Indaiatuba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Indaiatuba
  Município do Brasil  
Brasão de Indaiatuba
Brasão de Indaiatuba
Símbolos
Bandeira de Indaiatuba
Bandeira
Brasão de armas de Indaiatuba
[[Brasão|Brasão de armas]]
Hino
Apelido(s) "Cidade dos Indaiás"
Gentílico indaiatubano
Localização
Localização de Indaiatuba em São Paulo
Localização de Indaiatuba em São Paulo
Mapa de Indaiatuba
Coordenadas 23° 05' 24" S 47° 13' 04" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[1] Campinas
Região imediata[1] Campinas
Municípios limítrofes Monte Mor e Campinas (N), Itupeva (L), Elias Fausto (O), Itu, Salto e Cabreúva (S).
Distância até a capital 99 km
História
Fundação 9 de dezembro de 1830 (189 anos)
Emancipação 24 de março de 1859 (161 anos)
Aniversário 9 de dezembro
Administração
Prefeito(a) Nilson Alcides Gaspar (PMDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 311,545 km²
População total (Estimativa IBGE/2018[3]) 246 908 hab.
 • Posição SP: 32º
Densidade 792,5 hab./km²
Clima subtropical (Cwa)
Altitude 701 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,788 alto
 • Posição SP: 35°
PIB (IBGE/2014[5]) R$ 12 058 634 000
 • Posição BR: 67º
PIB per capita (IBGE/2014[5]) R$ 53 215 04
Outras informações
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Candelária
Website Indaiatuba.sp.gov.br (Prefeitura)
Indaiatuba.sp.leg.br (Câmara)

Indaiatuba é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Pertence à Mesorregião e Microrregião de Campinas, localizando-se a noroeste da capital do estado, a 23º05'24" de latitude sul e 47º13'04" de longitude oeste, a uma altitude de 701 m. Ocupa uma área de 311,5 km² e sua população estimada pelo IBGE para 2017 era de 239 602 habitantes,[6] que a colocava na 32ª posição entre os municípios mais populosos do estado de São Paulo.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome Indaiatuba vem do tupi antigo inaîatyba, "ajuntamento de indaiás" (inaîá, "indaiá" e tyba, "ajuntamento").[7] A denominação se prendeu às características da paisagem e da vegetação da localidade, hoje já alteradas. Tornou-se oficial em 1830, embora haja notícia de que tenha sido utilizada anteriormente, já no século XVIII.[8]

A existência marcante de indaiás carregados de pequenos cocos fez com que Indaiatuba tivesse recebido, entre meados do século XVIII e início do século XIX, também a denominação de "Cocaes".[8]

História[editar | editar código-fonte]

A região do atual município de Indaiatuba provavelmente começou a ser ocupada por grupos caçadores-coletores e agricultores há cerca de 5000 anos. De acordo com as fontes históricas disponíveis, indígenas falantes de idiomas relacionados ao tronco linguístico Tupi-guarani[9][10] habitavam a região quando as primeiras expedições europeias começaram a cruzar os caminhos terrestres e fluviais do atual estado de São Paulo. Por conseguinte, as pesquisas arqueológicas desenvolvidas nessa região apontam para a existência de diversos sítios por toda sua extensão, sendo registrados (até o momento) 39 sítios arqueológicos, distribuídos por Itu (13), Campinas (05), Indaiatuba (03), Monte Mor (04) e Salto (14).

Identificado em 2005, o sítio arqueológico Buruzinho[11] está localizado nas proximidades do Córrego Garcia (Buruzinho), sendo caracterizado pela presença de ferramentas de pedra (também conhecidos como instrumentos líticos) e fragmentos cerâmicos de uso cotidiano de populações indígenas associadas a tradição cerâmica Tupiguarani, assim como, vestígios de ocupação histórica colonial e imperial (séculos XVIII e XIX, portanto), demostrando ao menos dois momentos históricos de ocupação do local. Apesar das informações esparsas, acredita-se que o material deste sítio se encontra no Museu Elizabeth Aytai, localizado no município de Monte Mor. O sítio arqueológico Cambará, localizado nas proximidades do rio Capivari-Mirim, também conta com presença de instrumentos líticos e fragmentos cerâmicos de uso comum entre populações indígenas, assim como vestígios de ocupação do século XIX, mais especificamente do período imperial brasileiro. Esse último sítio foi identificado em 2018, durante as atividades de acompanhamento arqueológico de um empreendimento residencial, sendo que os materiais encontrados (já bastante fragmentados) foram posteriormente enviados ao Museu Raphael Toscano, localizado no município de Jaú. Embora nenhum dos dois sítios arqueológicos foi alvo de pesquisas que determinassem a idade do material pré-colonial, é possível afirmar que toda a região se encontrava no entorno da rota que ligava diversas microbacias hidrográficas a diferentes pontos do rio Tietê, a qual foi utilizada por séculos pelas populações indígenas[12]. Dessa forma, é provável que os sítios de Indaiatuba façam parte do mesmo contexto de ocupação.

