Instituto Federal de Santa Catarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Instituto Federal Catarinense.


Instituto Federal de Santa Catarina
IFSC
Nomes anteriores Escola de Aprendizes Artífices
Liceu Industrial de Florianópolis
Escola Industrial de Florianópolis
Escola Técnica Federal de Santa Catarina (ETF-SC)
Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina (CEFET-SC)
Fundação 23 de setembro de 1909 (111 anos)
Tipo de instituição Coat of arms of Brazil.svg Pública Federal
Mantenedora Coat of arms of Brazil.svg Ministério da Educação
Localização Brasao florianopolis.gif Florianópolis, Blason of Santa Catarina.svg Santa Catarina (Reitoria)
Funcionários técnico-administrativos 1.153 (2019)[1]
Reitor(a) André Dala Possa (pro tempore)
Docentes 1.623 (2019)[1]
Total de estudantes 44.724 (2019)[1]
Campi
Página oficial ifsc.edu.br

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, também chamado oficialmente apenas de Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), é uma instituição de ensino público em Santa Catarina, vinculado ao Ministério da Educação.

Foi fundado como Escola de Aprendizes Artífices, em Florianópolis, em 1909. Seu objetivo era proporcionar formação profissional a meninos provenientes de classes socioeconômicas menos favorecidas. A primeira sede foi instalada em 1º de setembro de 1910, em um prédio cedido pelo governo do Estado, na Rua Almirante Alvim, no Centro da capital catarinense. Além do ensino primário, a instituição oferecia formação em desenho, tipografia, encadernação e pautação, carpintaria da ribeira, escultura e mecânica (que compreendia ferraria e serralheria).

Ao longo do tempo, passou por várias mudanças de projeto pedagógico e estrutura administrativa, que eram representadas na alteração, também, do nome. Foi Escola de Aprendizes Artífices, Liceu Industrial, Escola Industrial e Escola Técnica Federal de Santa Catarina (ETF-SC). Esta última, a partir de 1968, foi a institucionalidade que durou mais tempo e o nome pelo qual muitos ainda associam o Câmpus Florianópolis do Instituto Federal de Santa Catarina, localizado na avenida Mauro Ramos. No fim dos anos 80, uma segunda unidade da Escola Técnica Federal de Santa Catarina passou a funcionar em São José, instalando-se definitivamente em 1991. Três anos depois, surge a primeira unidade fora da Grande Florianópolis, em Jaraguá do Sul. A maior expansão veio no século XXI, com a transformação em Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina (CEFET-SC) em 2002 e posteriormente, em 2008, em Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), passando de três unidades em 2002 para 22 Câmpus em 2018.

Atualmente, são oferecidos cursos em diferentes níveis e modalidades de ensino como formação inicial e continuada (FIC), educação de jovens e adultos (EJA), ensino médio integrado a cursos técnicos, cursos técnicos concomitantes ou subsequentes, cursos superiores e pós-graduações.[2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A criação[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal de Santa Catarina foi criado com o nome de Escola de Aprendizes Artífices por meio do decreto 7.566, de 23 de setembro de 1909, pelo presidente Nilo Peçanha, com o objetivo de oferecer ensino profissional a jovens carentes.[3] A primeira sede foi instalada em 1 de setembro de 1910 na rua Almirante Alvim, no Centro de Florianópolis, em um prédio cedido pelo governo de Santa Catarina.[4]

Foto antiga, em preto e branco, do prédio que abrigou a primeira sede do IFSC
Imóvel que abrigou a primeira sede, na então rua Almirante Alvim (atual Vitor Konder)

A escola oferecia na época ensino primário, formação em desenho e oficinas de tipografia, encadernação e pautação, além de cursos de carpintaria da ribeira, escultura e mecânica (que compreendia ferraria e serralheria). A instituição visava a atender as demandas da sociedade e do setor produtivo da Florianópolis do início do século XX, que necessitava de soluções em comunicação por meio impresso e em transporte.

Mudanças de sede e de status[editar | editar código-fonte]

Dez anos depois da instalação, a Escola de Aprendizes Artífices transferiu sua sede para um prédio na rua Presidente Coutinho, também no Centro de Florianópolis, onde permaneceu até 1962.

