Inscrição de Balshi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Desenho da coluna de Balshi.

A inscrição de Balshi é um epigrafo da época do knyaz Bóris I da Bulgária (r. 852–889) e que é um testemunho da cristianização da Bulgária. Ela tem este nome por ter sido escavada em Balshi, Albânia, em 1918.

Inscrição[editar | editar código-fonte]

A inscrição em grego medieval está gravada na parte superior de uma coluna de mármore que também traz, na parte inferior e separada desta por uma cruz, um epitáfio posterior em latim do comandante normando Roberto de Monforte, que morreu em 1108. Ela foi descoberta por soldados austro-húngaros durante a Primeira Guerra Mundial a 25 quilômetros para o sudoeste da cidade albanesa de Berati, perto de Balshi, nas ruínas de um mosteiro. A localização atual da inscrição é desconhecida. Na primeira metade do século XX esteve no acervo dum museu em Durrës. O Museu Arqueológico Nacional, em Sófia, conservou uma impressão em gesso do epigrafo.

Ela é principal fonte doméstica para a cristianização da Bulgária na fronteira sudoeste do Primeiro Império Búlgaro e na região de Cutmichevitsa durante o reinado de Bóris. A concisa biografia de São Clemente de Ácrida por Demétrio Comateno sugere a existência de outras colunas similares na região de Glavinitsa comemorando o batismo dos búlgaros. Comateno atribuiu a construção delas ao próprio Clemente:[1]

Ele [Clemente] nos deixou em Ócrida lembranças e livros sagrados, além de obras pessoais sobre seus pensamentos e escritas de próprio punho, que ainda são honradas e estimadas por todo povo na mesma medida que as Tábuas da Lei de Moisés, escritas por Deus. E, em Cefalônia[2] ainda se podem ver colunas de pedra até hoje, nas quais letras foram inscritas marcando a incorporação a a integração do povo a Cristo.

Texto[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Bulgarian Contribution in Building the Byzantine Commonwealth in the Ninth and Tenth Centuries». Consultado em 15 de janeiro de 2015 
  2. De acordo com Milev, Cefalônia é o nome grego de Glavinitsa (atual Balshi), na Albânia. Милев, Александър (1966). «Димитри Хоматиан - Кратко житие на Климент Охридски». Гръцките жития на Климент Охридски (em búlgaro). София: Издателство на Българската академия на науките. OCLC 468900997 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Praschniker, Camillo (1920). Zwei mittelalterliche Inschrichten aus Albanien, Anzeiger der phil-hist. Klasse dar Akademie der Wissenschaften in Wien, 56 Jahrg, 1919, № XIII. Wien: [s.n.] pp. 73–76 
  • Бешевлиев, Veselin (1979). Inscrições protobúlgaras. Sófia: [s.n.] p. 139 
  • Beshevliev, Veselin (1981). Monumentos epigráficos protobúlgaros (em búlgaro). Sófia: [s.n.] pp. 87–88 
  • Zlatarski, Vasil N (1923–1924). «Encontrado na Albânia inscrição com o nome de Bóris-Miguel». Slavia (em búlgaro) (II): 61–91 
  • Ivanov, Ĭordan (1931). Antiguidades búlgaros na Macedônia (em búlgaro). Sófia: [s.n.] pp. 12–16