O último sítio, denominado Capivari-Mirim, foi descoberto em 2018. No local foram identificados instrumentos líticos feitos em quartzito, no que provavelmente foi um antigo acampamento de caça. Localizado próximo às margens do córrego Jacaré, afluente do rio Capivari-Mirim, esse sítio arqueológico é mais um testemunho da recorrente presença de grupos indígenas na região de Indaiatuba [13].

O processo efetivo de colonização portuguesa teve início a partir da segunda metade do século XVIII, quando a região começou a ser ocupada por fazendas de cana-de-açúcar, implementadas por Portugal como política de incentivo à produção de açúcar na capitania de São Paulo. Tal política foi inicialmente desenvolvida por Dom Luís Antônio de Souza Botelho e Mourão, também conhecido como Morgado de Mateus, governador da citada capitania entre 1765 e 1775. Dessa forma, vilas e povoados foram fundadas em um processo progressivo de interiorização da capitania paulista, visando evitar uma possível expansão espanhola sobre os territórios meridionais da América Portuguesa[14].

É incerta a data de fundação do povoado que daria origem à Indaiatuba, entretanto. De acordo com a tradição oral, o primeiro núcleo de povoação teria surgido em fins do século XVII (antes da fundação das primeiras fazendas de cana-de-açúcar, portanto), próximo ao local onde o córrego Barnabé desemboca no rio Jundiaí. O primeiro nome desse assentamento teria sido “Votura”, termo provavelmente de origem tupi. Apesar da virtual ausência de documentações históricas que confirmem o relato, memorialistas dão conta de uma grave epidemia de varíola nesse povoado em algum momento do século XVIII, o que teria motivado seu abandono. Com isso, um novo núcleo de povoamento teria surgido junto ao local onde hoje está situado o largo da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária[15][16].

Os primeiros registros de um arraial chamado Indayatiba datam de 1768, cuja população praticava uma agricultura predominantemente de subsistência, com destaque para o milho e feijão. O nome do arraial derivaria dos extensos campos de palmeiras indaiá que existiam na região, sendo também observado o uso do topônimo Cocaes para designar a localidade[14][16]. Por conseguinte, esse povoado era inicialmente um bairro rural da Vila de Itu, rota de tropas para o sul da Colônia, passando pela vila de Sorocaba e seguindo em direção às vilas existentes nas capitanias de Mato Grosso e Goiás, onde eram exploradas diversas lavras de ouro durante esse período. Com isso, a localidade que daria origem ao atual município de Indaiatuba tornou-se um pouso habitual de tropeiros.

No fim do século XVIII e início do XIX, o povoado seguiu em expansão, com o surgimento de bairros rurais como Itaici e Piraí. Fazendas e engenhos de açúcar foram instalados próximas aos diversos córregos e rios do povoado e, ao redor destas, também o comércio interno que servia àquela população. Algumas fazendas desse período ainda podem ser observadas em Indaiatuba, como a Fazenda Engenho D’Água, próximo ao Córrego Barnabé. Construída em taipa-de-pilão, a sede provavelmente data de 1770, embora a referência documental mais antiga à respeito dessa fazenda – presente no “Livro de Registros de Terras da Freguezia de Indaiatuba” – seja da década de 1850[16].

Em 1813, Pedro Gonçalves Meira – considerado o fundador de Indaiatuba – doou terras para a construção de uma capela curada em honra à Nossa Senhora da Conceição, a qual posteriormente daria origem a atual Igreja Matriz. Posteriormente transformada em uma capela de devoção à Nossa Senhora da Candelária por Joaquim Gonçalves Bicudo, irmão de Pedro, essa edificação religiosa tornou-se um fator de atração para a localidade. Consequentemente, a partir dessa capela se daria a paulatina expansão urbana do arraial. Segundo os registros paroquiais, o primeiro pároco teria sido o padre Pedro Dias Pais Leme[17].

