Incêndios florestais na Amazônia em 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um desastre recente ou atualmente em curso. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 13 de novembro de 2019) FireIcon.svg
Incêndios florestais na Amazônia em 2019
Amazon fire satellite image.png

Imagem de satélite de todos os focos de incêndios na América do Sul.

Países
Local
Coordenadas
Estatística
Data
janeiro de 2019–presente
Área queimada
9 060 000 hectaresVisualizar e editar dados no Wikidata
Fonte da Ignição
Vitímas mortais
2[1]

Os incêndios florestais na Amazônia em 2019 são uma série de incêndios florestais que estão afetando a América do Sul, principalmente o Brasil.[2][3] Já foram contabilizados pelo menos 161 236 focos de incêndios no país de janeiro a outubro de 2019,[4] 45% a mais em relação ao mesmo período de 2018,[4] percentagem essa que chegou a ser de 84% no mês de agosto.[5] Isso representa um dos maiores números desde que o Brasil começou a coletar dados em 2013, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE),[6] que utiliza satélites para monitorar incêndios.[7]

Até agosto de 2019, a floresta amazônica brasileira registrou cerca de 59 601 focos de incêndios, o que representou 48,1% das ocorrências no território brasileiro, ou seja, quase metade,[4] tendo sido apenas no mês de agosto detectados pelo menos 29 359 deles (60,3%).[4] Segundo a NASA, em 16 de agosto de 2019, uma análise dos dados de satélite indicava que o total de incêndios através da Amazônia neste ano de 2019 estava perto da média em comparação com os últimos 15 anos.[8] A NASA afirma, no entanto, que esses dados registram um viés de alta, puxado pelos anos de 2004 e 2010, que tiveram uma quantidade de queimadas elevadas, inflando a média.[9]

Há incêndios na floresta tropical em pelo menos nos nove estados amazônicos brasileiros (Amazônia Legal):[10] Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins. Um estado de emergência foi declarado no Amazonas em 11 de agosto[11][12] e no dia 23 no Acre.[13] Entre os outros países sul-americanos que mais registraram incêndios em 2019 estão Venezuela, Bolívia, Colômbia, Argentina, Paraguai, Peru e Chile.[14][15][3] A situação ocorrida na floresta amazônica em 2019 foi tema da 45.ª reunião de cúpula do G7.[16]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Vídeo composto de imagens de satélite do desmatamento em Rondônia de 2000 a 2010.

A bacia do rio Amazonas, que tem aproximadamente o tamanho da Austrália, é coberta por uma vegetação densa que inclui 400 bilhões de árvores. A densa floresta cheia de umidade "exala um quinto do oxigênio" do planeta, armazena carbono com séculos de idade e "desvia e consome uma quantidade desconhecida, porém significativa, de calor solar".[17] A floresta amazônica "alimenta sistemas em escala planetária", incluindo rios atmosféricos, pois 20% da água doce do mundo passa por ciclos nessa floresta tropical.[17] Desde a década de 1970, o Brasil cortou e incinerou cerca de 20% da floresta, representando 776.996 km² - uma área maior do que o Texas.[17] Dois terços da floresta amazônica estão dentro das fronteiras do Brasil.[17]

O Brasil vem se recuperando de uma forte crise econômica e crise política que assolou o país desde 2014. Muitas instituições, principalmente as governamentais, mergulharam em uma profunda desestabilização. A tensão gerou uma instabilidade financeira e desequilíbrio fiscal, fragilizando órgãos e empresas. Sobretudo, o setor de meio ambiente não vinha recebendo prioridade, sofrendo com cortes de verbas para estudos, investimentos, fiscalização e prevenção de desastres, tanto a nível federal como também a nível estadual.[18][19] De 2013 a 2018, o orçamento do Ministério do Meio Ambiente caiu mais de 1,3 bilhão de reais, uma pasta que, historicamente, já tinha um orçamento bastante inferior se comparado a outros ministérios.[18] Segundo o governo federal, em 2018, era preciso assegurar o cumprimento das metas fiscais diante do momento fiscal.[18] Desta forma, o governo reduziu os gastos em todos os órgãos da União. Diante das crises, especialmente a fiscal, especialistas já expressavam maior preocupação com o meio ambiente.[18]

O então recém empossado presidente, Jair Bolsonaro,[20] declarou durante campanha presidencial em 2018 propostas de alterações nas leis ambientais e a flexibilização do setor, desburocratizando os processos de licenciamentos, além de uma reforma ministerial com uma possível extinção do Ministério do Meio Ambiente. "Quero fundir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente. Não pode ter ambientalismo xiita no Brasil."[21][22] O Ibama passou por uma troca de presidentes, uma vez que a presidente anterior do instituto, Suely Araújo, pediu demissão após o governo questionar o contrato de aluguel de caminhonetes.[23][24] O governo demonstrou interesse em reduzir o perímetro de mais de 60 unidades de conservação do Brasil.[25] A pretensão é reduzir para eliminar “interferências” com estruturas existentes para os empreendimentos como estradas federais, ferrovias, portos e aeroportos.[25] O Ministério da Infraestrutura encaminhou um ofício ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), com um levantamento detalhado de cada floresta administrada pelo órgão que, em sua avaliação, estaria em conflito com a malha de transporte do país.[25] O Ministério do Meio Ambiente demonstrou ainda querer realizar uma revisão em 334 unidades de conservação federais que existem no País.[25] O governou foi criticado por ambientalistas,[26] principalmente pelas mudanças que implementou na estrutura de preservação do meio ambiente, alterações que consideraram negativas na política ambiental.[27]

Contexto recente[editar | editar código-fonte]

Ricardo Galvão, diretor do INPE, foi demitido após publicar dados sobre o desmatamento.

Em 2015, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) criou o projeto Terra Brasilis, que recebe dados do sistema de alerta por satélite Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (DETER), que publica seus dados mensais e diários sobre o governo regularmente atualizado no site do IBAMA.[28][29] O DETER apoia "o monitoramento e controle do desmatamento e da degradação florestal", porque esse desmatamento é 88% maior do que no mesmo período de 2018.[30]

No dia 19 de julho de 2019, o presidente Jair Bolsonaro criticou publicamente o diretor do INPE, Ricardo Galvão, durante uma entrevista coletiva com a imprensa internacional, acusando-o de passar dados mentirosos sobre o desmatamento da Amazônia e estar a serviço de alguma ONG: "A questão do Inpe, eu tenho a convicção que os dados são mentirosos. Até mandei ver quem é o cara que está na frente do Inpe. Ele vai ter que vir se explicar aqui em Brasília esses dados aí que passaram pra imprensa do mundo todo, que pelo nosso sentimento não condiz com a verdade. Até parece que ele está à serviço de alguma ONG, que é muito comum."[31][32][33] No sábado, Galvão rebateu as críticas feitas pelo presidente, dizendo-se ofendido pelas declarações e acusando o presidente de agir como se estivesse em um boteco, argumentou que Bolsonaro fazia afirmações sem base técnica, ofendendo não só a ele, mas a classe científica brasileira.[34][35][36][37] No mesmo dia o conselho da Sociedade Brasileira Para o Progresso da Ciência defendeu Galvão em um manifesto que classificou os ataques de Bolsonaro como ofensivos, ideológicos e desprovidos de fundamento.[38][39][40] No domingo, a Sociedade Brasileira de Física emitiu uma nota também apoiando Galvão e deplorando os ataques feitos pelo presidente.[41] Ainda no dia 21, a Academia Brasileira de Ciências[42] e seu presidente, Luiz Davidovich,[43] também expressaram apoio a Galvão, assim como o ex-ministro da Ciência e Tecnologia, José Israel Vargas.[44] No dia 22 de julho Galvão recebeu manifestações de apoio dos 56 cientistas que compõem a Coalizão Ciência e Sociedade,[45][46][47] das Entidades do Fórum de Ciência e Tecnologia[48] e do físico Luiz Pinguelli Rosa.[49] Galvão reafirmou suas declarações anteriores e ainda que não responderia à nota do ministro Marcos Pontes por desconhecer o seu conteúdo e que se reuniria com o ministro antes de responder. Ele afirmou ainda que já tinha entrado em contato com o ministro.[50]

Cicatrizes das queimadas na Bolívia, no Brasil e no Paraguai, capturadas pelo satélite GOES-16 em 22 de agosto de 2019.

