Indústria automotiva no Japão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Toyota Prius, Carro do Ano de 2005 e primeiro e mais vendido veículo híbrido
First Suzuki Wagon R, kei car mais vendido do Japão em 1993
Mazda HR-X, 1991, um dos primeiros carros a hidrogênio
Primeiro Mazda MX-5, 1989
Primeiro Datsun/Nissan Z-car, 1969
First Toyota Corolla, 1966, modelo de carro mais vendido de todos os tempos

A indústria automobilística do Japão é uma das maiores indústrias do mundo. O Japão esteve entre os três países com maior produção de carros desde a década de 1960, ultrapassando a Alemanha. A indústria automotiva no Japão cresceu rapidamente da década de 1970 até a década de 1990 (quando ela visava tanto o mercado doméstico quanto as exportações), sendo que na década de 1980 e 1990 o país ultrapassou os Estados Unidos com uma produção de até 13 milhões de carros por anos fabricados. Após a entrada de fabricantes chineses na década de 2000 e as flutuações econômicas dos Estados Unidos, o Japão figurou como terceiro maior produtor automotivo no mundo com uma produção anual de 9,9 milhões de automóveis em 2012.[1] Os investimentos japoneses ajudaram a desenvolver a indústria em muitos países nas últimas décadas.

Os zaibatsu japoneses (conglomerados empresariais) começaram a construir seus primeiros automóveis na segunda metade da década de 1910. As empresas entraram no mercado projetando seus próprios caminhões (o mercado para veículos de passageiro no Japão na época era pequeno) ou firmando parcerias com marcas europeias para produzir e vender seus carros no Japão. Entre os exemplos disso, estão a parceria da Isuzu com a Wolseley Motors (do Reino Unido), e o Mitsubishi Model A, que foi baseado no Fiat Tipo 3. A demanda interna por caminhões cresceu em grande devido aos militares japoneses antes da Segunda Guerra Mundial, levando muitos produtores japoneses saírem da zona de conforto e projetar seus próprios veículos. Na década de 1970, o Japão foi o pioneiro na fabricação robótica de veículos.

O país abriga um grande número de empresas que produzem carros, veículos de construção, motocicletas e motores. Os fabricantes automotores japoneses incluíam a Toyota, Honda, Daihatsu, Nissan, Suzuki, Mazda, Mitsubishi, Subaru, Isuzu, Kawasaki, Yamaha, e Mitsuoka.

Os carros projetados no Japão ganharam os prêmios Carro do Ano, Carro Internacional do Ano e Carro Mundial do Ano por muitas vezes.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Em 1904, Torao Yamaha produziu o primeiro ônibus produzido nacionalmente, que era alimentado por um motor a vapor. Em 1907, Komanosuke Uchiyama produziu o Takuri, o primeiro carro inteiramente japonês com motor a gasolina. A Kunisue construiu seu primeiro carro em 1910, e no ano seguinte fabricou o modelo Tokyo em cooperação com a Tokyo Motor. Em 1911, a Kwaishinsha foi fundada e mais tarde começou a fabricar um carro chamado DAT. Em 1920, a Jitsuyo Jidosha Seizo, fundada por William R. Gorham, começou a construir o modelo Gorham e mais tarde o Lila. A empresa fundiu-se com a Kwaishinsha em 1926 para formar a DAT Automobile Manufacturing (que mais tarde se transformou na Nissan]]). De 1924 a 1927, a Hakuyosha construiu o modelo Otomo. A Toyota, uma manufatureira têxtil, começou a construir carros em 1936.[2] A maior parte dos primeiros veículos, no entanto, eram caminhões produzidos com subsídio militar.

