Imperador da Índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Coroa imperial da Índia.
New Crowns for Old retrata Disraeli como Abanazer da pantomima versão de Aladdin oferecendo à Vitória uma coroa imperial em troca de uma coroa real.

O título Imperatriz da Índia foi dado à rainha Vitória do Reino Unido, em 1887. O título foi criado dezenove anos depois da formal incorporação ao Império Britânico das possessões e protetorados do Reino Unido na Índia subcontinental, comprometendo atualmente a Índia, o Paquistão, Bangladesh e Birmânia (a última no entanto se tornaria uma colônia separada em 1937). É dito que o desejo de Vitória por tal título foi motivado pela inveja que a rainha sentia pelos títulos imperiais de seus primos distantes, como Guilherme I da Alemanha e Alexandre II da Rússia. Foi reconhecido o mérito do primeiro-ministro Benjamin Disraeli por ter criado o título para Vitória. O título também foi criado quando ficou claro que a filha da rainha Vitória, Vitória, Princesa Real, se tornaria uma imperatriz com a ascensão de seu marido ao trono imperial alemão(ver Império Alemão e Casa von Hohenzollern).

Quando Vitória morreu, em 1901, seu filho Eduardo VII ascendeu ao trono, seu título tornou Imperador da Índia. O título existiu até a independência da Índia e do Paquistão do Reino Unido durante a meia-noite de 14 e 15 de Setembro de 1947. O título não foi formalmente abandonado pelo sucessor de Eduardo VIII, Jorge VI, até 1948.

Quando assinavam seus nomes para compromissos na Índia, um Rei-Imperador ou uma Rainha-Imperatriz reinante usavam as iniciais R I (Rex/Regina Imperator/Imperatrix) ou a abreviação Ind. Imp. (Indiae Imperator/Imperatrix) depois de seus nomes (enquanto que a única Rainha-Imperadora reinante, Vitória, usava as iniciais R I, as três consortes dos Reis-Imperadores simplesmente utilizavam R). Isso também foi usado em muitas moedas britânicas, incluindo em algumas moedas de Jorge VI de 1948.

Quando um monarca homem detinha o título, sua Rainha consorte assumia o título Rainha-Imperatriz, mas diferentemente da Rainha Vitória, elas não eram monarcas reinantes mas consortes destes. À rainha Vitória era atribuído o título de Rainha-Imperadora.

O termo "Imperador da Índia" também foi usado para se referir a monarcas indianos, como o imperador Asoka da Dinastia Máuria e imperador Akbar do Império Mogol. Por exemplo, o imperador Asoka usou a palavra 'Samrat' como seu título, que significa "imperador" em sânscrito e outras línguas indianas. O título também foi usado em 1857 pelo último imperador mogol Bahadur Shah II, no contexto da Revolta dos Sipais, até ele ser capturado pelo Raj Britânico.

Embora a dinastia Mughal tenha dominado a maior parte do subcontinente indiano do século 16 em diante, eles simplesmente utilizavam o título de Badishah (Badishah ou Badshah significa "Grande Rei" ou "Rei dos Reis", um pouco próximo do título de imperador) sem designação geográfica.

Durante a Revolta dos Sipaios, os sipaios rebeldes capturaram Delhi e proclamaram o imperador mogol Bahadur Shah II como Badishah-e-Hind, ou "Imperador da Índia". Ele tinha pouco ou nenhum controle sobre a rebelião. Os britânicos esmagaram a rebelião, capturaram Bahadur Shah e o exilaram em Rangum, Birmânia em 1858, o que levou a dinastia Mughal ao fim, e o título deixou de existir após sua morte em 1862.

Após a Companhia Britânica das Indias Orientais depor o imperador Mughal, e depois do governo britânico dissolver a Companhia em 1874, a rainha Vitória foi dado o título de "Imperatriz da Índia" (ou Kaiser-i-Hind, uma forma cunhada pelo orientalista GW Leitner em uma tentativa deliberada para dissociar o domínio imperial britânico das dinastias anteriores) pelo Ato de Títulos Reais de 1876, de 1 de Maio de 1876. O novo título foi proclamado no Delhi Durbar de 1877.

Imperadores e imperatrizes da Índia[editar | editar código-fonte]

As consortes reais mulheres também eram chamadas Rainha-Imperatriz. Abaixo, está a lista de Rainhas-Imperatrizes Consortes:

  • Rainha-Imperatriz Alexandra (esposa de Eduardo VII)
  • Rainha-Imperatriz Maria (esposa de Jorge V)
  • Rainha-Imperatriz Isabel (esposa de Jorge VI)

Rei da Índia e do Paquistão[editar | editar código-fonte]

Jorge VI continuou a reinar como Rei da Índia por dois anos durante os curtos generalatos-gerais de Louis Mountbatten, o 1° Conde Mountbatten da Birmânia, e de Chakravarthi Rajagopalachari, até que a Índia se tornou uma república em 26 de Janeiro de 1950. Jorge VI manteve-se como Rei do Reino Unido e Rei do Paquistão até sua morte em 1952. O Paquistão tornou-se uma república em 23 de março de 1956, fazendo de Isabel II, a atual Rainha do Reino Unido, também Rainha do Paquistão por quatro anos.

Ver também[editar | editar código-fonte]