Incêndio no Edifício Wilton Paes de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Incêndio do Edifício Wilton Paes de Almeida
Edifício Wilton Paes de Almeida fire (May 2018) 09.jpg
Ocorrência do incêndio em edifício do Largo do Paiçandu, em São Paulo.
Localização: Largo do Paiçandu, 100
Centro de São Paulo, Largo do Paiçandu, SP
 Brasil
Fonte de início Curto-circuito
Mortos: 7[1]

O incêndio do Edifício Wilton Paes de Almeida foi um desastre de grandes proporções ocorrido na madrugada de 1º de maio de 2018, na região do Largo do Paiçandu, em São Paulo, que resultou no colapso total do edifício Wilton Paes de Almeida. Um incêndio ocorreu no aglomerado de ocupações irregulares instaladas no prédio, abandonado desde 2003, por volta das 01h30min e o fogo se alastrou rapidamente pelo edifício.[2]

O incêndio[editar | editar código-fonte]

Escombros do incêndio, no Largo do Paiçandu, em São Paulo

O edifício Wilton Paes de Almeida, que já foi uma agência do INSS e sede da Polícia Federal por 25 anos, pertence à União e foi concedido à Prefeitura de São Paulo.[3] Às 01h40min, o Corpo de Bombeiros informou, por meio do Twitter, que um prédio de ocupações irregulares estava em chamas no Largo do Paiçandu. No mesmo momento, descartou a possibilidade de vítimas e enviou cerca de 20 viaturas e 45 homens capacitados para atender o local. Em outra atualização, às 02h00min, a corporação informou o aumento de 24 viaturas e 57 homens enviados ao local da tragédia.[4]

Moradores do prédio informaram que havia um casal de vizinhos brigando e, seguidamente, escutaram a explosão de uma possível panela de pressão. Desse modo, a Polícia Científica do Instituto de Criminalística investigaram dois botijões de gás avistados nos escombros.[5] Segundo Paulo Helene, professor de engenharia da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, "a estrutura de concreto e aço serviu como um arsenal de material inflamável que favoreceu a dispersão rápida do fogo. Consequentemente, causou o colapso do edifício."[6]

O morador Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro chegou a sair do local do incêndio, mas voltou em prol do resgate de mulheres e crianças que tinham dificuldade de abandonar o prédio. A ação, no entanto, foi conturbada. Numa operação de resgate, Ricardo estava pendurado na lateral do prédio e agarrado à uma estrutura de pararraios. Devido à enormidade da conflagração, os instrumentos foram rompidos durante o desabamento.[7] Durante uma entrevista à jornalista e ex-BBB Nayara de Deus, sobreviventes relataram que vítimas do incêndio pularam da janela do prédio.[8]

Em 3 de maio de 2018, uma sobrevivente relatou à polícia que o incêndio ocorreu após um curto-circuito numa tomada que ligava o micro-ondas, a geladeira e a televisão de um cômodo ocupado por quatro pessoas. No mesmo dia, Mágino Alves, secretário da Segurança Pública de São Paulo, confirmou a versão da moradora do edifício, desmentindo a hipótese anterior de um possível desentendimento conjugal.[9]

Resgate[editar | editar código-fonte]

Bombeiros na busca por vítimas do incêndio

O Corpo de Bombeiros de São Paulo recebeu o primeiro chamado de emergência às 01h40min, informando, por meio do Twitter, a ocorrência de um incêndio no Largo do Paiçandu sem princípio de vítimas.[10] Até o momento do desabamento, o único desaparecido era o morador que havia caído após o desabamento do edifício. Às 20h30min, Marcos Palumbo, capitão do Corpo de Bombeiros, informou que havia, pelo menos, uma vítima no escombros e cerca de 34 desaparecidos.[11]

No total, cerca de 160 homens estavam integrados às equipes de salvamento. Para isso, além dos Bombeiros, a operação contou com equipes do Samu, da Companhia de Engenharia de Tráfego, da Polícia Militar e da Defesa Civil. Às 04h15min, servidores da Defesa Civil e do Ministério da Integração Nacional realizaram uma sessão de cadastramento a fim de investigar as famílias alocadas no imóvel.[12]

Às 11h30min, buscas manuais foram realizadas nos escombros. Devido às condições térmicas e estruturais da área, buscas complexas com retroescavadeiras e cães farejadores foram iniciadas após 48 horas do ocorrido.[11] Num último informe, drones com câmeras térmicas capazes de detectar pessoas com sobrevida foram utilizados para facilitar o trabalho das corporações de resgate.[13] Às 05h30min do dia 2 de maio, bombeiros informaram que 49 pessoas não haviam sido localizadas após o incêndio.[14]

