Imperialismo russo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Imperialismo russo é o termo que se refere a política e a ideologia do poder exercido pela Rússia, bem como seus estados antecedentes, sobre outros países e territórios externos. Isso inclui as conquistas do Império Russo, as ações de expansão da URSS (já que a Rússia é considerada seu principal Estado sucessor), bem como as da moderna Federação Russa.[1]

Ideologias do imperialismo russo[editar | editar código-fonte]

A expansão territorial do Império Russo deu aos governantes autocráticos da Rússia legitimidade adicional, ao mesmo tempo em que deu à população subjugada uma fonte de orgulho nacional.[2] A legitimação do império foi posteriormente feita por meio de diferentes ideologias. Após a Queda de Constantinopla, Moscou nomeou-se a terceira Roma, seguindo o Império Romano e o Império Bizantino. Em um panegírico ao grão-duque Basílico III composta em 1510, o monge russo Filoteu de Pskov proclamou: "Duas Romas caíram. A terceira permanece. E não haverá quarta. Ninguém substituirá seu czarismo cristão!".[3] Isso levou ao conceito de uma nação russa ortodoxa messiânica como a Santa Rússia. A Rússia alegou ser a protetora dos cristãos ortodoxos quando se expandiu para os territórios do Império Otomano durante guerras como a Guerra da Crimeia.[2]

Após a vitória da coalizão monárquica nas Guerras de Coalizão, a Rússia promulgou a Santa Aliança com a Prússia e a Áustria para restabelecer o direito divino dos reis e os valores cristãos na vida política europeia, conforme desejado por Alexandre I devido a influência de sua conselheira espiritual, a baronesa Barbara von Krüdener. Foi escrito pelo czar e editado por Ioannis Kapodistrias e Alexandru Sturdza.[4] No primeiro rascunho, o czar Alexandre I fez apelos ao misticismo por meio de uma proposta de império cristão unificado, com um exército imperial unificado, que foi visto como desconcertante pelas outras monarquias. Após a revisão, uma versão mais pragmática da aliança foi adotada pela Rússia, Prússia e Áustria.[4][5] O documento foi chamado de "um apocalipse da diplomacia" pelo diplomata francês Dominique-Georges-Frédéric Dufour de Pradt.[4] A Santa Aliança foi amplamente usada para suprimir a dissidência interna, censurando a imprensa e fechando parlamentos.[5]

Sob Nicolau I, a mescla de ortodoxia, autocracia e nacionalidade se tornou a ideologia oficial do estado.[6][7] Isso exigia que a Igreja Ortodoxa assumisse um papel essencial na política e na vida, exigia um governo central de um único autocrata ou governante absoluto e proclamava que o povo russo era o único capaz de unificar um grande império devido a "características especiais". Semelhante ao direito divino dos reis mais amplo, o poder do imperador seria visto como capaz de resolver quaisquer contradições no mundo e criar uma "ordem celestial" ideal.[8] O historiador britânico Geoffrey Hosking argumentou que a ideologia tinha falhas importantes em dois de seus principais pilares, já que a igreja era totalmente dependente e submissa ao estado, e o conceito de nacionalidade era subdesenvolvido porque muitos oficiais eram alemães bálticos e as ideias revolucionárias dos Estados-nação eram um "eco abafado" em um sistema que se baseava na servidão. Na prática, isso deixou a autocracia como o único pilar viável.[7]

No século XIX, o pan-eslavismo tornou-se uma nova teoria de legitimação do império.[9] A ideia do mundo russo tornou-se um conceito-chave e a construção de nação imperial da nacionalidade "pan-russa" foi abraçada por muitos súditos imperiais (incluindo judeus e alemães) e serviu como a fundação do Império.[10] Ele ganhou importância política pela primeira vez perto do final do século XVIII como um meio de legitimar as reivindicações imperiais russas aos territórios orientais da dividida Comunidade Polaco-Lituana.[11] Após a Revolta de Janeiro, o governo russo tornou-se extremamente determinado a dar fim em todas as manifestações separatistas.[12] Na segunda metade do século XIX, os publicitários russos adotaram e transformaram a ideologia do pan-eslavismo.[12]

