Instituto Estadual do Maranhão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão
IEMA
Fundação 14 de julho de 2003 (19 anos)(como UNIVIMA)
2 de janeiro de 2015 (7 anos) (como IEMA)
Tipo de instituição Pública
Mantenedora Bandeira do Maranhão.svg Governo do Estado do Maranhão
Localização São Luís, Maranhão,  Brasil
Reitor(a) Alex Oliveira de Souza
Página oficial www.iema.ma.gov.br

O Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) é uma autarquia estadual maranhense, vinculada à Secretaria de Estado da Educação, que oferece ensino médio, técnico e superior, contemplando também, de forma não dissociada, o ensino, a pesquisa e a extensão, na área tecnológica e no âmbito da pesquisa aplicada.

Sua estrutura física é composta por 30 unidades plenas e 24 unidades vocacionais.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Anteriormente a instituição foi denominada Universidade Virtual do Maranhão (UNIVIMA), que havia sido criada pela Lei Estadual n° 7.934 de 14 de julho de 2003, sancionada pelo governador José Reinaldo Tavares. Estava vocacionada para o ensino virtual em nível técnico, universitário e de educação continuada na modalidade de educação a distância (EAD).[2]

Foi convertido em Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) por força da Medida Provisória nº 184, de 2 de janeiro de 2015, editada pelo governador Flávio Dino.[3]

A mesma MP definiu que todos os bens, os direitos e as obrigações da UNIVIMA passariam ao IEMA; bem como os servidores da UNIVIMA, que foram redistribuídos ao IEMA.[3]

O IEMA foi reorganizado pela Lei nº 10.385,[4] de 21 de dezembro de 2015, com o intuito de ampliar a oferta de educação profissional técnica de nível médio no estado.

Em 2018, tornou-se a primeira escola pública do Maranhão a obter o título de Escola Associada da UNESCO. No mesmo ano, alunos do IEMA conquistaram 1.226 medalhas em olimpíadas nacionais e internacionais de conhecimento. O instituto também oferece programas de intercâmbio internacional aos estudantes, e de fluência em língua inglesa, cursos de formação inicial e continuada para os municípios mais pobres, oficinas de férias de reforço de conteúdos curriculares e incentivo à pesquisa científica.[5][6][7]

Unidades[editar | editar código-fonte]

O IEMA está organizado em Unidades Plenas e Unidades Vocacionais.[8][9]

Plenas[editar | editar código-fonte]

As Unidades Plenas (escolas de ensino médio técnico em tempo integral) em funcionamento são:[8][10][11]

  • Amarante do Maranhão
  • Axixá;
  • Bacabal
  • Bacabeira
  • Balsas
  • Brejo
  • Carutapera
  • Chapadinha
  • Codó
  • Coelho Neto
  • Colinas
  • Coroatá
  • Cururupu
  • Matões
  • Pindaré-Mirim
  • Presidente Dutra
  • Santa Inês
  • Santa Luzia do Paruá
  • São José de Ribamar;
  • São Luís (Bacelar Portela)
  • São Luís (Centro)
  • São Luís (Gonçalves Dias)
  • São Luís (Itaqui-Bacanga)
  • São Luís (Rio Anil)
  • São Luís (Tamancão)
  • São Vicente Férrer
  • Timon
  • Tutoia
  • Vargem Grande
  • Viana (Dom Hamleto de Angelis)

Vocacionais[editar | editar código-fonte]

As Unidades Vocacionais atendem ao público geral, tanto jovens como adultos e ofertam: cursos técnicos profissionalizantes; de Formação Inicial e Continuada (FIC); além de oferecerem oficinas para quem deseja entrar no mercado de trabalho e aprimorar os conhecimentos profissionais. Estão em funcionamento em[9][12][13][14][15]:

  • Açailândia
  • Alcântara
  • Amarante do Maranhão
  • Barra do Corda
  • Bequimão
  • Carolina
  • Caxias
  • Codó
  • Coroatá
  • Governador Edison Lobão (Ribeirãozinho)
  • Imperatriz
  • Loreto
  • Palmeirândia
  • Pedreiras
  • Pindaré-Mirim (Engenho Central)
  • Pinheiro
  • São Bento
  • São Mateus
  • São Luís (Artes Cênicas)
  • São Luís (Escola de Cinema)
  • São Luís (Estaleiro Escola Luiz Phelipe Andres)
  • São Luís (Gastronomia)
  • São Luís (Idiomas)
  • São Luís (Rio Anil)