Os carros construídos no Japão antes da Segunda Guerra Mundial eram em sua maioria baseados em modelos europeus ou americanos. O Mitsubishi Modelo A de 1917 foi baseado no projeto do A3-3 da Fiat (Este modelo era considerado o primeiro carro produzido em massa no Japão, com 22 unidades produzidas). Na década de 1930, os carros da Nissan eram baseados nos projetos do Austin 7 e Graham-Paige, enquanto o modelo Toyota AA era baseado no Chrysler Airflow. A Ohta Jidosha construiu carros na década de 1930 baseados em modelos da Ford, enquanto a Chiyoda construiu um carro parecido com um Pontiac 1935 e a Sumida construiu um carro semelhante ao LaSalle.[3][4]

A Ford do Japão foi fundada em 1925 e uma fábrica foi montada em Yokohama. A General Motors estabeleceu suas operações em Osaka em 1927. A Chrysler também veio ao Japão e montou a Kyoritsu Motors. Entre 1925 e 1936, as subsidiárias japonesas das três grandes montadoras dos Estados Unidos (General Motors, Ford e Chrysler) produziram um total de 208 967 veículos, em comparação com os produtores nacionais, com um total de 12 127. Em 1936, o governo japonês aprovou a Lei da Indústria Manufatureira de Automóveis, que pretendia promover a indústria automotiva nacional e reduzir a competição estrangeira.[5] Ironicamente, isto parou a criação de uma nova planta da Ford em Yokohama,que tinha como modelo a Ford Dagenham da Inglaterra e pretendia servir ao mercado asiático, que tinha o Japão como seu principal exportador. Ao invés disso, em 1939, as fabricantes estrangeiras foram forçadas a sair do Japão. A produção de veículos passou a focar na produção de caminhóes no final da década de 1930 devido à Segunda Guerra Sino-Japonesa.[6][7][8]

Na primeira década depois da Segunda Guerra Mundial a produção automotiva foi limitada, e até 1966 a maior parte da produção consistia de caminhões (incluindo veículos de três eixos). Posteriormente, os veículos de passageiro dominaram o mercado. Os projetos dos carros japoneses também continuaram a imitar ou ser derivados de projetos europeus e americanos.[9] As exportações foram muito reduzidas na década de 1950, somando apenas 3,1% da produção total de carros de passageiros na década.[10]

A partir da década de 1960[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 1960, os fabricantes japoneses lançaram uma série de novos kei cars no mercado interno. Scooters e motocicletas permaneceram dominantes, com vendas de 1,47 milhões em 1960 contra meros 36 mil kei cars.[11]Esses automóveis pequenos geralmente contavam com motores muito pequenos (abaixo de 360cc, mas algumas vezes com motores de até 600cc para exportação) para manter os impostos muito menores que os dos carros maiores. A pessoa média no Japão então poderia comprar um automóvel, o que elevou as vendas dramaticamente e iniciou um novo momento para indústria. O primeiro modelo da nova era, lançado em 1958, foi o Subaru 360. Outros modelos importantes foram o Suzuki Fronte, Mitsubishi Minica, Mazda Carol e Honda N360.

Os keis tinham um motor minimalista, no entanto, pequeno demais para a maioria dos carros de família. O segmento de carro econômico mais popular na década de 1960 era a classe de 700-800 cc, representado pelo Toyota Publica, Mitsubishi Colt 800 e a Mazda Familia original. No final da década, no entanto, esses carros foram substituídos por carros de um litro com motores de quatro cilindros, uma tendência que foi lançada pelo Sunny de 1966.[12] Toda as outras fabricantes rapidamente seguiram o modelo, exceto a Toyota, que equipou seu Corolla com um motor de 1,1 litro – as 100 cc extras foram muito elogiadas durante o período de propaganda. Esses pequenos carros de família tomaram uma participação cada vez maior do mercado em expansão.