Em 13 de janeiro de 1937, por meio da lei nº 378, a instituição mudou de nome e status, para Liceu Industrial de Florianópolis e, cinco anos mais tarde, com o decreto-lei nº 4.127 de 23 de fevereiro de 1942, transformou-se em Escola Industrial de Florianópolis. Com isso, começou a oferecer cursos industriais básicos com duração de quatro anos aos alunos que vinham do ensino primário e cursos de mestria aos candidatos à profissão de mestre.

Em 1962, a Escola Industrial de Florianópolis transfere sua sede para a Avenida Mauro Ramos, no Centro de Florianópolis, onde hoje é o Câmpus Florianópolis e onde funcionaria a sede da instituição até 2006. O nome e o status mudam novamente em 1965, com a lei nº 4.759, de 20 de agosto, passando a se chamar Escola Industrial Federal de Santa Catarina. Em 1967, a Escola Industrial insere na grade curricular cursos voltados ao público feminino, deixando de ser uma instituição exclusivamente para alunos homens. A partir de 1968, com a portaria ministerial nº 331, de 17 de junho, adotou a denominação Escola Técnica Federal de Santa Catarina (ETF-SC), que foi a que durou mais tempo. Naquela época, começou o processo de extinção gradativa do curso ginasial, por meio da supressão da matrícula de novos alunos na primeira série. O objetivo era especializar a instituição no ensino técnico. Depois da edição da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (lei nº 5.692 de 1971), a LDB e da reforma do ensino de primeiro e segundo graus introduzida por ela, a então Escola Técnica Federal de Santa Catarina passou a funcionar somente com ensino de segundo grau (atual ensino médio).

Criação de novos cursos e unidades[editar | editar código-fonte]

Nas décadas de 1970 e 1980, a Escola Técnica Federal de Santa Catarina implantou diversos cursos, como os de Estradas, Saneamento, Eletrônica, Eletrotécnica, Telecomunicações e Refrigeração e Ar Condicionado. Em 1988, a escola iniciou a oferta desses dois últimos cursos em São José, cidade vizinha a Florianópolis, em um prédio cedido pela prefeitura. Três anos depois, a instituição inaugurou a Unidade São José, hoje Câmpus São José, em instalações próprias. Foi a primeira unidade de ensino do atual Instituto Federal de Santa Catarina fora da capital catarinense.

No início da década de 1990, a Escola Técnica Federal de Santa Catarina passou a oferecer cursos nas áreas de serviços e informática, como Informática, Enfermagem e Segurança do Trabalho. Em 1994, foi implantada a terceira unidade de ensino da instituição, a primeira no interior de Santa Catarina, na cidade de Jaraguá do Sul, na região norte do estado. Os cursos oferecidos eram de Têxtil e Eletromecânica. Um ano depois, passou a ser oferecido o curso de Enfermagem em Joinville, como extensão da Unidade Florianópolis, hoje Câmpus Florianópolis.

CEFET-SC e expansão[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Florianópolis-Continente ainda como Unidade Continente do CEFET-SC

A lei federal de nº 8.948, de 8 de dezembro de 1994, transformava automaticamente todas as Escolas Técnicas Federais em Centros Federais de Educação Tecnológica, condicionando o ato à publicação de decreto presidencial específico para cada novo centro. No caso da Escola Técnica Federal de Santa Catarina, a transformação em Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina foi oficializada em 27 de março de 2002, quando foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) o decreto de criação.

Depois da mudança para Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina, a instituição passou a oferecer cursos superiores de tecnologia e de pós-graduação lato sensu (especialização).

Em 2006, como parte de uma política de criação de novas escolas técnicas em todo o país, o Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina implantou três novas unidades de ensino. Uma delas, a Unidade Continente, atual Câmpus Florianópolis-Continente, foi instalada na parte continental de Florianópolis, através da federalização de uma escola de gastronomia, oferecendo cursos na área de turismo e hospitalidade (incluindo Gastronomia e Hotelaria, em níveis técnico e superior, Panificação e Confeitaria, Guia de Turismo, em nível técnico). As outras duas unidades foram implantadas no interior: em Chapecó, no oeste de Santa Catarina, e Joinville, no norte.

Também em 2006, a instituição passou a oferecer o curso técnico em Pesca, o primeiro em pesca marítima do país, na cidade de Itajaí, no litoral norte catarinense, vinculado à Unidade Continente. A sétima unidade de ensino do Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina começou as atividades em fevereiro de 2008, em Araranguá, na região sul de Santa Catarina.

