Incidente Vela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Localização estimada.

O Incidente Vela foi um "flash duplo" de luz detectado por um satélite americano Vela em 22 de setembro de 1979, perto das Ilhas do Príncipe Eduardo, próximo da Antártida, que muitos acreditam ter sido resultado de uma explosão nuclear. A teoria mais comum é que o flash de luz teve origem numa explosão resultada de um teste nuclear secreto feito pelos governos de Israel e da África do Sul. O assunto ainda é extremamente controverso.[1][2][3]

Embora "flashes duplos" de luz costumem ser um sinal característico de um teste de arma nuclear, também pode ter sido um sinal eletrônico espúrio gerado por um velho detector em um satélite velho, ou talvez um meteorito atingindo o satélite, os 41 flashes duplos anteriores detectados pelos satélites Vela foram causados ​​por testes de armas nucleares.[4][5][6] Nenhuma prova conclusiva foi publicada, como a presença de subprodutos nucleares no ar, de que realmente houve uma explosão nuclear. Pesquisas laboratoriais feitas por agências do governo dos Estados Unidos (como a NRL), chegaram a conclusão de que os flashes de luz não foram resultados de uma detonação nuclear. Ainda assim, muitos outros dados a respeito deste tema seguem confidenciais.[7][8][9] Oficialmente, a causa do evento permanece desconhecida.[10]

Informações mais recentes[editar | editar código-fonte]

Em 2003, Stansfield Turner, diretor da Central Intelligence durante o governo Carter, afirmou que a detecção do Vela foi de um "fenômeno feito pelo homem". Em seu livro de 2006 On the Brink, o oficial de serviço clandestino aposentado da CIA, Tyler Drumheller, escreveu sobre sua missão de 1983-1988 na África do Sul:[11]

Tivemos sucessos operacionais, principalmente em relação à capacidade nuclear de Pretória. Minhas fontes coletivamente forneceram evidências incontestáveis ​​de que o governo do apartheid havia de fato testado uma bomba nuclear no Atlântico Sul em 1979, e que havia desenvolvido um sistema de entrega com a ajuda dos israelenses.

Em 2010, Jimmy Carter publicou seu Diário da Casa Branca. No verbete de 22 de setembro de 1979, ele escreveu: "Havia indicação de uma explosão nuclear na região da África do Sul - ou a África do Sul, Israel usando um navio no mar, ou nada". Em 27 de fevereiro de 1980, ele escreveu "Temos uma crença cada vez maior entre nossos cientistas de que os israelenses realmente realizaram um teste de explosão nuclear no oceano próximo ao extremo sul da África.[12]

Algumas informações americanas relacionadas a este incidente foram desclassificadas na forma de relatórios e memorandos fortemente editados após solicitações de registros feitas de acordo com a Lei de Liberdade de Informação dos Estados Unidos; em 5 de maio de 2006, muitos desses documentos desclassificados foram disponibilizados por meio do Arquivo de Segurança Nacional. Um relatório de dezembro de 2016 por William Burr e Avner Cohen do National Security Archive e Nuclear Proliferation International History Project da George Washington University observou que o debate sobre o flash do Atlântico Sul mudou nos últimos anos, ao lado de um teste de arma feito pelo homem.[13][6] O briefing do National Security Archive concluiu:

Um painel patrocinado pela Agência Central de Inteligência de cientistas respeitados concluiu que um flash misterioso detectado por um satélite US Vela sobre o Atlântico Sul na noite de 22 de setembro de 1979 era provavelmente um teste nuclear.