Em 9 de dezembro de 1830, o então povoado de Cocaes foi elevado à condição de sede de uma das freguesias da Vila de Itu por decreto do então imperador Dom Pedro I, com o nome de Indaiatuba. Essa data passou a ser comemorada como a data do aniversário da cidade. Por sua vez, em 24 de março de 1859, Indaiatuba seria elevada à condição de vila, ganhando autonomia política em relação a Itu, com sua própria Câmara de Vereadores[14]. Durante esse período, Indaiatuba já havia adquirido um traçado urbano quadriculado, típico da tradição racionalista observada em cidades portuguesas dos séculos XVIII e XIX, observado até hoje em seu centro histórico[18].

A partir da década de 1850, justamente durante o contexto que levou à emancipação política de Indaiatuba, o cultivo do café já havia substituído de forma definitiva a primazia da cultura do açúcar nas terras paulistas. Nesse sentido, a vila de Indaiatuba estava inserida em um processo mais amplo de expansão da cafeicultura, o qual gerou um crescimento econômico vertiginoso não só dos municípios da região (como Campinas, Itu e Jundiaí) mas de toda a província de São Paulo[19]. Por conseguinte, na antiga Fazenda Pau Preto foi instalada a primeira máquina a vapor de beneficiamento de café de Indaiatuba. Nota-se, portanto, que o crescimento do plantio de café – ainda que fundamentalmente pautada no trabalho escravo – gerava lucros altos, o que proporcionava investimentos em maquinário importado. Com efeito, Joaquim Emígdio de Campos Bicudo, proprietário da Fazenda Pau Preto também investiu na construção de uma nova sede, seguindo o padrão arquitetônico de tijolos à vista, típico do contexto fabril inglês de fins do século XIX[14].

A expansão da cafeicultura também gerou uma demanda por melhores rotas de transporte, uma vez que os antigos caminhos terrestres e fluviais já não comportavam o fluxo de pessoas e bens. Com isso, em novembro de 1872, foi inaugurado o primeiro trecho da Estrada de Ferro Ytuana entre a estação Pimenta (localizada no bairro homônimo de Indaiatuba e primeira estação construída no município) e Jundiaí[20]. No ano seguinte iniciou-se a construção do trecho Itaici-Piracicaba, sendo posteriormente inauguradas mais duas estações: Itaici e Indaiatuba. De acordo com os registros históricos, a estação de Indaiatuba não foi construída pela Companhia Ytuana de Estradas de Ferro, mas pelo próprio município, através de doação de fundos organizada pela Câmara Municipal[21]. Embora provavelmente tenha existido uma estação de parada mais simples no local a partir de 1873, a estação ferroviária de Indaiatuba seria inaugurada de fato somente em 1880. Substituída por uma estação maior em 1911, a edificação original foi convertida em armazém da ferrovia. Atualmente, a primeira estação de Indaiatuba abriga uma oficina-escola de liuteria (produção de cordas de instrumentos musicais), enquanto na edificação de 1911 funciona o Museu Ferroviário. Já a estação de Itaici, localizada no distrito de mesmo nome, funcionou como um entrocamento de ramais ferroviários para Jundiaí, Piracicaba e Campinas até 1975, sendo permanentemente desativada em 1986[22].

A partir da segunda metade do século XIX, Indaiatuba também recebeu muitos imigrantes da Suíça, Alemanha, Itália, Espanha, Croácia e, já no século XX, imigrantes do Japão. Parte de uma política imperial e provincial mais ampla de incentivo à imigração europeia, tal processo acabou por transformar de forma significativa as relações de trabalho no contexto rural brasileiro. Em um primeiro momento, os imigrantes deslocados para Indaiatuba foram empregados nas fazendas de café, embora muitos eventualmente tornaram-se proprietários de terras.  Um exemplo claro desse processo se deu com a fundação da Colônia Helvétia em 1888, após quatro famílias imigrantes suíças comprarem as terras dos sítios Capivari-Mirim e Serra d’Água[23]. O crescimento econômico da colônia, também pautado no cultivo comercial do café, assegurou sua continuidade até os dias atuais, sendo nela realizada anualmente a Festa da Tradição no Dia da Fundação da Suíça[16].

