Infeção puerperal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Infeções pós-parto, também conhecida como infeção puerperal, são quaisquer infeções bacterianas do aparelho reprodutor feminino seguintes ao parto ou aborto espontâneo. Sinais e sintomas geralmente incluem uma febre maior que 38,0 °C (100 4 °F<), calafrios, dor no abdômen inferior, e possivelmente mau cheiro do corrimento vaginal.[1] Normalmente ocorre entre as primeiras 24 horas e os primeiros dez dias após o parto.[2]

A infeção mais comum é a do útero e tecidos circundantes, conhecida como sépsis puerperal ou metrite pós-parto. Fatores de Risco incluem a cesariana, a presença de certas bactérias como a streptococcus do grupo B na vagina, ruptura prematura de membranas, vários exames vaginais, remoção manual da placenta, e parto prolongado, entre outros.[1][3] A maioria das infeções envolvem uma série de tipos de bactérias. O diagnóstico raramente é ajudado pelo cultura microbiológica da vagina ou do sangue. Naquelas que não apresentam melhora, imagiologia médica pode ser necessária. Outras causas para a febre após o parto incluem ingurgitamento mamário, infecções do trato urinário, infecções da incisão abdominal ou episiotomia, e atelectasias.[1][3]

Devido aos riscos seguintes a cesariana, recomenda-se que todas as mulheres recebam uma dose preventiva de antibióticos como ampicilina durante a cirurgia. O tratamento para infeções estabelecidas é com antibióticos, com a maioria das mulheres melhorando em dois ou três dias. Naquelas com um quadro leve, antibióticos orais podem ser usados; caso contrário, antibióticos intravenosos são recomendados. Os mais comuns incluem uma combinação de ampicilina e gentamicina seguintes ao parto vaginal ou clindamicina e gentamicina naqueles que tiveram uma cesariana. Para aquelas que não estão melhorando com o tratamento apropriado, outras complicações como um abscesso devem ser consideradas.[1]

Em 2015, ocorreram cerca de 11,8 milhões de infeções.[4] Nos países desenvolvidos, cerca de um a dois por cento desenvolvem infeção uterina após o parto vaginal. Esta aumenta de cinco para treze por cento entre aquelas que têm partos mais difíceis e cinquenta por cento com a cesárea antes do uso preventivo de antibióticos.[1] Em 2015, estas infeções resultaram em pelo menos 17.900 mortes, a partir de 34.000 mortes em 1990.[5][6] Elas são a causa de cerca de 10% das mortes em todo o período de gravidez.[3] A primeira descrição conhecida da doença é datada de pelo menos o século 5 A.C., nos escritos de Hipócrates.[7] Estas infeções foram causa mortis muito comuns para o parto, começando, pelo menos, no século 18 até a década de 1930, quando os antibióticos foram introduzidos.[8] Em 1847, na Áustria, Ignaz Semmelweiss reduziu o risco de morte de vinte para dois porcento através do uso de lavagem das mãos com cloro.[9][10]

Referências

  1. a b c d e «37». Williams obstetrics 24th ed. [S.l.]: McGraw-Hill Professional. 2014. pp. Chapter 37. ISBN 978-0-07-179893-8 
  2. Hiralal Konar (2014). DC Dutta's Textbook of Obstetrics. [S.l.]: JP Medical Ltd. p. 432. ISBN 978-93-5152-067-2. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2015 
  3. a b c WHO recommendations for prevention and treatment of maternal peripartum infections (PDF). [S.l.]: World Health Organization. 2015. p. 1. ISBN 9789241549363. PMID 26598777. Cópia arquivada (PDF) em 7 de fevereiro de 2016 
  4. GBD 2015 Disease and Injury Incidence and Prevalence, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 310 diseases and injuries, 1990-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1545–1602. PMC 5055577Acessível livremente. PMID 27733282. doi:10.1016/S0140-6736(16)31678-6 
  5. GBD 2015 Mortality and Causes of Death, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1459–1544. PMC 5388903Acessível livremente. PMID 27733281. doi:10.1016/s0140-6736(16)31012-1 
  6. GBD 2013 Mortality and Causes of Death, Collaborators (17 de dezembro de 2014). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990–2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet. 385: 117–71. PMC 4340604Acessível livremente. PMID 25530442. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2 
  7. Walvekar, Vandana (2005). Manual of perinatal infections. New Delhi: Jaypee Bros. p. 153. ISBN 978-81-8061-472-9. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  8. Magner, Lois N. (1992). A history of medicine. New York: Dekker. pp. 257–258. ISBN 978-0-8247-8673-1. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  9. Anderson, BL (April 2014). «Puerperal group A streptococcal infection: beyond Semmelweis.». Obstetrics and gynecology. 123 (4): 874–82. PMID 24785617. doi:10.1097/aog.0000000000000175  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Ataman, AD; Vatanoğlu-Lutz, EE; Yıldırım, G (2013). «Medicine in stamps-Ignaz Semmelweis and Puerperal Fever.». Journal of the Turkish German Gynecological Association. 14 (1): 35–9. PMC 3881728Acessível livremente. PMID 24592068. doi:10.5152/jtgga.2013.08 
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.