Com 6 vítimas oficialmente desaparecidas, em 4 de maio de 2018, bombeiros encontraram o primeiro corpo no local do desabamento do edifício. Os membros inferiores foram encontrados no local em que Ricardo havia caído.[15] No mesmo dia, o Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt (IIRGD) identificou, por meio de um exame de papiloscopia, que o cadáver era de Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro.[16]

No dia 8 de maio de 2018 encontraram um corpo de uma criança nos escombros. De acordo com os Bombeiros, esta é a lista de prováveis vítimas:[17]

  • Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, 38; localizado.
  • Selma Almeida da Silva, 40; mãe dos gêmeos.
  • Wendel, filho de Selma, 10; localizado.
  • Werner, filho de Selma, 10; localizado.
  • Eva Barbosa da Silveira, 42.
  • Valmir Souza Santos, 47.
  • Francisco Lemos Dantas, 56; localizado.
  • Alexandre Menezes, 40.

Durante uma nova busca feita pelo Corpo de Bombeiros em 8 de maio, os militares encontraram fragmentos de ossos nos arredores do edifício. Em primazia, acreditou-se que a ossada pertencia a uma criança. No entanto, após análise feita pelo Instituto Médico Legal, constatou-se que os ossos têm características de um adulto do sexo masculino.[18]

Entretanto, mais remanescentes humanos foram encontrados pelos bombeiros a 9 de maio e a 12 de maio; confirmaram-se por meio de exames de DNA que são restos mortais dos gêmeos, até então com dez anos, Wendel e Werner.[19]

Encerramento das buscas[editar | editar código-fonte]

Após o trabalho massivo de resgate que durou 13 dias no Largo do Paiçandu, o Corpo de Bombeiros encerrou, em 13 de maio, as buscas pelos desaparecidos nos escombros do edifício que entrou em colapso em 1º de maio. Anterior ao findar do trabalho dos militares, foi confirmado que as ossadas encontradas pertenciam aos gêmeos Wendel e Werner de Silva Saldanha, de 10 anos.[20] Em consonância, foi confirmado o desaparecimento do advogado Alexandre Menezes, de 40 anos, possivelmente a quinta vítima da queda do edifício.[21] Conclusivamente, a equipe responsável pelo resgate foi homenageada pelo governador Márcio França.[22]

Consequências[editar | editar código-fonte]

A dissipação do calor resultante do incêndio atingiu a Igreja Evangélica Luterana de São Paulo. Inaugurada em 1908, é a primeira construção em arquitetura neogótica do Estado. Acredita-se que cerca de 80% da construção original do prédio religioso tenha sido afetado, afetando o telhado, o forro de madeira e parede com vitrais construída especialmente para o local.[23] Após análise pela Defesa Civil acerca das consequências causada pelo desabamento, especialistas determinaram que, além da igreja local, mais dois prédios foram atingidos. Segundo o coronel Edson Ramos de Quadros, coordenador da Defesa Civil de São Paulo, um dos prédios de 17 andares e outros dois ao lado da calçada foram atingidos pelo fogo.[24]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Pouco tempo depois do incidente, imagens do prédio em chamas foram reproduzidas em veículos internacionais como CNN,[25]The New York Times,[26] Time,[27] ABC News,[28] The Washington Post,[29] BBC,[30] USA Today,[31] The Independent[32] e o jornal alemão Bild.[33]

A rede de televisão CNN relatou a proporção do incidente que tomou conta do edifício paulista.[25] O The New York Times, por sua vez, destacou as ocupações históricas do edifício, citando a antiga instalação da Polícia Federal e a situação atual de ocupação indevida.[26] O jornal americano The Washington Post contempla a saída depressa dos moradores, citando o desespero e o deslocamento de famílias no meio da rua; além disso, citou que, após visitar a área do incêndio, o Presidente Michel Temer foi hostilizado e deixou o local às pressas, tendo o carro chutado e objetos arremessados ao veículo.[29][34] O jornal britânico The Independent exibiu um vídeo postado nas redes sociais e aponta que pelo menos uma pessoa morreu no acidente, memorando um possível vazamento de gás que pode ter originado a tragédia.[32]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Incêndio no Edifício Wilton Paes de Almeida