Localizada em terras próximas à divisa municipal entre Campinas e Indaiatuba, a Colônia Helvétia também recebeu uma estação ferroviária da Sorocabana – apropriadamente batizada de Estação Helvétia – a partir de 1914[24]. Essa estação, assim como Francisco Quirino, inaugurada em 1919, fazia parte do chamado ramal de Campinas, linha férrea que ligava Mairinque até esse município. Dessa forma, em um momento em que o transporte ferroviário ainda era o meio mais eficiente de deslocamento de mercadorias e pessoas pelo interior paulista, Indaiatuba acabou por se tornar um ponto de convergência de linhas férreas.

O crescimento econômico e demográfico de Indaiatuba nesse período fez com que fosse elevada à condição de cidade em 19 de dezembro de 1906, através da Lei Estadual n.º 1.038[14]. Nessa época, o município já contava com um sistema público de abastecimento de água, rede de iluminação elétrica e um código de posturas. Nas décadas seguintes, os efeitos econômicos negativos gerados pelas quedas no preço do café prejudicariam o crescimento de Indaiatuba, contudo. Apesar das fazendas locais também produzirem comercialmente outros cultivares, tais como batata e milho, a característica essencialmente agrícola da economia indaiatubense fez com que o desenvolvimento urbano do município se desse de forma mais lenta, quando comparada a outros centros[16].

Segundo consta, em 1933, data em que foi inaugurado o Hospital Augusto de Oliveira Camargo, Indaiatuba contava com cerca de 3 mil habitantes. Também da primeira metade do século XX, datam as profundas reformas realizadas na Igreja Matriz, projeto do arquiteto Cezare Zoppi, responsável também pelo projeto e execução da igreja São Benedito, a casa paroquial e várias outras edificações da época. Em 1950, Indaiatuba já havia alcançado uma população de 11 253 habitantes. Quatorze anos depois, em 1964, já eram 22 928 habitantes, crescimento pautado principalmente na expansão da indústria e de serviços. Desde então, o crescimento demográfico de Indaiatuba foi uma constante, alcançando 92.700 habitantes em 1991, 146.829 em 2000 e, finalmente, 251.627 em estimativa do IBGE para o ano de 2019[25].

Sendo uma cidade que tem suas origens no período colonial brasileiro, contando também com sítios arqueológicos que remontam a tempos ainda mais antigos, Indaiatuba possui diversos bens tombados por sua significância histórica, tanto em escala municipal[26] quanto estadual[27]. São eles:


  • Fazenda Engenho d’Água, edificação com paredes de taipa-de-pilão, construída em meados do século XVIII, tombada em 2008 pelo Conselho Municipal de Preservação da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba;
  • Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária, tombada em 2008 pelo Conselho Municipal de Preservação da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba;
  • Casa Paroquial, tombada em 2008 pelo Conselho Municipal de Preservação da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba;
  • Casarão do Pau Preto, tombada em 2008 pelo Conselho Municipal de Preservação da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba;
  • Busto de Dom José de Camargo Barros, tombada em 2008 pelo Conselho Municipal de Preservação da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba;
  • Edificações do Hospital Augusto de Oliveira Camargo, tombada em 2008 pelo Conselho Municipal de Preservação da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba;
  • Caixa d’água, remanescente do terreiro de café pertencente ao Casarão do Pau Preto, tombada em 2008 pelo Conselho Municipal de Preservação da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba;

Geografia[editar | editar código-fonte]

Monumento "Indaiatuba: Nosso sol tem calor de amizade", localizado no início do Parque Ecológico da cidade.

Indaiatuba situa-se a 100 km da capital paulista e a 20 km de Campinas. Apresenta uma localização privilegiada, a 10 quilômetros do Aeroporto Internacional de Viracopos, boa infraestrutura e bons indicadores de qualidade de vida.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O relevo de Indaiatuba é uma depressão relativa, pois é mais baixo que as áreas adjacentes. Dominam as formas de planície aluvial, colinas, morros e morrotes.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Vista do Parque Ecológico de Indaiatuba

Tornado[editar | editar código-fonte]

O tornado do dia 24 de maio de 2005 foi um dos maiores e mais violentos já registrados no Brasil, porém não houve mortes pelo ocorrido. Destruiu parte do Distrito Industrial da cidade causando um prejuízo estimado de R$ 90 milhões, de acordo com o portal Imirante.[28] "O vendaval de Indaiatuba foi um dos mais intensos do País, atingiu o nível F3 (com velocidade de 252 a 331 quilômetros por hora), em uma escala que vai de F0 (64 a 116) a F5 (420 a 511)", segundo informações do pesquisador do Instituto Tecnológico SIMEPAR, Ernani de Lima Nascimento.[carece de fontes?]