Expansão colonial russa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Expansão territorial da Rússia

A partir do século XVI, a Rússia conquistou, em média, um território do tamanho dos Países Baixos todos os anos durante 150 anos.[9]

Sibéria e o Extremo Oriente[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conquista russa da Sibéria

O expansionismo russo se beneficiou em grande parte da proximidade da Sibéria quase desabitada, que foi gradualmente conquistada pela Rússia desde o reinado de Ivan, o Terrível (1530-1584).[9] A colonização russa da Sibéria e a conquista de seus povos indígenas foram comparadas à colonização europeia das Américas e seus nativos, com impactos negativos semelhantes sobre os nativos e a apropriação de suas terras. Entretanto, outros pesquisadores consideram que a colonização da Sibéria diferiu da colonização europeia por não resultar em despovoamento nativo, bem como por fornecer emprego remunerado e integrar a população indígena à sociedade dos colonos.[13] O Pacífico Norte também se tornou alvo de uma expansão semelhante, estabelecendo o Extremo Oriente Russo.[14]

Em 1858, durante a Segunda Guerra do Ópio, a Rússia fortaleceu e eventualmente anexou a margem norte do rio Amur e a costa até a fronteira coreana da China nos "tratados desiguais" do Tratado de Aigun e na Convenção de Pequim. Durante o Levante dos Boxers, o Império Russo invadiu a Manchúria em 1900, e o massacre de Blagoveshchensk ocorreu contra residentes chineses no lado russo da fronteira.[15][16] Além disso, o império às vezes controlava os territórios de concessão na China.

Ásia central[editar | editar código-fonte]

A conquista russa da Ásia Central ocorreu ao longo de várias décadas. Em 1847-1864, russos cruzaram a estepe cazaque oriental e construíram uma linha de fortes ao longo da fronteira norte do Quirguistão. Em 1864-1868, eles se mudaram para o sul do Quirguistão, capturaram Tasquente e Samarcanda e dominaram os canatos de Cocande e Bucara. O próximo passo foi transformar esse "triângulo" em um "retângulo" atravessando o Mar Cáspio. Em 1873, os russos conquistaram Quiva e, em 1881, tomaram o Turcomenistão ocidental. Em 1884, tomaram o oásis de Merve e o leste do Turquemenistão. Em 1885, a expansão para o sul em direção ao Afeganistão foi bloqueada pelos britânicos. Em 1893-1895, os russos ocuparam as altas montanhas Pamir no sudeste. De acordo com o historiador Alexander Morrison, "a expansão da Rússia para o sul através da estepe cazaque até os oásis ribeirinhos do Turquestão foi um dos exemplos mais rápidos e dramáticos de conquista imperial do século XIX".[17]

No sul, o Grande Jogo foi um confronto político e diplomático que existiu durante a maior parte do século XIX e início do século XX entre o Império Britânico e o Império Russo sobre a Ásia Central e Meridional. A Grã-Bretanha temia que a Rússia planejasse invadir a Índia e que esse fosse o objetivo da expansão russa na Ásia Central, enquanto a Rússia continuava conquistando a última.[18] De fato, vários planos de invasão russa da Índia no século XIX são atestados, incluindo os planos Duhamel e Khrulev da Guerra da Crimeia, entre planos posteriores que nunca se materializaram.[19]

O historiador A. I. Andreyev afirmou que, "nos dias do Grande Jogo, a Mongólia era objeto de invasão imperialista pela Rússia, assim como o Tibete era para os britânicos".[20] Na Convenção anglo-russa de 1907, os impérios encerraram oficialmente sua rivalidade no Grande Jogo para se concentrar em se opor ao Império Alemão, dividindo o Irã em uma porção britânica e uma russa.[21] Em 1908, a Revolução Constitucional Persa procurou estabelecer uma sociedade civil democrática no Irã, com um Majilis eleito, uma imprensa relativamente livre e outras reformas.[21] O Império Russo interveio na Revolução Constitucional Persa para apoiar o e as facções reacionárias. A Rússia já havia estabelecido a Brigada Cossaca Persa em 1879, uma força que era liderada por oficiais russos e serviu como um veículo para a influência russa no Irã e, em 1908, cossacos bombardearam os Majilis.[22][23]