Instituto Federal[editar | editar código-fonte]

Em março de 2008, uma votação que envolveu professores, servidores técnico-administrativos e estudantes do então Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina aprovou a transformação da instituição em Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. O projeto de lei que definiu a mudança foi aprovado pela Câmara Federal e pelo Senado e sancionado pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva em 29 de dezembro de 2008.[5] As unidades existentes se tornam Câmpus e em 2010, o Instituto Federal de Santa Catarina inaugurou mais nove além dos sete já existentes: Caçador, Urupema, Canoinhas, Criciúma, Gaspar, Lages, São Miguel do Oeste, Geraldo Werninghaus - hoje chamado Jaraguá do Sul - Rau - e Xanxerê. O Câmpus Itajaí, embora não inaugurado oficialmente, começou suas atividades em 2011.

Em 2011, a Reitoria passa a funcionar num prédio próprio ao lado do Câmpus Florianópolis-Continente.

A expansão dos Câmpus e dos cursos continua nos anos seguintes, com a inauguração dos Câmpus em Garopaba, Tubarão, São Lourenço do Oeste e São Carlos, além do Câmpus Palhoça-Bilíngue, que é a primeira unidade de educação profissional e tecnológica voltada para a educação de surdos na América Latina. Atualmente, o Instituto Federal de Santa Catarina conta com 22 câmpus distribuídos por 20 cidades de Santa Catarina.

Diretores/Reitores desde a criação[editar | editar código-fonte]

A partir da transformação da instituição em Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia em 2008, o cargo máximo da instituição passou a ser o de reitor.[5][6]

1910 - José Cândido da Silva
1914 - Heitor Blum
1917 - Álvaro Antunes Ramos (pro tempore)
1918 - João Cândido da Silva Muricy
1929 - Gabriel Alencar de Azambuja
1932 - Jorge Pereira de La Roque
1933 - Cid Rocha Amaral
1956 - Sezefredo Blascke
1961 - Moacir Benvenutti
1963 - Antônio de Freitas Moura
1964 - Frederico Guilherme Büendgens
1986 - Alfeu Hermenegildo
1994 - Soni de Carvalho
1998 - José Tadeu Arante (pro tempore)
1999 - Waléria Kulkamp Haeming (pro tempore)
1999 - Juarez Pontes
2004 - Consuelo Aparecida Sielski Santos (a partir de 2008, reitora pro tempore)
2011 - Jesué Graciliano da Silva (pro tempore)
2011 - Maria Clara Kaschny Schneider
2020 - Lucas Dominguini (pro tempore, nomeado pelo MEC em função do sobrestamento da posse do reitor eleito em 2019, Maurício Gariba Júnior; no entanto, Dominguini não chegou a assumir o cargo)
2020 - André Dala Possa (pro tempore, nomeado pelo MEC em função do sobrestamento da posse do reitor eleito em 2019, Maurício Gariba Júnior)

Estrutura administrativa[editar | editar código-fonte]

Pró-Reitorias[editar | editar código-fonte]

A estrutura administrativa do Instituto Federal de Santa Catarina tem na Reitoria seu órgão central, e o reitor como principal gestor da instituição. O reitor preside o Conselho Superior (Consup), que é o órgão máximo consultivo e deliberativo do Instituto Federal de Santa Catarina, com representações dos servidores (docentes e técnico-administrativos - TAEs), estudantes, diretores de câmpus, egressos, MEC e membros externos).

Subordinadas à Reitoria estão cinco pró-reitorias, além das direções-gerais dos Câmpus.[6]

  • Pró-Reitoria de Administração
  • Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional
  • Pró-Reitoria de Ensino
  • Pró-Reitoria de Extensão e Relações Externas
  • Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação

A Reitoria do Instituto Federal de Santa Catarina está situada em Florianópolis, ao lado do Parque de Coqueiros e do Câmpus Florianópolis-Continente. (MAPA)

Câmpus do Instituto Federal de Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

Câmpus Araranguá[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Araranguá do Instituto Federal de Santa Catarina está localizado no bairro Aeroporto (Avenida 15 de Novembro, 61), próximo ao Centro da cidade. Começou suas atividades em 2008, sendo o primeiro câmpus da instituição no Sul de Santa Catarina. Atua com cursos de qualificação profissional, técnicos, de graduação e de pós-graduação.

