Império global

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Império colonial. (desde setembro de 2015)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Março de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Um império global implica a extensão da soberania de um Estado sobre territórios situados em todos os continentes. O primeiro império global foi o Império Português multicontinental, desde o início do século XVI.

Durante a efémera união pessoal dos reinos da Península Ibérica (1581-1640), a frase foi empregue na Europa em relação aos Impérios dos soberanos Habsburgos de Madrid, que juntavam dois impérios coloniais, o de Portugal e o de Castela, e ainda um império mediterrânico, (o de Aragão) nas suas múltiplas coroas distintas e de administrações separadas. Esta mesma frase foi ainda mais tarde aplicada ao Império Russo e ao Império Britânico.

Impérios da antiguidade[editar | editar código-fonte]

Os impérios da antiguidade eram extremamente confinados aos seus locais de origem; continentes Americano, Africano e Euroasiático. Nações antigas como o Egipto e a China, e os impérios Asteca, Romano e Inca podem ser considerados superpotências, mas não impérios globais. [carece de fontes?]

Rivalidade e sucessão imperial europeias[editar | editar código-fonte]

O Império Português, o primeiro império oceânico europeu, de natureza inicialmente comercial, sucedia na sua importância ao império comercial e territorial do Reino de Aragão, do povo catalão, no Mediterrâneo, o qual antes disso havia já destronado nessa função o império marítimo comercial genovês.

Depois da tardia finalização da Reconquista castelhana, feita com a ajuda militar do seu novo aliado aragonês, no entanto, Castela, que ao contrário de Aragão e de Portugal, não possuía ainda um império ultramarino, procurou competir na expansão marítima que Portugal vedava ao resto da Europa (doutrina jurídica portuguesa do mare clausum, mar fechado).

O futuro Império Castelhano, no entanto, terá um formato e uma natureza diametralmente opostas ao do primeiro Império Português, ao qual acabará por suceder em importância em meados do século XVI, antes de por sua vez vir a ser superado pelo Império Holandês, que precederá o Império Britânico em importância global.

Mas ao procurar competir com Portugal na descoberta da rota oceânica para a Índia, que viabilizasse as rendas das riquezas dos produtos orientais, Castela levará Portugal a dividir com ela vastas áreas globais de influência, e exclusivo de navegação e conquista, em tratados aonde a avançada ciência e técnicas marítimas portuguesas do tempo a levaram a aceitar ficar com a zona de impossível navegação até ao cobiçado Oriente.

Divisão geo-estratégica imperial global[editar | editar código-fonte]

Esta divisão global de áreas de influência, a primeira efectuada no planeta, foi feita primeiramente, finalizada a Guerra de Sucessão de Castela com a batalha de Touro, pelo Tratado das Alcáçovas-Toledo 1479, que dividia o mundo por uma linha recta horizontal. A tradicional influência aragonesa e castelhana em Roma, no entanto, aproveitando a eleição de um papa corrupto castelhano no sólio pontifício, Papa Alexandre VI, obteve deste uma nova divisão unilateral e melhorada aos interesses castelhanos, pela 1493, bula que Portugal não aceitou, entrando em estado de guerra geral com o seu vizinho: o que se veio apenas a resolver pela cedência castelhana a D. João II, e a assinatura pelos seus embaixadores D. Rui de Sousa, e D. João de Sousa, seu filho, do Tratado de Tordesilhas, em 1494, que abandonando a divisão horizontal, estabeleceu a divisão vertical pela linha do Atlântico que mantinha o Brasil e toda a rota marítima relevante para Oriente na posse portuguesa.

A natureza do Império Castelhano, a que apenas a partir do século XVIII se chamará Império Espanhol, consistiu não na navegação e comércio globais, como o primeiro Império Português e os que o precederam, mas sim na conquista, saque, e exploração dos recursos naturais preciosos dos territórios conquistados manu militari, territórios violentamente forçados a converter-se ao catolicismo, e a aculturar-se segundo o modelo social e religioso castelhano.

Por este motivo podemos dizer que foi Castela quem inventou o formato do Império Colonial moderno, tal como serão designados a partir do século XIX e da Conferência de Berlim os vários impérios europeus, sujeitos desde então à obrigação internacional de serem economicamente explorados, culturalmente integrados, e militarmente pacificados pela potência colonial respectiva.

Se a intenção inicial do Império marítimo português era o monopólio armado da troca comercial entre os ricos produtos do Oriente e os da Europa, impulsionado por novas idéias de capitalismo senhorial que promoveu então na Europa do renascimento, a ideia do Império Castelhano será bem diversa, através da escravização de povos inteiros, e a exploração forçada do oiro e da prata desses povos conquistados, com os quais inundará a Europa em meados do século XVI, provocando em larga escala o fenómeno da inflação monetária e do capitalismo selvagem.

Aquele que só será Império Espanhol a partir do século XVIII com a unificação dos reinos hispânicos pelos Borbons [carece de fontes?], é então chamado Império Castelhano, e estava vedado aos naturais do Império de Aragão por tratado entre si dos reis Reis Católicos definindo a repartição das suas áreas de influência, atlântica para um, mediterrânea para o outro. O Império Castelhano (mas não o Império Aragonês), pelos estatutos das Cortes de Tomar de 1581, virá a estar aberto aos portugueses entre 1581 e 1640, enquanto o Império Português continuará oficialmente vedado também durante esse período aos súbditos dos outros reinos dos Habsburgo).

Se Portugal a partir da conquista de Ceuta, e do Infante D. Henrique, estabeleceu a primeira rede global de trocas mundial transoceânica, num império multicontinental assente em feitorias e pequenos pontos de apoio às suas rotas marítimas em regime de monopólio, mais tarde irá desenvolver um império de produção agrícola e comercialização dos produtos dessa lavoura escrava no Brasil, no chamado segundo império português.

Sucedido a partir de meados do século XVI em importância o (primeiro) Império Português pelo Império Castelhano, a este sucederá em realce desde o final do mesmo século o Império Holandês, nos séculos XVII e XVIII o fracassado império ultramarino francês, e sobretudo a partir do século XVIII o Império Inglês.

Este tornou-se o maior império territorialmente não-contíguo da História, abrangendo um quarto da Terra e compreendendo um quarto da população mundial. Subsistiu até à descolonização iniciada depois do final da II Guerra Mundial, quando o Império Russo e o Império Americano, este império de influência político-económico-militar, dividiram na Conferência de Ialta o mundo em dois blocos rivais e fechados entre si, divisão que persistiu até ao final da Guerra Fria.

O Império Russo (continuado como União Soviética, e actualmente a Federação Russa) foi, e é ainda apesar de muito reduzido, o maior Estado imperial contíguo do mundo em extensão territorial, estendendo-se ligeiramente a mais de metade da longitude mundial, tomando todo o terço setentrional da Ásia, quase a metade oriental da Europa e grande parte do interior e costa nordeste/norte da Eurásia.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]