Inácio Luís Madeira de Melo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Coronel Madeira de Melo
Tenente-Coronel Madeira de Melo, por Filomeno Malheiro-Garcia.
Nome completo Inácio Luís Madeira de Melo
Nascimento 1775
Chaves, Distrito de Vila Real,
Portugal Portugal
Morte 1833
Desconhecido
Serviço militar
Patente Tenente-Coronel

Inácio Luís Madeira de Melo (Chaves, 1775 - 1833) foi um militar português.

Notabilizou-se por comandar, no cargo de Governador das Armas, as tropas portuguesas sediadas em Salvador nos combates da Guerra da Independência do Brasil naquela Província até à sua capitulação em 2 de julho de 1823, quando se retiraram para Portugal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

No contexto que culminou com a Independência do Brasil, os conflitos na Bahia tiveram papel fundamental, devido à importância da comunidade de origem portuguesa na região. Desde a Revolução liberal do Porto (1820) as idéias liberais alcançaram Salvador, ecoando de maneira crescente (ver Independência da Bahia).

O tenente-coronel Madeira de Melo fora nomeado pelo governo português em fevereiro de 1822 para exercer o cargo de comandante das armas na Província da Bahia. Este cargo havia sido criado pelas Cortes em decreto de setembro de 1821, como forma de restabelecer o controle militar do novo governo constitucional português sobre o Brasil, após o retorno do rei D. João VI para Portugal, em 26 de abril de 1821. De acordo com este decreto, o encarregado das armas nas províncias responderia unicamente perante as Cortes em Lisboa, sendo expressamente independente das Juntas Provinciais de Governo.

No início de 1823, um contingente de tropas portuguesas chegou a Salvador para reforçar o efetivo militar leal a Portugal ali estacionado. O Príncipe-regente D. Pedro nomeou Manuel Pedro, para comandar as tropas leais ao Brasil, mas estas foram batidas pelos portugueses, recuando táticamente para a região do Recôncavo Baiano, uma vez que ali os habitantes eram defensores da independência.

Iniciou-se assim um cerco a Salvador, onde estavam concentrados os comerciantes e os militares portugueses. Sob o assédio, a cidade ficou incomunicável, sem receber alimentos e munições. Nesse contexto, Madeira de Melo solicitou auxílio a Portugal, enquanto que D. Pedro enviava o general francês Pedro Labatut para reforçar as tropas brasileiras.

Numa tentativa de romper o bloqueio, Madeira de Melo assumiu a ofensiva, ferindo-se a batalha de Pirajá (8 de novembro de 1822), favorável aos brasileiros, obrigando as tropas de Madeira de Melo a recuar para Salvador.

No início de 1823, a situação da capital cercada deteriorou-se rapidamente: sem alimentos, as doenças começaram a disseminar-se entre a população. Diante desse quadro, Madeira de Melo permitiu a saída dos moradores de Salvador, tendo cerca de dez mil pessoas abandonado a cidade. Em fins de maio, uma frota brasileira sob o comando do inglês Thomas Cochrane bloqueia Salvador. Compreendendo ser inútil a resistência, as tropas portuguesas rendem-se, deixando a cidade. A 2 de julho, as forças brasileiras entraram vitoriosas em Salvador.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • TAVARES, Luís Henrique Dias Tavares. A independência do Brasil na Bahia", Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.
  • SILVA, Arlenice Almeida da. As guerras da independência. São Paulo: Ática, 1995.
  • TEIXEIRA, Francisco M. P.. Brasil, História e Sociedade. São Paulo: Ática, 2000.


Precedido por
Manuel Pedro de Freitas Guimarães
Governador das Armas da Província da Bahia
1822 — 1823
Sucedido por
Miguel Calmon du Pin e Almeida


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.