Câmpus Caçador[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Caçador do Instituto Federal de Santa Catarina está localizado no bairro Champagnat (Avenida Fahdo Thomé, 3000), próximo ao Centro da cidade. Começou suas atividades em 2011. Atua com cursos de qualificação (FIC), técnicos, de graduação e de pós-graduação.

Câmpus Canoinhas[editar | editar código-fonte]

Localizado no bairro Campo da Água Verde (Avenida Expedicionários, 2.150), o Câmpus Canoinhas do Instituto Federal de Santa Catarina começou suas atividades em 2011. O Câmpus Canoinhas oferta cursos de qualificação, técnicos e superiores em quatro grandes áreas de atuação: Informática e Comunicação; Infraestrutura; Produção Alimentícia; e Recursos Naturais. Também tem cursos de educação a distância, educação de jovens e adultos, de formação inicial e continuada e de pós-graduação.

Câmpus Chapecó[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Chapecó do Instituto Federal de Santa Catarina está localizado no bairro Seminário (Rua Nereu Ramos, 3.450-D). Começou suas atividades em 2006, sendo o primeiro câmpus do Instituto Federal de Santa Catarina no oeste catarinense. Atua com cursos de qualificação (FIC), técnicos e de graduação.

Câmpus Criciúma[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal de Santa Catarina inaugurou seu câmpus em Criciúma em 2010, no bairro Vila Rica. Oferece o ensino médio integrado a cursos técnicos em Edificações, Mecatrônica e Química, e cursos técnicos concomitantes ou subsequentes de Eletrotécnica e Edificações, e os cursos superiores em Licenciatura em Química e Engenharia Mecatrônica e Engenharia Civil - este, iniciado em 2018, é o único público entre Porto Alegre e Florianópolis.

Câmpus Florianópolis[editar | editar código-fonte]

Antiga unidade-sede, é o câmpus mais antigo da instituição, com mais alunos, professores e servidores técnico-administrativos, e o que oferece mais cursos. Desde 1962 está instalado na Avenida Mauro Ramos, no Centro de Florianópolis. O primeiro curso de mestrado profissional da história do Instituto Federal de Santa Catarina é do Câmpus Florianópolis.

Câmpus Florianópolis-Continente[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Florianópolis-Continente está localizado na parte continental da capital catarinense, no bairro Coqueiros (Rua 14 de Julho, 150). Especializado em cursos das áreas de turismo, eventos, hospitalidade e gastronomia, começou suas atividades como câmpus do Instituto Federal de Santa Catarina em 2006. Oferece cursos de qualificação profissional, idiomas, técnicos, graduação, pós-graduação e Educação de Jovens e Adultos (EJA), além de ser polo de oferta de cursos de especialização a distância.

Câmpus Garopaba[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal de Santa Catarina chegou à cidade em 2010, ofertando cursos de qualificação profissional em salas cedidas pela prefeitura. Em 2012 se transfere para um imóvel alugado no bairro Campo D’una, onde iniciou a oferta dos cursos técnicos de Hospedagem, Biotecnologia e Informática. Ainda na sede provisória, promoveu o curso Proeja Certific Operações Básicas de Hospedagem. O câmpus funciona em sua sede própria desde 2014, também no Campo D’una, apesar de só ter sido inaugurado oficialmente em 2015.

Câmpus Gaspar[editar | editar código-fonte]

O câmpus do Instituto Federal de Santa Catarina em Gaspar iniciou a sua implantação em 2008, ano em foi cedido um terreno pela Associação de Moradores do Bairro Bela Vista (Ambevi). Tem cerca de 6,5 mil metros quadrados de área construída em um terreno de 34 mil metros quadrados. Atualmente, o câmpus oferece cursos técnicos em Administração, Informática, Modelagem do Vestuário e Química, cursos de graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Design de Moda e Processos Gerenciais, além de cursos de qualificação profissional (FIC) e de pós-graduação.

Câmpus Itajaí[editar | editar código-fonte]

Fica no bairro Ressacada. O Instituto Federal de Santa Catarina passou a funcionar na cidade em 2010, se mudando para a sede atual em 2015. O prédio tem 6 mil metros quadrados e conta com 10 salas de aula, 14 laboratórios, biblioteca, fábrica, salas administrativas, cantina e auditório.

