Incidente de 26 de Fevereiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Incidente de 26 de fevereiro)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Incidente de 26 de Fevereiro
Rebel troops in February 26 Incident.JPG
Data 26-29 de fevereiro de 1936
Local Tóquio, Japão
Desfecho Revolta reprimida.
Perda de influência do Kōdō-ha.
Aumento da influência militar sobre o governo.
Combatentes
Exército Virtuoso Exército imperial japonês
Naval Ensign of Japan.svg Marinha Imperial Japonesa
Líderes e comandantes
Shirō Nonaka
Kiyosada Kōda
Yasuhide Kurihara
Teruzō Andō
Takaji Muranaka
Asaichi Isobe
Hisashi Kōno
Imperador Hirohito

Príncipe Kan'in Kotohito
Kōhei Kashii
Yoshiyuki Kawashima
Hajime Sugiyama

Forças
1.558 ou 1.483[1] 23.841[2]

O Incidente de 26 de Fevereiro' (二・二六事件 Niniroku Jiken?) (também conhecido como Incidente 2-26) foi uma tentativa de golpe de Estado no Japão em 26 de fevereiro de 1936. Foi organizada por um grupo de jovens oficiais do Exército Imperial Japonês, com o objetivo de expurgar seus rivais e facções ideológicas oponentes da liderança do governo e das forças armadas.

Embora os rebeldes conseguissem assassinar várias altas autoridades (incluindo dois ex-primeiros-ministros) e ocupar o centro do governo de Tóquio, não conseguiram assassinar o primeiro-ministro Keisuke Okada ou garantir o controle do Palácio Imperial. Seus partidários no exército fizeram tentativas para tirar partido de suas ações, mas as divisões entre os militares, combinada com a raiva imperial no golpe, demonstrou que não seriam capazes de conseguir uma mudança de governo. Diante da esmagadora oposição, visto que o exército moveu-se contra eles, os rebeldes se renderam em 29 de fevereiro.[3]

Ao contrário de exemplos anteriores de violência política por jovens oficiais, a tentativa de golpe teve consequências graves. Após uma série de julgamentos fechados, 19 dos líderes da revolta foram executados por motim e outros 40 presos. A facção radical Kōdōha perdeu sua influência dentro do exército, o período de "governo pelo assassinato" chegou ao fim e os militares aumentaram seu controle sobre o governo civil.[4]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Chaen (2001), p. 130
  2. Chaen (2001), p. 146. Number does not include IJN personnel.
  3. Jansen (2002), p. 598
  4. «The 2.26 Incident of 1936». Modern Japan in archives - National Diet Library 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bix, Herbert P. (2000). Hirohito and the Making of Modern Japan. Perennial.
  • Brown, Delmer M. (1955). Nationalism in Japan. University of California Press.
  • Chaen Yoshio (2001). Zusetsu Ni Niroku Jiken. Nihon Tosho Center.
  • Crowley, James B. (1962). "Japanese Army Factionalism in the Early 1930's" The Journal of Asian Studies (21:3).
  • Hane, Mikiso (1983). Emperor Hirohito and His Chief Aide-de-Camp: the Honjo Diary, 1933-36. University of Tokyo Press.
  • Jansen, Marius (2002). The Making of Modern Japan. Harvard University Press.
  • Kita Hiroaki (2003). Ni Niroku Jiken Zenkenshō. Asahi Shimbun.
  • Shillony, Ben-Ami (1973). Revolt in Japan: The Young Officers and the February 26, 1936 Incident. Princeton University Press.
  • Storry, Richard (1957). The Double Patriots: A Study of Japanese Nationalism. Greenwood Press.
  • Yoshii Hiroshi (ed.) (1989). Mokugekisha ga Kataru Showa-shi (Vol. 4): 2/26 Jiken. Shin-Jinbutsuoraisha.