Unidade Plena Bacelar Portela[editar | editar código-fonte]

Prédio do IEMA Unidade Plena Bacelar Portela

O IEMA Unidade Plena Bacelar Portela é uma instituição escolar de tempo integral, vinculada à Secretaria de Estado da Educação do Maranhão, que oferece o ensino médio integrado à educação profissional. Está localizado na Avenida Jorge Damous, s/n, Vila Ivar Saldanha, na cidade de São Luís, Maranhão.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Fachada, em perspectiva, do prédio IEMA Bacelar Portela
Prédio do IEMA Unidade Plena Bacelar Portela

Em 15 de março de 1980 a instituição foi inaugurada como Centro Interescolar de Segundo Grau Dr. João Bacelar Portela, pelo então governador João Castelo Ribeiro Gonçalves; o seu funcionamento aconteceu somente no ano de 1981, com o Decreto de Criação n. 8.096, de 30 de abril de 1981.Tem como patrono João Bacelar Portela, que foi médico, professor emérito e fundador da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Maranhão e reitor da mesma universidade; membro da Academia Maranhense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. Faleceu em 31 de julho de 1978.[16]

O Centro Interescolar era responsável por atender aos estudantes do ensino de segundo grau da rede pública e privada, por meio da complementação de estudos nas disciplinas profissionalizantes do currículo, isto é, os alunos concluíam apenas a terceira série no referido Centro para a aquisição de diploma com habilitação profissional.[17] A única escola atendida pela instituição foi o Centro de Ensino Coelho Neto, que se localizava nas proximidades. As habilitações profissionais oferecidas eram do tipo básica e permitiam a introdução de conhecimentos básicos de uma área ou ramo de atividade em que poderia ser completada no emprego ou ao se definir a ocupação[18]

As habilitações básicas oferecidas foram: Construção Civil, Crédito e Finanças, Eletricidade, Mecânica e Saúde. Funcionou até o ano de 1983 e foi transformada em Escola Técnica Estadual do Maranhão por meio do Decreto n.10.068-A, de 16 de dezembro de 1985. Os cursos de Edificações, Eletrotécnica, Mecânica e Metalurgia foram oferecidos para atender às necessidades da comunidade escolar e à expansão industrial promovida pelo Projeto Grande Carajás e instalada no Porto do Itaqui.[19]

Em 1996, a Secretaria de Estado da Educação pleiteou, junto ao Conselho Estadual de Educação, a oferta da educação geral para todos os alunos da primeira série e a extinção dos cursos profissionais a partir de 1997, o que foi aprovado pelo Parecer n. 62, de 19 de fevereiro de 1997, e respaldado na recém-aprovada Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. A Escola Técnica Estadual do Maranhão deixou de oferecer os cursos técnicos aos (às) ingressantes a partir de 1997 e concluíram a habilitação plena aqueles que já estavam na 2ª, 3ª e 4ª séries. O encerramento dos cursos ocorreu no ano de 2000.[17]

A partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9.394 a instituição foi denominada de Centro de Ensino Médio Dr. João Bacelar Portela e ministrou apenas o ensino médio até o ano de 2005. Em 2006 a escola implantou o ensino médio integrado à educação profissional com o curso de Eletromecânica, a partir do Decreto n. 5.154, de 23 de julho de 2004, o qual previu a a articulação entre a educação técnica de nível médio e o ensino médio nas formas integrada, concomitante e subsequente. Posteriormente, o curso de Edificações foi implantado em 2010; Mecânica e Eletrotécnica, em 2013, na forma integrada nos turnos diurnos e noturnos (PROEJA), além destes, o ensino médio, sem articulação com a educação profissional também foi ofertado.

De 2016 a 2018, a Secretaria de Estado da Educação iniciou a reforma do prédio e o Centro de Ensino Dr. João Bacelar funcionou no antigo CEMA da Vila Palmeira até a conclusão da reforma.