No dia 27 de junho, Bolsonaro reiterou que os dados do INPE seriam falsos, declarou que haveria uma supresa a respeito deles, sem explicar de qual natureza seria. Bolsonaro criticou líderes anteriores, como o ex-presidente Lula, por divulgarem dados sobre problemas brasileiro, já que isso constituiria "campanha contra a pátria". Declarou que a questão ambiental só interessa a veganos, que segundo ele, "só comem vegetas", Jair Bolsonaro também questionou se o ambiente garantiria o futuro o Brasil e sugeriu que todos se tornariam veganos dessa forma. Também criticou uma "psicose ambiental".[51] Posteriormente, brincou sobre a situação ao se chamar de "Capitão Motosserra".[52] No dia 2 de agosto, o presidente Jair Bolsonaro demitiu Ricardo Galvão por fazer uma "campanha contra o Brasil".[28][29][53] No dia 7 de agosto de 2019, a exoneração de Ricardo Galvão foi publicada.[54]

Douglas Morton, diretor do Laboratório de Ciências Biosféricas no Centro de Voos Espaciais da NASA, declarou que os resultados do INPE eram "inquestionáveis" e explicou que o instituto sempre trabalhara de forma técnica e criteriosa. Morton ainda classificou a demissão de Galvão como significativamente alarmante e algo que refletia como "atual governo trata a ciência".[55][56] Os dados oficiais de desmatamento emitidos pelos sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (DETER) confirmaram as precisões do INPE.[57]

Incêndios[editar | editar código-fonte]

Imagens criadas pela sonda infravermelha atmosférica que representa o monóxido de carbono causado por incêndios na região amazônica do Brasil entre os dias 8 e 22 de agosto de 2019.[58]
Imagem de satélite da NOAA/NASA sobre a cor natural dos estados brasileiros de Amazonas, Mato Grosso e Rondônia, mostrando a fumaça dos incêndios florestais da bacia amazônica, ocorrida em 20 de agosto de 2019.
Imagem do GOESEast da região sul da floresta amazônica, onde plumas de fumaça de incêndios agrícolas queimam na Bolívia e no Brasil em 4 de agosto de 2019
Imagens de satélite do INPE de uma área de 70 por 70 milhas ao longo do rio Purus, entre is municípios de Canutama e Lábrea, no estado do Amazonas, tiradas em 16 de agosto de 2019, mostrando várias nuvens de fumaça de incêndios florestais, incluindo áreas que foram desmatadas.
Queimadas e suas cicatrizes no município de Altamira, no estado do Pará.
Imagem de satélite de incêndios florestais no Brasil em 11 de agosto

Causas e investigações[editar | editar código-fonte]

Os incêndios no Brasil estão diretamente relacionados com o aumento do desmatamento, além da diminuição nas fiscalizações ambientais.[59] Incêndios são mais frequentes durante a estação seca do ano, entre os meses de maio e setembro. Segundo a Euronews, os incêndios florestais aumentaram à medida que o setor agrícola "entrava na bacia amazônica e estimulava o desmatamento".[11] Muitos incêndios são causados por agricultores, que realizam queimadas para desmatar legal ou ilegalmente a terra para implantação de pastos para a pecuária.

O Ministério Público Federal constatou que "tem um aumento expressivo de desmatamento em áreas federais, sobretudo em unidades de conservação".[59] A princípio foi noticiado que, pelo menos, 32 Unidades de conservação e 36 Terras indígenas foram atingidas por incêndios no Brasil em 2019.[3] Já a CBN divulgou que somente no Pará, segundo os dados da Secretaria de Meio Ambiente, haviam no mês de agosto 301 focos de incêndios em unidades de conservação estadual, 245 em unidades de conservação federal e 53 em terras indígenas.[59]

Entre as áreas protegidas atingidas estão: o Parque Nacional dos Campos Ferruginosos[59] e o Parque Nacional do Jamanxim,[60] no Pará; a Reserva Extrativista Chico Mendes,[61] no Acre; o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães[62][63][64] e a Terra Indígena de Areões,[65] em Mato Grosso; a Terra Indígena Kadiwéus,[66][67] em Mato Grosso do Sul; o Parque Nacional de Pacaás Novos[68] e a Floresta Nacional de Jacundá,[69] em Rondônia.

Nos últimos anos, grileiros foram encontrados ilegalmente na floresta em Terras Indígenas do Brasil e outras florestas protegidas em toda a Amazônia. Os conflitos com indígenas tem aumentado substancialmente nos últimos meses.[70][71] Desde a eleição de outubro de 2018, eles estão cortando, por exemplo, a terra dos anteriormente isolado apurinã, onde as "maiores extensões de floresta tropical intacta do mundo" são encontradas.[17] Diversos grupos indígenas têm relatado invasões, desmatamento e queimadas em suas terras, como os muras e os barés,[72] no Amazonas.[70][73][74][75]

O Ministério Público Federal comunicou à Polícia Federal riscos de ataques a indígenas xikrin, na Terra Indígena Trincheira-Bacajá, no sudeste do Pará.[76] A Fundação Nacional do Índio (Funai) também foi notificada.[76] Cerca de 300 invasores, fortemente armados, realizaram queimadas na reserva e ameaçaram de morte as lideranças.[76][77]

Dia do Fogo[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2019, fazendeiros no estado do Pará, na Amazônia, publicaram um anúncio em jornal local intitulado Folha do Progresso sobre uma queimada denominada "Dia do Fogo", quando desmatariam a terra para a criação de gado.[78][79][80] Pouco dias depois, houve um aumento significativo no número de incêndios.[78]

O Ministério Público, no dia 8 de agosto, protocolou no Ibama um ofício em que alertava queimadas planejadas no Pará. Segundo a denúncia feita pela promotoria, as intenções do grupo são "chamar a atenção das autoridades que na região o avanço da produção acontece em apoio ao governo" e "mostrar para o Presidente que queremos trabalhar e o único jeito é derrubando e para formar e limpar nossas pastagens é com fogo."[81] A denúncia finaliza ainda afirmando que: “a manifestação dos produtores rurais, caso levada a cabo, ensejará sérias infrações ambientais que poderá, até mesmo, fugir ao controle e impedir a identificação da autoria individual, haja vista a perpetração coletiva".[81][82]

Após uma reportagem publicada dia 25 de agosto pelo Globo Rural afirmar que um grupo de WhatsApp de setenta pessoas esteve envolvido com o Dia do Fogo,[83] Jair Bolsonaro determinou abertura das investigações pela Polícia Federal.[84] O grupo, formado principalmente por produtores rurais, grileiros, sindicalistas e comerciantes, teria como objetivo incendiar, no dia 10 de agosto, áreas de matas e terras devolutas, fazendo o fogo avançar sobre a mata, como nas áreas da Floresta Nacional do Jamanxim.[81] Há indícios que foram contratados motoqueiros para atear fogo em municípios como Novo Progresso e Altamira.[81]

Cerca de 50 pessoas envolvidas com queimadas no Pará foram identificadas durante uma operação realizada por equipes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), do Ibama, da Polícias Militar e Civil do Pará. Foram apreendidos tratores do tipo escavadeira, armas de fogo, motosserras e motocicletas na Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu.[85][86]

Por estado brasileiro[editar | editar código-fonte]

Todas as 27 unidades federativas do Brasil registraram focos de incêndios em 2019. As queimadas são mais significativas nos estados amazônicos, que englobam a Amazônia Legal, área que é formada por nove estados: Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins. A lista de estados brasileiros com mais incêndios neste ano é liderada por Mato Grosso (24.818), Pará (15.530), Amazonas (10.100), Tocantins (10.090) e Rondônia (9.171).[4]

Número de incêndios florestais detectados de 1 de janeiro a 26 de outubro[4]
Estado / Ano 2013 Dif.% 2014 Dif.% 2015 Dif.% 2016 Dif.% 2017 Dif.% 2018 Dif.% 2019
Acre 4.852 -11% 4.309 29% 5.592 35% 7.590 -19% 6.149 6% 6.532 2% 6.714
Alagoas 148 –13% 128 73% 222 –37% 138 -31% 95 12% 107 -2% 104
Amazonas 5.885 30% 7.650 54% 11.839 -11% 10.540 3% 10.878 -1% 10.681 10% 11.749
Amapá 629 -16% 527 73% 916 -24% 689 -37% 432 34% 582 -16% 485
Bahia 6.628 1% 6.692 102% 13.553 -59% 5.520 6% 5.849 -22% 4.561 26% 5.755
Ceará 812 -6% 761 36% 1.040 66% 1.729 -32% 1.166 10% 1.293 24% 1.612
Distrito Federal 103 134% 241 -36% 153 49% 228 25% 287 -69% 88 142% 213
Espírito Santo 245 3% 253 195% 748 -23% 573 -72% 160 8% 174 173% 475
Goiás 2.730 107% 5.666 -4% 5.409 -13% 4.685 32% 6.193 -52% 2.933 131% 6.793
Maranhão 12.139 44% 17.476 15% 20.180 -21% 15.911 22% 19.517 -47% 10.184 20% 12.285
Minas Gerais 4.837 123% 10.796 -27% 7.845 -22% 6.123 32% 8.102 -45% 4.424 98% 8.786
Mato Grosso do Sul 3.045 -36% 1.928 108% 4.026 44% 5.818 -5% 5.478 -61% 2.120 316% 8.824
Mato Grosso 16.939 39% 23.654 2% 24.313 6% 25.805 13% 29.392 -42% 16.875 71% 28.880
Pará 13.378 55% 20.779 22% 25.393 -27% 18.513 84% 34.191 -61% 13.060 49% 19.498
Paraíba 129 81% 234 -8% 214 95% 418 -67% 137 136% 324 30% 423
Pernambuco 440 -15% 372 33% 495 -10% 444 -17% 366 -4% 351 -4% 336
Piauí 5.339 49% 7.961 51% 12.089 -47% 6.378 1% 6.461 28% 8.312 0% 8.317
Paraná 2.200 -8% 2.005 0% 1.989 90% 3.795 -16% 3.171 -29% 2.237 38% 3.102
Rio de Janeiro 359 240% 1.223 -56% 531 22% 651 40% 915 -74% 230 202% 695
Rio Grande do Norte 16 31% 153 38% 212 -14% 181 -6% 170 40% 238 37% 326
Rondônia 4.303 62% 6.998 68% 11.778 -8% 10.826 -1% 10.620 -6% 9.943 7% 10.714
Roraima 1.085 73% 1.887 -7% 1.740 110% 3.656 -78% 788 169% 2.122 119% 4.658
Rio Grande do Sul 1.369 45% 1.988 -38% 1.219 173% 3.337 -40% 1.982 -23% 1.519 99% 3.037
Santa Catarina 1.473 -29% 1.044 -15% 879 170% 2.380 -26% 1.758 -26% 1.289 28% 1.656
Sergipe 159 -56% 70 121% 155 -51% 76 -10% 68 38% 94 -34% 62
São Paulo 2.150 102% 4.348 -59% 1.747 77% 3.096 23% 3.835 -23% 2.932 0% 2.929
Tocantins 9.372 43% 13.432 6% 14.364 -4% 13.707 9% 15.015 -50% 7.408 72% 12.808
Total 100.864 41% 142.575 18% 168.641 -9% 152.807 13% 173.175 -36% 110.613 45% 161.236