Expansão das exportações[editar | editar código-fonte]

As exportações de carros de passageiros aumentaram consideravelmente em comparação com as décadas anteriores, e representavam até 17% da produção total.[10] No entanto, isto ainda era apenas o começo. A demanda interna em rápido crescimento e a expansão das empresas automoras japonesas nos mercados estrangeiros na década de 1970 aceleraram ainda mais o crescimento. Os efeitos do Embargo Árabe do Petróleo junto com a taxa de câmbio do iene em relação ao dólar americano, libra esterlina e marco alemão aceleraram as exportações de veículos. As exportações de carros de passageiros subiram de 100 000 em 1965 para 1 827 000 em 1975. A produção automotiva no Japão continuou a aumentar rapidamente após a década de 1970, com a Mitsubishi (representada pela Dodge) e a Honda começando a vender seus veículos nos Estados Unidos. Outras marcas também vieram para a América e outros países durante a década de 1970, e, na década de 1980, as fabricantes japonesas estavam ganhando uma grande fatia nos mercados dos Estados Unidos e do mundo.

Os carros japoneses tornaram-se populares entre os consumidores britânicos no início da década de 1970, com carros da Nissan Datsun ( a marca da Nissan não foi usada em modelos britânicos registrados até 1983) provando-se especialmente populares e ganhando uma reputação na Grã-Bretanha por sua confiabilidade e baixos custos de manutenção, apesar da ferrugem ser um grande problema. Na década de 1960, os fabricantes japoneses começaram a competir no mercado interno, modelo a modelo. Isto é exemplificado pela "CB-war" entre o Toyota Corona e o Nissan Bluebird. Embora no início isto levou a benefícios para os consumidores, logo os gastos com P&D cresceram. No final da década de 1980 e início da década de 1990, os fabricantes automotores japoneses entraram em uma fase de "hiperdesign" e "hiper-equipamento"; uma corrida levando a produtos menos competitivos mas produzidos de uma maneira altamente eficiente.[13]

Líder mundial[editar | editar código-fonte]

Com os fabricantes japoneses produzindo carros populares, confiáveis e acessíveis durante a década de 1990, o Japão tornou-se o maior produtor de carros no mundo em 2000. No entanto, sua participação de mercado caiu ligeiramente nos anos posteriores, particularmente devido à competição com Coreia do Sul, China e Índia. Todavia, a indústria automotiva japonesa continua a florescer, sua participação de mercado cresceu novamente e no primeiro trimestre de 2008 a Toyota ultrapassou a americana General Motors para se tornar a maior fabricante de carros do mundo.[14] O Japão é o terceiro maior mercado automotivo e, até a China recentemente ultrapassá-lo, era o maior produtor de carros do mundo. As exportações de carros ainda permanecem importantes para o país e é um dos pilares do plano de recuperação para a crise econômica.

Linha do tempo da indústria automotiva japonesa[editar | editar código-fonte]

Volumes de produção dos fabricantes[editar | editar código-fonte]

Os dados seguintes são os volumes de produção de veículos por fabricantes japoneses, de acordo com a Associação dos Fabricantes Automotores do Japão (JAMA).[16]

Carros de passageiros Caminhões Ônibus
Fabricante 2007 2008 2009 2010 2011 2012
Toyota 3.849.353 3.631.146 2.543.715 2.993.714 2.473.546 3.170.289
Nissan 982.870 1.095.661 780.495 1.008.160 1.004.666 1.035.726
Honda 1.288.577 1.230.621 812.298 941.558 687.948 996.832
Suzuki 1.061.767 1.059.456 758.057 915.391 811.689 896.781
Mazda 952.290 1.038.725 693.598 893.323 798.060 830.294
Daihatsu 648.289 641.322 551.275 534.586 479.956 633.887
Subaru 403.428 460.515 357.276 437.443 366.518 551.812
Mitsubishi 758.038 770.667 365.447 586.187 536.142 448.598
Outros 25 30 0 0 0 0
Total 9.944.637 9.928.143 6.862.161 8.310.362 7.158.525 8.554.219
Fabricante 2007 2008 2009
Toyota 291.008 271.544 178.954
Suzuki 156.530 158.779 150.245
Daihatsu 138.312 151.935 132.980
Isuzu 236.619 250.692 118.033
Nissan 188.788 189.005 109.601
Mitsubishi 88.045 83.276 61.083
Hino 101.909 101.037 62.197
Subaru 72.422 64.401 51.123
Mitsubishi Fuso 131.055 115.573 49.485
Honda 43.268 33.760 28.626
Mazda 43.221 39.965 23.577
UD Trucks 44.398 45.983 18.652
Outros 2.445 2.449 545
Total 1.538.020 1.508.399 985.101
Fabricante 2007 2008 2009
Toyota 85.776 109.698 69.605
Mitsubishi Fuso 10.225 10.611 4.982
Nissan 7.422 8.416 4.479
Hino 4.984 5.179 4.473
Isuzu 3.668 3.221 2.077
UD Trucks 1.595 1.977 1.179
Total 113.670 139.102 86.795