A pesquisa recém-lançada e o relatório subsequente foram amplamente baseados em documentos recentemente desclassificados em arquivos dos Arquivos Nacionais de Gerard C. Smith, um ex-embaixador e enviado especial para a não proliferação nuclear durante a presidência de Jimmy Carter.[13] Smith disse uma vez: "Nunca fui capaz de me livrar da ideia de que o evento era uma operação conjunta entre Israel e a África do Sul." Os documentos citavam um relatório do Departamento de Estado dos Estados Unidos de junho de 1980, no qual o vice-diretor da Defense Intelligence Agency (DIA), Jack Varona, disse que a investigação americana que se seguiu foi uma "lavagem branca, devido a considerações políticas" baseadas em "evidências frágeis". Ele acrescentou que o "peso das evidências apontava para um evento nuclear" dados hidroacústicos analisados ​​pelo Laboratório de Pesquisa Naval. Os dados, ele sugeriu, envolviam "sinais ... exclusivos de tiros nucleares em um ambiente marítimo" e provenientes da área de "águas rasas das Ilhas do Príncipe Eduardo, sudeste da África do Sul".[13][14] Avner Cohen afirmou que "Agora, 40 anos depois, há um consenso científico e histórico de que foi um teste nuclear e que tinha que ser israelense." Em 2018, um novo estudo defendeu que o flash duplo era um teste nuclear.[15][16]

Referências

  1. Von Wielligh, Nic; Von Wielligh-Steyn, Lydia (2015). The Bomb – South Africa’s Nuclear Weapons Programme. Pretoria, ZA: Litera. ISBN 9781920188481. OCLC 930598649 
  2. Hersh, Seymour (1991). The Samson option: Israel's Nuclear Arsenal and American Foreign Policy. [S.l.]: Random House. ISBN 0-394-57006-5 
  3. Polakow-Suransky, Sasha (2010). The Unspoken Alliance: Israel's Secret Relationship with Apartheid South Africa. [S.l.]: Jacana Media. ISBN 1-77009-840-2 
  4. Albright 1994, p. 42.
  5. Ruina 1980.
  6. a b Richelson 2006.
  7. Albright, David (Julho de 1994). «South Africa and the Affordable Bomb (inset: The Flash in the Atlantic)». Bulletin of Atomic Scientists 
  8. Albright, David; Gay, Corey (Novembro de 1997). «Proliferation: A flash from the past». Bulletin of Atomic Scientists. Consultado em 30 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 17 de março de 2005 
  9. Broad, William J. (8 de dezembro de 2008). «Hidden Travels of the Atomic Bomb». The New York Times. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  10. Burr, William; Cohen, Avner, eds. (8 de dezembro de 2016). Vela Incident: South Atlantic Mystery Flash in September 1979 Raised Questions about Nuclear Test. National Security Archive Electronic Briefing Book No. 570 (Relatório) 
  11. Spying on the Bomb: American Nuclear Intelligence from Nazi Germany to Iran and North Korea Jeffrey T. Richelson, (W. W. Norton & Company, 2007), p. 314
  12. Cohen, Abner; Burr, William (8 de dezembro de 2016). «What the U.S. Government Really Thought of Israel's Apparent 1979 Nuclear Test». Politico 
  13. a b c Burr, William; Cohen, Avner, eds. (8 de dezembro de 2016). Vela Incident: South Atlantic Mystery Flash in September 1979 Raised Questions about Nuclear Test. National Security Archive Electronic Briefing Book No. 570 (Relatório) 
  14. De Geer & Wright 2019.
  15. Wright, Christopher M.; De Geer, Lars-Erik (2017). «The 22 September 1979 Vela Incident: The Detected Double-Flash» (PDF). Science & Global Security. 25 (3): 95–124. Bibcode:2017S&GS...25...95W. ISSN 0892-9882. doi:10.1080/08929882.2017.1394047 
  16. Weiss, Leonard (2018). «A double-flash from the past and Israel's nuclear arsenal». Bulletin of the Atomic Scientists. Consultado em 14 de agosto de 2018 

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Richelson, Jeffrey (5 May 2006). "The Vela Incident: Nuclear Test or Meteoroid?". National Security Archive. Retrieved 25 August 2008.
  • Ruina, Jack (23 May 1980). Ad hoc Panel Report on the September 22 Event (PDF) (Report). Released by FOIA request, Frank Ruina

Links externos[editar | editar código-fonte]