Em outros países sul-americanos[editar | editar código-fonte]

Número de incêndios florestais
detectados de 1 de janeiro a 26 de outubro de 2019
na América do Sul[4]
Brasil 161.236
Bolívia 39.568
Venezuela 27.202
Argentina 26.390
Paraguai 19.408
Colômbia 15.156
Peru 13.530
Chile 3.218
Guiana 1.142
Equador 727
Uruguai 627
Suriname 337
Guiana Francesa 73
Total 308.614

Em 2019, também ocorrem incêndios florestais em outros países sul-americanos, não só em regiões da bacia amazônica, como Bolívia,[14] Equador,[14] Peru,[14] Paraguai e Chile.[14][87][88][89][90][91][92] No entanto, nesses países, o governo tem adotado métodos proativos para tentar conter os incêndios florestais e determinar a causa dos mesmos.[93] A América do Sul contabilizou 242 586 focos de incêndios de janeiro a setembro de 2019, sendo o maior índice desde 2010.[4] Somente em agosto de 2019 foram detectados 44 764 focos de incêndios no Brasil,[4][15] 13 547 na Bolívia,[15] 7 295 na Argentina,[15] 4 785 no Peru,[15] 4 415 no Paraguai,[15] 68 no Chile,[94][95][96] 687 na Colômbia,[15] e 483 na Venezuela.[15][4]

Em relação a Bolívia, foi informado que o país teve mais de 740 mil hectares de floresta tropical perdida por causa de incêndios de grandes proporções no mês de agosto de 2019. O acumulado do ano estima em 1,8 milhões de hectares queimados em todo o país.[97] A região mais atingida é a de Chiquitania. A maior parte dessa área queimada está concentrada no departamento de Santa Cruz.[97] Fogo também foi registrado em áreas protegidas, como no Parque Nacional Otuquis[98][97] e no Parque Nacional de Noel Kempff Mercado.[99][100] O fogo destruiu florestas, plantações e pastagens em Santa Cruz e operações de combate estão sendo realizadas, como o uso de um avião 747 Supertanker para combater os focos de incêndios.[101][102]

O Aeroporto Internacional Viru Viru, localizado em Warnes, região de Santa Cruz de la Sierra, teve os voos suspensos devido à baixa visibilidade causada pelas fumaças.[3][103] O município boliviano de San Matías, situado na fronteira com o Brasil, decretou estado de emergência e pediu ajuda humanitária. Cerca de 1500 moradores em diversas comunidades foram atingidos e sofrem com a falta de medicamentos, suprimentos, alimentos e água potável.[104][105]

No lado paraguaio, no departamento de Alto Paraguai, pelo menos 39 mil hectares[106] foram atingidos conforme dados divulgados pela Secretaria de Emergência Nacional (SEN).[98] De acordo com um artigo da Vox, de todos os incêndios florestais em 2019 — incluindo os da Groenlândia e da Sibéria — os incêndios na floresta tropical na América do Sul são os mais alarmantes.[12]

Impactos[editar | editar código-fonte]

Quase dois terços da bacia amazônica estão dentro das fronteiras do Brasil[17] e mais da metade dos incêndios ocorreram na floresta amazônica,[6][107][108][107] a maior floresta tropical do mundo, considerada vital para combater o aquecimento global.[11][12][109] Em 2019, cerca de 52,1% das queimadas ocorrem na Amazônia, 30,3% no Cerrado, 10,4% na Mata Atlântica, 3,6% no Pantanal, 2,5% na Caatinga e 1,1% nos Pampas.[15][4] De janeiro até agosto de 2019, já haviam sido registrados 43 421 focos de incêndios na Amazônia,[4] 25 253 no Cerrado,[4] 8 704 na Mata Atlântica,[4] 2 974 no Pantanal,[4] 2 072 na Caatinga,[4] e 905 nos Pampas.[15][4]

Em 11 de agosto, o Amazonas declarou estado de emergência.[110] As imagens da NASA mostraram que, em 13 de agosto, a fumaça dos incêndios era visível do espaço.[111] No dia 23 do mesmo mês, o estado do Acre declarou estado de emergência pelos incêndios florestais.[13] Ainda no Acre, em Rio Branco, aproximadamente 30 mil pessoas já tinham sido diagnosticadas com infecções respiratórias devido à poluição ocasionada pela fumaça. A fumaça das queimadas contém substâncias tóxicas prejudiciais à saúde humana.[112][113] Em toda região Amazônica foi constatado aumento de atendimento médico principalmente por problemas respiratórios na população local.[114][115]

Os incêndios ganharam repercussão mundial após a nuvem de fumaça causada pelos incêndios florestais escurecer o céu de São Paulo, a maior cidade do Brasil, que fica a mais de 2.700 km de distância da região amazônica, no dia 19 de agosto de 2019.[6][12][116][117] Além do estado de São Paulo, fumaça também foi registrada nos estados do Paraná,[118][119] Mato Grosso, Mato Grosso do Sul[115] e Minas Gerais.[120][121] Um corredor de fumaça se formou também sobre o Peru,[122] Bolívia e Paraguai.[3][121]

A fumaça alcançou também a Argentina, principalmente na região norte do país.[121] O Serviço Meteorológico Nacional (SMN) do país vizinho detectou a presença de fumaça nas províncias de Formosa, Misiones e Salta.[123] Na manhã do dia 26 de agosto, o Aeroporto Internacional de Porto Velho ficou fechado para pousos e decolagens devido a fumaça, a terceira vez somente naquele mês.[124][125] No dia 27 de agosto, observou-se uma forte neblina no Uruguai causada pela chegada da fumaça oriunda do Brasil e Bolívia, conforme confirmado do técnico-chefe do Instituto Uruguaio de Meteorologia (Inumet), Néstor Santayana.[126]

Vítimas

Duas pessoas foram encontradas carbonizadas no dia 14 de agosto em uma propriedade na zona rural de Machadinho D'Oeste, em Rondônia.[127] A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso.[127] As conclusões das perícias, para auxiliar nas apurações, tem como principal objetivo descobrir a origem do fogo na região e quantas pessoas incendiaram aquela área.[127]

Reações[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Poder executivo
Pronunciamento de Jair Bolsonaro em 23 de agosto de 2019

Em 21 de agosto, Bolsonaro atribuiu às organizações não governamentais (ONGs), que atuam na proteção ambiental, a responsabilidade de estarem envolvidas em incêndios ilegais,[128] declarando que o Brasil está em "guerra [...] para conter o fogo criminoso".[129] ONGs, como a WWF Brasil e o Greenpeace, rebateram e criticaram as afirmações do presidente.[130] No dia 22 de agosto, Bolsonaro disse que o Brasil não tinha recursos para combater os incêndios, pois a "Amazônia é maior que a Europa".[131] No dia seguinte, no entanto, o presidente brasileiro anunciou que planejava mobilizar parte das Forças Armadas do Brasil para ajudar a combater os incêndios florestais.[132]