Europa[editar | editar código-fonte]

Durante essa época, a Rússia também seguiu uma política de expansão para o oeste. Após a derrota na Guerra da Finlândia e a assinatura do Tratado de Hamina em 17 de setembro de 1809, a metade oriental da Suécia, a área que então se tornou a Finlândia, foi incorporada ao Império Russo como um grão-ducado autônomo. No entanto, a política de russificação da Finlândia visava limitar o status especial do Grão-Ducado da Finlândia e, possivelmente, o término de sua autonomia política e singularidade cultural. Políticas semelhantes também foram adotadas na Ucrânia e na Bielorrússia.

Após a Guerra Russo-Turca (1806-1812) e do subsequente Tratado de Bucareste, as partes orientais do Principado da Moldávia, um estado vassalo otomano, e algumas áreas anteriormente sob domínio direto otomano, ficaram sob o domínio domínio do Império Russo. No Congresso de Viena (1815), a Rússia ganhou soberania sobre a Polônia do Congresso, que no papel era um reino autônomo em união pessoal com a Rússia. No entanto, os imperadores russos geralmente desconsideravam quaisquer restrições ao seu poder. Era, portanto, pouco mais que um estado-fantoche.[24][25] A autonomia foi severamente reduzida após revoltas em 1830-1831 e 1863, quando o país passou a ser governado por vice-reis e, posteriormente, dividido em governadorias.[24][25]

Expansão ultramarina russa[editar | editar código-fonte]

A expansão para o leste foi seguida pela colonização russa da América do Norte através do Oceano Pacífico. Os promyshlenniki (caçadores) russos desenvolveram rapidamente o comércio marítimo de peles, que instigou vários conflitos entre os aleútes e os russos na década de 1760. No final da década de 1780, as relações comerciais foram abertas com os tlingits e, em 1799, a Companhia Russo-Americana foi formada para monopolizar o comércio de peles, servindo também como um veículo imperialista para a russificação dos nativos do Alasca.

O Império Russo também adquiriu a ilha de Sacalina, que foi transformada em uma das maiores colônias prisionais da história.[26][27] Inicialmente, as incursões marítimas russas nas águas ao redor de Hokkaido começaram no final do século XVIII, estimulando o Japão a mapear e explorar os arredores da ilha ao norte. Sacalina foi habitada por povos indígenas, incluindo Ainu, Orok e Nivkh, apesar da ilha pagar nominalmente tributo à Dinastia Qing. Depois que a Rússia adquiriu a Manchúria dos Qing no Tratado de Aigun de 1858, eles também adquiriram dos Qing uma reivindicação nominal de Sacalina através do estreito. Com o Tratado de Shimoda de 1855, uma colônia de colonização conjunta de russos e japoneses foi temporariamente criada, apesar dos conflitos. No entanto, com o Tratado de São Petersburgo de 1875, o Império Russo recebeu Sacalina em troca do Japão ganhar as Ilhas Curilas.[28]

As colônias russas mais distantes estavam em Forte Elizabeth e Fort Alexander, fortalezas russas nas ilhas havaianas, construídas no início do século XIX pela Companhia Russo-Americana, bem como em Sagallo, uma breve colônia russa estabelecida em 1889 no Golfo de Tadjoura, na Somalilândia Francesa (atual Djibuti). O assentamento mais ao sul estabelecido na América do Norte foi em Fort Ross, na Califórnia.