Clima[editar | editar código-fonte]

Dados climatológicos para Indaiatuba
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 27,6 27,3 27,1 25,5 23,5 22,2 22,5 23,4 24,6 25,5 26,9 27,3 25,2
Temperatura média (°C) 22,4 22,4 21,9 20,1 17,7 16,2 16 17,1 18,6 19,9 21,4 22 19,6
Temperatura mínima média (°C) 17,3 17,5 16,8 14,7 11,9 10,2 9,6 10,8 12,7 14,4 16 16,7 14
Precipitação (mm) 216 194 139 55 50 47 37 28 64 124 128 187 1 269
Fonte: CLIMATE-DATA [29]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Segundo o "Atlas IDH 2000" da Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, a cidade possui os seguintes índices demográficos:[4][30]

Política[editar | editar código-fonte]

Atualmente o município tem a seguinte administração:

  • Prefeito: Nilson Alcides Gaspar (PMDB) (2017-2020)
  • Vice-prefeito: Túlio Tomáss Couto (PMDB)
  • Presidente da Câmara de Vereadores: Helio Ribeiro (PSB)

Número total de vereadores na Câmara Municipal: doze vereadores.

Economia[editar | editar código-fonte]

Comércio[editar | editar código-fonte]

Na década de 1930, a dependência comercial de Indaiatuba era muito grande, pois, para a obtenção de grande parte das mercadorias e serviços existentes, seus moradores tinham que recorrer a cidades como Campinas e Itu. Com o desenvolvimento industrial e o crescimento populacional que foi se processando na década de 1970, a sociedade atingiu níveis financeiros maiores, o que aumentou a demanda por serviços e mercadorias. Nesse período, a concentração comercial era praticamente no centro da cidade. Entretanto, com o surgimento de novos núcleos habitacionais e a formação de outros bairros, o comércio foi se expandindo e descentralizando-se. É o caso, por exemplo, dos polos comerciais da Cidade Nova, Cecap (Núcleo Habitacional Brigadeiro Faria Lima) e Jardim Morada do Sol, que com sua expansão, também vêm se unindo ao comércio de outros bairros.

A cidade deixava gradualmente sua tradição agrária e começava a se inserir num contexto urbano, condicionando sua população a uma mudança de valores e costumes levados por um mercado representativo e atrativo, alguns segmentos comerciais, que atuavam em outras cidades com suas redes de lojas, vieram se instalar em Indaiatuba. No final da década de 1970 e início da de 80, devido à falta de concorrência em alguns segmentos comerciais, muitos consumidores iam buscar em outras cidades, como Campinas, produtos oferecidos na cidade. Mas atualmente a realidade é outra.

Indústria[editar | editar código-fonte]

O município vem aumentando seu polo industrial nos últimos anos, principalmente devido à vinda de grandes empresas de outras cidades do estado de São Paulo.

Indaiatuba possui grandes empresas do setor automotivo como a Toyota Motor do Brasil e o campo de provas da General Motors e da Honda, além das unidades fabris da John Deere, Unilever, Mann+Hummel (Filtros Mann), Yanmar do Brasil, Agritech Lavrale, BASF, Plastek do Brasil, SEW Eurodrive do Brasil, entre outras, que criaram vários empregos na cidade.

A partir de 1920, começaram a se instalar, no município, as primeiras unidades industriais.

Entre os anos de 1930 e 1945, instalaram-se diversas indústrias de transformação de madeira, teve destaque especial a indústria de cabos de guarda-chuva, cuja produção era vendida para todo o país. Após 1945, instalaram-se e tiveram expansão no município as indústrias têxteis.

Na década de 1960, o município recebeu grandes indústrias mecânicas e metalúrgicas. Em 1980, estavam instaladas 422 indústrias no município.

Como muitas outras cidades da região, antes da década de 1970, Indaiatuba era uma cidade de predominância rural e provavelmente não imaginava o papel que iria representar no contexto econômico nacional. Atualmente, a realidade é bastante diferente daquela que se apresentava há 25 anos.

