades.

Idiomas[editar | editar código-fonte]

A maioria dos nipo-brasileiros prefere ou sabe apenas falar o idioma português. A primeira geração, em grande parte, só têm fluência em idioma japonês. A segunda geração é geralmente bilíngue em idiomas japonês e português. Hoje, 18,1% fala somente português, 68,8% fala ambas as línguas e 13,3% fala apenas japonês. Cerca de 53% da segunda geração usou a língua japonesa apenas na infância. A terceira geração é mais luso-falante, com 39,3% falando somente o idioma português, 58,9% falando ambas as línguas e 1,8% falando apenas o idioma japonês.

Os nipo-brasileiros geralmente usam a língua japonesa em casa quando convivem com um parente nascido no Japão. Aqueles que não convivem com um parente de primeira geração utilizam preferencialmente a língua portuguesa[carece de fontes?].

O idioma japonês falado no Brasil é uma mistura de diversos dialetos com vários vocábulos emprestados da língua portuguesa, além de outros que os japoneses modernos consideram arcaicos ou típicos de linguagem de camponês. Com o retorno dos emigrantes brasileiros do Japão, é provável que o número de falantes do idioma japonês cresça no Brasil.[47]

Os dados mostram que, entre os imigrantes no Brasil, italianos e espanhóis foram aqueles que mais rapidamente adotaram o português como língua, e japoneses e alemães foram aqueles que mais resistiram. A assimilação linguística, então, variava consideravelmente de um grupo ou nacionalidade para outro, pesando a questão da identidade e da similaridade de idiomas. Ademais, tinha influência a força do ambiente (nas regiões onde os imigrantes ficaram reunidos em grupos isolados, a língua materna pode sobreviver por gerações, enquanto que nas regiões onde houve maior fusão entre os imigrantes e os brasileiros, a língua-mãe foi rapidamente suplantada pelo português).[51]

Estrangeiros e brasileiros naturalizados que falavam preferencialmente a língua-mãe (censo de 1940)[51]
Nacionalidade Falam preferencialmente a língua materna
Japoneses 84,71%
Alemães 57,72%
Russos 52,78%
Poloneses 47,75%
Austríacos 42,18%
Espanhóis 20,57%
Italianos 16,19%

Religião[editar | editar código-fonte]

Uma moça nipo-brasileira durante uma celebração xintoísta em Curitiba

Os imigrantes japoneses eram na sua maioria budistas e xintoístas. Nas colônias japonesas houve a forte presença de padres brasileiros para catequizar os imigrantes. O casamento com pessoas católicas também contribuiu para o crescimento dessa religião na comunidade nipo-brasileira. Segundo dados do IBGE do ano 2000, cerca de 63,9% dos descendentes de japoneses no Brasil são católicos, sendo que a adoção do catolicismo representou o abandono das religiões comumente seguidas no Japão, tais como o budismo e xintoísmo, em nome de uma maior integração na sociedade brasileira.[52]

Uma parte dos imigrantes eram descendentes dos kakure kirishitan, que eram católicos japoneses que viviam na clandestinidade quando o catolicismo se tornou ilegal no Japão. Segundo Rafael Shoji, do Instituto para Religião e Cultura da Universidade Nanzan, em Nagoia, esse grupo foi muito importante para a “conversão dos japoneses e nikkeis brasileiros ao cristianismo. Eles ofereceram um tipo de catolicismo com o qual os japoneses puderam se identificar”, entre esse grupo de japoneses católicos estava o monsenhor Domingos Nakamura,[53] que viajou ao Brasil para atender os imigrantes nos estados de São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Minas Gerais.[54] Para a comunidade nipo-brasileira foi criada a Pastoral Nipo-Brasileira, uma associação cívico-religiosa, sem fins lucrativos, que trabalha na evangelização e catequese dos japoneses e seus descendentes ou outros, radicados no Brasil, além de outras atividades.[55]