Imperialismo soviético[editar | editar código-fonte]

Pôster soviético da era stalinista com a inscrição "O mundo todo será nosso!".
Ver artigo principal: Império Soviético

Embora a União Soviética se declarasse anti-imperialista, exibia tendências comuns aos impérios históricos.[29][30] Este argumento é tradicionalmente tido como originado no livro de Richard Pipes, The Formation of the Soviet Union (1954).[31] Vários estudiosos, como Seweryn Bialer, sustentam que a União Soviética era uma entidade híbrida que contia elementos comuns a impérios multinacionais e Estados-nação.[29][32] Também foi argumentado que a União Soviética praticou um colonialismo semelhante aos poderes imperiais convencionais.[30][33][34] Os maoístas argumentaram que a própria União Soviética havia se tornado uma potência imperialista enquanto mantinha uma fachada socialista, ou imperialismo social.[35][36][37]

Ideologia imperial soviética[editar | editar código-fonte]

A ideologia soviética continuou o messianismo do pan-eslavismo que colocava a Rússia como uma nação especial.[9] Enquanto o internacionalismo proletário foi originalmente abraçado pelo PCUS durante sua tomada do poder na Revolução Russa, após a formação da União Soviética, os proponentes marxistas do internacionalismo sugeriram que o país poderia ser usado como uma "pátria do comunismo" da qual a revolução poderia ser espalhada por todo o mundo.[38][39] Josef Stalin e Nikolai Bukharin encorajaram essa virada para o comunismo nacional em 1924, afastando-se da posição marxista clássica do socialismo global. De acordo com Alexander Wendt, isso "evoluiu para uma ideologia de controle em vez de revolução sob a rubrica do internacionalismo socialista" dentro da União Soviética.[40]

Sob Leonid Brejnev, a política de "socialismo desenvolvido" declarou a União Soviética como o "país" socialista mais completo (outros países eram "socialistas", mas a URSS era "socialista desenvolvida") explicando seu papel dominante e hegemonia sobre os outros países socialistas.[41] Brejnev também formulou e implementou a intervencionista Doutrina Brejnev, permitindo a invasão de outros países socialistas.[42] Paralelamente, ele também implementou uma política de russificação cultural como parte do socialismo desenvolvido, na busca por um controle mais central.[42] Essa era uma dimensão do imperialismo cultural soviético, que envolvia a sovietização da cultura e da educação às custas das tradições locais.[43]

Ásia Central[editar | editar código-fonte]

Os soviéticos prosseguiram com o colonialismo interno na Ásia Central.[44] Da década de 1930 até a década de 1950, Josef Stalin ordenou transferências populacionais na União Soviética, deportando pessoas (muitas vezes nacionalidades inteiras) para áreas remotas subpovoadas. As transferências do Cáucaso para a Ásia Central incluíram a deportação dos bálcaros, a deportação dos chechenos e inguches, a deportação dos tártaros da Crimeia, a deportação dos carachais e a deportação dos turcos mesquécios. Muitos cidadãos soviéticos europeus e grande parte da indústria russa foram transferidos para o Cazaquistão durante a Segunda Guerra Mundial, quando os exércitos nazistas ameaçaram capturar todos os centros industriais europeus da União Soviética. Esses migrantes fundaram cidades mineiras que rapidamente se tornaram grandes centros industriais, como Karaganda, Dzhezkazgan, Temirtau e Ekibastuz. Em 1955, a cidade de Baikonur foi construída para sediar o Cosmódromo de Baikonur. Muitos outros russos chegaram nos anos de 1953 a 1965, durante a chamada Campanha das Terras Virgens. Ainda mais colonos chegaram no final dos anos 1960 e 1970, quando o governo pagou bônus aos trabalhadores que participavam de um programa para realocar a indústria soviética perto dos extensos depósitos de carvão, gás e petróleo da Ásia Central. Em 1979, os russos étnicos no Cazaquistão somavam cerca de 5.500.000, quase 40% da população total.

Expansionismo soviético[editar | editar código-fonte]

Apesar do apoio inicial à autodeterminação, os bolcheviques reconquistaram a maior parte do Império Russo durante a Guerra Civil Russa.[9]  A antiga República Socialista Federativa Soviética da Rússia anexou à força a República Popular da Crimeia (1918), a República de Aras (1919), Autonomia de Alash (1920), a República Popular Ucraniana e o Estado Ucraniano (1921), a Primeira República da Armênia (1920), a República Democrática do Azerbaijão (1920), a República Popular Bielorrussa (1919), o Emirado do Cáucaso do Norte (1920), a Ditadura Centrocaspiana (1918), a República Democrática da Geórgia (1921), a República Montanhosa do Norte do Cáucaso (1920), o Íngria do Norte (1920) e a República Democrática Federativa Transcaucasiana (1918).