O grande salto em busca do desenvolvimento de Indaiatuba foi dado com a criação do Distrito Industrial de Indaiatuba em agosto de 1973, no governo do prefeito Romeu Zerbini, que criou no ano seguinte uma lei de incentivos às indústrias que se instalassem no município. Em 1970 havia 37 indústrias em atividade na cidade e esse número subiu para 75 em 1975.

As condições para o progresso da cidade seriam favorecidas pelo seu potencial energético; sua localização em relação aos grandes centros industriais e comerciais; as opções de vias de acesso a outras cidades, o que facilitava o escoamento de sua produção e suas relações comerciais. Na década de 1970, a cidade começou a receber grande número de migrantes e a demarcação da área do Distrito Industrial teve que sofrer algumas mudanças, para ceder espaço à ampliação residencial que foi se processando com esse fluxo migratório. Os conjuntos habitacionais do Cecap, por exemplo, surgiram dessas mudanças.

Em 1974, foi fundada a Associação das Indústrias do Município de Indaiatuba (Aimi) e, nesse período, alguns empresários começaram a reivindicar a criação de uma unidade do Serviço Nacional da Indústria (SENAI) na cidade, pois a maior parte da formação profissional dos moradores de Indaiatuba era feita no SENAI de Itu.

Essa deficiência começou a ser sanada com a criação da Fundação Indaiatubana de Educação e Cultura (FIEC), em 1985 e a introdução do primeiro curso técnico de mecânica em 1986.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

No século XIX, tinham maior importância econômica a cultura de cana-de-açúcar e, a partir da segunda metade do século XIX, também a do café.

A década de 1950 assistiu a emergência da cultura do tomate, sobretudo em função da fixação de famílias japonesas no município. O município foi durante muito tempo, predominantemente produtor de café, algodão e batata. Nos últimos anos as culturas permanentes, notadamente a fruticultura, vêm aumentando progressivamente a sua produção em relação às culturas temporárias, a exemplo da uva, abacate, caqui, goiaba e maracujá.[31]

A uva é a principal cultura agrícola do município, um dos maiores produtores estaduais, sendo o 6º maior produtor. Com uma área de 620 hectares destinados a plantação de uva e produção de 7 440 toneladas em 2013, o município complementa o abastecimento no estado de São Paulo. E na agricultura temporária se destaca a cana-de-açúcar, com uma produção de 214 400 toneladas em 2013.[32]

Pecuária[editar | editar código-fonte]

A pecuária não tem grande importância para o município. A cidade possui propriedades rurais voltadas a avicultura e a criação de bovinos, suínos e equinos em uma quantidade não muito expressiva.

Educação[editar | editar código-fonte]

Educação básica[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,[33] Indaiatuba, no ano de 2009, contava com:

  • 60 escolas de ensino infantil (sendo 27 municipais e 33 privadas)
  • 71 escolas de ensino fundamental (sendo 24 estaduais, 28 municipais e 22 privadas);
  • 27 escolas de ensino médio (sendo 15 estaduais e 12 privadas);

Ensino médio[editar | editar código-fonte]

  • Escola Estadual Profª Annunziatta Leonilda Virginelli Prado (Annunziatta) — pública;
  • Escola Estadual Randolfo Moreira Fernandes (Randolfo) — pública;
  • Escola Estadual Dom José de Camargo Barros (Dom José) — pública;
  • Escola Estadual Suzana Benedicta Gigo Ayres (Suzana) — pública;
  • Escola Estadual Profª. Maria de Lourdes Stipp Steffen - pública;
  • Escola Estadual Prof° Antônio de Pádua Prado - pública;

Além destas tradicionais escolas públicas, a cidade conta com outras unidades de ensino tanto da rede estadual como das instituições particulares de ensino, que oferecem o Ensino Médio a sua população.

Ensino técnico[editar | editar código-fonte]

Ensino superior[editar | editar código-fonte]

Pós-graduação[editar | editar código-fonte]

  • Faculdade Anhanguera de Indaiatuba — privada;
  • Centro Universitário Max Planck — privada;
  • Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba — pública;
  • Instituto Educacional Luiz Flávio Gomes (LFG) — privada;
  • Instituto Brasileiro de Formação de Educadores (IBFE) - privada.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Internacional de Viracopos, fica a 10 km da cidade sede do município de Indaiatuba , com fácil acesso pela SP-75. Existem linhas de ônibus metropolitanas que fazem esse trajeto, saindo da Rodoviária de Indaiatuba direto para Viracopos e vice-versa.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