Em fevereiro de 2018, o prédio foi entregue à comunidade escolar reformado, e, por ter sua história marcada pelo ensino de formação técnica, passou a ser o primeiro Centro Educa Mais integrado à educação profissional no Maranhão.[20]

Em 2020, como parte da expansão da educação profissional técnica de nível médio que vinha ocorrendo desde 2015 com a criação do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, o Centro Educa Mais Bacelar Portela foi transformado em Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Unidade Plena Bacelar Portela. Atualmente a instituição oferece os cursos de Edificações, Eletromecânica, Eletrotécnica, Internet para Informática, Mecânica e Soldagem.

Construção[editar | editar código-fonte]

O prédio que abriga o “IEMA Unidade Plena Bacelar Portela” foi construído na década de 1970, com recursos oriundos do convênio n. 1.067-BR firmado entre o governo federal, o governo do estado do Maranhão e o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD).[21] Surgiu para auxiliar a implantação da reforma educacional aprovada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 5.692, de 11 de agosto de 1971, que transformou os antigos ensinos primário e secundário em ensino de 1º grau e 2º graus.

A construção da escola foi gerenciada pelo “Programa de Melhoria e Expansão do Ensino” (PREMEN), agência responsável por administrar as verbas do convênio n. 1.067-Br nos programas de construção, equipamento da escola e de formação de professores. A extinta empresa “F. Souza” foi a responsável pela construção do prédio.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

O projeto arquitetônico do prédio baseou-se em um sistema de pré-fabricação modular, com instalações físicas padronizadas desenvolvidas pela Companhia Brasileira de Projetos Industriais (COBRAPI), subsidiária da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que forneceu todo o aço necessário para as estruturas de 31 escolas de segundo grau construídas no Norte e Nordeste do Brasil. O sistema modular consistia em conjuntos arquitetônicos funcionais e independentes, ligados por passarelas cobertas, constituídos por treliças com chapas dobradas que formavam módulos ou salas de 7,50 X 7,50 com área de 56,25 m2 para comportar 40 estudantes. As escolas construídas nos moldes dessa arquitetura funcional possuíam tijolos laminados aparentes nas paredes externas, janelas de madeira do tipo veneziana com 1,40 até a estrutura metálica e cobertura em chapas onduladas de cimento amianto[22]

Estrutura física[editar | editar código-fonte]

As instalações físicas do prédio sofreram alterações que acompanharam as mudanças nos projetos educacionais e no aumento do número de matrículas. A primeira reforma ocorreu em 1988 no governo de Epitácio Cafeteira[23] No ano de 1991, durante a gestão do governador João Alberto de Sousa, ocorreu a reforma e ampliação do prédio para se adequar ao projeto de Escola Técnica Estadual do Maranhão.[24] Em 1999, a escola foi reformada na gestão da governadora Roseana Sarney. Em 2015, no governo de Flávio Dino a reforma do prédio foi anunciada para docentes e funcionários do então Centro de Ensino Médio Dr. João Bacelar Portela[25] e iniciou a reforma que teve duração de dois anos. Mesmo com todas as reformas, o prédio manteve sua estrutura metálica e sua organização por blocos; as modificações ocorreram nos espaços internos dos blocos.

O prédio escolar possui a seguinte estrutura física:

Bloco Administrativo

Vista interna do corredor e pátio do IEMA Bacelar Portela
Sala de informática com 12 computadores
  • sala de gestão geral
  • sala de gestão administrativa e almoxarifado
  • sala de gestão pedagógica
  • sala de apoio pedagógico
  • sala de reunião e planejamento de professores
  • sala de descanso de professores
  • 01 banheiro feminino
  • 01 banheiro masculino
  • 01 banheiro para pessoas com necessidades específicas

Bloco de salas de aula 1

  • 9 salas de aula
  • Laboratório de Robótica

Bloco de salas de aula 2

  • Sala de Inglês
  • 10 salas de aula
  • Auditório

Bloco de laboratórios

  • Biblioteca
  • Sala de leitura
  • Laboratório de Biologia
  • Laboratório de Edificações
  • Laboratório de Eletrotécnica I
  • Laboratório de Eletrotécnica II
  • Laboratório de Eletromecânica
  • Laboratório de Física
  • Laboratório de Informática
  • Laboratório de Matemática
  • Laboratório de Mecânica
  • Laboratório de Metrologia
  • Laboratório de Química
  • Depósito

Bloco de Serviços

  • Pátio
  • Refeitório
  • 02 vestiários femininos
  • 02 vestiários masculinos
  • 02 vestiários para pessoas com necessidades específicas
  • Quadra poliesportiva Portela[26]