De 1919 a 1927, os diplomatas da URSS prometeram revogar as concessões na China, mas os soviéticos mantiveram as concessões czaristas, como a Ferrovia Oriental Chinesa, como parte das negociações secretas de 1924-1925.[45][46] Isso desempenhou um papel importante no Conflito Sino-Soviético de 1929. Os soviéticos venceram o conflito e reafirmaram seu controle sobre a ferrovia.[47] Em 1952, a ferrovia foi devolvida.[45]

Em 1939, a URSS entrou no Pacto Molotov-Ribbentrop com a Alemanha Nazista que continha um protocolo secreto que dividia Estônia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia nas esferas de influência alemã e soviética.[48] A Polônia Oriental, Letônia, Estônia, Finlândia e Bessarábia no norte da Romênia foram reconhecidas como partes da esfera de influência soviética.[48] A Lituânia foi incluída em um segundo protocolo secreto em setembro de 1939.[49]

A URSS invadiu as porções do leste da Polônia atribuídas a ela pelo Pacto Molotov-Ribbentrop duas semanas após a invasão alemã no oeste da Polônia, seguida de coordenação com as forças alemãs na Polônia.[50] Durante a ocupação da Polônia Oriental pela URSS, os soviéticos liquidaram o estado polonês, e uma reunião entre alemães e soviéticos abordou a futura estrutura da "região polonesa". As autoridades soviéticas iniciaram imediatamente uma campanha de sovietização[51][52] das áreas recém-anexadas pelos soviéticos.[53]

Em 1939, a URSS tentou sem sucesso invadir a Finlândia.[54] Após o ocorrido, as partes firmaram um tratado de paz provisório, concedendo à URSS a região oriental da Carélia (10% do território finlandês),[54] e a República Socialista Soviética Carelo-Finlandesa foi estabelecida pela fusão dos territórios cedidos com a República Socialista Soviética Autônoma da Carélia. Após um ultimato soviético de junho de 1940 exigindo a Bessarábia, o norte da Bucovina e a região de Herța da Romênia, os soviéticos entraram nessas áreas e a Romênia cedeu às demandas soviéticas, permitindo que eles (os soviéticos) ocupassem os territórios.

Em setembro e outubro de 1939, o governo soviético obrigou os Estados Bálticos a concluírem acordos de assistência mútua que davam aos soviéticos o direito de estabelecer bases militares em seu território. Após a invasão do Exército Vermelho em 1940, as autoridades soviéticas obrigaram os governos bálticos a renunciar. Sob a supervisão soviética, novos governos fantoches comunistas organizaram eleições fraudulentas com resultados falsificados.[55] Pouco tempo depois, as recém-eleitas "assembleias populares" aprovaram resoluções solicitando a admissão na URSS. Após a invasão em 1940, as repressões seguiram com as deportações em massa realizadas pelos soviéticos.

Ao fim da Segunda Guerra Mundial, a URSS também já havia anexado a Transcarpátia, a Tuva, a Prússia Oriental (atual Oblast de Kaliningrado), o Território de Memel e as Ilhas Curilas e o sul da Sacalina. Também nesse período, a maioria dos países da Europa Central e Oriental foram ocupados pela URSS e ficaram conhecidos como "colônias europeias". Apesar de permanecerem independentes, suas políticas militares, externas e domésticas eram dominadas pela URSS.[56] Entre os estados satélites soviéticos na Europa estavam: a República Popular da Albânia (1946-1961), a República Popular da Polônia (1947-1989), a República Popular da Bulgária (1946-1990), a República Socialista da Romênia (1947-1965), a República Socialista da Tchecoslováquia (1948–1989), a República Democrática Alemã (1949-1990), a República Popular da Hungria (1949-1989), e a República Socialista Federativa da Iugoslávia (1945-1948).