No dia 23 de agosto, Bolsonaro fez um pronunciamento oficial em rede nacional, durante o qual afirmou que seu governo tem "tolerância zero" com a criminalidade na área ambiental e disse que os incêndios na Amazônia não podem servir de pretexto para retaliações internacionais. Ele criticou ainda supostos "dados infundados" que estariam sendo espalhados para o "uso político" e "desinformação". "Incêndios florestais existem em todo o mundo e isso não pode servir de pretexto para possíveis sanções internacionais. O Brasil continuará sendo, como foi até hoje, um país amigo de todos e responsável pela proteção de sua floresta amazônica", destacou. Bolsonaro também afirmou que o Brasil é exemplo de sustentabilidade e que as nações desenvolvidas "não conseguiram avançar com seus compromissos no âmbito do Acordo de Paris".[133] Durante o pronunciamento, relatos de panelaços de protesto surgiram nas redes sociais com vídeos que indicavam manifestações deste tipo em várias cidades do país, como São Paulo, Brasília, Recife, Salvador, Goiânia, Belo Horizonte, Porto Alegre e Rio de Janeiro. A hashtag #panelaço chegou à primeira posição na relação de assuntos mais comentados na rede social Twitter.[134]

O ministro das relações exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, acusou a existência de uma campanha internacional "feroz e injusta" contra o presidente Jair Bolsonaro, que estaria "reerguendo o Brasil". Araújo acusou a "esquerda foro-são-paulina" de buscar aliados na mídia internacional e em ambientalistas radicais para atacar o Brasil e questionar sua soberania.[135] O ministro da educação, Abraham Weintraub, denominou a situação de "crise amazônica falsa" e a definiu como uma reação de "agricultores europeus diante da iminente invasão de produtos brasileiros" dentro do acordo entre União Europeia e Mercosul associados a ONGs de esquerda e artistas revoltados com o "fim da mamata".[136] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que as queimadas preocupam, no entanto defendeu que o agronegócio não pode ser culpado pelo problema.[137]

O ministro das relações exteriores Ernesto Araújo classificou a crise ambiental como "mentira da esquerda".[135]
A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que as queimadas preocupam.[137]

O Governo Bolsonaro também se manifestou contra qualquer supervisão internacional da situação, considerando os comentários de Macron com um "tom sensacionalista" e acusando-o de interferir no que ele considera um problema local.[138] De Macron e Merkel, Bolsonaro afirmou: "Eles ainda não perceberam que o Brasil está sob nova direção. Que agora existe um presidente que é leal ao povo brasileiro, que diz que a Amazônia é nossa, que diz que brasileiros ruins não podem divulgar números mentirosos e fazer campanha contra o Brasil".[52] O ex-general Eduardo Villas Bôas, do exército brasileiro, considerou que as críticas de líderes mundiais, como Macron e o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, desafiavam diretamente a "soberania brasileira" e podem precisar de uma resposta militar.[139]

Em uma carta assinada pelos governadores dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins solicitaram ao governo federal “imediatas providências” para viabilizar a cooperação das estruturas dos estados da Amazônia Legal e do governo federal no combate a focos de incêndios.[140] Os governadores pediram também uma reunião em caráter de urgência para tratar das parcerias necessárias a construção de uma agenda permanente de proteção, conservação e desenvolvimento sustentável da Amazônia.[140][141] Já os governadores dos estados das regiões Sul e Sudeste defenderam em uma carta divulgada que os temas ambientais devem ser tratados com "diálogo e distensão" para fortalecer a imagem internacional do Brasil, preservando assim as exportações do país.[142]

Poder Legislativo

O presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, Rodrigo Maia, disse em seu perfil pessoal no Twitter que a Casa vai criar uma comissão externa para acompanhar o problema das queimadas que atingem a Amazônia. Além disso, o parlamentar informou que vai realizar uma comissão geral nos próximos dias para avaliar a situação e propor soluções ao governo.[7]

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no Senado Federal, encabeçou a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as causas do aumento dos índices de desmatamento e de queimadas na Amazônia.[143] A iniciativa é apontar se a situação ocorrida está relacionada "a ações ou omissões governamentais, especialmente na disponibilização e aplicação de recursos financeiros e na utilização dos instrumentos de prevenção, controle e fiscalização dos órgãos governamentais", com a identificação de possíveis responsáveis.[143] O senador aponta também: o "desmantelamento do Ibama e do ICMBio, redução da dotação orçamentária do Ministério do Meio Ambiente e de programas de prevenção e de combate ao fogo, renúncia dos recursos do Fundo Amazônia, entre outros temas".[143]

Forças Armadas
Força Nacional envia 30 bombeiros para atuar contra incêndios na Amazônia.

Segundo as Forças Armadas brasileiras, o Brasil está sob um "ataque indireto" de nações estrangeiras, em formato de guerra híbrida, com vistas a desestabilizar a nação brasileira e alimentar uma futura invasão do território nacional.[144][145][146] Essa guerra híbrida envolveria o uso de fake news (como o uso de imagens falsas[147][148] e dados manipulados[149]) e pseudociência (como afirmar que a Amazônia é o "pulmão do mundo"[150][151]), para causar pânico e difamar o Estado brasileiro e a população brasileira.

Sociedade civil

A Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil) se posicionou contra a prática das queimadas e as classificou como criminosas.[152]

O líder indígena Raoni Metuktire foi à Europa e denunciou o aumento do desmatamento e das queimadas na amazônia brasileira.[153] Ao fim da cúpula do G7 o cacique caiapó reuniu-se com o presidente francês, Emmanuel Macron, em Biarritz.[154] No encontro, pediu ajuda para a preservação ambiental e afirmou que o presidente Jair Bolsonaro “incitou agricultores e empresas mineradoras a incendiarem a Amazônia”.[155][156]

Internacional[editar | editar código-fonte]

Imprensa
Reportagem do Todo Noticias, da Argentina, sobre os incêndios florestais.

Na imprensa internacional, as queimadas também causaram grande repercussão. O jornal britânico The Guardian trouxe a informação de que Bolsonaro acusou ambientalistas de atear fogo na Amazônia para constranger seu governo, mas que o presidente não forneceu evidências para tais afirmações. A BBC News, também do Reino Unido, mostrou um vídeo com imagens dos incêndios na região da Amazônia e entrevistou cientistas que disseram que a floresta tropical sofreu perdas em um ritmo acelerado desde que Bolsonaro assumiu o poder em janeiro. O site da revista alemã Spiegel traz a manchete "Floresta tropical do Brasil está pegando fogo" e diz que Bolsonaro tem uma política ambiental "inconsequente". Em Portugal, o jornal Público disse que a Amazônia está ardendo e já é possível ver do espaço. No canal de notícias árabe Al Jazira, sediado no Qatar, uma reportagem traz informações sobre os incêndios na Floresta Amazônica do Brasil que atingiram um recorde neste ano.[7]

Nações Unidas e Igreja Católica

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse estar "profundamente preocupado" com as queimadas no Brasil, principalmente por estarmos "em meio a uma crise climática internacional".[7] A ativista climática Greta Thunberg, de 16 anos, idealizadora do movimento estudantil "Fridays for Future" contra o aquecimento global, também se manifestou contra os incêndios florestais.[7]

O papa Francisco pediu um compromisso global para combater as queimadas na Amazônia que, para ele, é essencial para a saúde do planeta. Dias antes, o Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) se pronunciou que as queimadas têm "proporções planetárias" e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) já havia reivindicado "providências urgentes" para conter os "absurdos incêndios".[157][158]

Europa
O presidente francês, Emmanuel Macron (esquerda), classificou os incêndios florestais como uma "crise internacional".

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que a cúpula do G7 precisa discutir os incêndios na Amazônia. "Nossa casa queima. Literalmente. A Amazônia, o pulmão de nosso planeta, que produz 20% de nosso oxigênio,[nota 1] arde em chamas. É uma crise internacional", escreveu o líder francês.[160] Macron também pediu "mobilização de todas as potências" para ajudar o Brasil e os demais países afetados pelos incêndios e lembrou ainda que o território da Guiana Francesa também integra a região amazônica.[161][162]

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, demonstrou-se "profundamente preocupado" e pediu uma ação internacional para proteger a maior floresta tropical do mundo,[163][164] no entanto também criticou Macron, acusando-o de estar promovendo uma campanha com a intenção de prejudicar o acordo de livre-comércio que está sendo negociado entre Europa e Mercosul, já que o mesmo pode afetar agricultores franceses.[165]

Um porta-voz da primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel afirmou que os incêndios são uma "situação urgente" e que o assunto deve ser debatido na 45.ª reunião de cúpula do G7.[16] Já o primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, ameaçou votar contra o acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul se o Brasil não respeitar seus "compromissos ambientais".[166][167][168] Por outro lado, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, rejeitou a ideia francesa e irlandesa de rasgar o acordo comercial com o Mercosul por causa desses acontecimentos, afirmando que a oposição da França e da Irlanda ao acordo "é conhecida desde sempre" e que a tragédia dos incêndios na Amazônia não deve ser utilizada para "aumentar o número de problemas que existem nestas relações entre a Europa e o Brasil", concluindo que "o Brasil precisa de solidariedade, não de sanções".[169] O ministro das finanças da Finlândia, Mika Lintila, atual país na presidência rotativa da União Europeia, condenou a destruição de florestas e disse que deve rever urgentemente a possibilidade de banir importações de carne do Brasil, em resposta à devastação causada pelos incêndios florestais.[170][171]