A principal rodovia de acesso ao município é a Rodovia Engº Ermênio de Oliveira Penteado,[34] (SP-75), que, por meio de ligações com outras vias importantes, como Rodovia dos Bandeirantes (SP-348), Rodovia Castello Branco (SP-280), Rodovia Anhanguera (SP-330), e Rodovia do Açúcar (SP-308), alcança os principais pólos econômicos do estado. O município também conta com a Rodovia Lix da Cunha (Estrada Velha de Campinas) e outras estradas vicinais para o acesso aos municípios vizinhos.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[35], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[36], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[37] para suas operações de telefonia fixa.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Antiga estação ferroviária de Indaiatuba, atual Museu Ferroviário de Indaiatuba, onde estão conservados importantes patrimônios ferroviários brasileiros.

Com o seu crescimento, Indaiatuba se tornou uma cidade turística. Seu principal ponto turístico é o Parque Ecológico de Indaiatuba que é um extenso eixo de aproximadamente 10 quilômetros lineares com uma área de aproximadamente 2 milhões de metros quadrados que contaria 12 centros comunitários, viveiro de pássaros, restaurante, museu, pátio de esculturas, centro de exposição de flores, centro administrativo com Fórum, Câmara e Paço Municipal, barcos, pedalinhos, teatro de arena, lanchonete e ciclovia em todo o contorno do Parque com muito verde. Destaca-se no turismo de negócios, pelo número considerável de empresas instaladas na cidade e também no turismo religioso com prédios históricos, tais como:

Também há o crescimento do turismo rural, pois o município conta com diversas propriedades agrícolas, sendo um dos maiores produtores de uva de mesa do estado e também do turismo de eventos com os campeonatos de motocross, bicicross, skate, luta de braço e ciclismo em nível regional, estadual, nacional e até internacional.

Anualmente existem festas das mais variadas como a FENUI - Festa das Nações Unidas (com as colônias Suíça, Italiana, Japonesa, Alemã, Brasileira, Nordestina e Afro), Festa da Tradição (Colônia Helvetia - Suíça), Festa do Peão, FAICI - Festa Agropecuária, Industrial e Comercial de Indaiatuba, Festa das Frutas e Hortaliças, entre outras.

Indaiatuba é um dos municípios integrantes do Polo Turístico do Circuito das Frutas juntamente com mais oito municípios: Jundiaí, Itatiba, Atibaia, Valinhos, Vinhedo, Itupeva, Morungaba e Louveira.

A cidade possui atualmente três shopping centers: o Shopping Jaraguá, situado no centro da cidade, empreendimento este que possui aproximadamente um fluxo de 120 000 pessoas por mês e que conta com duas lojas-âncora: Lojas Marisa e Lojas Americanas, além de várias lojas satélites e salas de cinema; e o Polo Shopping Indaiatuba, que conta com mais 170 lojas-satélite e 7 lojas-âncora: entre elas, a C&A, Renner, Kalunga, Centauro, Le Biscuit, Tenda Atacado e Casas Bahia, 5 salas de cinema Stadium, praça de alimentação com 14 operações, em um terreno de 120 000 metros quadrados às margens da Rodovia SP-75. Inaugurado no fim de 2014, o Parque Mall, localizado na Rua das Orquídeas, no Jardim Pompéia, abriga diversas lojas e serviços, inclusive públicos, tais como o Poupatempo e cartórios.

Esporte[editar | editar código-fonte]

O município possui hoje um time de futebol profissional, chamado Esporte Clube Primavera. Atualmente joga na Serie A3 do Campeonato Paulista de Futebol. O clube foi fundado em 27 de janeiro de 1927. O time manda seus jogos no Estádio Ítalo Mário Limongi, em Indaiatuba.

Além do futebol, a cidade ainda se destaca no ciclismo, atletismo, natação, motocross, luta de braço, bicicross, futsal, futebol amador, handebol, futebol americano e rugby com equipes formadas por colégios, clubes e pela Secretaria Municipal de Esportes, disputando campeonatos em nível local, regional, estadual, nacional e internacional, inclusive sediando diversas competições nestes níveis. A cidade conta também com inúmeros campos de pólo hípico, sendo um cenário de destaque deste esporte no Brasil e no mundo.