Câmpus Jaraguá do Sul - Centro[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Jaraguá do Sul - Centro foi a primeira unidade do Instituto Federal de Santa Catarina criada fora da Grande Florianópolis. Está desde 1994 na Avenida Getúlio Vargas, 830, no Centro de Jaraguá do Sul. Todos os anos ingressam centenas de novos estudantes nos diversos cursos oferecidos no câmpus, como os cursos de ensino médio técnico, de nível técnico pós-médio (subsequente), de nível médio profissionalizante para Jovens e Adultos (Proeja), de graduação e de qualificação profissional em diversas áreas.

Câmpus Jaraguá do Sul - Rau[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Jaraguá do Sul-Rau surgiu a partir da federalização do extinto Centro Politécnico Geraldo Werninghaus (Cepeg) e, com isso, Jaraguá do Sul se tornou a primeira cidade catarinense - com exceção da capital Florianópolis - a ter duas unidades do Instituto Federal de Santa Catarina em funcionamento. As atividades nesta unidade localizada na Rua dos Imigrantes, 445, no bairro Rau, começaram em 2010, com 36 estudantes que faziam parte da primeira turma do curso superior de Tecnologia em Fabricação Mecânica. Atualmente, centenas de estudantes ingressam nos diversos cursos oferecidos no câmpus, como os cursos técnicos subsequentes (pra quem já tem ensino médio completo), cursos técnicos concomitantes (pra quem está cursando o ensino médio em outra escola e quer fazer a parte profissionalizante no Instituto Federal de Santa Catarina), cursos de graduação e cursos de qualificação profissional em diversas áreas.

Câmpus Joinville[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Joinville está localizado no bairro Costa e Silva (Rua Pavão, 1.377) e tem origem no curso técnico em Enfermagem que funcionava desde 1995 na cidade, como extensão da então Escola Técnica Federal de Santa Catarina (ETF-SC). Todos os anos ingressam centenas de novos estudantes nos diversos cursos oferecidos, como os cursos técnicos (integrados, concomitantes e subsequentes), de graduação e de qualificação profissional em diversas áreas. Também tem cursos de educação a distância.

Câmpus Lages[editar | editar código-fonte]

Primeiro câmpus do Instituto Federal de Santa Catarina na Serra Catarinense. Começou as atividades em 2011. Atua com cursos de qualificação profissional, técnicos e de graduação.

Câmpus Palhoça Bilíngue[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Palhoça Bilíngue está localizado no bairro Pedra Branca (Rua João Bernardino da Rosa, s/n). É a primeira unidade da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica do País na modalidade bilíngue ([Língua brasileira de sinais|Libras] | Português), ofertando cursos de especialização, graduação, educação de jovens e adultos, ensino médio técnico e qualificação profissional. Seu projeto político pedagógico traz ao cenário brasileiro uma política de ensino, pesquisa e extensão que busca viabilizar uma efetiva interação entre surdos e ouvintes no campo educacional e profissional. A prática das aulas leva em conta as especificidades dos alunos, por isso são oferecidas turmas somente de surdos (com aulas dadas em Libras por um professor bilíngue, ou seja, que tem domínio da língua de sinais), turmas mistas, com surdos e ouvintes (nesse caso as aulas são dadas em português com a presença de um intérprete de Libras) e turmas só de ouvintes (com aulas dadas em português).

Câmpus São Carlos[editar | editar código-fonte]

O Câmpus São Carlos está localizado no bairro Jardim Alvorada (Rua Aloísio Stoffel, 1.271). Atua com cursos de qualificação profissional, técnicos e de graduação.

Câmpus São José[editar | editar código-fonte]

Câmpus São José do IFSC

Está localizado no bairro Praia Comprida, próximo ao Hospital Regional de São José. O segundo câmpus mais antigo do Instituto Federal de Santa Catarina foi inaugurado oficialmente em 1991, mas desde 1988 já eram oferecidos o ensino médio integrado a cursos técnicos em Telecomunicações e Refrigeração e Ar Condicionado, e cursos técnicos concomitantes ou subsequentes de Telecomunicações e Refrigeração e Ar Condicionado. Além dos cursos técnicos, o Instituto Federal de Santa Catarina em São José também oferece dois cursos superiores: Engenharia de Telecomunicações e Licenciatura de Química.(MAPA)

Câmpus São Lourenço do Oeste[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Avançado São Lourenço do Oeste está localizado no Bairro Progresso (Rua Aderbal Ramos da Silva, 486). Atua com cursos de qualificação (FIC) e técnicos.