Referências

  1. Toyota raises profits forecast as recovery continues, BBC News, 7 de fevereiro de 2012 http://www.bbc.co.uk/news/business-16923619
  2. Japan's Auto Industry - The Pioneers (1901-1935) Japan Automobile Manufacturers Association (JAMA) http://njkk.com/about/industry1.htm Arquivado em 12 de julho de 2012 no Archive.is
  3. The New Illustrated Encyclopedia of Automobiles by David Burgess Wise; Wellfleet Press; Secaucus, New Jersey 1992 ISBN 1-55521-808-3
  4. Automobiles of the World by Joseph H. Wherry; Chilton Book Company; Philadelphia, Pennsylvania 1968
  5. «Cópia arquivada». Consultado em 17 de outubro de 2014. Arquivado do original em 12 de julho de 2012 
  6. Japan's Auto Industry - Towards Industrialization (1935-1945) Japan Automobile Manufacturers Association (JAMA) http://njkk.com/about/industry2.htm Arquivado em 12 de julho de 2012 no Archive.is
  7. Cars of the Thirties and Forties by Michael Sedgwick; Crescent Books; ISBN 978-0-517-32051-8
  8. "Remade in Japan" Los Angeles Times 6 de junho de 1996 http://articles.latimes.com/1996-06-02/business/fi-11017_1_japanese-auto
  9. Torrey, Volta, ed. (novembro de 1952). «New Japanese Cars Follow U.S., English Styling». Popular Science. 161 (5): 136–137 
  10. a b Moser, Robert (1971), Logoz, Arthur, ed., «Personenwagen-Weltproduktion» [Global passenger car production], Zürich, Switzerland: Verlag Internationale Automobil-Parade AG, Auto-Universum 1971 (em German), XIV: 65 
  11. «Establishing a Mass Production System». About JAMA: Japan's Auto Industry. Japan Automobile Manufacturers Association. Cópia arquivada em 28 de março de 2012 
  12. Ikeda, Eizo; Sonobe, Hiroshi (Junho de 1974). «Road Test: Datsun 100A». Motor Magazine International 
  13. Lee, Chunli (Abril de 2001). «Chinas Automobilindustrie in der Globalisierung» [China's automobile industry in globalisation] (PDF). Bremen, Germany: Universität Bremen. Berichte des Arbeitsbereichs Chinaforschung (em German) (15) 
  14. Bunkley, Nick (24 de abril de 2008). «G.M. Says Toyota Has Lead in Global Sales Race». The New York Times. Consultado em 26 de abril de 2010 
  15. Benjamin, Daniel K. (Setembro de 1999). «Voluntary Export Restraints on Automobiles». PERC Reports: Volume 17, No. 3. Property & Environment Research Center. Consultado em 18 de novembro de 2008. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2009 
  16. «JAMA Active matrix database system». Jamaserv.jama.or.jp. Consultado em 2 de abril de 2013 

Notas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]