Inajá (Pernambuco)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Inajá
  Município do Brasil  
Rio Moxotó
Rio Moxotó
Símbolos
Bandeira de Inajá
Bandeira
Hino
Apelido(s) "Capital Nacional da Melancia"
Gentílico inajaense
Localização
Localização de Inajá em Pernambuco
Localização de Inajá em Pernambuco
Mapa de Inajá
Coordenadas 8° 54' 06" S 37° 49' 26" O
País Brasil
Unidade federativa Pernambuco
Municípios limítrofes Limita-se ao Norte com Ibimirim; Ao sul com Mata Grande/AL; ao Leste com Manari e a Oeste com Tacaratu e Floresta (Pernambuco).
Distância até a capital 396 km km
História
Fundação 11 de setembro de 1928 (91 anos)
Aniversário 11 de setembro
Administração
Prefeito(a) Adilson Timóteo (PR, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 1 182,159 km²
População total (estatísticas IBGE/2015[2]) 21 932 hab.
Densidade 18,6 hab./km²
Clima semiárido (BSh)
Altitude 355 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [3]) 0,523 baixo
PIB (IBGE/2013[4]) R$ 110 538 mil
PIB per capita (IBGE/2013[4]) R$ 5 262,97

Inajá é um município brasileiro do estado de Pernambuco, localizado a Sudoeste da cidade de Recife, a 383 km, na mesorregião Sertão Pernambucano e Microrregião Sertão do Moxotó. O Município é constituído do distrito-sede, Inajá, e dos povoados: Caraibeiro e Baixa da Alexandra.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros habitantes da região foram os índios pancararus e os índios cariris, que hoje estão localizados ao noroeste do município.

O nome Inajá é de origem indígena que quer dizer Palmeira Pequena, em homenagem às carnaubeiras existentes nas margens do Rio Moxotó. A ocupação surgiu a partir de uma propriedade pertencente à Gerônimo Bezerra de Carvalho e sua esposa Tereza de Jesus Maria, que foram os primeiros povoadores. Nessa época apareceram os Senhores Cirilo Gomes de Araújo e Domingos Gomes de Souza, os quais compraram a referida propriedade, pelo preço de nove (09) Contos de Réis em ouro, com uma área de terra mais ou menos de cinco (05) Léguas até a barra do Moxotó, sendo ai edificada a primeira casa construída pela família do senhor Euclides Machado Malta.

Seu primeiro nome foi Fazenda Espírito Santo. O desenvolvimento deu-se através de agricultores e criadores, que se estabeleceram à beira do Moxotó. A ocupação começou a evoluir gradativamente, até tornar-se povoado e ser elevado à categoria de Vila Espírito Santo, em lei municipal de 27 de setembro de 1897, que criou o distrito do Espírito Santo. Este foi o seu segundo nome e pertencia ao município de Tacaratu. A Vila de Moxotó foi criada pela Lei Estadual Nº991 de 1 de julho de 1909. Em 1928, foi desmembrado de Tacaratu, passando a pertencer ao Município de Moxotó. Pelo decreto-lei estadual nº 952, de 31 de dezembro de 1943, o distrito de Espírito Santo passou a denominar-se Inajá. De acordo com a Lei Nº14 de outubro de 1948, pela Câmara de Vereadores do Município de Moxotó, a sede foi transferida para a Vila de Inajá. No dia 2 de janeiro de 1949, Inajá passou a Cidade.

A Lei que criou o município concedeu a Sede Municipal e o Fórum de cidade no quadro da divisão administrativa relativo ao ano de 1933, publicado no Boletim do Ministério do trabalho; o citado município compreendia quatro distritos: Moxotó, Mariana, Geritacó e Espírito Santo.

Segundo quadro da divisão territorial de 31 de dezembro de 1936 e 31 de dezembro de 1937, anexo Decreto Lei Estadual Nº92 de 31 de março de 1938, por efeito do Decreto Lei Nº235 de 9 de dezembro de 1943 que fixou à divisão Judiciária Administrativa do Estado no quiquênio 1944-1948, os distritos do Município de Moxotó continuam a ser Ibimirim (ex-Mirim), Inajá (ex-Espírito Santo) e Manarí (ex-Mariana). Quando no ato da modificação com a transferência da sede para Inajá, esta passando à cidade situação que até hoje permanece.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 08°54'06" sul e a uma longitude 37º49'26" oeste, estando a uma altitude de 355 metros. Sua população em 2010 era de 19081 habitantes. O município está localizado no Polígono das Secas.

Possui uma área de 1.182.7 km². Sua vegetação é predominantemente a caatinga hiperxerófila e hipoxerófila.

Tem como limite territórial o rio Moxotó, que realiza a divisa entre os estados de Pernambuco e Alagoas e os municípios de Inajá e Mata Grande. Em Inajá localiza-se a Reserva Biológica da Serra Negra.

Economia[editar | editar código-fonte]

No município predominam as grandes e médias propriedades, fundamentadas na pecuária extensiva, na integração entre pecuária e agricultura, agricultura irrigada e agricultura de subsistência. A agricultura comercial abrange o cultivo de melão, banana, goiaba, melancia, maracujá e acerola. Para subsistência, cultiva-se feijão, milho, mandioca, batata-doce, fava e outras.

Atualmente o governo estadual vem fazendo fortes investimentos na produção de melão de exportação. As atividades pecuárias consistem na caprinocultura, ovinocultura, suinocultura e bovinocultura.

A indústria é de pequeno porte mantendo apenas uma fábrica de refrigerantes.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Estimativa da população 2015 » População estimada » Comparação entre os municípios: Pernambuco». Estimativa Populacional - 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Agosto de 2015. Consultado em 11 de dezembro de 2015 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 1 de outubro de 2013 
  4. a b «Pernambuco » Inajá » Produto Interno Bruto dos municípios - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]