Câmpus São Miguel do Oeste[editar | editar código-fonte]

É o câmpus mais distante da sede do Instituto Federal de Santa Catarina (615 km). Fica no bairro São Luiz e começou as atividades em 2011.

Câmpus Tubarão[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Tubarão está localizado no bairro Dehon (Rua Deputado Olices Pedra de Caldas, 480). O câmpus atua com cursos de qualificação (FIC), técnicos e de graduação.

Câmpus Urupema[editar | editar código-fonte]

Urupema é o menor município a receber um câmpus do Instituto Federal de Santa Catarina, com 2.465 habitantes[7]. O câmpus localiza-se na Região Serrana de Santa Catarina, em Urupema, que por sua vez tem como limites os municípios de São Joaquim, Painel, Rio Rufino e Urubici. A implantação deste câmpus foi de suma importância para a cidade e microrregião pois assim o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, investindo no ensino nas áreas de: Viticultura e Enologia[8], Alimentos[9], Agricultura[10][11], Administração[12], Hospitalidade e Lazer, entre outros[13] oportuniza qualificação técnica profissional para aprimorar conhecimentos através das novas tecnologias, habilitando à efetiva aplicação dos saberes, para a formação de um cidadão consciente do seu papel como sujeito importante no processo do seu crescimento pessoal, do crescimento da cidade e consequentemente do País como um todo[4].

Câmpus Xanxerê[editar | editar código-fonte]

O Câmpus Xanxerê está localizado no bairro Veneza (Rua Euclides Hack, 1.603). Atua com cursos de qualificação (FIC), técnicos e de graduação.

Polos de apoio presenciais[editar | editar código-fonte]

Além dos Câmpus distribuídos em 20 cidades de Santa Catarina, o Instituto Federal de Santa Catarina também oferta cursos por meio da educação a distância em diversos polos no Estado.

Ensino[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal de Santa Catarina oferece cursos em diversas modalidades: Cursos de Qualificação - Formação Inicial Continuada (FIC); Educação a Distância - EAD; Educação de Jovens e Adultos; Ensino Médio integrado a Cursos Técnicos, Cursos Técnicos Concomitantes e Subsequentes; Cursos Superiores de Tecnologia, Licenciatura e Bacharelado; e Cursos de Pós-Graduação lato sensu (especialização) e stricto sensu (mestrado profissional).[2]

Ensino técnico[editar | editar código-fonte]

O ensino técnico pode ser integrado, concomitante ou subsequente ao ensino médio. O ingresso ocorre por meio sorteio público para candidatos que estão cursando o segundo ou terceiro ano do ensino médio (para o técnico concomitante) ou que já concluíram o ensino médio (para o técnico subsequente). Já o técnico integrado é para alunos que concluíram o ensino fundamental. Para este, o ingresso pode ser por sorteio público ou por exame de classificação.

Cursos técnicos integrados (Ensino médio técnico)[editar | editar código-fonte]

Trata-se do ensino médio integrado ao ensino técnico - o aluno selecionado irá fazer o ensino médio e um curso técnico no Instituto Federal de Santa Catarina, ao mesmo tempo. Na maioria dos cursos, o ingresso ocorre por meio de exame de classificação, mas para alguns a seleção é por meio de sorteio público.

Cursos técnicos concomitantes[editar | editar código-fonte]

No curso técnico concomitante, o aluno faz o ensino médio em outra escola e recebe a formação técnica no Instituto Federal de Santa Catarina.

Cursos técnicos subsequentes[editar | editar código-fonte]

Os cursos técnicos subsequentes são cursos técnicos voltados a quem já concluiu o Ensino Médio.

Ensino superior[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal de Santa Catarina oferta ensino superior por meio de cursos superiores de tecnologia, bacharelados e licenciaturas. O ingresso ocorre pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que utiliza a nota do Exame Nacional do Ensino Médio.

Pós-graduação[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal de Santa Catarina oferece cursos de pós-graduação lato sensu (especialização) e stricto sensu (mestrado), presenciais e a distância. São cursos voltados a quem já concluiu o Ensino Superior e deseja continuar seus estudos, expandindo seu conhecimento e qualificando-se ainda mais para o mercado de trabalho.

Dados[editar | editar código-fonte]

Dados oficiais da Plataforma Nilo Peçanha[14].

  • 44.724 matrículas (2019)
  • 1.623 docentes (2019)
  • 1.153 servidores técnico-administrativos (2019).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]