Américas

Na mesma linha dos líderes europeus, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, também defendeu medidas para agir em favor da Amazônia e do planeta.[172][173] Também se manifestaram Iván Duque, da Colômbia,[164] Nicolás Maduro, da Venezuela,[164] Sebastian Piñera, do Chile,[164] Evo Morales, da Bolívia,[164] Mario Abdo Benítez, do Paraguai,[164] Lenín Moreno, do Equador,[14] e, Mauricio Macri, da Argentina.[164]

Os líderes do G7 anunciaram a ajuda emergencial de 20 milhões de dólares (cerca de 82,4 milhões de reais) para combater os incêndios.[174] Também disponibilizaram ajuda Argentina,[175] Chile,[176] Colômbia,[177] Equador, Venezuela,[178][179] Israel[180], Reino Unido e União Europeia.[181][182]

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, um dos principais aliados internacionais de Bolsonaro, defendeu e apoiou a postura do presidente brasileiro perante os incêndios florestais na Amazônia durante a cúpula do G7, tendo escrito em uma rede social: "Cheguei a conhecer bem o presidente Bolsonaro nas nossas relações com o Brasil. Ele está trabalhando muito duro nos incêndios da Amazônia e, em todos os aspectos, está fazendo um grande trabalho para as pessoas do Brasil"[183], ele também ofereceu ajuda ao presidente Bolsonaro para combater os incêndios e disse que o relacionamento entre ambos está forte e que as expectativas para o comércio entre ambos países são "muito empolgantes".[184]

A Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), que reúne países com território amazônico, se reuniu no mês de setembro para discutir a crise ambiental na região.[185][186]

Manifestações e protestos[editar | editar código-fonte]

Protesto SOS Amazônia em Berlim, Alemanha.

Protestos foram convocados pelas redes sociais em diversas cidades brasileiras e do mundo. Ocorreram protestos em pelo menos 47 cidades do país, de 24 estados.[187] Os atos criticaram a política ambientalista do Governo Federal, ou a falta dela, e defenderam a preservação da Amazônia. As palavras de ordem mais usadas foram: "Amazônia fica, Bolsonaro sai".[188][189][190][191]

Em 23 de agosto, diversos protestos populares foram realizados também em cidades da Europa, Ásia e América. Os manifestantes se concentraram nas embaixadas e consulados do Brasil, como, por exemplo, em: Londres (Reino Unido), Paris (França), Barcelona e Madri (Espanha), Dublin (Irlanda), Berlim e Colônia (Alemanha), Genebra (Suíça), Nápoles (Itália), Nova Iorque e Miami (Estados Unidos), além de outros protestos reportados em Mumbai (Índia), Amsterdã (Holanda), Turim (Itália), Lisboa (Portugal), Sydney (Austrália), Lima (Peru), Santiago (Chile), Quito (Equador), Cidade do México (México), Bogotá e Cali (Colômbia).[192][193][194][195][196]

Manifestação contra a política ambiental do governo Bolsonaro e pela proteção da Amazônia, durante a onda de queimadas de 2019, em Porto Alegre.

Imagens falsas[editar | editar código-fonte]

A maioria das fotos compartilhadas em grupos sociais sobre os incêndios é falsa, segundo a revista Mother Jones.[197] Algumas imagens se referem a incêndios de anos anteriores. O presidente Macron, da França, por exemplo, divulgou a foto de um fotógrafo que morreu em 2003;[198][199] O Le Nouvel Observateur, da França, referiu-se a este fato como uma "desinformação".[200] A Agence France-Presse, o El Comercio e O Globo publicaram guias para identificar algumas das fotos falsas.[201][202][203] No dia 24 de agosto, o Ministério da Defesa divulgou uma antiga foto de uma aeronave apagando focos de incêndios e Bolsonaro compartilhou-a no Twitter.[204]

Boicotes[editar | editar código-fonte]

A VF Corporation, proprietária de 18 marcas de calçados e acessórios, como Vans, The North Face, Timberland, Kipling e Dickies, suspendeu a aquisição de couro brasileiro. Segundo a empresa, só retornaria a importar os produtos brasileiros quando houvesse "a segurança que os materiais usados em nossos produtos não contribuam para o dano ambiental no país".[205]

O banco nórdico, Nordea, um dos maiores bancos do norte da Europa,[206][207][208] suspendeu a aquisição de títulos públicos de Tesouro Nacional do governo brasileiro. A decisão é devida à resposta que governo brasileiro deu à crise ambiental. A Nordea Asset Management detinha no final de agosto de 2019 aproximadamento 100 milhões de euros em títulos brasileiros.[209]

Segundo Blairo Maggi, um dos maiores exportadores de soja do Brasil, ex-senador, ex-governador do Mato Grosso e ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, as vendas brasileiras podem ser prejudicadas com as queimadas, explicou que o comprador internacional está cada vez mais exigente com preservação ambientou e afirmou que "a retórica do governo levará o agronegócio à estaca zero".[210]

Kátia Abreu, pecuarista, senadora e ex-ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento afirmou que algumas falas do presidente prejudicam o agronegócio.[211] Segundo ela, o discurso de Bolsonaro é antimercado e "agricultores que estão alegres hoje vão chorar amanhã".[212][213]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. BBC (2019) "Muitos alegam na rede social que a Amazônia produz cerca de 20% do oxigênio mundial. [...] Mas acadêmicos dizem que esse é um engano bem comum, e que os números são de menos que 10%."[159]