O budismo chegou ao Brasil com os primeiros imigrantes japoneses, numa época que havia um movimento contrário à vinda de religiosos não cristãos e os monges tinham de se vestir como agricultores. O budismo chegou ao Brasil como forma de preservação da cultura japonesa atualmente está passando por uma fase em que o número de seguidores está diminuindo dentro da comunidade nipo-brasileira. De forma geral, segundo dados do IBGE, observa-se uma queda no número de budistas, sendo que em 1991 havia mais de 230 mil adeptos dessa religião e em 2000 o número caiu para um pouco mais de 214 mil seguidores, sendo que segundo dados de 2000, os seguidores não-orientais representavam a maioria dos budistas brasileiros, mais de 130 mil e os budistas com ancestralidade oriental representavam mais 81 mil pessoas.[56]

Influência da imigração japonesa no Brasil[editar | editar código-fonte]

Os imigrantes japoneses aperfeiçoaram as técnicas agrícolas e de pesca dos brasileiros.[57] Ajudaram na difusão de técnicas de produção de alimentos através da hidroponia e da plasticultura.[32] É notável o seu trabalho na aclimatação ou desenvolvimento de vários tipos de frutas e vegetais antes desconhecidos no Brasil, no total trouxeram mais de 50 tipos de alimentos,[57] entre os quais o caqui, a maçã Fuji, mexerica poncã e o morango.[57] Além dos alimentos trazidos pelos imigrantes japoneses no Brasil destaca-se também a grande expansão da avicultura brasileira que só cresceu de vez quando foram trazidas aves-matrizes do Japão e com a experiência dos imigrantes japoneses nas granjas.[57] Como consequência os estados que receberam os imigrantes tiveram um aumento na renda e a elevação do PIB.[58] Com a oferta de novos alimentos eles mudaram os hábitos alimentares dos brasileiros, pois, introduziram vários produtos que não faziam parte da dieta nacional.[59] A fruticultura, anteriormente, restrita às propriedades próximas dos centros consumidores, com a influencia dos imigrantes expandiu-se para as diferentes cidades do interior do Estado de São Paulo e outros estados brasileiros, havendo o emprego das mais avançadas tecnologias a ponto de representar um importante item na balança comercial do país.[32]

Além das novas tecnologias na área agrícola desenvolvida pelos imigrantes japoneses, outra característica dos agricultores nipo-brasileiros foi a do cooperativismo. Em declaração dada pelo ex-ministro da agricultura do Brasil, João Roberto Rodrigues, resume o movimento cooperativista dos imigrantes japoneses: "Graças ao seu modo de produção, principalmente no segmento de hortifrutigranjeiros, foram instalados cinturões verdes próximos aos principais centros urbanos, garantindo a auto-suficiência em verduras, legumes, frutas e produtos animais como ovos e frangos. A mentalidade associativista, por outro lado, deu origem às grandes cooperativas agropecuárias que serviram de modelo para várias iniciativas de organização do mercado". Outra contribuição fundamental que os agricultores japoneses trouxeram para o país foi a técnica inovadora da agricultura intensiva, sendo isso um resultado de técnicas de plantio desenvolvidas no Japão, pois nesse país, devido à falta de espaço, produzia-se grande quantidade em áreas pequenas e isso não era feito no Brasil que dispunha de grandes áreas para plantio.[60]