Referências

  1. «Polícia identifica mais três vítimas de prédio que desabou no centro de SP». Folha. 18 de maio de 2018. Consultado em 18 de maio de 2018. 
  2. «Incêndio atinge prédio no Centro de SP». G1. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  3. «Incêndio de grandes proporções atinge um edifício no Largo do Paissandu». Folha. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  4. «O que se sabe até agora sobre incêndio que derrubou prédio no centro de SP». BBC. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  5. «Peritos analisam botijões de gás encontrados em escombros de prédio que desabou em SP». G1. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  6. Renata Moura (1º de maio de 2018). «Estrutura mista de concreto e aço contribuiu para que prédio caísse mais rápido, diz especialista». BBC. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  7. «Homem que era resgatado quando prédio desabou no Centro de SP tentava salvar moradores». G1. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  8. «Vítimas de incêndio em São Paulo pularam da janela, relatam moradores». O Globo. 1 de maio de 2018. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  9. «Incêndio em SP começou com curto-circuito no 5º andar, diz secretário». Agência Brasil. 3 de maio de 2018. Consultado em 3 de maio de 2018. 
  10. BombeirosPMESP (1 de maio de 2018). «Incêndio em Apartamento, Largo do Paisandu, 100 – República» (Tweet) – via Twitter 
  11. a b «Bombeiros apontam ao menos uma vítima sob escombros de incêndio; 34 pessoas são procuradas». UOL. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  12. «Temer determina todos os esforços do Governo no caso de incêndio em São Paulo». Planalto. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  13. «Bombeiros vão usar drones com câmera de calor na busca de vítimas de prédio que desabou em SP». G1. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  14. «Bombeiros dizem que 49 pessoas ainda não foram localizadas após incêndio no Centro de SP». G1. 2 de maio de 2018. Consultado em 2 de maio de 2018. 
  15. «Bombeiros encontram corpo em local de desmoronamento de prédio em SP». G1. 4 de maio de 2018. Consultado em 4 de maio de 2018. 
  16. «Corpo encontrado nos escombros de prédio é de homem que caiu com edifício, diz polícia». G1. 4 de maio de 2018. Consultado em 4 de maio de 2018. 
  17. «Bombeiros encontram 2º corpo em local de desabamento e buscam outras 6 vítimas - Notícias - Cotidiano». Cotidiano 
  18. «Ossos encontrados em escombros de incêndio são de homem adulto». Veja. 9 de maio de 2018. Consultado em 9 de maio de 2018. 
  19. «Polícia identifica restos mortais de gêmeos em prédio que caiu em SP». VEJA.com 
  20. «Bombeiros encerram buscas em prédio que desabou no centro». Estadão Conteúdo. 13 de maio de 2018. Consultado em 15 de maio de 2018. 
  21. Janaina Garcia (15 de maio de 2018). «Duas semanas após desabamento, polícia confirma advogado como 5º desaparecido». UOL Notícias. Consultado em 15 de maio de 2018. 
  22. «Bombeiros que atuaram em incêndio no centro de SP são homenageados». Portal do Governo de São Paulo. 13 de maio de 2018. Consultado em 15 de maio de 2018. 
  23. «"Praticamente sobrou o altar e a torre", diz o pastor sobre a igreja atingida pelos escombros de prédio no Centro de SP». G1. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  24. Luís Adorno (2 de maio de 2018). «Igreja e três prédios estão "comprometidos" após edifício desabar, diz Defesa Civil». UOL. Consultado em 3 de maio de 2018. 
  25. a b Euan McKirdy; Judith Vonberg; Spencer Feingold (1º de maio de 2018). «Brazil fire: Sao Paulo building consumed in deadly blaze». CNN (em inglês). Consultado em 1º de maio de 2018. 
  26. a b Shasta Darlington (1º de maio de 2018). «Fire in São Paulo, Brazil, Brings Down a High-Rise Building». NY Times (em inglês). Consultado em 1º de maio de 2018. 
  27. Peter Prengaman; Andre Penner (1º de maio de 2018). «Sao Paulo High Rise Collapses After Massive Inferno - Killing at Least 1». Time (em inglês). Consultado em 1º de maio de 2018. 
  28. Karma Allen; Aicha El-Hammar (1º de maio de 2018). «Massive high-rise fire causes building to collapse in Brazil, at least 1 dead». ABC News (em inglês). Consultado em 1º de maio de 2018. 
  29. a b Amanda Erickson; Marina Lopes (1º de maio de 2018). «A massive fire swept through a Sao Paulo high rise, leading to the building's collapse». The Washington Post (em inglês). Consultado em 1º de maio de 2018. 
  30. «Brazil fire: São Paulo building collapses in huge blaze» (em inglês). 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  31. Peter Prengaman; Andre Penner (1º de maio de 2018). «Building in Sao Paulo collapses during massive fire; at least 1 dead». USA Today (em inglês). Consultado em 1º de maio de 2018. 
  32. a b Jon Sharman (1º de maio de 2018). «Sao Paulo fire: At least one killed after tower block collapses». The Independent (em inglês). Consultado em 1º de maio de 2018. 
  33. «Brennendes Hochhaus in São Paulo eingenstürzt». Bild (em alemão). 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018. 
  34. «Temer é hostilizado e deixa às pressas local de desabamento em SP». Folha. 1º de maio de 2018. Consultado em 1º de maio de 2018.