Suicídio e imortalidade quânticos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Imortalidade quântica)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em mecânica quântica, suicídio quântico é um experimento mental, originalmente publicado independentemente por Hans Moravec em 1987[1][2] e Bruno Marchal em 1988[3][4] e desenvolvido de forma independente por Max Tegmark em 1998.[5] Ele tenta distinguir entre a Interpretação de Copenhague da mecânica quântica e a Interpretação de muitos mundos por meio de uma variação do experimento mental do gato de Schrödinger, do ponto de vista do gato. Imortalidade quântica refere-se à experiência subjetiva de sobreviver ao suicídio quântico independentemente das probabilidades.[6]

Keith Lynch lembra que Hugh Everett teve grande prazer em paradoxos como o enforcamento inesperado. Everett não mencionou o suicídio quântico ou a imortalidade quântica por escrito, mas seu trabalho foi concebido como uma solução para os paradoxos da mecânica quântica. Lynch disse que "Everett acreditava firmemente que sua teoria de muitos mundos lhe garantia a imortalidade: sua consciência, ele argumentou, "está ligada a cada ramificação para seguir qualquer caminho que não conduza à morte";[7] Tegmark explica, no entanto, que as situações de vida e morte normalmente não dependem de uma sequência de eventos quânticos binários como os do experimento mental.[6]

Referências

  1. «The Many Minds Approach». 25 de outubro de 2010. Consultado em 7 de dezembro de 2010. Esta ideia foi proposta pela primeira vez pelo matemático austríaco Hans Moravec em 1987 
  2. Moravec, Hans (1988). «The Doomsday Device». Mind Children: The Future of Robot and Human Intelligence. Harvard: Harvard University Press. p. 188. ISBN 978-0-674-57618-6  (Se a MWI for verdadeira, aceleradores de partículas apocalípticos não funcionarão como anunciado).
  3. Marchal, Bruno (1988). «Informatique théorique et philosophie de l'esprit» [Theoretical Computer Science and Philosophy of Mind]. Toulouse. Acte du 3ème colloque international Cognition et Connaissance [Proceedings of the 3rd International Conference Cognition and Knowledge]: 193–227 
  4. Marchal, Bruno (1991). De Glas, M.; Gabbay, D., eds. «Mechanism and personal identity» (PDF). Paris. Angkor. Proceedings of WOCFAI 91: 335–345 
  5. Tegmark, Max The Interpretation of Quantum Mechanics: Many Worlds or Many Words?, 1998
  6. a b Tegmark, Max (novembro de 1998). «Quantum immortality». Consultado em 25 de outubro de 2010 
  7. Eugene Shikhovtsev's Biography of Everett: Keith Lynch remembers 1979–1980