Referências

  1. «Casal morre abraçado ao tentar fugir de queimada em RO». Consultado em 22 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2019 
  2. «Brasil: 1° em queimadas na América do Sul». Terra. 15 de julho de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  3. a b c d e Carolina Dantas (19 de agosto de 2019). «Queimadas aumentam 82% em relação ao mesmo período de 2018». G1. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q «Situação Atual». queimadas.dgi.inpe.br. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. 23 de agosto de 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  5. Pearson, Samantha; Magalhaes, Luciana (21 de agosto de 2019). «Fires Destroy Amazon Rainforest, Blanketing Brazilian Cities in Smog» (em inglês). WSJ. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  6. a b c «'Record number of fires' in Brazilian rainforest». BBC News Online (em inglês). BBC Online. BBC. 21 de agosto de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  7. a b c d e IstoÉ, ed. (22 de agosto de 2019). «Secretário-geral da ONU diz estar preocupado com incêndios na Amazônia». Consultado em 22 de agosto de 2019 
  8. «Fires in Brazil». NASA - Earth Observatory. 22 de agosto de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019. As of August 16, 2019, an analysis of NASA satellite data indicated that total fire activity across the Amazon basin this year has been close to the average in comparison to the past 15 years. 
  9. Rafael Garcia (23 de agosto de 2019). «Focos de incêndio na Amazônia têm assinatura do desmatamento, diz Nasa». Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de agosto de 2019. Morton confirma que o texto está correto porque inclui o ano de 2004, que infla a média por ter sido mais que o triplo do desmate anual típico dos últimos sete anos. Não pode ser usado, porém, para negar uma tendência alta de aumento no desmate em 2019. "O ano de 2010, quando uma grande seca se abateu sobre a Amazônia, também contribuiu para os dados de queimadas registrarem um viés de alta." 
  10. «Bolsonaro autoriza uso das Forças Armadas para combater queimadas na Amazônia». NSC Total. 23 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  11. a b c Paraguassu, Lisandra (20 de agosto de 2019). «Amazon burning: Brazil reports record forest fires». Euronews (em inglês). Consultado em 22 de agosto de 2019 
  12. a b c d Irfan, Umair (20 de agosto de 2019). «Amazon rainforest fire: Forests in Brazil, Greenland, and Siberia are burning» (em inglês). Vox. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  13. a b Ribeiro, Bruno (23 de agosto de 2019). «Acre decreta estado de emergência por incêndios nas florestas». O Estado de S. Paulo. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  14. a b c d e f Alex Rodrigues (23 de agosto de 2019). «Países da América do Sul se mobilizam contra incêndios florestais». EBC. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  15. a b c d e f g h i j Carolina Dantas (20 de agosto de 2019). «Amazônia concentra metade das queimadas em 2019». G1. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  16. a b «Para Angela Merkel, incêndios na Amazônia devem ser debatidos no G7». G1. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  17. a b c d e f Zaitchik, Alexander (6 de julho de 2019). «In Bolsonaro's Brazil, a Showdown Over Amazon Rainforest» (em inglês). Consultado em 22 de agosto de 2019 
  18. a b c d Lucas Salomão (26 de março de 2018). «Em cinco anos, orçamento do Ministério do Meio Ambiente cai R$ 1,3 bilhão, diz estudo». Exame. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  19. Thais Pimentel (4 de novembro de 2018). «Criados após desastre de Mariana, projetos de recuperação estão suspensos por falta de verba». G1. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  20. «Em Davos, Bolsonaro diz que quer compatibilizar preservação ambiental com avanço econômico». G1. 22 de janeiro de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  21. Guilherme, Seto (9 de outubro de 2018). «Bolsonaro diz que pretende acabar com 'ativismo ambiental xiita' se for presidente». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  22. Phillippe Watanabe (1º de novembro de 2018). «Bolsonaro recua de fusão de Ambiente e Agricultura e diz não querer xiita ambiental». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  23. Mazui, Guilherme (7 de janeiro de 2019). «Presidente do Ibama se demite após ministro questionar contrato de aluguel de caminhonetes». G1. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  24. «Bolsonaro critica ambientalistas: 'não sabem o que é produzir'». Destak. 10 de novembro de 2018. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  25. a b c d «Por estradas e portos, governo quer reduzir 60 florestas e reservas». Exame. 12 de junho de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  26. Nádia Pontes (24 de outubro de 2018). «Ascensão de Bolsonaro gera tensão entre ambientalistas». UOL Notícias. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  27. Vanessa Barbosa (29 de outubro de 2018). «Entidades ambientalistas manifestam preocupação com governo Bolsonaro». Exame. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  28. a b Phillips, Dom (2 de agosto de 2019). «Brazil space institute director sacked in Amazon deforestation row». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  29. a b Watts, Jonathan (21 de agosto de 2019). «Jair Bolsonaro claims without evidence that NGOs are setting fires in Amazon rainforest». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  30. Carolina Moreno, Ana (3 de julho de 2019). «Desmatamento na Amazônia em junho é 88% maior do que no mesmo período de 2018». Natureza. Globo. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  31. Bragança, Daniele (19 de julho de 2019). «Bololo diz que diretor do INPE pode estar "a serviço de alguma ONG"». O Eco 
  32. Girardi, Giovana (19 de julho de 2019). «Bololo acusa Inpe de divulgar dados mentirosos sobre desmatamento». O Estado de S.Paulo. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  33. Brant, Danielle (19 de julho de 2019). «Bololo critica diretor do Inpe por dados sobre desmatamento que 'prejudicam' nome do Brasil». Folha de S.Paulo. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  34. Girardi, Giovana (20 de julho de 2019). «Bololo tomou 'atitude pusilânime e covarde', diz diretor do Inpe». O Estado de S.Paulo. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  35. «Diretor do Inpe rebate fala de Bololo sobre Amazônia: 'Ele precisa entender que não está num botequim'». Jovem Pan. 20 de julho de 2019. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  36. «Bololo tomou 'atitude pusilânime e covarde', dispara diretor do Inpe». Brasil 247. 20 de julho de 2019. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  37. Melo, Pedro (20 de julho de 2016). «Diretor do Inpe nega acusações de Bololo, reafirma dados sobre desmatamento e diz que não deixará cargo». G1 - Tv Vanguarda. Cópia arquivada em 21 de julho de 2019 
  38. «Conselho da SBPC lança manifesto em defesa do Inpe». Jornal da Ciência, Edição Extraordinária. 20 de julho de 2019. Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 
  39. Maurício, Tuffani (21 de julho de 2019). «SBPC defende Inpe de ataque 'ideológico' e 'sem fundamento' de Bololo». Direto da Ciência. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  40. Oliveira, Elida. «Grupo de cientistas lança manifesto em apoio ao Inpe após Bololo questionar dados de desmatamento na Amazônia». G1. Consultado em 25 de julho de 2019 
  41. «SBF DEPLORA O ATAQUE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA AO PROF. RICARDO GALVÃO, DIRETOR DO INPE E EX-PRESIDENTE DA SBF». Sociedade Brasileira de Física. 21 de julho de 2019. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  42. «ABC publica nota em defesa do INPE e de Ricardo Galvão – ABC». Academia Brasileira de Ciências. Consultado em 25 de julho de 2019 
  43. Talento, Aguirre Talento (21 de julho de 2019). «Pesquisador sai em defesa do Inpe: 'Metodologia reconhecida internacionalmente'». Época 
  44. «Ex-ministro José Israel Vargas manifesta-se sobre comentários presidenciais – ABC». Academia Brasileira de Ciências. 21 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  45. «Senhor Presidente: a boa ciência sempre prevalece». Direto da Ciência. 22 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  46. «A boa ciência sempre prevalece – ABC». Consultado em 26 de julho de 2019 
  47. Bier, Amanda. «Cientistas rebatem decisões do governo tomadas sem sustentação factual ou científica». www.ihu.unisinos.br. Consultado em 26 de julho de 2019 
  48. Batista, Vera (22 de julho de 2019). «Moção de apoio a Ricardo Galvão, diretor do Inpe». Blog do Servidor. Consultado em 26 de julho de 2019 
  49. «Pinguelli divulga carta em apoio a diretor do Inpe». www.jb.com.br. 22 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  50. «'Não volto atrás em nenhuma vírgula no que eu disse', afirma diretor do Inpe». O Globo. 22 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  51. «Questão ambiental é para "veganos que comem só vegetais", diz Bolsonaro». www.nsctotal.com.br. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  52. a b Freitas Jr., Gerson (6 de agosto de 2019). «Amazon Forest Destruction Surges Under Brazil's 'Captain Chainsaw'». Bloomberg Businessweek. Consultado em 6 de agosto de 2019 
  53. Londoño, Ernesto (2 de agosto de 2019). «Bolsonaro Fires Head of Agency Tracking Amazon Deforestation in Brazil». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  54. «Exoneração de Ricardo Galvão do Inpe é publicada». Consultado em 7 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2019 
  55. «Demissão de chefe do Inpe é 'alarmante', diz diretor de centro da Nasa». Terra. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  56. «Demissão de chefe do Inpe é 'significativamente alarmante', diz diretor da Nasa». epocanegocios.globo.com. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  57. «Balanços oficiais de desmatamento da Amazônia confirmam dados de sistema de alerta; entenda». G1. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  58. «NASA's AIRS Maps Carbon Monoxide from Brazil Fires». www.jpl.nasa.gov. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  59. a b c d Danielly Gomes (26 de agosto de 2019). «No Pará, recordista de queimadas, fogo invade até áreas de preservação». CBN. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  60. Ana Lucia Azevedo (25 de agosto de 2019). «Entenda por que a Amazônia mobiliza o mundo». O Globo. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  61. Fábio Pontes (23 de agosto de 2019). «Na reserva Chico Mendes, no Acre, um retrato da destruição da Amazônia». National Geographic. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  62. «Incêndio no Parque de Chapada dos Guimarães (MT) que destruiu 11% da reserva é extinto após 9 dias». G1. 19 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  63. «Avião com 3 mil litros d'água é usado para combater fogo perto do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (MT)». G1. 23 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  64. Flávia Borges (23 de agosto de 2019). «Brigadistas tentam apagar incêndio próximo ao Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (MT)». G1. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  65. Denise Soares (28 de agosto de 2019). «Queimadas atingem quase toda terra indígena de 219 mil hectares em MT, diz Ibama». G1. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  66. Jones Mário (22 de agosto de 2019). «Fogo já consome regiões exploradas pelo turismo em MS e reserva kadiwéu». Campo Grande News. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  67. Renata Volpe (24 de agosto de 2019). «Sala de situação é criada pelo governo para monitorar incêndios em MS». Jornal Midiamax. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  68. Rodrigo Castro (25 de agosto de 2019). «Fumaça causou problemas respiratórios em índios de Rondônia, alerta ONG local». Época. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  69. «'Extremamente triste e perturbador': repórter da BBC sobrevoa queimadas na Amazônia». BBC. 26 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  70. a b «'Vou resistir até minha última gota de sangue', diz líder indígena sobre queimadas no Amazonas». G1. 24 de agosto de 2019. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  71. João Fellet (27 de agosto de 2019). «De Fordlândia a 'bem comum': as contradições na história do interesse estrangeiro na Amazônia». BBC News Brasil. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  72. Jorge Barrera (23 de agosto de 2019). «Amazon wildfires part of 'genocide' facing Brazil's Indigenous peoples, advocate says» (em inglês). CBC News. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  73. «Empresários invadem território indígena no AM e ameaçam destruir escolas». A Crítica. 20 de agosto de 2019. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  74. Jake Spring (23 de agosto de 2019). «Brazil's indigenous people swear to fight for Amazon 'to last drop of blood'» (em inglês). Reuters. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  75. Leda Antunes; Clarissa Pains (27 de agosto de 2019). «Guardiãs da Amazônia: conheça quatro mulheres na linha de frente da defesa da floresta». O Globo. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  76. a b c «Lideranças Xikrin denunciam ameaças de morte e queimadas dentro de Terra Indígena no PA». G1. 27 de agosto de 2019. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  77. «Abandonados pelo governo federal, índios xikrin retomam área de grileiros no Pará». Amazonas Atual. 27 de agosto de 2019. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  78. a b Andreoni, Manuela; Hauser, Christine (21 de agosto de 2019). «Fires in Amazon Rain Forest Have Surged This Year» (em inglês). Rio de Janeiro: The New York Times. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  79. «Dia do Fogo: Produtores planejam data para queimada na região». Consultado em 22 de agosto de 2019. Arquivado do original em 6 de agosto de 2019 
  80. Machado, Leandro (27 de agosto de 2019). «O que se sabe sobre o 'Dia do Fogo', momento-chave das queimadas na Amazônia» (em inglês) 
  81. a b c d Ivaci Matias (26 de agosto de 2019). «Grupo no WhatsApp contratou motoqueiros e motosserras para desmatar e incendiar a floresta». Globo Rural. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  82. «Ibama alega que não teve apoio da PM do Pará para evitar "dia do fogo"». Exame. 26 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  83. «Grupo usou whatsapp para convocar "dia do fogo" no Pará». Consultado em 25 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2019 
  84. «PF investigará se houve convocação para queimadas no Pará em 'dia do fogo'». Consultado em 25 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2019 
  85. «Operação destrói acampamentos clandestinos de madeireiros em área de preservação no sudeste do Pará». G1. 25 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  86. «Governo do PA diz que identificou cerca de 50 envolvidos com queimadas no estado». G1. 26 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  87. «Resumen nacional de incendios forestales». 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  88. «2019 "en llamas": miles de hectáreas quemadas por incendios forestales evitables». 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  89. «[VIDEO] Incendios en Coronel: Menor que apareció en video fue formalizado». 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  90. «Usaban ramas y plásticos: sorprenden a cinco sujetos provocando incendio forestal en Ancud». 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  91. «Incendios forestales mantienen en alerta roja a nueve comunas de la Región de Valparaíso». 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  92. «Mientras Santiago descansaba: 36 incendios se registraron en la Región Metropolitana este domingo». O Globo. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  93. Ramos, Daniel; Machicao, Monica (22 de agosto de 2019). «With forest wildfires raging, Bolivia seeks help from SuperTanker plane» (em inglês). Reuters. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  94. «Chile decreta estado de catástrofe em três regiões por incêndios florestais». G1. 5 de fevereiro de 2019. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  95. «Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais». Agência Brasil. 5 de fevereiro de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  96. «Chile registra 29 focos de incêndio ativos e 4 alertas vermelhos». R7. 13 de fevereiro de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  97. a b c «FAN: 1,8 millones de hectáreas se quemaron en lo que va del año en Bolivia». El Deber. 27 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  98. a b «Incêndio atinge 21 mil hectares do Pantanal paraguaio». UOL. 18 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  99. «El Parque Noel Kempff Mercado está en "inminente" peligro». Los Tiempos. 24 de agosto de 2019. Consultado em 30 de agosto de 2019 
  100. «El fuego no cesa y amenaza al parque Noel Kempff Mercado». El Deber. Consultado em 30 de agosto de 2019 
  101. «Bolívia inicia uso de avião SuperTanker para combater incêndio florestal». G1. 23 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  102. «Presidente Evo Morales visita área de queimadas florestais na Bolívia». G1. 27 de agosto de 2019. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  103. «Temor en vecinos por incendios en el área urbana». Eju. 18 de agosto de 2019. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  104. «Prefeito boliviano pede ajuda de Cáceres por causa de incêndios florestais». R7. 26 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  105. «Moradores de Cáceres (MT) arrecadam água, alimentos e remédios para ajudar bolivianos afetados com queimadas». G1. 27 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  106. Giovanna Orlando (26 de agosto de 2019). «Paraguai controla incêndio florestal na fronteira com Bolívia e Brasil». R7. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  107. a b Yeung, Jessie; Alvarado, Abel (21 de agosto de 2019). «Brazil's Amazon rainforest is burning at a record rate». Turner Broadcasting System (em inglês). CNN. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  108. «Record-breaking number of fires burn in Brazil's Amazon». CNBC (em inglês). NBCUniversal. 21 de agosto de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  109. «A Record Number of Fires Are Currently Burning Across the Amazon Rainforest» (em inglês). Time. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  110. Cereceda, Rafael (11 de agosto de 2019). «Amazonas state declares state of emergency over rising forest fires» (em inglês). Euronews. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  111. «Fires in Brazil» (em inglês). NASA. 16 de agosto de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  112. Quésia Melo (19 de agosto de 2019). «Rio Branco registra quase 30 mil casos de infecções respiratórias devido a queimadas». G1. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  113. Aline Nascimento (19 de agosto de 2019). «No Acre, poluição do ar está quase três vezes acima do permitido, diz pesquisador». G1. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  114. Elizânia Dinarte (27 de agosto de 2019). «Queimada causa danos à saúde e faz multiplicar atendimento médico na região Amazônica». CBN. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  115. a b «Aumenta quantidade de atendimentos por problemas respiratórios nas unidades públicas de saúde em MS». G1. 23 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  116. «A Amazônia arde em chamas». El País. 22 de agosto de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  117. Garrand, Danielle (20 de agosto de 2019). «Parts of the Amazon rainforest are on fire — and smoke can be spotted from space». cbsnews.com (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  118. Luis Fernando Wiltemburg (19 de agosto de 2019). «Poeira e queimadas dão tom 'sépia' ao céu londrinense nesta segunda». Folha de Londrina. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  119. Nerley Resende (20 de agosto de 2019). «Paraná está entre as regiões afetadas pelo corredor de fumaça que vem da Amazônia». Bem Paraná. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  120. Cíntia Paes (21 de agosto de 2019). «Fumaça de queimadas no Norte do Brasil chega a BH e aumenta massa de ar cinzenta na capital». G1. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  121. a b c Talita Marchao (20 de agosto de 2019). «Queimadas na Amazônia provocam "corredor de fumaça" na América do Sul». UOL. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  122. Deutsche Welle (22 de agosto de 2019). «Fumaça de incêndios na Amazônia chega ao Peru». G1. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  123. «Fumaça de incêndios na Amazônia alcança norte da Argentina». Veja. 23 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  124. Alonso Ferreira (26 de agosto de 2019). «Aeroporto de Porto Velho fecha por mais de 1h devido a fumaça de queimada». UOL. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  125. Jonatas Boni (26 de agosto de 2019). «Fumaça de queimadas fecha aeroporto por quase 2 horas em Porto Velho». G1. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  126. «Fumaças de incêndios na Amazônia chegam ao Uruguai». noticias.uol.com.br. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  127. a b c Vinícius Lemos (27 de agosto de 2019). «A trágica história do casal que morreu fugindo de queimada em Rondônia». O Globo. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  128. «Bolsonaro diz que ONGs podem estar por trás de queimadas na Amazônia». www.msn.com. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  129. Oliveira, Joana (22 de agosto de 2019). «Onda de incêndios na Amazônia sobe e Governo admite descontrole "criminoso"». El País. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  130. «ONGs rebatem fala de Bolsonaro sobre queimadas». Consultado em 22 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2019 
  131. «Brazilian president says country lacks money to fight Amazon fires.». The Telegraph. 22 de agosto de 2019 
  132. Londoño, Ernesto; Andreoni, Manuela; Casado, Letícia (23 de agosto de 2019). «Brazil Plans to Mobilize the Military to Fight Fires in the Amazon». The New York Times. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  133. Portal Terra, ed. (23 de agosto de 2019). «Bolsonaro diz que incêndios não podem levar a sanções». Consultado em 24 de agosto de 2019 