Na área agrícola deve-se destacar a introdução da pimenta-do-reino na região de Tomé-Açu, no Pará, que viria a ser chamado de "diamante negro" da Amazônia. Através dos imigrantes japoneses Tomé-Açu tornou-se então o maior produtor mundial de pimenta-do-reino,[61] pois com esses imigrantes houve a introdução do cultivo da pimenta-do-reino na região, sendo que os imigrantes importaram as primeiras sementes de Singapura para o Brasil, com a prosperidade alavancada pelos japoneses a população do município mais que triplicou em vinte anos no município, chamando a atenção de muitas pessoas em busca de oportunidades de trabalho, na maioria, migrantes capixabas ou nordestinos.[62] Mesmo suas plantações sendo atacadas pela fusariose, os japoneses não desistiram da pimenta-do-reino, combateram a doença, mas isso abriu a oportunidade para os nipo-brasileiros começarem o cultivo de outras culturas tropicais, como a açaí, também chamado de "diamante negro",[61] onde o Pará se destaca como principal produtor da fruta. O crescimento das exportações do açaí foi de tal forma que chegou a despertar atenção de grandes jornais como o francês “Le Monde” e o norte-americano “The New York Times”.[63]

Embora já houvessem plantações de rami no Brasil desde o ano de 1884, a maior produção dessa cultura aconteceu na cidade paranaense de Uraí, como resultado do trabalho da Companhia de Terras Sul América, que após ser fundada fez a concessão do terreno à Companhia Nambei Toshi Kabushiki Kaisha, que deu início à colonização do que hoje é Uraí. Com o resultado do primeiro cultivo, a produção começou a ser expandida, tendo sido comercializada tanto no Brasil quanto no exterior. Na década de 70, a cidade se tornou a maior produtora de rami do mundo, ganhando o apelido de "Capital Mundial do Rami", sendo que a cultura chegou a ocupar 22% da área total do município e o nikkei Susumo Itimura chegou a ser conhecido como o "rei do rami". Com a concorrência da fibra sintética a produção do rami diminuiu e os produtores rurais da região procuraram a diversificação de culturas.[64]

A diáspora japonesa forneceu uma porta de entrada para a influência cultural japonesa no Brasil que se destaca na tecnologia agrícola, culinária, mas também em esportes tais como: judô, aikidô, jiu-jitsu, caratê, kendo,[65] sumô,[66] gateball.[67] Apesar de o beisebol já ser praticado antes da chegada dos imigrantes japoneses foi através desses imigrantes que se deve o desenvolvimento do beisebol no Brasil.[68]

Também deram impulso para a difusão da cultura pop como os mangás, seriados de televisão, animes) e outros aspectos.

Na área da saúde, os japoneses trouxeram métodos próprios de tratamento corporal, como o Shiatsu e o Anma.

A contribuição dos japoneses no setor industrial a partir da década de 60 é ressaltada pelo fato de que muitas indústrias do Japão instalaram suas filiais no Brasil, muitas delas associando-se aos empreendimentos nipo-brasileiros. Sendo que não foram implementadas somente a tecnologia, mas também os novos sistemas administrativos que revolucionaram a produtividade de muitas fábricas brasileiras. Além disso, a partir da década de 70, o capital japonês voltou-se para a expansão da fronteira agrícola do país através da exploração da região do cerrado. Também, para a produção de matérias-primas, concentrando-se na exploração dos minérios.[32]

Uma das contribuições da colônia japonesa no desenvolvimento brasileiro é o campo das artes plásticas, onde a arte dos nipo-brasileiros chega a ser denominada de "escola nipo-brasileira".[69] A constância dos nipo-brasileiros em participar dos salões, exposições e eventos foi decisivo para chamar a atenção, manter contatos entre os artistas.[70] Com a chegada dos imigrantes japoneses pós-guerra, essas atividades tomaram novo impulso – ceramistas, artistas plásticos, artesões, fotógrafos chegaram no Brasil trazendo novidades nas concepções estéticas que ajudaram a "compor e dar novo formato as artes plásticas do Brasil", nas palavras de Antônio Henrique Bittencourt Cunha Bueno.[32]

O bairro da Liberdade, na cidade de São Paulo, representa um um exemplo da influência japonesa no Brasil, com vários pórticos vermelhos de templos xintoístas. Restaurantes de yakisoba, sushi e sashimi, estabelecimentos de karaokê e supermercados nos quais se pode comprar o nattō e vários tipos de molho de soja.[59] Até mesmo o drinque brasileiro mais famoso, a caipirinha, ganhou uma versão japonesa com saquê: a sakerinha.[71]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal do Brasil