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_Pop_2016
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2018). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2018». Consultado em 10 de novembro de 2018 
  4. a b «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 3 de agosto de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2014_Indaiatuba». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 5 de abril de 2017 
  6. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_Pop_2017
  7. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo". São Paulo. Global. 2013. p. 568.
  8. a b «Histórico». IBGE. 2014. Consultado em 31 de janeiro de 2014 
  9. Koyama, Adriana (2006). «O povoamento da região de Indaiatuba e os Guarani: perguntas e pistas» (PDF). Fundação Pró-Memória de Indaiatuba. Consultado em 13 de maio de 2020 
  10. Nimuendaju, Curt (2017). «Mapa Etno-Histórico do Brasil e Regiões Adjacentes». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 13 de maio de 2020 
  11. «Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos - Sítio Buruzinho». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 2005. Consultado em 13 de maio de 2020 
  12. Pardi, M. L; Rangel, Z.; Coradel, A. (1999). «. 9ª SR/IPHAN/SP Museu Municipal de Monte Mor/SP: Levantamento do Patrimônio Arqueológico da Região de Monte Mor-SP». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 13 de maio de 2020 
  13. «Sistema Integrado de Conhecimento e Gestão - Sítio Capivari-Mirim 01». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 2018. Consultado em 13 de maio de 2020 
  14. a b c d e «Cidades.Indaiatuba. Histórico». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2018. Consultado em 13 de maio de 2020 
  15. Carvalho, Nilson (11 de maio de 2011). «Votura: História de Indaiatuba». História de Indaiatuba. Consultado em 13 de maio de 2020 
  16. a b c d e Koyama, Adriana; Cerdan, Marcelo (2018). «Indaiatuba: esboço de uma história». Prefeitura Municipal de Indaiatuba. Consultado em 13 de maio de 2020 
  17. «Resumo Histórico». Paróquia Nossa Senhora da Candelária. Consultado em 13 de maio de 2020 
  18. Zoppi, Antônio (1998). Reminiscências de Indaiatuba. Indaiatuba: Fundação Pró-Memória de Indaiatuba 
  19. Martins, Ana Luiza. (2008). História do café. São Paulo: Editora Contexto. OCLC 240784673 
  20. Giesbrecht, Ralph (2016). «Estação Pimenta». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 13 de maio de 2020 
  21. Giesbrecht, Ralph (2020). «Estação Indaiatuba». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 13 de maio de 2020 
  22. Giesbrecht, Ralph (2019). «Estação Itaici». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 13 de maio de 2020 
  23. «Fundação de Helvétia». Colônia Helvétia. Consultado em 13 de maio de 2020 
  24. Giesbrecht, Ralph (2016). «Estação Helvétia». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 13 de maio de 2020 
  25. «Cidades. Indaiatuba. Panorama». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. Consultado em 13 de maio de 2020 
  26. «Bens Tombados». Fundação Pró-Memória de Indaiatuba. 2008. Consultado em 13 de maio de 2020 
  27. «Fazenda Santa Gertrudes». Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo. Consultado em 13 de maio de 2020 
  28. «Prejuízo com tornado em Indaiatuba passa de R$ 90 milhões». Imirante. 26 de maio de 2005 
  29. «CLIMA: INDAIATUBA». Climate-Data.org. Consultado em 25 de abril de 2020. Cópia arquivada em 25 de abril de 2020 
  30. «Perfil Municipal - Indaiatuba (SP)». Atlas Brasil. 2010. Consultado em 27 de janeiro de 2014 
  31. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «IBGE, Produção Agrícola Municipal 2013. Rio de Janeiro: IBGE, 2014». Consultado em 6 de fevereiro de 2015 
  32. «IBGE, Produção Agrícola Municipal 2013. Rio de Janeiro: IBGE, 2014». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 6 de fevereiro de 2015. Consultado em 6 de fevereiro de 2015 
  33. «Ensino - matrículas, docentes e rede escolar 2009 - Site do Cidades@ - IBGE» 
  34. Denominação de Rodovias (de A até Z) - Site do DER/SP[ligação inativa]
  35. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  36. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  37. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  38. INDAIATUBA (Município). Lei nº 7236, de 25 de novembro de 2019. Lei N° 7.236, de 25 de Outubro de 2019. Indaiatuba, SP: Imprensa Oficial do Municío de Indaiatuba, 30 nov. 2019. v. 19, n. 1509, p. 17. Disponível em: <https://www.indaiatuba.sp.gov.br/download/51125/>. Acesso em: 24 nov. 2019

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Indaiatuba