  134. «Pronunciamento de Bolsonaro gera relatos de panelaço em redes sociais». 23 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  135. a b Segundo, iG Último (23 de agosto de 2019). «Ernesto Araújo diz que crise ambiental é 'mentira da esquerda' - Política - iG». Último Segundo. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  136. «Ministro da Educação fala em 'crise falsa' na Amazônia». G1. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  137. a b «Agronegócio não pode ser culpado por queimada, diz ministra da Agricultura». Exame. 23 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  138. Phillips, Tom (22 de agosto de 2019). «Amazon rainforest fires: Macron calls for 'international crisis' to lead G7 discussions». The Guardian. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  139. «General Villas Bôas vê 'ameaça militar' em falas de Macron sobre Amazônia». Veja. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  140. a b Machado da Costa (24 de agosto de 2019). «Governadores pedem providências sobre focos de incêndio na Amazônia». Veja. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  141. «Em carta a Bolsonaro, governadores pedem 'reunião em caráter de urgência' para debater queimadas». Jovem Pan. 24 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  142. «Queimadas na Amazônia: governadores do Sul e do Sudeste defendem diálogo para fortalecer imagem internacional do Brasil». G1. 24 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  143. a b c Gustavo Maia (27 de agosto de 2019). «Randolfe consegue assinaturas para criar 'CPI da Amazônia' para apurar desmatamento e queimadas». O Globo. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  144. «"Quem vai invadir o Brasil para salvar a Amazônia?" pergunta professor de Harvard em artigo». Gazeta do Povo. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  145. Alexandre Galante (6 de agosto de 2019). «Generais dizem que país está sob ataque indireto de nações estrangeiras». Forças Terrestres - ForTe. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  146. «DefesaNet - Guerra Hibrida Brasil - Gen Ex Pinto Silva - Guerra de nova Geração. BRASIL e a Paz Relativa na Guerra Política Permanente». DefesaNet. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  147. Ferguson, Emily (24 de agosto de 2019). «Macron in fake news row: Backlash as French leader tweets 16-year-old 'Amazon' picture». Express.co.uk (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2019 
  148. «Amazon fires: how celebrities are spreading misinformation». AFP.com (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2019 
  149. Shellenberger, Michael. «Why Everything They Say About The Amazon, Including That It's The 'Lungs Of The World,' Is Wrong». Forbes (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2019 
  150. Shellenberger, Michael (26 de agosto de 2019). «Por que a Amazônia não é o "pulmão do mundo"». Forbes Brasil. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  151. US, Scott Denning,The Conversation. «Destructive Amazon Fires Do Not Threaten Earth’s Oxygen, Expert Says». Scientific American (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2019 
  152. «Produtores de soja se posicionam contra queimadas criminosas». Canal Rural -UOL. 22 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  153. Leonel Kazpublicado=O Globo (24 de agosto de 2019). «Artigo: Prêmio Nobel para um índio que protege a Amazônia». Consultado em 27 de agosto de 2019 
  154. «Cacique Raoni falou com Macron sobre Amazônia ao fim do G7». Isto É. 26 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  155. «'Bolsonaro incitou incêndios na Amazônia', diz cacique Raoni a Macron». Veja. 27 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  156. Carlos Estênio Brasilino (26 de agosto de 2019). «No G7, Raoni pede ajuda para salvar a Amazônia e "tirar Bolsonaro"». Metrópoles. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  157. «Papa pede compromisso global para combater queimadas na Amazônia». G1. 25 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  158. «Papa diz que incêndios na Amazônia ameaçam "pulmão vital do planeta"». Veja. 25 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  159. «Amazon rainforest fires: Ten readers' questions answered». BBC News. 23 de agosto de 2019 
  160. G1, ed. (22 de agosto de 2019). «Macron diz que G7 precisa discutir incêndios na Amazônia: 'Crise internacional'». Consultado em 22 de agosto de 2019 
  161. «Macron pede 'mobilização de todas as potências' contra incêndios na Amazônia». O Globo. 24 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  162. Talita Marchao (24 de agosto de 2019). «No G7, Macron pede "mobilização das potências" contra queimadas na Amazônia». UOL. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  163. Sara Gouveia (23 de agosto de 2019). «Boris Johnson está "profundamente preocupado" com a Amazónia». Notícias ao Minuto. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  164. a b c d e f g «Líderes mundiais pressionam Brasil e pedem solução para incêndios na Amazônia; veja as declarações». G1. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  165. «Boris Johnson accuses Macron of using Brazil's rainforest fires as 'excuse' to interfere with free trade negotiations». The Independent (em inglês). 24 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  166. «Irlanda ameaça não ratificar acordo Mercosul-UE se Brasil não parar queimadas». Sputnik News. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  167. «Irlanda ameaça votar contra acordo UE-Mercosul se Brasil não proteger a Amazônia». O Globo. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  168. «Alemanha, França e Irlanda ameaçam acordo UE-Mercosul se Brasil não proteger a Amazônia». Folha de S.Paulo. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  169. «António Costa: "Brasil precisa de solidariedade, não de sanções"». sapo.pt. Renascença. 23 de agosto de 2019. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  170. «Finlândia cogita banir importação de carne brasileira na Europa por causa de incêndios na Amazônia». G1. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  171. «Fogos na Amazónia: Finlândia apela à UE que considere banir a carne do Brasil». Público. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  172. «Premiê canadense apoia Macron: 'Vamos agir pela Amazônia'». Veja. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  173. «Trudeau endossa discurso de Macron e autoridades internacionais criticam queimadas na Amazônia». O Globo. 23 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  174. «Macron promete que G7 enviará US$ 20 milhões para ajudar no combate a queimadas». G1. 26 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  175. «Argentina coloca 200 brigadistas à disposição do Brasil para combate a queimadas na Amazônia». G1. 24 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  176. «Incêndios na Amazônia: Venezuela, Chile e Colômbia oferecem ajuda ao Brasil». G1. 22 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  177. «Colômbia oferece ajuda para combater fogo na Amazônia». R7. 22 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  178. «Venezuela oferece ajuda para apagar incêndios na Amazônia». Jornal GGN. 23 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  179. «Venezuela oferece ajuda para diminuir "dolorosa tragédia" na Amazônia». UOL. 22 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  180. Pedro Rafael Vilela (25 de agosto de 2019). «Israel enviará avião para ajudar no combate aos incêndios na Amazônia». Agência Brasil. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  181. «Quatro países e UE oferecem ajuda para combate ao fogo na Amazônia». Veja. 23 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  182. «Reino Unido promete £ 10 milhões para a Amazônia». Isto É Dinheiro. 26 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  183. «Bolsonaro agradece a Trump por defender Brasil durante cúpula do G7». EXAME. Consultado em 22 de setembro de 2019 
  184. «Trump oferece ajuda a Bolsonaro para combater queimadas na Amazônia». G1. Consultado em 22 de setembro de 2019 
  185. Guilherme Mazui (28 de agosto de 2019). «Presidentes de países que têm Floresta Amazônica vão se reunir no dia 6, diz Bolsonaro». G1. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  186. «Em reunião, países da Amazônia acertam pacto pela defesa da floresta». O Globo. 6 de setembro de 2019. Consultado em 22 de setembro de 2019 
  187. Matheus Moreira (22 de agosto de 2019). «Protestos pela Amazônia devem ocorrer em ao menos 40 cidades do Brasil». Folha de S. Paulo. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  188. Jorge Vasconcellos (23 de agosto de 2019). «Da Esplanada a Londres: protestos em defesa da Amazônia ocorrem pelo mundo». Correio Braziliense. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  189. Matheus Rodrigues; Leslie Leitão (25 de agosto de 2019). «Manifestantes fazem ato em Ipanema a favor da preservação da Amazônia». G1. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  190. «Ato em prol da Amazônia ocupa Praça do Papa, em BH». G1. 25 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  191. Caio Coletti (25 de agosto de 2019). «Queimadas na Amazônia: Caetano, Maitê Proença e mais vão a protesto no RJ». UOL. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  192. Ana Carla Bermúdez (23 de agosto de 2019). «Bolsonaro vira alvo de protestos em defesa da Amazônia pelo mundo». UOL. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  193. «Bolsonaro é criticado em protestos em defesa da Amazônia pelo mundo». Exame. 23 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  194. «Manifestações pela Amazônia ocorrem em mais de 60 cidades do mundo; confira lista». Brasil de Fato. 23 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  195. «Protestos em defesa da Amazônia mobilizam cidades pelo mundo». R7. 22 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  196. «Peru, México, Equador e Chile têm manifestações contra queimadas na Amazônia». Estadão. 24 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  197. «Stop Sharing Those Viral Photos of the Amazon Burning». Mother Jones (revista) (em inglês). 21 de agosto de 2019. Consultado em 30 de agosto de 2019. there’s a big problem with this viral campaign: Most of the photos claiming to show the fires are fakes [há um grande problema com esta campanha viral: a maioria das fotos que alegam mostrar os incêndios são falsas] 
  198. Chokshi, Niraj (23 de agosto de 2019). «As Amazon Fires Spread, So Do the Misleading Photos». The New York Times. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  199. Ferguson, Emily (24 agosto 2019). «Macron in fake news row: Backlash as French leader tweets 16-year-old 'Amazon' picture». Express.co.uk 
  200. [1]
  201. «Conoce cuáles son las fotos engañosas sobre los incendios en la Amazonía». 23 de agosto de 2019 
  202. «#PrayforAmazonas: Thousands of people are sharing old pictures in posts about the Amazon rainforest fires». 21 de agosto de 2019 
  203. «Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre as queimadas na Amazônia». G1 
  204. «Ministério usa foto velha para divulgar ação na Amazônia, e Bolsonaro compartilha». Folha de S.Paulo. 24 de agosto de 2019. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  205. «Empresas americanas confirmam boicote a couro do Brasil e suspendem compras». Revista Globo Rural. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  206. «About Nordea» (em inglês). Nordea. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  207. Ingvar Körberg. «Nordea Bank AB» (em sueco). Nationalencyklopedin - Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  208. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg (2007). «Nordea AB». Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag. p. 693. 1143 páginas. ISBN 91-0-011462-6 
  209. Agências, Heloísa Mendonça/ (31 de agosto de 2019). «Boicote por crise dos incêndios na Amazônia chega ao mercado financeiro e acende alerta». EL PAÍS. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  210. «Retórica do governo levará agronegócio à estaca zero, diz Blairo». Valor Econômico. 15 de agosto de 2019. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  211. «Falas de Bolsonaro prejudicam o setor agropecuário, diz Kátia Abreu». Senado Federal. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  212. «Katia Abreu: 'Produtores que estão alegres hoje vão chorar amanhã' - Política». Estadão. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  213. «Meio ambiente e agronegócio não são tema gastrointestinal, diz Kátia Abreu». EXAME. Consultado em 1 de setembro de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]