Referências

  1. Modelo nikkei mostra talento na passarela e nos negócios
  2. O Brigadeiro Saito passa a ser o primeiro nikkei (descendente de japoneses) a ocupar o mais alto posto da Força Aérea Brasileira
  3. Essa neta de imigrantes japoneses radicados no Brasil
  4. Política - Carta Capital
  5. Os bisavós vieram no Kasato Maru
  6. a b c Conheça alguns nikkeis que ficaram famosos no Brasil
  7. CliqueMusic - UOL
  8. Sabrina Sato vipo
  9. Blog Oficial de Geovanna Tominaga
  10. Geovanna Tominaga tenta fugir de estereótipos - VNews
  11. Amor pelos avós
  12. História Do jiu-jitsu Brasileiro
  13. BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento
  14. Fernanda Takai "despertou" para idioma japonês já adulta
  15. [1]
  16. a b MOFA: Japan-Brazil Relations. MO.
  17. a b c d e Made in Japan. IBGE. Resistência e Integração: 100 anos de Imigração Japonesa no Brasil apud IBGE Traça o Perfil dos Imigrantes; 21 de junho de 2008. Made in Japan. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  18. Adital - Brasileiros no Japão. Adital. Página visitada em 2 de setembro de 2008.
  19. U.S. State Department - International Religious Freedom Report, 2007 (em inglês). U.S. State Department. Página visitada em 02/09/08.
  20. a b c d Imigração Japonesa no Brasil (em português). InfoEscola (22 de dezembro de 2008). Página visitada em 18 de junho de 2012.
  21. a b IBGE. Razões da Imigração Japonesa. IBGE. Página visitada em 22 de agosto de 2008.
  22. a b c d e f g Cronologia da Imigração Japonesa in Folha de São Paulo, 20 de abril de 2008 (em português). Uol. Página visitada em 17/08/08.
  23. http://www.usp.br/revistausp/53/12-giralda.pdf
  24. a b LIMA, Silvio Cezar de Souza. Os filhos do império celeste: a imigração chinesa e sua incorporação à nacionalidade brasileira. Rede de Memória Virtual Brasileira. Rede de Memória Virtual Brasileira. Página visitada em 22 de agosto de 2008.
  25. Adital - Brasileiros no Japão (em português). Adital. Arquivado do original em 6 de março de 2008. Página visitada em 2 de setembro de 2008.
  26. U.S. State Department - International Religious Freedom Report, 2007 (em inglês). U.S. State Department. Página visitada em 02/09/08.
  27. Asahi Newspaper. Editorial: Brazilian immigration (em inglês). Página visitada em 02/09/08.
  28. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u SUZUKI Jr, Matinas. História da discriminação brasileira contra os japoneses sai do limbo in Folha de São Paulo, 20 de abril de 2008. Uol. Página visitada em 17 de agosto de 2008.
  29. BARBOSA, Muryatan Santana. Identidade nacional e ideologia racialista (pdf) (em português). Googlepages. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  30. a b TV Morena. Especial 100 Anos de Imigração Japonesa. Antes do Kasato Maru: Japão abre as portas para as nações amigas (em português). TV Morena. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  31. a b GONÇALVES p, 214
  32. a b c d e f g h Antônio Henrique Bittencourt Cunha Bueno. PRONUNCIAMENTO DO DEPUTADO CUNHA BUENO (PPB-SP), FEITO EM 18 DE JUNHO DE 2002, SOBRE A IMIGRAÇÃO JAPONESA AO BRASIL. (.doc). camara.gov.br. Arquivado do original em 1 de março de 2014.
  33. a b RIOS, Roger Raupp. Texto retirado de sentença judicial referente a crime de racismo. Juízo Federal da 10ª Vara da Circunscrição Judiciária de Porto Alegre, 16 de novembro de 2001 (em português). Movimento Afro. Página visitada em 10/09/08.
  34. LESSER p, 217
  35. LESSER p, 219
  36. a b LESSER p, 220
  37. Segunda Guerra Mundial: os bens confiscados e jamais devolvidos - Bloco 3