A extinta República Democrática do Afeganistão também pode ser considerada um satélite soviético, uma vez que de 1978 a 1991, o governo central em Cabul esteve alinhado com o Bloco do Leste e foi diretamente apoiado pelos militares soviéticos entre 1979 e 1989. A República Popular da Mongólia também foi um satélite soviético de 1924 a 1991.[57] Outros estados satélites soviéticos asiáticos incluíam a República Soviética Chinesa na província de Jiangxi, a República Popular de Tuva e a República do Turquestão Oriental.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Etkind, Alexander (29 de abril de 2013). Internal Colonization: Russia's Imperial Experience (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons 
  2. a b Herpen, Marcel H. Van (1 de julho de 2015). Putin's Wars: The Rise of Russia's New Imperialism (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield 
  3. Mashkov, A.D. «МОСКВА - ТРЕТІЙ РИМ». Ukrainian Soviet Encyclopedia (em ucraniano). Consultado em 30 de janeiro de 2023 
  4. a b c Zorin, A. L. (Andrei L.); Schlafly, Daniel L (2003). «"Star of the East": The Holy Alliance and European Mysticism». Kritika: Explorations in Russian and Eurasian History (em inglês) (2): 313–342. ISSN 1538-5000. doi:10.1353/kri.2003.0031. Consultado em 30 de janeiro de 2023 
  5. a b «Three Lessons of Peace: From the Congress of Vienna to the Ukraine Crisis». ONU (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2023 
  6. Riasanovsky, Nicholas V. (1960). «"Nationality" in the State Ideology during the Reign of Nicholas I». The Russian Review (em inglês) (1): 38–46. ISSN 0036-0341. doi:10.2307/126191 
  7. a b Hosking, Geoffrey A.; Hosking, Emeritus Professor of Russian History Geoffrey (1997). Russia: People and Empire, 1552-1917 (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press 
  8. Chubarov, Alexander (2001). Russia's bitter path to modernity : a history of the Soviet and post-Soviet eras (em inglês). [S.l.]: New York : Continuum 
  9. a b c d e Herpen, Marcel H. Van (1 de julho de 2015). Putin's Wars: The Rise of Russia's New Imperialism (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 978-1-4422-5359-9 
  10. Ilnytzkyj, Oleh S. (2003). Zezulka-Mailloux, Gabrielle Eva Marie; Gifford, James, eds. Culture + the State: Nationalisms (em inglês). [S.l.]: CRC Studio 
  11. Miller, Alexei (2003). Extending the Borders of Russian History: Essays in Honor of Alfred J. Rieber (em inglês). [S.l.]: Central European University Press. pp. 234–235 
  12. a b Magocsi, Paul R. (2010). A History of Ukraine: The Land and Its Peoples (em inglês). [S.l.]: University of Toronto Press. pp. 392–395. ISBN 9781442640856 
  13. Batalden, Stephen K.; Batalden, Sandra L. (1997). The Newly Independent States of Eurasia: Handbook of Former Soviet Republics (em inglês). [S.l.]: Greenwood Publishing Group 
  14. Sablin, Ivan; Sukhan, Daniel (2018). «Regionalisms and Imperialisms in the Making of the Russian Far East, 1903–1926». Slavic Review (em inglês) (2): 333–357. ISSN 0037-6779. doi:10.1017/slr.2018.126 
  15. Lin, Yuexin Rachel (fevereiro de 2017). «White water, Red tide: Sino-Russian conflict on the Amur 1917-20: Sino-Russian conflict on the Amur 1917-20». Historical Research (em inglês) (247): 76–100. doi:10.1111/1468-2281.12166 
  16. Zatsepine, Victor (9 de março de 2017). Beyond the Amur: Frontier Encounters between China and Russia, 1850–1930 (em inglês). [S.l.]: UBC Press. ISBN 978-0-7748-3412-4 
  17. Morrison, Alexander (3 de abril de 2014). «Introduction: Killing the Cotton Canard and getting rid of the Great Game: rewriting the Russian conquest of Central Asia, 1814–1895». Central Asian Survey (em inglês) (2): 131–142. ISSN 0263-4937. doi:10.1080/02634937.2014.915614 
