Instant Karma!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
"Instant Karma!"
Single de John Lennon/Yoko Ono com participação de Plastic Ono Band
Lado B "Who Has Seen the Wind?"
Lançamento 6 de fevereiro de 1970
Gravação Janeiro de 1970
Estúdio(s) Abbey Road Studios (Londres)
Gênero(s) Rock
Duração 3:25
Gravadora(s) Apple
Composição John Lennon
Produção Phil Spector
Cronologia de singles de John Lennon
"Cold Turkey"
(1969)
"Mother"
(1970)

"Instant Karma!" ou "Instant Karma! (We All Shine On)" é uma canção de rock do músico britânico John Lennon, sendo lançado como single em 6 de fevereiro de 1970 pela gravadora Apple Records. A música é uma das três músicas solo de Lennon, juntamente com "Imagine" e "Give Peace a Chance", no Rock and Roll Hall of Fame. A canção está entre uma das músicas lançadas de forma mais rápida na história do rock, pois foi gravada (no famoso Abbey Road Studios) no mesmo dia em que foi escrita, sendo lançada apenas dez dias depois. Lennon, certa vez, chegou a dizer que "a escreveu para o café da manhã, a gravou para o almoço e a lançou no jantar". A música foi produzida pelo famoso produtor musical, Phil Spector.

Os músicos que participaram da gravação da música estão John Lennon como vocalista líder, violão e teclado; Billy Preston no piano; Klaus Voorman no baixo e backing vocals; Alan White na bateria; George Harrison na guitarra e vocais de apoio; Yoko Ono nos vocais de apoio; o assistente dos Beatles, Mal Evans, no sinos tubulares e palmas, além do empresário dos Beatles Allen Klein e outras pessoas convidadas para que pudessem fazer um overdub nos vocais de apoio. A produção da canção usou a famosa técnica "Wall of Sound" criada por Spector.

Versões cover[editar | editar código-fonte]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • O título The Shining (em português: O Iluminado) do livro de Stephen King, veio do refrão dessa música de John Lennon, que diz: "We all shine on..." Stephen King disse, no entanto, que o livro se chamaria "The Shine", porém, antes do lançamento, ele alterou o tiútlo ao perceber que "shine" era um termo pejorativo para negros.[1]

Referências

  1. King, Underwood & Miller, pp. 125, 190.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]