  38. Made in Japan. Especial Centenário da Imigração Japonesa. Um Banco para os Imigrantes; 27 de junho de 2008 (em português). Made in Japan. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  39. Made in Japan. Especial Centenário da Imigração Japonesa. Os Imigrantes Expulsos do Litoral; 27 de junho de 2008. Made in Japan. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  40. a b MORAIS, Fernando Morais. Corações Sujos, pág. 255
  41. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  42. IBGE. Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. IBGE. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  43. a b Nikkeis no poder - Imigração - Made in Japan. Revista Made in Japan. Arquivado do original em 20 de agosto de 2013. Página visitada em 22 de março de 2014.
  44. 105 anos da Imigração Japonesa .::. NippoBrasil - COMÉRCIO JAPONÊS: O surgimento das casas comerciais. Revista Made in Japan. Arquivado do original em 22 de março de 2014. Página visitada em 22 de março de 2014.
  45. Integração política - Imigração - Made in Japan. Revista Made in Japan. Arquivado do original em 21 de agosto de 2013. Página visitada em 22 de março de 2014.
  46. a b Portal Dekassegui. Dekasseguis ajudam a movimentar economia paulista, 13 de Fevereiro de 2008. Portal Dekassegui. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  47. a b c Enciclopédia das Línguas no Brasil - Japonês. Enciclopédia das Línguas no Brasil. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  48. O que é "Nikkei"? - Descubra Nikkei. DiscoverNikkei.org. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2013. Página visitada em 26 de janeiro de 2014.
  49. PEREIRA, Liésio. O Estilo Japonês de Sampa. São Paulo 450 anos. Radiobras. Página visitada em 4 de setembro de 2008.
  50. GALIMBERTTI; CATANIO, p. 49
  51. a b Marley Terezinha Pertile (2009). O Talian entre o italiano-padrão e o português brasileiro:.... Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2014. Página visitada em 19 de janeiro de 2014.
  52. A umbanda no Japão e a busca pela ressignificação da vida dos nipo-brasileiros - Revista IHU Online #424. unisinos.br. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2014. Página visitada em 26 de janeiro de 2014.
  53. Portugueses do sol nascente - Guia do Estudante. guiadoestudante.abril.com.br. Arquivado do original em 10 de novembro de 2013. Página visitada em 1 de fevereiro de 2014.
  54. :::::::::: EMUBRA - Enciclopédia Digital do Oeste Paulista ::::::::::. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2014. Página visitada em 1 de fevereiro de 2014.
  55. Pastoral nipo-brasileira celebra seu 50º congresso nacional. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2014. Página visitada em 1 de fevereiro de 2014.
  56. ISTOÉ Independente - Comportamento. Página visitada em 1 de fevereiro de 2014.
  57. a b c d Quais alimentos foram trazidos ao Brasil pelos japoneses? - Superinteressante. Superinteressante. Arquivado do original em 10 de agosto de 2009. Página visitada em 27 de setembro de 2009.
  58. A contribuição japonesa para a economia local desde o século XIX - UFPA. UFPA. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2013. Página visitada em 9 de dezembro de 2013.
  59. a b G1 > Política - NOTÍCIAS - Um século depois, influência japonesa torna-se parte do Brasil (em português). G1. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2013. Página visitada em 9 de dezembro de 2013.
  60. (março de 2008) "Um centenário difícil, mas de boas influências". Revista Plasticultura (3): 15. Campinas, SP: Editora Comunicativa.