  18. «The Great Game, 1856-1907: Russo-British Relations in Central and East Asia | Reviews in History». reviews.history.ac.uk (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2023 
  19. Korbel, Josef (1990). Danger in Kashmir (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press 
  20. Andreev, A. I. (2003). Soviet Russia and Tibet : the debacle of secret diplomacy, 1918-1930s (em inglês). Leiden: Brill. p. 96. ISBN 90-04-12952-9. OCLC 51330174.
  21. a b Meyer, Karl E. (10 de agosto de 1987). «Opinion | The Editorial Notebook; Persia: The Great Game Goes On». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de janeiro de 2023 
  22. Middle East conflicts from Ancient Egypt to the 21st century : an encyclopedia and document collection. Spencer Tucker, Priscilla Mary Roberts (em inglês). Santa Bárbara, Califórnia. 2019. ISBN 978-1-4408-5353-1. OCLC 1099541849.
  23. Andreeva, Elena (11 de junho de 2007). Russia and Iran in the Great Game: Travelogues and Orientalism (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  24. a b Nicolson, Harold (2000). The Congress of Vienna: A Study in Allied Unity, 1812-1822 (em inglês). [S.l.]: Grove Press 
  25. a b Palmer, Alan (fevereiro de 1997). Twilight of the Habsburgs: The Life and Times of Emperor Francis Joseph (em inglês). [S.l.]: Atlantic Monthly Press 
  26. Doroshevich, Vlas (2011). Russia's Penal Colony in the Far East: A Translation of Vlas Doroshevich's "Sakhalin" (em inglês). [S.l.]: Anthem Press 
  27. Gentes, Andrew A. (29 de julho de 2021). Russia's Sakhalin Penal Colony, 1849–1917: Imperialism and Exile (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  28. Paichadze, Svetlana; Seaton, Philip A. (20 de fevereiro de 2015). Voices from the Shifting Russo-Japanese Border: Karafuto / Sakhalin (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  29. a b Beissinger, Mark R. (2006). "Soviet Empire as 'Family Resemblance'". Slavic Review (em inglês). 65 (2): 294–303. Dave, Bhavna (2007). Kazakhstan: Ethnicity, Language and Power. Abingdon, Nova Iorque: Routledge.
  30. a b Caroe, O. (1953). "Soviet Colonialism in Central Asia". Foreign Affairs (em inglês). 32 (1): 135–144. doi:10.2307/20031013. JSTOR 20031013.
  31. Bekus, Nelly (1 de janeiro de 2010). Struggle Over Identity: The Official and the Alternative ?Belarusianness? (em inglês). [S.l.]: Central European University Press 
  32. Noren, Dag Wincens (1990). The Soviet Union and eastern Europe: considerations in a political transformation of the Soviet bloc (em inglês). Amherst, Massachusetts: Universidade de Massachusetts Amherst. pp. 27–38.
  33. Annus, Epp (2019). Soviet Postcolonial Studies: A View from the Western Borderlands (em inglês). Routledge. pp. 43–48. ISBN 978-0367-2345-4-6.
  34. Cucciolla, Riccardo (23 de março de 2019). "The Cotton Republic: Colonial Practices in Soviet Uzbekistan?" (em inglês). Central Eurasian Studies Society. Arquivado do original. Consultado em 30 de janeiro de 2023.
  35. Szymanski, Albert (1977). «SOVIET SOCIAL IMPERIALISM, MYTH OR REALITY: AN EMPIRICAL EXAMINATION OF THE CHINESE THESIS». Berkeley Journal of Sociology (em inglês): 131–166. ISSN 0067-5830 
  36. «The Soviet Union: Is it the Nazi Germany of Today?». marxists.org (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2023 
  37. «A Estratégia do Social-Imperialismo Soviético». marxists.org. Consultado em 1 de fevereiro de 2023 