Diretores e Diretoras gerais[editar | editar código-fonte]

  • Manoel Pereira Fonseca (de 1981 a 1982)
  • Marise Piedade Carvalho (de 1982 a 1983)
  • Mariano Matos Ribeiro (de 1983 a 1987)
  • José Gregório Ribamar dos Reis (de 1987 a 1988)
  • Josali de Cássia Nogueira Ribeiro (de 1988 a 1996)
  • José Roque Silva Ribeiro (de 1996 a 2003)
  • Maria do Socorro Brandão (de 2003 a 2012)
  • José Sóstenes Costa (2013 a 2015)
  • Sisidino Assunção
  • Sérgio Neto Cunha Castro
  • Magda Helena Nogueira Barbosa
  • Manoel dos Santos Costa (de janeiro de 2021 a maio de 2022)
  • Nácia Lopes Noleto Sousa (de maio de 2022 até hoje)

Centro de Educação Científica[editar | editar código-fonte]

Localizado na cidade de Caxias, busca promover a educação científica para os estudantes do ensino fundamental da rede pública e a formação continuada de professores. É uma parceria com o Instituto Santos Dumont-ISD e vinculado à Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Inovação do IEMA.[27][28]

Ensino à Distância (EAD)[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2020, foi lançada a plataforma Maranhão Profissionalizado, com o objetivo de fornecer qualificação profissional em cursos online e gratuitos para o público geral, voltados para a área da Educação e para geração de emprego e renda.[29][30]

IEMA Bilíngue[editar | editar código-fonte]

O IEMA Bilíngue busca permitir a fluência em língua inglesa para estudantes até o final do 3º ano do ensino médio, no qual o aluno recebe um certificado de competência linguística. Há uma unidade em São Luís e outra em implantação em Santa Inês.[31][32]

Reitores[editar | editar código-fonte]

  • Francisco Alberto Gonçalves Filho (1/01/2015 a 27/05/2015);[33]
  • Ubirajara do Pindaré Almeida Sousa (2015 a 2016);
  • Jhonatan Uelson Pereira Sousa de Almada (2016 - 2020);
  • Alex Oliveira de Souza (2021 - presente);[34]

