Inca Garcilaso de la Vega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Garcilaso de la Vega (desambiguação).
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Inca Garcilaso de la Vega

Gómez Suárez de Figueroa, conhecido como Inca Garcilaso de la Vega ou El Inca (Cusco, 12 de abril de 1539Córdova, 23 de abril de 1616) foi um cronista e escritor peruano de ascendência espanhola e inca, dito o "príncipe dos escritores do Novo Mundo". Pertenceu à época dos cronistas pós-toledanos, durante o período colonial da história do Peru. Era filho do conquistador estremenho Sebastián Garcilaso de la Vega e da princesa inca Isabel Chimpu Ocllo.

É tido como o peruano mais insigne da colónia, tendo sabido expressar a sua exaltada nacionalidade na sua obra prima: "Comentários Reais dos Incas", a qual chegou a ser vetada, nos vice-reinos do Peru e Buenos Aires, pela coroa espanhola ao ser considerada judiciosa e perigosa para os seus interesses, devido ao levantamento de Tupac Amaru II de 4 de novembro de 1780.

Obras[editar | editar código-fonte]

Seguindo as correntes humanistas em voga na época, Garcilaso, o Inca, iniciou um ambicioso e original projecto historiográfico centrado no passado americano, e em especial no do Peru. Considerado como o pai das letras do continente americano, em 1605 deu a conhecer em Lisboa a sua História de la Florida e a jornada que a ela fez o governador Hernando de Soto, título que ficou sintetizado em La Florida del Inca. A obra contém a crónica da expedição daquele conquistador, de acordo com relatos que recolheu o próprio durante anos, e defende a legitimidade de impor naqueles territórios a soberania espanhola para os submeter à jurisdição cristã.

O título mais célebre de Inca Garcilaso é Comentarios reales, a primeira parte dos quais apareceu em 1609, também em Lisboa. Escrito a partir de suas próprias recordações de infância e juventude, de contactos epistolares e visitas a personagens destacados do Vice-reino do Peru, o relato constitui, apesar dos problemas das suas fontes orais e escritas e às incongruências de muitas datas, um a das tentativas mais conseguidas, tanto conceptual como estilisticamente, de salvaguardar a memória das tradições da civilização andina. Por esta razão é considerada como a sua obra prima e tomada com reconhecimento como o ponto de partida da literatura latino-americana. A segunda parte foi publicada em Córdoba, em 1617.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]