  38. Schwarzmantle, John (2017). Breuilly, John (ed.). The Oxford Handbook of the History of Nationalism (em inglês). Oxford: Oxford University Press. pp. 643–651. ISBN 978-0198768203.
  39. Johnson, Elliott; Walker, David; Gray, Daniel (2014). Historical Dictionary of Marxism (em inglês). Historical Dictionaries of Religions, Philosophies, and Movements (2ª ed.). Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield. p. 294. ISBN 978-1-4422-3798-8.
  40. Wendt, Alexander; Friedheim, Daniel (1995). «Hierarchy under anarchy: informal empire and the East German state». International Organization (em inglês) (4): 689–721. ISSN 1531-5088. doi:10.1017/S0020818300028484 
  41. Sandle, Mark (2002). Bacon, Edwin; Sandle, Mark, eds. «Brezhnev and Developed Socialism: The Ideology of Zastoi?». Londres: Palgrave Macmillan UK (em inglês): 165–187. ISBN 978-0-230-50108-9. doi:10.1057/9780230501089_8 
  42. a b Roberts, Jason A. (1 de janeiro de 2015). «The Anti-Imperialist Empire: Soviet Nationality Policies under Brezhnev». Graduate Theses, Dissertations, and Problem Reports (em inglês). doi:10.33915/etd.6514 
  43. Tsvetkova, Natalia (2013). Failure of American and Soviet Cultural Imperialism in German Universities, 1945-1990 (em inglês). [S.I.] Brill.
  44. Loring, Benjamin (2 de março de 2014). «"Colonizers with Party Cards": Soviet Internal Colonialism in Central Asia, 1917–39». Kritika: Explorations in Russian and Eurasian History (em inglês) (1): 77–102. ISSN 1538-5000. doi:10.1353/kri.2014.0012 
  45. a b Elleman, Bruce A. (1994). «The Soviet Union's Secret Diplomacy Concerning the Chinese Eastern Railway, 1924-1925». The Journal of Asian Studies (em inglês) (2): 459–486. ISSN 0021-9118. doi:10.2307/2059842 
  46. Elleman, Bruce A. (1997). Diplomacy and Deception: The Secret History of Sino-Soviet Diplomatic Relations, 1917-1927 (em inglês). [S.l.]: M.E. Sharpe 
  47. Walker, Michael M. (2017). The 1929 Sino-Soviet war : the war nobody knew (em inglês). Lawrence, Kansas. ISBN 978-0-7006-2375-4. OCLC 966274204.
  48. a b «Text of the Nazi-Soviet Non-Aggression Pact». sourcebooks.fordham.edu (em inglês). Universidade Fordham. Consultado em 31 de janeiro de 2023 
  49. Christie, Kenneth (2002). Historical Injustice and Democratic Transition in Eastern Asia and Northern Europe: Ghosts at the Table of Democracy (em inglês). RoutledgeCurzon. ISBN 0-7007-1599-1.
  50. Sanford, George (2005). Katyn and the Soviet Massacre Of 1940: Truth, Justice And Memory (em inglês). Routledge. ISBN 978-0-415-33873-8
  51. Sudol, Adam, ed. (1998). Sowietyzacja Kresów Wschodnich II Rzeczypospolitej po 17 wrzesnia 1939 (em polonês). Wyzsza Szkola Pedagogiczna. p. 441. ISBN 978-83-7096-281-4
  52. Weiner, Myron; Russell, Sharon Stanton (agosto de 2001). Demography and National Security (em inglês). [S.l.]: Berghahn Books 
  53. Lanckoronska, Karolina (2001). Wspomnienia wojenne; 22 IX 1939 – 5 IV 1945 (em polonês). p. 364. ISBN 83-240-0077-1
  54. a b Kennedy-Pip, Caroline (1995). Stalin's Cold War (em inglês). Manchester University Press. ISBN 978-0-7190-4201-0
  55. «Attitudes of Major Soviet Nationalities. Volume II. The Baltics» (PDF). Center for International Studies. Instituto de Tecnologia de Massachusetts (em inglês). 1973 
  56. Tismaneanu, Vladimir; Stan, Marius (2018). Romania Confronts Its Communist Past: Democracy, Memory, and Moral Justice (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. p. 132 
  57. Ko, Swan Sik (16 de agosto de 1990). Nationality and International Law in Asian Perspective (em inglês). [S.l.]: Martinus Nijhoff Publishers 
Ícone de esboço Este artigo sobre a Rússia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.