Referências

  1. O IEMA. Instituto Estadual do Maranhão. 2017.
  2. Lei Estadual n° 7.934 de 14 de julho de 2003. Secretaria de Estado de Transparência e Controle – STC
  3. a b «Medida Provisória nº 184, de 2 de janeiro de 2015 - "Dispõe sobre a estrutura orgânica da Administração Pública do Poder Executivo do Estado do Maranhão e dá outras providências" - Realiza a Reforma Administrativa.» 🔗. Diário Oficial do estado do Maranhão - 02/01/2015. JusBrasil. Consultado em 20 de junho de 2016. Art. 10º. Ficam alteradas as denominações das seguintes órgãos, entidades e Secretarias de Estado: VII - Universidade Virtual do Maranhão - UNIVIMA para Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, IEMA 
  4. Lei nº 10.385. Instituto Estadual do Maranhão. 2016.
  5. «Escola Associada da UNESCO – IEMA». www.iema.ma.gov.br. Consultado em 8 de novembro de 2018 
  6. «Com títulos inéditos, alunos do Iema somam mais de 1.200 medalhas em olimpíadas do conhecimento em 2018 | Governo do Estado do Maranhão». www.ma.gov.br. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  7. «IEMA». www.iema.ma.gov.br. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  8. a b «IEMA abre inscrições para mais de 5 mil vagas em turmas de ensino médio profissionalizante». G1. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  9. a b «IEMA lança edital com mais de 2.000 vagas para cursos profissionalizantes – IEMA». Consultado em 15 de junho de 2020 
  10. «IEMA oferece 5.280 vagas para ensino médio profissionalizante». O Imparcial. 6 de janeiro de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  11. «IEMA de Balsas abre seletivo para o ensino médio integral 2022». Diário de Balsas. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  12. «Abertas as inscrições para 1.022 vagas em cursos de Inglês e Espanhol pelo IEMA Idiomas em São Luís». G1. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  13. «Inscrições abertas para quase 4 mil vagas em cursos ofertados pelo IEMA». O Imparcial. 21 de março de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  14. «IEMA Estaleiro Escola receberá o nome do engenheiro Luiz Phelipe Andrès, anuncia governador Flávio Dino - Imirante.com». Imirante. 5 de dezembro de 2021. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  15. «Paola Carosella virá ao Maranhão para inauguração do IEMA Gastronomia». O Imparcial. 24 de setembro de 2021. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  16. «Uma homenagem a Bacelar Portela». O Estado. 5 de julho de 2015. Consultado em 16 de julho de 2022 
  17. a b [1] SOUZA, Nadjelena de Araujo. De Centro Interescolar de Segundo Grau a Escola Técnica Estadual do Maranhão "Dr. João Bacelar Portela": história e memória de uma instituição escolar (1980-1996). 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. doi:10.11606/D.48.2018.tde-06072018-110649. Acesso em: 2022-07-22.
  18. BRASIL.Uma nova opção para o ensino profissionalizante: a habilitação básica. Brasília, 1978
  19. [2] SOUZA, Nadjelena de Araujo. De Centro Interescolar de Segundo Grau a Escola Técnica Estadual do Maranhão "Dr. João Bacelar Portela": história e memória de uma instituição escolar (1980-1996). 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. doi:10.11606/D.48.2018.tde-06072018-110649. Acesso em: 2022-07-22.
  20. «Bacelar Portela será o primeiro Centro Educa Mais integrado à educação profissional». Governo do Maranhão. 10 de janeiro de 2018. Consultado em 16 de julho de 2022 
  21. http://seer.mouralacerda.edu.br/index.php/plures/article/view/489 SOUZA. N. A; BICCAS, M. S. Escolas para o trabalho na década de 1970 a 1990: a materialidade do Centro Interescolar de Segundo Grau Dr. João Bacelar Portela e da Escola Técnica Estadual em São Luís, Maranhão. In. Plures Humanidades. v. 1, n. 1. 2019 .
  22. BRASIL. Sistema modular de construção de escolas em estrutura metálica A-01: concepção e desenvolvimento. Rio de Janeiro, [197-]. p. 33
  23. MARANHÃO. Mensagem apresentada à Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão pelo Governador Epitácio Cafeteira em 1988. São luís: SEPLAN, 1988.
  24. http://seer.mouralacerda.edu.br/index.php/plures/article/view/489 SOUZA. N. A; BICCAS, M. S. Escolas para o trabalho na década de 1970 a 1990: a materialidade do Centro Interescolar de Segundo Grau Dr. João Bacelar Portela e da Escola Técnica Estadual em São Luís, Maranhão. In. Plures Humanidades. v. 1, n. 1. 2019 .
  25. Estado dialoga com professores e anuncia melhorias na escola Bacelar Portela,[ https://www3.secap.ma.gov.br/2015/02/27/estado-dialoga-com-professores-e-anuncia-melhorias-na-escola-bacelar-portela/ Estado dialoga com professores e anuncia melhorias na escola Bacelar Portela]”, Secap MA, 27 de fevereiro de 2015
  26. Governo inaugura quadra poliesportiva do IEMA Bacelar Portela,Governo inaugura quadra poliesportiva do IEMA Bacelar Portela”, SEDUC MA 27 de dezembro de 2020
  27. «EDUCAÇÃO - SEMECT e IEMA apresentam trabalhos em mostra de Robótica». Prefeitura Municipal de Caxias. 8 de julho de 2019. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  28. «Inaugurado em Caxias o primeiro Centro de Educação Científica» 
  29. «Seduc abre edital para mais de 5 mil vagas em cursos de qualificação profissional no Maranhão». G1. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  30. «Governo abre quase 12 mil vagas em cursos gratuitos profissionalizantes». Jornal Pequeno. 24 de junho de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  31. «Começa hoje a pré-matrícula para Iema Integral Bilíngue de São Luís e Santa Inês». Jornal Pequeno. 25 de janeiro de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  32. «Iema Integral Bilíngue abre pré-matrícula nesta terça-feira (25) em São Luís e Santa Inês - Imirante.com». Imirante. 24 de janeiro de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  33. «Professor do IFMA é escolhido para dirigir Instituto Estadual do Maranhão : IFMA». portal.ifma.edu.br. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  34. «Edital é lançado para beneficiar universitários com cartão de transporte». O Imparcial. 19 de março de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022