  61. a b Japoneses trouxeram 'diamante negro' para a Amazônia. g1.com. Arquivado do original em 28 de novembro de 2009. Página visitada em 2 de novembro de 2009.
  62. Centenário da Imigração Japonesa - Reportagens - Tem tigre na selva. japão100.com. Arquivado do original em 2 de abril de 2009. Página visitada em 7 de dezembro de 2009.
  63. Alheia à crise, exportação de açaí do Pará bate recorde. Globo Amazônia.com. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2010. Página visitada em 2 de novembro de 2009.
  64. Rami e japoneses contam história de Uraí. UraiOnline.com.br. Arquivado do original em 31 de julho de 2009. Página visitada em 30 de janeiro de 2014.
  65. Prefeitura de S.Paulo - Mil Povos. Prefeitura de São Paulo. Página visitada em 5 de junho de 2009.
  66. Centenário da Imigração Japonesa - Reportagens - De A a Z - 100 legados japoneses. Japão100. Arquivado do original em 10 de novembro de 2013. Página visitada em 5 de junho de 2009.
  67. Centenário da Imigração Japonesa - Reportagens - De A a Z - 100 legados japoneses. Japão100. Arquivado do original em 2 de junho de 2013. Página visitada em 5 de junho de 2009.
  68. Prefeitura.SP - Origem do beisebol brasileiro (em português). Prefeitura de São Paulo Obtido. Arquivado do original em 11 de março de 2008. Página visitada em 5 de junho de 2009.
  69. Vida e Arte dos Japoneses no Brasil. p.40
  70. Vida e Arte dos Japoneses no Brasil. p.50
  71. Drink recipes: Caipisake or sakerinha - by Frederick Fuller - Helium. Helium. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2013. Página visitada em 5 de junho de 2009.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, Gilson. "Viagem ao Japão". Editora Caramelo, 2007 (literatura infantil)
  • DEZEM, Rogério. "Matizes do "Amarelo. A gênese dos discursos sobre os orientais no Brasil (1878-1908)". São Paulo: Humanitas/USP/FAPESP, 2005. ISBN 85-98292-81-8
  • DEZEM, R. "Shindô Renmei: terrorismo e repressão". São Paulo: AESP, 2000.
  • GALIMBERTTI; CATANIO, Percy; Percy Antonio Galimbertti. O caminho que o dekassegui sonhou (dekassegui no yumê-ji): cultura e subjetividade no movimento dekassegui. [S.l.]: Editora da PUC-SP, 2002. ISBN 8528302601, 9788528302608
  • GOMES, Marcelo Abreu. "Antes do Kasato Maru…Centenário da Colônia Agrícola Japonesa da Fazenda Santo Antônio". Conceição de Macabu: 2008.
  • GONÇALVES, Paulo Cezar. Programa de Pós-Graduação em História Econômica do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Doutor em História. Universidade de São Paulo, São Paulo: [s.n.], 2008.
  • LESSER, Jeffrey. "Negociando a Identidade Nacional: Imigrantes, Minorias e a Luta pela Etnicidade no Brasil". São Paulo: Editora UNESP, 2001.
  • MORAIS, Fernando. "Corações Sujos". Companhia das Letras, 2000. ISBN 85-359-0074-8
  • Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, Banco América do Sul (Brasil). Vida e arte dos japoneses no Brasil. [S.l.]: Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, 1988.
  • NOGUEIRA, Arlinda Rocha. "A imigração japonesa para a lavoura cafeeira paulista (1908-1922)". São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, USP, 1973.
  • OKUBARO, Jorge J. "O Súdito: (Banzai, Massateru)". Terceiro Nome, 2006. ISBN 85-87556-79-7
  • OTA, Junko. "A língua japonesa dos imigrantes". São Paulo: FEUSP, 1998.
  • SUZUKI, T. "Produção acadêmica sobre a imigração e a cultura japonesa no Brasil". São Paulo: Agencia Estado, 1992.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]